Laços de Sangue escrita por Mel Dobrev


Capítulo 30
Eu sempre vou me preocupar com você.


Notas iniciais do capítulo

Boa noite lindezas. :)
Sei que me comprometi a postar sempre nas segundas e quintas, porém meu dia - a - dia está muito corrido e o pouco tempo que me sobra eu sempre estou escrevendo a história. Prometo que irei postar sempre dois capítulos por semana, mas o dia eu não garanto. :) Então até domingo ainda vou postar outro. Ok?
Ótima leitura.



 

Elena e Caroline acordaram no dia seguinte bem cedo, antes mesmo do sol nascer. Na verdade elas mal tinham dormido, pois Caroline estava tão eufórica com a viagem que não deixou Elena pegar no sono direito, contando sobre seus planos para aquela semana que iria ficar com seu namorado em Miami. Após as garotas tomarem café, Elena combinou de deixar Caroline no aeroporto, aonde Tyler já estava esperando pela sua namorada juntamente com Stefan que foi para levar o carro de Tyler. No aeroporto o quarteto conversou um pouco e os auto falantes avisaram que estavam na hora do voo com destino a Miami embarcar, Tyler se despediu brevemente de Elena e de Stefan e deixou seu carro aos cuidados de seu amigo por essa semana, por enquanto que ele estaria viajando. Caroline também se despediu num abraço demorado de Elena e de Stefan e cochichou no seu ouvido relembrando o acordo deles. Stefan sorriu e assentiu positivamente com a cabeça, ele tinha feito uma promessa para Caroline e queria fazer de tudo para não quebra - lá. Caroline estava muito feliz e realizada de estar indo viajar com seu namorado, porém no fundo estava preocupada com Stefan e Elena, será que eles se reaproximarem justo agora era o melhor? Será que Stefan poderia ter uma recaída? E Elena, será que ela aguentaria saber o que de fato Stefan estava fazendo? Caroline tentou focar em sua tão esperada viagem e pediu a Deus que tudo ocorresse bem durante a sua ausência. Após o embarque de Caroline e Tyler se instalou um silêncio enorme entre Stefan e Elena e eles apenas caminharam lado a lado até o estacionamento.

— Bom então eu acho que agora é nossa vez de se despedir né? – Elena perguntou um pouco sem jeito a Stefan.

— Também acho. – Stefan respondeu permanecendo imóvel com as duas mãos no bolso. Elena abriu a porta do seu carro e ia entrando, enquanto Stefan permanecia no mesmo lugar a olhando. Elena sabia que não poderia ficar todo esse tempo sem ver ou falar com ele, ele já estava sem Caroline e Tyler que por hora eram os amigos mais próximos dele, ela não poderia deixar ele assim, mesmo sabendo que ele queria um espaço entre ambos. Elena se virou bruscamente para Stefan e perguntou:

— Você vai fazer o que amanhã?

— Na parte da manhã vou na concessionária verificar se o carro que eu quero já está disponível. Por que? – Stefan perguntou curioso.

— Eu não vou fazer nada, sei lá pensei que poderíamos ir no shopping, pegar um cinema. – Elena ficou observando a expressão de surpresa no rosto de Stefan.

— Elena eu não sei se é uma boa ideia. – Stefan falou um pouco tímido.

— Stefan como amigos. Vai, por favor? Eu não vou fazer nada e você também não, podemos sair como dois amigos certo? – Elena ficou esperando a resposta daquele cara. Ela podia sentir seu coração pulsar num ritmo frenético.

— Contanto que você não escolha o filme que iremos assistir está tudo bem. – Stefan disse tentando esconder que no fundo estava feliz por ter um “encontro” com a garota que fora sua namorada.

— Nem vem, os filmes que eu escolho sempre são ótimos. – Elena disse exibindo um sorriso de que tinha conquistado o que tanto queria.

— Te pego que horas? – Stefan perguntou.

— Na verdade eu posso te pegar no hotel que você vai ficar. – Elena percebeu que Stefan não ficou muito confortável com aquilo, então ela logo solucionou. – Ou então podemos nos encontrar no shopping mesmo, o que acha?

— Acho melhor. As 14 horas pode ser? – Stefan perguntou.

— Está ótimo. Até amanhã. – Elena não conseguia parar de transparecer o sorriso que esculpia seus lábios.

— Até Elena. – Stefan disse observando Elena entrar no carro e dar partida. Stefan estava feliz, parte dele queria muito estar com a garota que ele amava, porém ele ainda sentia medo. E se ela sentisse alguma coisa pelo seu irmão? E se ela só estivesse com pena dele? E se ela quebrasse novamente seu coração? Stefan dirigia em meio a tantos questionamentos, tantas inseguranças, ele sabia que o dia seguinte seria extremamente mágico porque ele teria ela novamente ao seu lado, mas também sabia que seria um dos mais difíceis, pois ficar perto dela e não sentir nenhuma dor era difícil demais.

(...)

No dia seguinte Elena estava bem animada e Lily mais ainda. Enquanto Elena se arrumava sua futura sogra lhe dava dicas do que vestir e como se comportar diante de Stefan.

— Sério Elena, escolhe um filme bem assustador. – Lily aconselhava.

— Não. Eu tenho medo dessas coisas.

— Por isso mesmo. Assim no momento em que sentir medo você pega na mão dele e assim já vai rolar um clima. – Lily falava toda empolgada.

— Mas você pensa em tudo hein. – Elena dava risada, na ausência de suas amigas ela não poderia estar em companhia melhor. – Mas Lily eu quero ir com calma, quero ganhar a confiança dele novamente.

— Eu te entendo. Não se preocupe, apenas seja você. Porque é exatamente assim que meu filho te ama. – Lily falava.

— Eu espero que ele me ame ainda. – Elena suspirava.

— Não tem como esquecer um amor assim tão rápido minha querida, ainda mais o amor que ele sente por você. – Lily afirmou finalizando uma linda trança nos cabelos de Elena.

Elena terminou de se arrumar e foi de encontro a Stefan. Elena chegou alguns minutos mais cedo do que o combinado e ficou esperando, ela estava tão nervosa, era como se ela estivesse indo no primeiro encontro com ele. Se passaram mais alguns minutos e nada de Stefan, Elena pensou em ligar no celular dele, porém respirou fundo e decidiu esperar mais um pouco. Elena já estava esperando Stefan algum tempo, ela pensou que ele poderia ter desistido, ou pior, poderia estar realmente fazendo uso de drogas e está desacordado em algum lugar. Elena começou a se desesperar com esses pensamentos quando foi surpreendida por Stefan.

— Oie, demorei muito? – Stefan apareceu, e aos olhos de Elena não tinha como ele estar mais lindo. Ele estava tão bem com uma camisa de malha preta cuja as mangas estavam levantadas até a altura do cotovelo, calça jeans escura, um tênis branco e claro o cabelo impecável como o de costume.

— Um pouco. – Elena se limitou a responder.

— Me desculpe, é que achei mais viável eu ir comprando os ingressos pro filme, antes que você resolvesse escolher um péssimo. – Stefan disse mostrando os ingressos para Elena.

— Nossa, você é tão chato. – Elena deu um tapinha no ombro de Stefan e deixou escapar uma risada.

— E prepare – se que esse filme tem muito sangue. – Stefan advertiu.

— Odeio filme de guerra. – Elena revirou os olhos e foi seguindo Stefan pelos corredores do shopping.

— Te garanto que vai ser legal. Melhor que os filmes que você escolhe. – Stefan falava.

— Se me lembro bem você gostou do último filme. – Elena alfinetava relembrando a última vez que eles foram ao cinema.

— Eu não disse que gostei do filme. – Stefan parecia se lembrar perfeitamente daquele dia.

— Mas também não reclamou. – Elena devolveu.

— Na verdade nem prestei atenção direito. – Stefan fitou os olhos de Elena e percebeu que ela se lembrou que na última vez que eles foram ao cinema a maior parte do filme eles ficaram trocando beijos e caricias. Elena sentiu suas bochechas corarem e naquele momento ela se sentiu exatamente no primeiro encontro com Stefan.

— Temos algumas horas antes do filme começar, você quer comer alguma coisa, ou ir brincar em algum brinquedo? – Stefan perguntou tentando desfazer o clima que havia se instalado.

— Vamos nos brinquedos? – Elena perguntou com um certo entusiasmo. Stefan concordou e ambos foram em direção a bilheteria.

Elena e Stefan primeiro brincaram no barco viking, Elena morria de medo de altura e gritava a cada movimento que o barco fazia, Stefan estava se segurando para não dar risada mais era inevitável, ele nunca tinha visto ela daquele jeito, tão espontânea. Em seguida eles andaram numa mini montanha russa e Elena gritou ainda mais. Depois foram em um brinquedo mais light: O carrinho bate – bate e por fim Stefan convenceu Elena a ir na roda gigante. Elena estava tentando focar em qualquer ponto pra não olhar para baixo, pois ela sabia que se olhasse ficaria com bastante medo. A roda gigante estava poucas paradas de chegar ao topo e Stefan observava Elena olhar tudo ao redor deles.

— Tá nervosa? – Stefan perguntou.

— Na verdade eu estou com medo. – Elena disse sem tirar os olhos dos brinquedos em volta.

— Não precisa ficar com medo, é só um brinquedo. – Stefan tentou acalma – lá.

— Eu sei, mas desde o acidente dos meus pais eu tenho medo de altura, e essa é a primeira vez que ando numa roda gigante depois do que ocorreu. – Elena explicava agora olhando para Stefan. Stefan tinha se esquecido completamente que ela havia desenvolvido o trauma/medo de altura por causa do que ocorreu com seus pais. Stefan odiava ver ela daquele jeito, vulnerável, frágil.

— Eu estou aqui, e não vou deixar nada de acontecer. – Stefan pegou em uma das mãos de Elena e entrelaçou com a sua. Aquele toque era tão bom, era tão macio. Elena apenas ficou olhando para Stefan, ela queria falar algo, ela queria fazer algo, mas não queria estragar aquele momento. Pela primeira vez depois de tudo o que ela havia lhe confessado ele estava olhando para ela do mesmo modo que antes, do mesmo jeito de quando eram namorados.

A roda gigante deu um tranco chegando no topo e Elena se assustou. Stefan chegou mais perto da garota e sussurrou em seu ouvido: - Olhe para baixo, não tenha medo.

Elena acatou e ficou observando a imensidão de pessoas abaixo deles, por incrível que parecesse ela não estava mais com medo, com ele ela definitivamente se sentia protegida. Elena sentia a respiração de Stefan no seu pescoço, se ela se movesse alguns centímetros poderia facilmente encostar sua boca na dele. Stefan sentia seu coração pulsar aceleradamente, sentia o cheiro doce do perfume de Elena lhe invadir completamente. Elena se virou lentamente para Stefan e apertou forte sua mão.

— Obrigada por ainda se preocupar comigo. – Elena falou suavemente.

— Não importa o que fomos ou somos, eu sempre vou me preocupar com você. – Stefan apertou mais ainda a mão de Elena.

A roda gigante foi descendo lentamente e o casal permaneceu na mesma posição apenas se olhando, alternando os olhares para os olhos e bocas de ambos. Quando a roda gigante parou Stefan ajudou Elena a sair e seguiram para a sala de cinema em silêncio. Hora outra ambos se olhavam, porém nada falavam. No cinema Elena se acomodou em uma das poltronas enquanto Stefan foi comprar pipoca e refrigerante. Durante o filme tudo ocorreu normalmente, Stefan vidrado no filme e Elena por mais que estivesse disposta a não dar o braço a torcer estava adorando toda a história do filme. Depois que o filme acabou Stefan não se conteve e começou a se gabar que escolhia filmes melhores que Elena, Elena se fez de ofendida, mas no fundo estava adorando todo aquele passeio com Stefan. Eles foram discutindo até o estacionamento sobre quem tinham mais péssimo gosto para os filmes.

— Elena eu sei que você adorou o filme, pode admitir. – Stefan retrucou abrindo a porta do carro de Elena.

— Olha eu gostei mesmo, mas eu poderia muito bem ter escolhido ele. – Elena tentou se sobressair.

— Sei. Você vai para casa da Caroline? – Stefan questionou Elena.

— Stefan eu não sei o que iremos ser, mas mesmo assim eu não quero que haja mais segredos entre nós, entende? – Elena percebeu a expressão de Stefan mudar completamente. Stefan apenas balançou a cabeça compreendendo. – Então é por isso que, por mais que você não aprove minha decisão, eu não quero mentir para você. Eu estou na sua casa. – Elena continuou.

— Na minha casa? – Stefan estava muito surpreso.

— Sim. Eu iria ficar na casa da Caroline, mas com ela viajando essa semana sua mãe insistiu para que eu fizesse companhia para ela e eu não tive como dizer não. – Elena continuou se explicando.

— Meu pai deve ter ido para alguma viagem, ele sempre faz isso. – Stefan comentou.

— Exato! Então pelo menos essa semana eu vou ficar por lá.

— Entendi. E como ela está? – Stefan perguntou por sua mãe, por mais que ela tivesse mentido todo esse tempo sobre ele e Damon ele a amava, ele não poderia odiar a mulher que sempre fez de tudo por ele.

— Ela está com saudades de você e preocupada.

— Ela não precisa se preocupar comigo, já posso me virar sozinho.

— Ela sabe disso, mas ela é mãe e mães são assim. – Elena pontuou.

— Elena, obrigado pela companhia de hoje. – Stefan disse lutando contra si para não beijar Elena.

— Obrigada você. Espero que possamos fazer isso mais vezes. – Elena não parava de olhar para os lábios de Stefan.

— Eu preciso ir. – Stefan disse se distanciando para abrir a porta de seu carro. Elena também fez o mesmo e ambos foram para seus destinos. Stefan tomou um banho, se acomodou na cama do hotel que estava hospedado e só ficava pensando em Elena. Pensando o quanto ela estava linda naquela tarde, o quanto ela ainda era dona de seu coração, o quanto ele queria provar novamente os lábios dela.

Elena chegou na mansão dos Salvatores e contou sobre todo o encontro para Lily que vibrava com cada acontecimento. Elena nessa noite não conseguiu dormir, ela ficou ocupada demais olhando e descobrindo cada parte oculta do quarto de Stefan, e além do mais aquela cama se tornava muito grande apenas para ela, ela estava acostumada a dividi – lá com ele, ela sentia tanta falta disso.

No dia seguinte Elena passou o dia todo com Lily, arrumando o jardim da mansão e dando algumas ideias de decoração para a Sra. Salvatore. Elena pensou em ligar para Stefan, mas decidiu que era melhor deixar ele um pouco na dele, no espaço dele. Ela queria voltar com ele, porém não queria forçar nada, queria que fosse no momento dele, afinal ela se comprometeu em esperar o tempo que fosse preciso por ele.

Na segunda – feira Elena não tinha muito planos, ela iria fazer alguns trabalhos extracurriculares online e depois iria ajudar Lily a preparar o cardápio da noite de ano novo que seria no dia seguinte e Lily já estava acertando tudo somente para ela e Elena, pois Giuseppe só voltaria de viagem na outra semana, Damon não atendia as ligações de Lily e ela não se atreveu a pedir que Elena ligasse para ele, Stefan ela não convidou porque Elena disse que ele queria espaço, um tempo para colocar a cabeça no lugar, e ela sabia que pressiona – ló só iria fazer com que a raiva dele aflorasse mais. Então ela já havia decidido que naquele ano seria somente ela e Elena dando boas-vindas a 2020.

Elena estava distraída vendo algumas receitas quando o seu telefone tocou, era Stefan. Ela mostrou o celular para Lily que incentivou ela atender.

“Alô.”

“Oie Elena, pode falar?”

“Claro que sim, está tudo bem?”

“Está tudo bem. O que você vai fazer hoje à noite?”

“Eu não vou fazer nada Stefan, por que?”

“Tem um restaurante temático que inaugurou semana passada, estava pensando em ir. Quer ir comigo?”

“Claro que quero.”

“Que bom, então podemos nos encontrar na praça central ás 19h?”

“Não seria mais fácil você vim me buscar?”

“Elena é melhor eu não ir ai, por enquanto.”

“Entendo, então te encontro as 19h.”

“Até mais tarde.”

“Até Stefan.” Elena encerrou a chamada.

— E ai ele te chamou para sair? – Lily perguntou bastante curiosa.

— Sim, ele quer me levar num restaurante que acabou de inaugurar.

— Eu não falei, vocês vão acabar voltando rapidinho. – Lily comemorava.

— Será? Acho que ele me quer como amiga agora, tipo a Lexi. – Elena temia que sua relação se tornasse igual a de Stefan com Lexi, na verdade ela temia que ele estivesse deixando de gostar dela.

— Elena o jeito que ele olhava para a Lexi é incomparável com o jeito que ele te olha. Confia em mim, eu sei do que eu estou falando. – Lily afirmou.

(...)

Elena estava esperando Stefan dentro do seu carro quando avistou ele se aproximando piscando os faróis de seu carro novo. Elena seguiu Stefan até o novo restaurante e ambos ficaram impressionados com o local. Era um restaurante temático com uma decoração futurista, o restaurante era integrando com um pequeno barzinho e um espaço aonde havia karaokê. Stefan e Elena fizeram os pedidos e começaram a conversar sobre o que ambos fizeram no dia anterior e na manhã daquele mesmo dia. As refeições chegaram e o casal se deliciou com os incríveis pratos que para eles eram novidades, entre uma garfada e outra eles continuavam o papo. Stefan contava sobre o seu carro novo e Elena contava sobre a reação de sua tia Jo e sua amiga Hayley quando ela contou que não iria passar as festas de fim de ano com elas. Eles conversavam como velhos amigos, como se ainda estivessem namorando. Depois que terminaram de comer o karaokê havia sido liberado e Elena estava muito afim de cantar. Ela adorava cantar, no chuveiro claro, mas nunca havia cantado num karaokê. Ela aproveitou que o restaurante estava um pouco vazio por conta do final do ano e tomou coragem e subiu para cantar. Ela escolheu uma música que traduzia bem o que ela estava querendo falar para Stefan naquele momento, mas com simples palavras ela não conseguia dizer. Na música continha uns trechos como : “Pode sempre contar comigo, para te ajudar com o que você quer fazer, quero ser a melhor que já conheceu.” / “Eu serei o seu farol quando você está perdido no mar, manterei minha luz amor, você sempre pode me achar. Eu quero ser o lugar que você chama de casa.”

Stefan estava hipnotizado vendo e ouvindo Elena cantar, ele jamais imaginaria que a voz dela seria uma melodia doce e envolvente para seus ouvidos. A forma como ela se movia conforme o ritmo da música, a forma como ela olhava para ele, tudo estava encantando ele cada vez mais. Stefan ouvia atentamente cada palavra da letra da música e não tinha dúvidas de que aquela garota estava tentando lhe passar um recado. Stefan estava tão entregue aquele momento, que parecia ter se esquecido de tudo o tinha descoberto nas últimas semanas, ele não podia negar, ele era dela, completamente dela.

Elena terminou a música e as poucas pessoas que estavam no restaurante a aplaudiram, Stefan claro se levantou para aplaudir a amada.

— Não sabia que você cantava tão bem assim. – Stefan confessou não escondendo o sorriso nos seus lábios.

— Para, eu não canto nada, digamos que isso são horas de teste drive no chuveiro. – Elena disse também deixando escapar um lindo sorriso.

— Você quer dançar? – Stefan perguntou a Elena.

— Mas não tem ninguém dançando. – Elena observou ao redor.

— E daí? – Stefan se levantou e pegou na mão de Elena e a conduziu para mais perto do karaokê aonde estava somente tocando uma seleção de músicas. Stefan colocou sua mão na cintura de Elena a trazendo para junto de seu corpo e entrelaçou sua outra mão com a mão da garota. Eles começaram a dançar num ritmo lento, Elena não conseguia tirar os olhos de Stefan, aquele olhar, olhos misteriosos que tanto lhe chamavam a atenção, aquela boca, boca que ela adorava explorar.

— Eu já disse que você está linda hoje? – Stefan falou aproximando um pouco mais seu rosto de Elena.

— E eu já lhe disse que você é o homem mais incrível que eu conheço? – Elena retribui o elogio fazendo com que Stefan esbouçasse um sorriso de lado. Elena com uma de suas mãos tocou a face de Stefan, aquele simples gesto fez com que o rapaz se arrepiasse. Elena desgrudou sua outra mão de Stefan e a levou até o rosto do cara, Stefan repousou sua mão na cintura de Elena e não tirava os olhos dela, ele queria se concentrar apenas nos olhos da garota, mas a boca dela estava lhe chamando toda atenção. Elena aproximou ainda mais seu rosto com o de seu amado e colou a ponta de seu nariz com a dele.

— Elena. – Stefan falou num sussurro.

— Eu sei, eu sei. – Elena sabia que ele não deixaria acontecer o beijo, sabia que se ela avançasse o sinal poderia estragar aquele momento.

— Eu quero, mais ainda não posso. – Stefan dizia, era como se Elena fosse sua droga e ele estivesse tentando evitar, era difícil, insuportável.

— Prometi que vou te esperar, e vou. Eu te amo. – Elena se declarou acariciando o rosto de Stefan e parte de seus cabelos enquanto mantinha seus olhos fechados, Elena estava totalmente entregue aquele momento.

— Meu Deus Elena, você é tão linda. – Stefan ao mesmo tempo que confessava seus sentimentos apertava mais a cintura de Elena contra si.

— Stefan se você não quer que aconteça nada entre nós agora é melhor nós se sentarmos, porque eu estou me segurando para não te beijar. – Elena já não estava aguentando mais aquilo, as mãos firmes dele a tocando, ela queria aquelas mãos em todo seu corpo, como antes.

— Eu não disse que não quero, apenas preciso de mais tempo. – Stefan pediu.

— Eu te entendo. – Elena acariciou uma última vez o rosto de Stefan e se desencaixou dele voltando para a mesa, Stefan ficou alguns segundos parado vendo Elena seguir em frente, ele não queria ter acabado com aquele momento, mas ele não estava pronto para se entregar novamente para ela, logo em seguida ele também seguiu para a mesa.

O casal logo tratou de pedir a sobremesa e não demorou muito para que eles terminassem tudo e deixassem o restaurante. Eles já estavam próximos aos carros e entre eles havia um silêncio perturbador. Elena estava desaminada, ela tinha sentido por um instante que naquela noite eles poderiam voltar a ser o que eram antes, mas Stefan jogou um balde de água fria em suas expectativas, nesse exato momento ela só queria ir para o quarto dele aonde estava hospedada e dormir vestindo uma camisa sua, porque era assim que ela estava fazendo para matar as saudades de Stefan: Toda noite dormia com uma camiseta dele, isso fazia ela se sentir próxima dele, sentir o cheiro dele.

— Obrigado por ter aceitado meu convite hoje. – Stefan pronunciou resgatando Elena de seus pensamentos. Elena o olhou e deu um breve sorriso e foi abrindo a porta de seu carro.

— Elena. – Stefan chamou. Elena se virou para ele e ficou encarando aqueles olhos que mexiam demais com ela.

— Hoje foi como se eu estivesse voltado no tempo, éramos apenas eu e você, como antes. Foi muito bom sentir isso novamente. – Stefan falou sincero. Por mais que ele quisesse se afastar de Elena ou não sentir mais nada por ela, ele não conseguia, na verdade ele achava que sempre sentiria algo por Elena, não importava o quanto eles ficassem distantes, mas somente estar na presença dela já lhe despertava todos os sentimentos que ele havia trancado.

— Para mim sempre foi e sempre será você e eu. – Elena se abriu mais uma vez. Stefan abaixou a cabeça e respirou fundo, realmente ele queria poder voltar ao tempo.

— Stefan tenha uma ótima noite. – Elena disse entrando em seu carro percebendo que Stefan não cederia o desejo de ficar com ela novamente. Stefan acenou com a cabeça para Elena e esperou até que o carro desaparecesse de seus olhos.

Elena retornou para a mansão dos Salvatores e encontrou Lily já a esperando para saber como tinha sido a noite com seu filho. Elena lhe contou tudo e Lily pediu para ela insistir, porque estava evidente que ele ainda a amava, e que se Elena pressionasse ele acabaria cedendo. Elena estava tão desiludida, tão cansada de pedir desculpas e não ser ouvida, tão cansada de ser crucificada por um erro que ela já havia admitido que se arrependia.

(...)

No dia seguinte Elena e Lily ficaram o dia todo arrumando algumas coisas para a chegada do ano novo, seriam somente elas duas, mas Lily queria fazer daquilo uma festa. A noite foi chegando e Elena já foi adiantando suas ligações: Ligou para sua tia que deixou bem explicito o quanto estava com saudades de Elena, ligou para sua amiga Hayley que contou sobre os preparativos para ir encontrar ela em NY e avisou que em menos de um mês chegaria, ligou para Bonnie que estava com sua avó em alguma parte do Canadá, ligou para Caroline e Tyler que tinham ótimas fotos para compartilhar de todos os passeios que estavam fazendo por Miami e ligou para Lucas também, apesar de não serem muito próximos, ele era namorado de sua melhor amiga. Elena chegou a discar o número do telefone de Stefan, mas pensou em tanta coisa, pensou que as vezes ele queria ficar sozinho por um dia, pensou que ele de fato queria esquece – lá, então resolveu deixar para mandar uma mensagem perto da meia noite.

Elena e Lily aproveitaram a noite de todas as formas possíveis: Degustaram o imenso banquete que ambas tinham preparado, dançaram, cantaram, assistiram até um filme que Lily adorava “Mamma Mia” e que Elena nunca tinha visto. As duas estavam conversando perto da piscina, tomando vinho e admirando as estrelas, Lily percebia que Elena de alguma forma estava triste, estava distante, e toda hora ficava olhando o celular.

— Por que você não liga para ele? – Lily questionou.

— Não posso Lily, ele quer um tempo. – Elena respondeu desanimada.

— E você vai ficar dando esse tempo até quando? Até ele te esquecer de vez? Ou até ele se apaixonar por outra? – Lily falou num ton firme com Elena e aquilo assustou um pouco a garota. – Elena, eu estou aqui com você a noite inteira, sei que você está contente por estar aqui comigo, mas também sei que sua cabeça não está completamente aqui. Daqui a pouco vamos entrar em um ano novo, vida nova, corra atrás de seus objetivos, do que você realmente quer. Não seja que nem eu, não lutei pelo homem que eu tanto amava e hoje me arrependo. – Lily continuou. Aquelas palavras deram um tapa na cara de Elena, ela digeriu tudo o que sua futura sogra lhe disse e ficou por alguns minutos calada e pensando. Elena se levantou e entrou na casa, Lily continuou sentada na cadeira curiosa, tentando adivinhar o que Elena tinha em mente. Poucos minutos depois Elena voltou vestida com um casaco e sua bolsa.

— Quer saber você tem toda razão. Vou atrás dele. – Elena disse confiante.

— Mas você sabe em que hotel ele está?

— Não, mas vou ligar para Caroline e ela vai me falar. – Elena já tinha tudo esquematizado.

— Então vá minha querida. Seja firme com ele. – Lily abraçou Elena e lhe passou total apoio.

— Não sei se vai dar tempo de voltar antes da meia noite. – Elena disse com pesar a Lily.

— Elena vá resolver a sua vida, não se preocupe. Se você chegar com uma ótima notícia aqui para mim terá valido muito a pena. – Lily abraçou novamente a garota, Elena agradeceu e saiu às pressas.

Elena durante o caminho conseguiu falar com sua amiga, que lhe deu a exata localização de Stefan. Elena chegou ao hotel pediu informação ao recepcionista, que informou que Stefan havia acabo de chegar e tinha se digerido ao bar do hotel, Elena explicou toda a situação para o recepcionista que gentilmente deixou com que ela tivesse acesso ao bar para encontrar Stefan. Elena ao adentrar no bar percorreu com os olhos por todo o local e avistou Stefan em pé perto do balcão, ela não pensou duas vezes e foi direto ao encontro de seu ex namorado.

— Vai beber o que? – Elena se aproximou perguntando para Stefan. Stefan se virou rapidamente para a garota e não deixou de demonstrar o quanto estava surpreso com ela ali em sua frente.

— Como você conseguiu entrar aqui? – Stefan estava bastante surpreso.

— Digamos que eu tenha meus contatos. – Elena disse dando uma piscadinha para Stefan.

— Seu contato se chama Caroline estou certo? – Stefan questionou Elena fazendo uma cara de sério.

— Olha eu não quero que você brigue com ela, porque eu tive que chantagear ela, para que me falasse aonde você estava hospedado.

— Então você veio aqui para beber comigo? – Stefan estava um pouco confuso sobre o que Elena estava fazendo ali, mas ele tinha adorado vê – lá, especialmente porque ela estava linda num casado semi – aberto cinza que deixava avista o vestido branco que ela vestia por baixo.

— Na verdade eu vim para te sequestrar. – Elena vez um bico para Stefan, como fazia quando queria algo quando estavam namorando.

— Me sequestrar? – Stefan fez uma cara de pensativo e continuou. – E para aonde a Srta. quer me levar?

— Hoje é noite de ano novo, para onde mais seria?

— Times Square. – Stefan respondeu, lembrando que desde o começo do namora eles sempre falaram em passar a meia noite do ano novo na iluminada Times Square.

— Exatamente! Vai me fazer essa desfeita? – Elena fez novamente o bico.

— Elena eu bebi e estou sem condições de dirigir.

— Por isso que eu vou te sequestrar, logo quem vai dirigir sou eu. – Elena queria muito convencer ele.

— Ok, mas com uma condição. – Stefan pediu. Elena o olhou com um certo receio, mas mesmo assim assentiu positivamente com a cabeça.

— Depois que vermos os fogos e as luzes na Times Square, eu vou querer comer, e vai ser por sua conta. – Stefan disse expressando uma pequena risada.

— Me esqueci do quanto você é guloso. – Elena falou revirando os olhos. – Tá bom, se é essa a condição ok. Agora vamos logo, porque falta apenas alguns minutos. – Elena disse passando na frente de Stefan e saindo para seu carro. Stefan seguia Elena e não parava de reparar como ela estava linda naquela noite, a forma como ela se movia mexia demais com ele, e quando o vento batia em seus cabelos era enlouquecedor aquele cheiro de perfume adocicado misturado com a pele dela. Stefan estava muito feliz por Elena está ali e ter se lembrado dele, mas ele sabia que seria uma noite difícil, pois tudo o que ele queria era agarra – lá ali mesmo no hall do hotel, ele teria que ser bastante forte para ficar ao lado dela sem ao menos tocar em seus lábios.



Notas finais do capítulo

E ai pessoal o que acharam desse capítulo? Esse capítulo foi extremamente Stelena, precisava desse capítulo para a história ganhar rumo :) O que será que vai acontecer nessa noite de ano novo? Stefan vai finalmente se deixar levar pela paixão? Ou será que ele vai se manter forte? E cadê o Damon? Cadê o Klaus? Hahaha. Logo, logo eles aparecem.
Até o próximo episodio. :)

— Músicas:

— Stefan e Elena conversando no aeroporto (Aaron – Blouson Noir)

— Elena encontrando Stefan no shopping e eles conversando (Haerts – Your Love)

— Elena e Stefan na roda gigante (Switchfoot – Your love is a song)

— Música que Elena cantou no karaokê – Carla Rae Jepsen – All That)

— Stefan e Elena dançando (John Maus, Molly Nilsson – Hey Moon)

— Elena encontrando Stefan no hotel (DORA – Saving Star)





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Laços de Sangue" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.