Laços de Sangue escrita por Mel Dobrev


Capítulo 23
Ele é seu irmão.


Notas iniciais do capítulo

Boa noite lindezas... Queria pedir desculpas por não ter postado na segunda, é que tive um problema de saúde, mas já estou de pé novamente. Estou escrevendo sempre que posso e se tudo der certo para compensar vocês na semana que vem pretendo postar três capítulos. :) Ótima leitura.



 

Caroline subiu rapidamente as escadas e foi para o dormitório ver como Elena estava. Chegando no quarto ela se deparou com Elena sentada na própria cama com o rosto todo molhado e vermelho:

— Car. ele nunca vai me perdoar. – Elena disse misturando as palavras num choro que estava preso em sua garganta.

— Calma amiga. – Caroline se sentou junto dela e a abraçou. Elena apertava forte as costas de Caroline e tentava controlar o choro, porém ela tinha segurado tanto que isso tudo estava a sufocando, ela mal conseguia respirar entre os soluços e a crise de choro.

— Amiga agora pelo menos você tirou o peso que estava sentindo a muito tempo, você sabia que seria difícil, mas você fez o certo e eu estou orgulhosa de você. – Caroline tentava consolar a amiga.

— Você não tem ideia da cara de decepção que ele me olhou. Os olhos vermelhos de raiva, de rancor, Caroline eu jamais queria provocar esse sentimento nele, jamais. – Elena se agarrava cada vez mais a sua amiga.

— Eu acho que tenho uma ideia sim, porque foi a mesma cara que ele me olhou. – Caroline não pode esconder que também ficou chateada com a reação de Stefan para com ela.

— Como assim? – Elena se soltou do abraço da amiga e ficou a encarando pedindo por mais informações.

— Ah Elena, ele acha que eu também fiz parte disso. De certa forma eu fiz, porque eu sabia, mas ele desceu as escadas todo transtornado e quando fui falar com ele, ele estava tão nervoso que gritou comigo e deu um soco no espelho perto da porta de entrada. – Caroline explicava a Elena tentando se controlar para também não deixar escapar algumas lágrimas.

— Car. eu sinto muito, você não tem culpa de nada. – Elena pegou nas mãos de Caroline e continuou – Você sempre foi uma boa amiga para ele.

— Eu sei Elena, mas ele me olhou sabendo que eu já sabia de tudo isso e tipo assim: Caroline como você pode mentir para mim? Sabe. Eu me senti tão mal e tão assustada quando ele se descontrolou.

— Será que ele foi para casa dele? – Elena queria respostas.

— Não sei, sai para buscar o kit de primeiros socorros para cuidar da mão dele e ele havia sumido.

— Acho que vou atrás dele. – Elena se levantou e foi pegar um casaco.

— Amiga acho melhor não. – Caroline a segurou pelo braço. – Acho melhor você dá um tempo para ele digerir tudo o que aconteceu hoje. Ele está nervoso e você está chateada, isso não é uma combinação boa, vamos ficar aqui e assistir algum filme na Netflix, porque com certeza não iremos conseguir dormir tão cedo. – Caroline pediu a Elena.

— Você tem razão Caroline. – Elena foi retirando seus sapatos e seu vestido para tomar um banho.

— Car. e o Tyler tem notícias ? – Elena perguntou já entrando no banho.

— Não. Ligo, ligo e só dá caixa postal, eu tenho a plena consciência de que não fiz nada de errado, amanhã cedinho vou na casa dele. – Caroline disse ao mesmo tempo que tentava ligar uma última vez para Tyler sem muito sucesso.

(...)

Stefan chegou em casa transtornado, acabado, triste, ele jamais imaginou que Elena o trairia daquela forma, tudo estava acontecendo bem debaixo de seu nariz e ele não havia enxergado, quer dizer, ele já tinha captado os olhares de Damon para Elena, o jeito que ele se comportava estando no mesmo ambiente que ela, mas ela? Ela sentir alguma coisa por ele? Isso havia passado sim pela cabeça dele desde o dia que a viu abraçando seu primo, porém ela mesma tinha deixado bem claro que eles eram só amigos, que ele não precisava se preocupar e na verdade eles estavam fazendo ele de bobo? Todo esse tempo era isso que ele era naquela relação, um cara trouxa? Stefan estava com tanta raiva que a primeira coisa que fez foi ir direto para o mini bar da sala de visitas e encher um copo de whisky. Ele tomou o primeiro copo numa golada só e sentiu a garganta queimar, ele bebia sociavelmente, porém naquela noite ele precisava de mais, queria esquecer tudo o que havia acontecido naquela noite. Ele encheu mais um copo e se sentou numa das banquetas do mini bar e começou a se lembrar de alguns momentos que teve com Elena em especial da conversa que tiveram depois de passarem a primeira noite juntos na barraca:

FLASHBAK:

Stefan tinha acabado de se arrumar para dormir e Elena estava deitada com os olhos fechados esbouçando um pequeno sorriso nos lábios.

— Está dormindo? – Stefan perguntou a puxando para seu peito.

— Não. – Elena abriu os olhos e foi direto ao encontro dos olhos castanhos esverdeados de Stefan. – Estava apenas relembrando.

— Relembrando? Posso saber o que? – Stefan perguntou franzindo as sobrancelhas para Elena.

— Relembrando o que acabou de acontecer aqui entre nós dois. – Elena depositou um beijo no peitoral de Stefan e permaneceu ali sorridente.

— Você gostou? – Stefan perguntou um pouco sem jeito.

— Sério que você está me perguntando isso? – Elena o olhou e se aproximou de seu rosto. – Eu amei, amei cada toque, cada beijo, cada movimento. – Elena falava conforme ia acariciando seu rosto.

— Você é tão linda. – Stefan estava hipnotizado por Elena e ainda mais depois daquela noite.

— E você gostou? – Elena perguntou. – Sim, porque você deve ter várias para comparar né? – Elena estreitou o olhar para Stefan e fez um pequeno bico.

— Ei, acha que eu sai com tantas assim é? – Elena balançou os ombros e Stefan então reagiu. – Ae? Peraí Srta Gilbert. – Stefan se lançou para cima de Elena lhe fazendo cosquinhas e ela ria feito uma garota.

— Pois saiba que o número de garotas que eu levei para cama pode – se contar nos dedos, sou um cara romântico e, com toda certeza essa noite foi a melhor de todas, e sabe por que? – Stefan perguntou passando sua mão no rosto de Elena.

— Por que? – Elena perguntou.

— Porque eu estou apaixonado, eu nunca senti esse sentimento por nenhuma mulher, porque quando eu estou com você Elena nada mais importa, eu só quero você. – Stefan então deu um beijo apaixonado em sua namorada.

— Me promete que isso vai ser para sempre? – Elena pediu entrelaçando seus dedos com os de Stefan.

— Não posso falar por você, mas no que depender de mim será sim, porque eu já não consigo mais me ver sem você. – Stefan beijava as mãos deles juntas.

— Então eu falo por mim, eu te amo e vou te amar para sempre. – Elena lhe beijou com paixão.

—_

Stefan voltou para a realidade e se perguntava aonde foi parar aquela garota que o fez aquele juramento, que prometerá o amar para sempre. Stefan num ato de raiva pegou uma das banquetas e atirou contra parede quebrando algumas louças que ficavam expostas num aparador próximo, ele estava tão magoado que ele só precisava descontar sua raiva em algo. Stefan encheu mais um copo de bebida e o virou de uma vez, o nó que havia se formado na garganta de Stefan se rompeu e ele se permitiu chorar, lágrimas de raiva, de traição desciam facilmente pelo seu rosto, ele tacou o copo que já estava vazio no chão e se debruçou no balcão como se tivesse perdido todas as forças.

Damon depois de algumas horas de conversa com Alaric se despediu da festa de Klaus e se encaminhou para casa dos Salvatores para pegar o restante das suas roupas que ficaram lá, ele estava disposto a nunca mais voltar naquela mansão, ele não queria ter mais nenhuma relação com Lily e tentaria manter sua relação com Stefan o mais normal possível, porém longe daquela casa e longe de Elena. Depois do que tinha acabado de acontecer naquela noite e depois de Alaric o aconselhar ele tinha entendido que ele tinha entrado naquela situação toda de “penetra” e não seria justo com Elena e muito menos com Stefan ele ficar no meio deles.

Damon chegou na casa dos Salvatores e avistou o carro de Stefan mal estacionado e achou estranho já que seu “primo” era todo certinho até na maneira de estacionar o próprio carro. Damon entrou na casa e percebeu o grande silêncio, deduziu que Giuseppe deveria estar em alguma viagem de trabalho e Lily deveria já estar deitada. Ao entrar na sala de visitas Damon encontrou louças quebradas espalhadas pelo chão junto com uma das banquetas toda estraçalhada, ao se virar ele pode notar sentando de costas Stefan, de longe ele parecia que tinha tomado um grande porre, porém Damon sabia que tinha acontecido algo, para ser mais preciso algo entre ele e Elena, pois só isso justificaria Stefan estar daquele jeito. Damon se aproximou com cuidado de Stefan que aparentava estar dormindo.

— Stef, Stef. – Damon cutucou o braço de Stefan fazendo o acordar. Quando Stefan abriu os olhos e avistou a imagem de Damon sua primeira reação foi pular da banqueta e ir para trás.

— Ei, calma sou eu. Não vou perguntar se está tudo bem porque pelo jeito como você tratou a mobília da casa eu presumo que não. – Damon foi indo direto para o bar e se servindo de uma dose de whisky.

Stefan ficou observando Damon, calado, apenas o olhando.

— Você deve estar se perguntando o que eu estou fazendo aqui tarde da noite né? Bom, vou te poupar da sua pergunta porque estou vendo pela sua cara que a noite não foi boa, então, vim aqui para pegar o resto das minhas coisas, agora você pode fazer o grande escritório que queria com meu quarto, porque já aluguel o apartamento mesmo. – Damon falava enquanto degustava seu copo de whisky. Stefan permaneceu calado, imóvel.

— Vamos, qual é? Não seja tímido, eu sei que seu grande sonho sempre foi derrubar algumas paredes e integrar com o meu quarto para fazer um grande escritório, e você tem ganância. Estou de dando permissão para fazer, já que não voltarei mais aqui. – Damon deu uma piscada para Stefan e ficou esperando alguma resposta ou até mesmo uma repreensão de seu “primo”, mas Stefan permaneceu calado, medindo cada movimento de Damon. Stefan se virou para se retirar quando Damon insistiu:

— O que foi, ainda está com raiva por causa da festa? Qual é vai querer me dar sermão porque passei dos limites com a Elena?

— Não fala da Elena. – Foram as únicas palavras que Stefan conseguiu pronunciar ainda virado de costas para Damon.

— Tá bom, pelo jeito vocês brigaram e eu não sirvo para bancar o irmão mais velho e dar conselhos, então que que tal esquecermos essa noite toda e amanhã tirarmos um dia só para nós, como nos velhos tempos, o que você acha? – Damon se aproximou de Stefan e colocou a mão em seu ombro.

— Você quer que eu esqueça que você ficou com a Elena? – Stefan acabou de soltar as palavras e automaticamente se virou para encarar o rosto de Damon. Damon pode ver a raiva tomar conta de Stefan, seu olhar obscuro, decepcionado. Damon engoliu a seco e se afastou de Stefan.

— Foi ela que te contou? – Damon apenas perguntou.

— Que porra de pergunta é essa? Eu falo para você que acabei de saber que você ficou com a minha namorada e é isso que você tem para me dizer? – Stefan começou a alterar o ton de voz.

— Stefan eu não planejei isso, aconteceu. – Damon respondeu sério.

— Vocês por acaso também combinaram as respostas? – Stefan olhava friamente para Damon. Damon respirou fundo e ia responder quando Stefan continuou:

— Como você pôde ficar com a minha namorada Damon e depois fingir que nem a conhecia? Como você pôde mentir para mim? Eu que fui criado com você, somos praticamente irmãos e você me faz isso? – Cada palavra que Stefan pronunciava ele ia alterando mais e mais o ton de voz.

— Stefan eu não sabia que a Elena era sua namorada, depois o que você queria que eu fizesse? Hein? Oie brother sabe aquela garota, então eu fiquei com ela a semana passada. Não Stefan. Você estava todo apaixonado, todo iludido e eu ia estragar tudo, claro que não. – Damon também começou a alterar o ton de voz, ele não ia ficar ali sendo acusado de uma coisa que não foi somente ele o culpado.

— Você estragou tudo sim Damon. Estava tudo bem, eu apaixonado por ela, ela por mim e ai você chegou, seduziu ela, ficaram, e depois mesmo sabendo do parentesco de ambos resolveram me fazer de idiota e ficar encenando, fingindo que não se conheciam. Porra Damon eu confiava em você. – Stefan falava não conseguindo esconder a decepção.

— Tá bom Stefan, eu sou o grande culpado pela sua história de amor não ter dado certo, eu sou o grande vilão. Vai bate em mim, taca alguma coisa em mim, isso vai aliviar a sua dor, mas saiba que eu não forcei a doce Elena a fazer nada naquela noite, não forcei ela a me beijar, não forcei ela a se agarrar comigo. – Damon disse revoltado.

— Cala a boca! – Stefan pediu num grito.

— Cala a boca por que? Não era você que estava me julgando? Então me julgue sabendo de todos os fatos priminho. Fiquei com ela sim! Ela me atrai, ela é linda, e se não fosse por saber que vocês estavam namorando eu certamente lhe diria que ela é uma delícia. – Damon falou fazendo o gesto de uma silhueta com as mãos se referindo ao corpo de Elena.

— Seu filho da puta. – Stefan partiu para cima de Damon e lhe acertou um soco no canto da boca.

— Isso me bate mesmo, quem sabe depois eu vou atrás da Elena para ela em consolar que nem da última vez. – Damon falava cambaleando tentando ficar em pé.

— Eu vou te matar. – Stefan golpeou novamente Damon, mas desta vez Damon se abaixou e pegou pelas pernas de Stefan o empurrando fazendo com que ele caísse sentado em uma das poltronas perto deles.

— Você quer realmente brigar? Então vamos lá priminho, levanta vem? – Damon limpou um pouco do sangue que estava saindo de sua boca e chamou Stefan para a luta.

— Quer saber acho que na verdade estamos quites. – Stefan continuou sentado, tomando fôlego.

— Por que quites se eu nem arranquei sangue de você ainda? – Damon estava se movimentando para lá e para cá como se estivesse se aquecendo para entrar num rinque, isso tudo para debochar da cara de Stefan.

— Quites porque você ficou com a minha namorada e eu fiquei com a sua, então está tudo certo. – Stefan se levantou e foi caminhando para sair da sala. Damon ficou parado absorvendo o que Stefan tinha acabado de lhe contar, quando eles eram adolescentes ele havia namorado uma garota chamada Katherine e ele sabia que Stefan flertava com ela, porém nunca havia tido a confirmação de nada.

Stefan parou e se voltou para Damon e completou:

— Ah não pera, não estamos tão quites assim, afinal com a Katherine eu cheguei no passo seguinte. – Stefan disse com ar de vitorioso.

— Como é que é? Repete na minha cara que você transou com a minha namorada. – Damon foi indo em direção a Stefan e seu humor já não estava mais tão alegre como há alguns segundos atrás.

— Isso mesmo Damon, e você pensando que entre eu e ela só existia uma paixão platônica. Sabe você devia ter viajado menos a trabalho, aonde você acha que ela passava as noites quando você não estava na cidade? – Stefan agora estava sendo muito sarcástico, parecia que os “primos” tinham trocado de personalidades.

— Seu desgraçado, agora sou eu que vou te matar. – Damon avançou em cima de Stefan e já foi lhe dando um soco no olho.

— Vem que eu estou louco para te matar. – Stefan falava já deitado no chão tentando chutar Damon.

No meio da briga uma voz é ouvida: - Chega, parem vocês dois. – Era Lily, que acordou com toda a gritaria.

Stefan e Damon mesmo ouvindo os apelos de Lily continuaram ali rolando pelo chão e desferindo socos um contra o outro. Numa virada surpreendente Stefan ficou por cima de Damon e continuou socando seu primo.

— Eu te odeio, te odeio. – Stefan repetia.

— Para Stefan, pelo amor de Deus, para. – Lily gritava desesperada.

— Vai Stefan me mata mesmo, quem sabe assim a Elena fique só para você. – Damon todo machucado ainda continuava a debochar de Stefan.

— Stefan eu estou suplicando para com isso, você não é assim, para. – Lily implorava mais nada adiantava.

— Eu vou matar ele mãe. – Stefan estava pronto para lançar mais um soco na cara de Damon quando sua mãe gritou:

— Para senão você vai matar seu irmão.

Stefan ficou paralisado na hora e pode ver nos olhos de Damon a mesma revolta.

— Isso mesmo priminho, somos irmãos, agora vai termina o que começou. – Damon desafiou Stefan. Stefan saiu de cima de Damon e permaneceu sentado no chão com um olhar enigmático para sua mãe.

Damon se levantou com um pouco de dificuldade já que estava com parte de suas costas doendo e seu rosto sangrando por causa da surra que Stefan tinha lhe dado. Lily se aproximou de Damon e tentou o ajudar.

— Você está bem? Quer que eu te leve no médico? – Lily perguntou preocupada.

— Não eu estou bem, mamãe. – A última palavra Damon falou num ton bastante irônico.

— Damon tem certeza de que não quer ir no médico? – Lily insistiu.

— Tenho absoluta. Fica com ele, ele precisa mais de você do que eu. – Damon finalizou tomando mais um gole de whisky.

— Só para finalizar: Eu fiquei com ela, mas se eu soubesse que era ela a garota por quem você estava apaixonado eu jamais teria avançado qualquer tipo de sinal, mas já tinha acontecido Stefan. – Damon disse se retirando da casa e deixando Stefan e Lily completamente sozinhos.

Lily se sentou junto de Stefan no chão e pegou em suas mãos um pouco sujas de sangue de Damon.

— Me diz que a Sra. Só falou aquilo para eu poder parar de bater nele? Me diz que isso é mentira. – Stefan pediu a sua mãe com os olhos cheios de lágrimas e culpa.

— Não meu amor, Damon é seu irmão e eu vou lhe contar toda a história, mas não se preocupe, vocês ainda terão muito tempo juntos para fazerem as pazes. – Lily puxou Stefan para seu colo e lhe confortou num forte abraço. Naquele instante Stefan não sabia o que pensar, seu coração estava tão devastado, tão destruído, e agora ele tinha acabado de quase matar seu irmão. Se fosse em qualquer outro dia essa notícia teria sido a melhor de sua vida, ter um irmão era tudo o que ele queria e ainda mais sendo o Damon, seu grande amigo desde a infância, porém essa noticia chegando naquele cenário e naquela ocasião tinha mudado tudo completamente, agora ele estava cheio de culpa, culpa por ter batido em Damon, por tudo de ruim que Damon passou sendo que sempre teve uma mãe, uma família, mas ainda havia a raiva numa parte de si, raiva por ter sido feito de idiota pelas duas pessoas que ele mais confiava (na verdade três se fosse contar com a Caroline), raiva pelo seu grande amor ter visto em seu agora descoberto irmão algum sentimento, raiva de si mesmo por ter permitido de certa forma que tudo aquilo tivesse acontecido. Ele estava tão desesperado, tão perdido que a única coisa que ele queria fazer era desaparecer e nunca mais voltar.

 



Notas finais do capítulo

Briga, briga, briga... oh coitado do Stefan, está mais perdido que tudo. O que será que vai acontecer agora que ele finalmente descobriu que tem um irmão? E sua relação com Elena será que vai continuar? Obs: No gif desconsidere a Elena ali no meio, é que eu só encontrei esse. :)
Até semana que vem.
Xoxo.

— Músicas:

— Stefan lembrando de Elena e quebrando as coisas (Kodaline – All i Want)

— Lily revelando que Stefan é irmão de Damon (Daughter – Youth)




Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Laços de Sangue" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.