Edge of Chaos escrita por BubbaPadua


Capítulo 2
Lei de Murphy




 

Se alguma coisa tem a mais remota chance de dar errado, certamente dará no pior momento e de modo que cause o maior dano possível.".

 

 

— Edward Murphy


1 semana atrás

O estrondo fora grande no primeiro andar do Sanctum de Nova York, fazendo com que Wong e Strange fossem verificar o que havia acontecido. Descendo as escadas, cada um fazendo seus selos, puderam ver onde antes havia uma porta de entrada, no momento só continha poeira e madeira quebrada. Olharam-se com atenção e puderam ouvir passos vindos da biblioteca, para onde correram sem mais demora. Chegando ao local puderam ver a figura feminina folheando o livro de Vishanti¹.

— Quem é você e por que raios arrombou nossa porta? - Perguntou Strange se aproximando da mulher ainda com o selo em mãos.

— Bom. - suspirou pesadamente fechando o livro e o deixando na mesa a frente. - Você foi atrás de mim, você me chamou e agora estou aqui. - olhou em direção a ele e arqueou a sobrancelha. - E quanto a sua porta, eu bati, mas ninguém atendia, então da última vez eu bati com mais força e entrei. Mas fique tranquilo, ela já está no lugar. - Como se constatasse o óbvio riu com escárnio e piscou para ele. - Porém agora eu lhe pergunto, quem infernos é você?

Desfazendo o selo, Strange olhou para Wong a fim de que ele fosse verificar a porta e que os deixasse a sós.

— Pensei que a visita tinha sido em vão, afinal, como pode ver pelo meu rosto, não fui muito bem recebido. - apontou para seu próprio rosto ainda olhando para a mulher.

— Meu amigos costumam não gostar de pessoas que fazem muitas perguntas, e também não são muito amistosos.

— Consegui perceber. Mas enfim, fico feliz que tenha vindo, eu sou o Doutor Strange.

— Como?

— Doutor... Strange. - Disse pausadamente para ela que franziu a testa de imediato.

— Você está de brincadeira?

— Não. Tem algo de errado em meu nome?

— Pelo contrário Senhor Strange. - Disse dando a volta na mesa a frente e se aproximando do mesmo. - Eu apenas acho que já ouvi seu nome antes, só não consigo me recordar onde. - Enfim... - Sorriu para o mago lhe estendendo a mão. - Sou Aries, mas por aqui eu sou conhecida como, Arabella Kalies.

— Aries? O início?

— Sim. A primeira. Por isso o primeiro signo do zodíaco, em minha homenagem, Deusa da Guerra e da Paixão. - revirou os olhos. - Porém nós nunca falaremos sobre signos ou qualquer coisa relacionada a isso.

— Não tocaremos no assunto. - Strange disse dando cabo do assunto.

— Então Strange, como me achou? - recostou a mesa atrás de si e cruzou os braços olhando para o mago.

— Não foi fácil, eu admito. Você consegue se esconder muito bem, precisei vasculhar diversas dimensões e isso demorou mais do que eu poder...

— Por gentileza, a versão breve e curta. - interrompeu o mago.

— Claro. - pigarreou. - Resumindo, em todas as versões de futuro que vi todas elas dão para uma catástrofe e o Ancião me contou uma vez sobre sua entidade. Semana passada alguns visitantes chegaram e desde então fiz de tudo para te encontrar. Viajei por várias dimensões até encontrar uma confusa demais para saber que estava lá e encontrar seus amigos.

— Não são meus amigos. - ela disse suspirando. - São versões de mim mesma. A dimensão em si, a qual me achou era somente um refúgio para colocar as ideias em ordem, tudo o que viu, nada mais era que minha consciência. - fechou os olhos por um breve momento e logo os abriu novamente deixando seus olhos completamente negros.

 

- Sinto muito se te feri, mas não sabia quem era e o que realmente queria comigo.

— Bom, sou o mago da barganha, então eu imagino como seria se fosse comigo. - sorriu de lado.

— Você sabe que não é legal se gabar disso, certo? - debochou e começou a andar lentamente por entre a biblioteca. - Eu fiquei sabendo da chegada dos visitantes, por mais que estou afastada a alguns anos, sei de tudo que se passa por aqui.

— Então está disposta a nos ajudar quando as coisas ficarem... complicadas? - Questionou.

— Isso ainda é uma coisa a qual não posso confirmar, como já deve ter percebido eu não posso aparecer nas suas visões, em nenhuma delas. Ficar é perigoso, qualquer lugar onde eu esteja se torna completamente volátil a todo e qualquer tipo de desordem e caos. Todo tipo de coisa está a minha procura. Lei de Murphy. - encarou o mago e sorriu. - Mas posso tentar de alguma maneira.

— Quanto a estes visitantes que chegaram há uma semana, sabe alguma coisa?

— São somente corpos vagantes. - Aries mexeu as mãos e das mesmas saíram fumaça que se transformaram em imagens vívidas de pontos de luz. - Não vão fazer mal algum a ninguém, só precisam de um lugar para recarregarem as energias de anos luz de viagens. - Mostrou uma enorme gama de energia vinda dos pontos de luz. - A Terra é um dos poucos planetas que tem abundância de energia, logo irão embora, não precisa de todo esse alarde. Porém...- a fumaça em suas mãos se tornaram negras desapareceram rapidamente. - Muitas raças, muitos planetas, Reinos e dimensões, muitos cobiçam o Planeta. E é questão de tempo até que algo maior e ruim aconteça.

Os dois ficaram em silêncio, Strange absorvendo o que lhe fora dito e concluindo que suas visões estavam certas e Aries analisando a expressão do mago. Aquele estava longe de ser um bom dia para ambos, havia tantas coisas para fazer, mas talvez tão pouco tempo. Por mais que se estivessem se conhecendo ali, naquele momento, o mago tinha certeza que confiar no Ancião e chamá-la tinha sido a escolha certa e que nem tudo poderia estar perdido. Saiu de seus pensamentos quando ouviu-a pigarrear.

— Desculpe te tirar dos seus pensamentos, mas há outra pessoa a quem eu pretendo ver, e que de uma forma estranha também me chamou. - Suspirou pesadamente. - Nos vemos em breve Doutor Strange. - e sem deixar que o mago falasse mais nada, ela desapareceu.

Abriu os olhos assustado e olhou para os lados, estava sentado em uma poltrona defronte a Wong que o olhava intrigado. Não estava mais na biblioteca e tinha uma xícara de chá em suas mãos.

— Parece assustado, algo aconteceu? - Questionou o auxiliar.

— Nada. Nada aconteceu. - riu de si mesmo depois de perceber que havia continuado o tempo todo dentro da dimensão que ela criara e nem por um instante percebeu. - Mas para lhe reconfortar, a cavalaria está a caminho.

 

Norte do Estado - Base Vingadores


— Depois de todos esse anos, você ainda é o cão de guarda do Tony. - assustou o homem que estava de costas para ela. - Eu esperava mais de você Happy.

— Arabella! - engasgou com o café que tomava.

— Calma ai cowboy, não é para tanto. - bateu nas costas do motorista que olhava de olhos arregalados para ela.

— Você está aqui, na minha frente, de novo, eu não acredito que ele realmente te chamou. - gesticulava com as mãos derrubando o resto de café que havia no copo e sorria. - Meu Deus, você não mudou nada, nadinha mesmo, continua a mesma de alguns anos atrás, como pode?

— Ah Happy, se eu te contasse tudo, não teria graça. - Riu do homem que franziu a testa em uma careta. - Diga a ele que estou aqui, para ajudar.

—__________________________________________________________

¹ Vishanti - as poderosas entidades mágicas Agamotto, Oshtur e Hoggoth se uniram e criaram a trindade Vishanti. O livro de Vishanti é uma das principais fontes do poder do Doutor Strange.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Edge of Chaos" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.