I Will Never Give Up On You escrita por JTLYNCH


Capítulo 60
Desconfiança




Acordo ouvindo batidas e lembro onde estou.

 Levanto abrindo a porta e vendo a senhora sorrindo.

—bom dia querida. Esta com fome?

—não, tudo bem-digo negando.

Ela nega, me puxando pra cozinha, onde há um café da manha agradável. Ela me faz sentar e fico parada, enquanto senta-se á minha frente comendo.

—pode comer querida. Sei que ainda não confia em mim, mas acho que se fosse pra eu fazer algo, já teria feito-diz e fico á olhando.

 Não parece que vai fazer alguma coisa, mas não quero arriscar.

—trouxe comida

—aquilo não é comida, é besteira! Não pode ficar comendo apenas isso, seu bebe vai ficar doente.

—mais eu...

—não. Coma pelo menos um pão, esta fresco, acabei de assar-diz, olho pros pães e salivo em ver como parecem bons.

 Pego um, sentindo o cheiro e verifico se tem alguma coisa, fazendo á senhora rir e dou uma mordida. Não sinto nada então continuo a comer, ela me da um pouco de chocolate e confiro a xicara e o chocolate antes de beber.

 Suspiro

—está delicioso!

—obrigada querida

—onde esta seu marido?

—ele volta apenas dez horas em dias corridos.

—ele vai ficar bem sobre eu aqui?

—mais é claro que sim, ele vai amar.

—onde fica essa cidade? É muito longe? Quem sabe posso ir lá.

—não, é melhor não.

—por quê?

—Lá todos tem que trabalhar. Melhor você ficar aqui, pelo menos, enquanto esta gravida e quando o bebe nascer pode começar a trabalhar, se quiser.

—não sei

—ahh vamos. Eu não sou tão ruim-diz me fazendo rir

—não, não é.

—e então?

—vou pensar-digo e ela concorda.

—esta de quantos meses? Sem querer ser intrometida-diz e rio

—6 meses

—nossa! Está tão próximo! O que ia fazer se tivesse o bebe na floresta?

—ter sozinha

—não. Isso é arriscado, tem tudo pra dar errado, mas eu posso te ajudar, já fui parteira.

—serio?

—sim. Não que eu fosse medica, mas cuidava de todos os tipos de coisa, principalmente mulheres gravidas.

—meu bebe é diferente, já sofreu muita coisa assim como eu.

—como o que?-questiona e quando vou falar a porta se abre.

 Levanto rapidamente, vendo um homem entrar e a senhora levanta. indo ate ele que me olha

—se acalme, esse é meu marido bernard-diz e assinto-bernard essa é a katniss.

—é um prazer conhece-la katniss-diz vindo apertar minha mão e aceito-minha mulher te achou?

—na verdade eu á encontrei

—ela sempre tenta ajudar os outros, não é mais novidade pra mim-diz e concordo-vejo que esta gravida.

—sim.

—quanto?

—6 meses

—nossa, esta chegando perto! É ótimo ver que ainda há vida nesse caos-diz e concordo

—katniss é uma garota super forte, conseguiu vir ate aqui andando do mercado;

—NOSSA!-diz assustado-deve estar super cansada! Melhor descansar

—tudo bem. Acabei de acordar

—se quiser qualquer coisa pode me falar, sempre trago da cidade.

—sua esposa me contou. Comandante, certo?

—sim, mesmo eu achando que não vou conseguir aguentar de tanta velhice.

—você não esta velho-diz a senhora o abraçando de lado e ele ri.

—claro que estou. Tenho que ficar pintando meu cabelo pra não aparecer meus fios brancos.

—não fale assim, você pinta porque quer-diz, eles falam alguma coisa e vejo que eles se amam muito.

 Suspiro

Me faz lembrar dele.

—oh querida. Tudo bem?

—sim tudo-digo, concordando.

—acho melhor tomar um banho, esta toda suja-diz e concordo.

Pego minha mala, ela vê minhas roupas e nega.

—estão sujas

—eu não me importo com isso

—mas eu sim. Empresto algumas pra você, desde que você não se importe de usa-las-diz, nego e ela sorri, vindo ate mim.

Leva-me pra outro quarto, que deve ser o seu; pega algumas roupas no seu armário e me entrega uma caixa.

—são umas roupas antigas minhas, quando era mais jovem, mas ainda estão em bom estado-diz e concordo.

 Ela me mostra onde fica o banheiro, entro e tranco a porta.

Tomo um banho, sempre olhando pros lados pra ver se não tinha ninguém me vigiando; ate olhei o banheiro inteiro a procura de algum furo ou algo parecido pra espionar e não encontrei nada.

Termino o banho, me visto, colocando um vestido e fica bem melhor. Saio do banheiro indo pro quarto, ela sorri vindo ate mim e pega minhas roupas.

—vou lava-las pra você querida. Se quiser pode esperar o almoço na cozinha, bernard vai cozinhar alguma coisa, mas sempre é atrapalhado-diz e rio, concordando.

 Vou ate a cozinha, ele sorri pra mim docemente e sento-me á mesa.

—e então katniss, me conte um pouco sobre você.

—bom eu tenho 24 anos e sou da Califórnia.

—nossa! Esta bem longe de casa.

—sim, eu estudo aqui e foi lá que descobri sobre o apocalipse.

—foi difícil, eu era apenas um tripulante de barco quando descobri.

—serio e o que fez?

—bom, como eu esta no mar aquele dia, a primeira coisa que fiz foi resgatar minha esposa que estava em casa e seu sobrinho ....-diz e engulo em seco-então nos fomos pra uma base de segurança, mas era muito ruim. Não podíamos fazer muitas coisas e não gostamos de ficar parados, então resolvemos sair de lá e ficar por conta própria.

—eu estava em uma também, não vi nada de ruim.

—bom quando se está acostumado com uma vida agitada, é diferente-diz e concordo- nos andamos muito de carro, ate encontrar a cidade e foi lá que comecei a trabalhar com minha esposa. Fui meio que crescendo de cargo e responsabilidades, mas lá é um lugar difícil, tem muitas brigas e gritaria. Decidimos construir isso, somente vou trabalhar e volto pra casa pra podermos ter paz.

—parece ótimo, mas eu realmente não quero atrapalhar vo..

—não esta nos atrapalhando. Ficamos felizes de ajudar quem precisa, principalmente em suas condições.

—eu não vejo problema em trabalhar.

—eu sim-diz a senhora voltando e se aproxima dele, o ajudando com o almoço -não pode fazer trabalhos pesados, eles não tem do de ninguém.

—ela tem razão katniss. Fique conosco!

—acho que talvez ate o bebe nascer.

—sim, vai ser ótimo! Vamos ama-lo muito-diz e dou um meio sorriso-já sabe o que é?

—não, não sei.

—por quê?

—ela ainda não deve estar confortável pra nos contar

—sim, se não se importam.

—tudo bem querida-diz sorrindo e assinto .

Ajudo a colocar a mesa

 O senhor bernard nos serve um tipo de picadinho de carne, eu como tudo, estou com muita fome, tanto que eles me oferecem mais e aceito. Conversamos bastante, eles são boa gente, se amam muito pelo que vejo.

 Ainda falta um tempinho para o bebe nascer, mas acho que posso ficar bem aqui.



Notas finais do capítulo



—JT.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "I Will Never Give Up On You" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.