I Will Never Give Up On You escrita por JTLYNCH


Capítulo 39
Invasor


Notas iniciais do capítulo

OI GENTE, TUDO BEM...
QUERIA QUE ME RESPONDESSEM SE GOSTAM MAIS QUE EU POSTO 2 CAPÍTULOS A CADA DOIS DIAS OU QUATRO A CADA QUATRO DIAS.
DEIXEM NOS COMENTÁRIOS, POR FAVOR.
AGORA APROVEITEM.......



—quem é você ? -questiono o cara que esta apontando uma arma pra prim e o bebe, que me olha com um sorriso frio.

 Não penso duas vezes, saco minha arma e aponto pra ele que ri.

—você não pode atirar

—porque não posso?

—porque se não eu mato os dois. Você me mata e eu mato os dois-diz, engulo em seco e abaixo a arma.

—o que você quer?

—o trailer e tudo mais que tiver aqui.

—ta, Tudo bem

 Vejo peeta na janela, ele aponta para o cara com a arma e olho pra prim e o bebe, depois para ele.

—certo. Nos três vamos sair e você pode ficar com ele.

—saiam em fila-diz, concordo e me aproximo -não se mexa

—eu preciso ajudar ela

—ela consegue andar

—ela esta nervosa-digo, olhando prim que esta vermelha e tremendo com o bebe em seus braços.

—certo, vai rápido-diz e concordo.

 Chego perto de prim, pulo em cima deles dois, circulando meus braços e rolo pro lado nos fazendo cair no chão. Ouço o tiro de peeta e o bebe começa a chorar.

—estão bem?-questiona peeta vindo até nos.

 Nos ajuda a levantar e pego o bebe começando a balança-lo.

—sim, estamos

—como ele entrou aqui?!

—prim!

—eu.... eu... ele disse que queria ajuda

—PRIM VOCÊ NÃO PODE AJUDAR NINGUEM!-diz peeta furioso

—PEETA NÃO GRITE!-aviso, quando o bebe grita mais.

—ela quase os matou dois!

—não devia ter feito isso prim

—desculpa, desculpa-diz começando a chorar.

Vou ate ela á abraçando.

—sobe pro quarto, vou acalmar peeta-digo beijando sua cabeça e ela sobe a escada

 Vou ate as coisas que pegamos e pego uma chupeta, dando para o bebe que se acalma e algumas coisas pra troca-lo.

 Peeta vai dirigir

Deito o bebe na cama, passo a pomada, coloco a fralda e um macacãozinho. O pego no colo  e ele fica me olhando, mexe no meu rosto

— rio-

 Pegando sua mãozinha, dou um beijo, fazendo-o rir e rio.

 Ele é realmente muito lindo.

Vou ate a cozinha, pego o leite e esquento; coloco na mamadeira depois de ferver, checo a temperatura e dou pra ele tomar. Ele não espera, bebendo rapidamente e preciso pegar dele duas vezes pra não engasgar e ele toma duas mamadeiras cheias.

O faço arrotar, começo a andar com ele  e olho pra peeta que ainda esta bravo.

— suspiro-

 Vou ate ele

—amor

—não katniss

—eu sei que está bravo, mas isso não vai mudar nada.

—prim não pode sempre ser legal com as pessoas.

—mais ela é. Esse é o jeito dela.

—ela viu o que deu na primeira vez e ainda assim tenta ajudar mais uma pessoa.

—ela é uma criança, não conhece o lado ruim das pessoas.

—mais eu sim e eu quero protege-la, por isso tenho que brigar com ela, pra ela entender o que é errado e o que é certo.

—gritar com ela não vai ajudar.

—o que você queria que eu fizesse? Chegamos e encontramos um cara  com uma arma apontada pros dois!-diz irritado.

—ela esta muito triste, você sabe como é pra uma criança quando gritam com elas.

—eu sei-diz concordando e da uma olhada rápida pra nos-você nasceu pra ser mãe-diz e sorrio

—acho que sim, ele já ta dormindo.

—talvez possamos ficar com ele

—talvez-digo concordando

Sento no banco, peeta pega minha mão beijando e sorrimos.

—vai pedir desculpa?

—vou

—ótimo.

—mais também teremos que conversar com ela

—nos vamos e precisamos tirar o cadáver daqui.

—eu sei. Deixe-me ir mais longe, não quero mais saber o que tem nessa cidade-diz e concordo.

Encosto no banco e deixo o bebe em meu peito

 Sorrio

 Ele é tão fofo.

 Tão pequeno.

 Espero poder ficar com ele pra nos.

Depois de sairmos da cidade peeta parou, deixou o corpo do cara largado na estrada e seguimos viajem. Como já esta tarde resolvo fazer o jantar, mas, não posso com o bebe e chamo prim que desce com os olhos vermelhos.

— suspiro-

—pode olha-lo pra mim?-questiono e ela concorda

 Ponho o bebe deitado na cama e prim deita ao seu lado, o abraçando. Coloco uns travesseiros do seu lado pra ter certeza de que ele não vai cair

—já volto-digo e assente com a cabeça.

Vou pra cozinha.

Faço um macarrão com muito queijo e começo a montar a mesa.

—amor, o jantar ta pronto-digo ao lado de peeta que beija minha mão.

 Sorrio

—tudo bem amor, vou estacionar-diz parando em um lugar.

 Levanta, vindo ate mim e agarrando minha cintura me puxando pra um beijo, sorrimos, continuo o beijo.  Peeta beija meu pescoço, fazendo-me trincar os dentes.

—amor você vai ter que parar

—por quê?

—tem um bebe agora

—e o que isso significa?-questiona e rio da sua cara fofa.

—que nada mais de fazer amor de noite.

—e quando?

—no banho

—só-questiona e rio, o beijando.

—vamos comer amor

—isso não vale

—bom, talvez possamos ter um tempo sozinhos-digo mordendo o lábio, fazendo-o me beijar mais intensamente-amor, a prim e o bebe.

—ta vamos vê-los-diz rolando os olhos me fazendo rir

 Andamos ate o quarto onde os dois dormem como anjinhos e sorrimos.

—são tão fofos

—eu sei

—devemos acorda-los?

—não sei, to pensando naquele banho

—vamos ser rápidos-diz mordendo o lábio e o puxando para o banheiro.

Tomamos um banho não muito rápido, porque sabemos que não poderemos fazer nada na hora de dormir. Quando ouço um chorinho saímos do banho, peeta pega nossas roupas e nos trocamos rapidamente.

 Saio do banheiro indo ate o bebe; o pego, sentindo um cheiro de xixi.

—nossa já?-diz peeta surpreso e rio.

—assim são os bebes

—por quanto tempo ?

—ate crescer

—nossa! –diz e rio, o beijando.

—esquenta o macarrão que vou troca-lo.

—eu quero te ajudar, fazer meu papel de pai-diz e sorrio, o beijando.

Deito o bebe na cama, pego a fralda e a pomada e lenços; vou ate peeta o ensinando como fazer tudo. Ele faz com cuidado e fico feliz ao ver como ele realmente quer fazer certo e se esforça.

 Quando ele termina, lhe dou um beijo longo.

—foi ótimo amor

—estou aprovado?

—com toda certeza, você vai ser um ótimo pai.

—eu sempre soube que era bom nisso-diz me fazendo rir e prim acorda confusa.

—oi prim, vamos jantar?-questiono, ela confirma e nem olha pra peeta com medo.

 Ele suspira e levanta com o bebe

—conversa com ela

—certo, vamos-diz me abraçando.

 Vou esquentar o macarrão, peeta coloca a mesa e começo a servir todos, sento do seu lado e ele me beija e sorrimos.

—tá ótimo amor.

—obrigada

—tá muito bom katniss.

—obrigada prim-digo e olho pra peeta que suspira.

—prim, temos que conversar.

—você vai gritar comigo?-diz receosa

—não. Não vou gritar com você.

—promete?-digo e ele ri.

—eu prometo que não vou gritar.

—o que foi?

—eu não devia ter gritado com você, eu sei que é criança e pra você ainda é difícil entender as pessoas.

—sim

—então nos queríamos que você soubesse que elas não são boas prim.

—ela roubam, mentem, trapaceiam...

—claro que existem pessoas boas, mas, na situação em que nos encontramos... todos estão lutando pela vida.

—e precisamos que você faça isso também.

—não queremos que fique traumatizada, nem nada. Apenas te alertar sobre as pessoas e em como elas podem ser.

—tudo bem

—você entende que você pode ser legal, mas agora não. Somente não fale com ninguém que não seja nos e não abra a porta pra mais ninguém.

—só estamos protegendo você e o bebe. Não entende?-questiona peeta e ela assente -me desculpa por ter gritado com você, eu não devia mas vocês dois poderiam ter morrido. Você  sabe que quero te proteger?

—eu sei

—me perdoa?

—claro que sim-diz sorrindo, peeta da um abraço nela que ri e faz o bebe rir em seu colo, super fofo e rimos juntos.

—vamos dar um nome pra ele?

—melhor não, vamos nos apegar e se ele tiver mais alguém da família, ficaremos tristes com sua partida.

—ele não parece ter ninguém, a mãe dele morreu.

—não sabemos se é a mãe dele.

—bom vamos saber quando chegarmos á base.

—vocês ligaram pra base?

—nossa, esquecemos!

 Levanto, pego os celulares e entrego o tablete pra prim, que sorri ligando. Tento ligar todos mas estão descarregados, ate que um liga.

—isso!-diz peeta animado e esperamos iniciar

—você pegou carregador?

—peguei um

—onde tem tomada?-questiono, prim aponta pra perto da porta e coloco pra carregar.

—qual o numero?

—não lembro

—liga o radio-diz prim, concordo e o bebe começa a chorar.

—deve estar com fome, esquenta o leite amor

—tudo bem-diz peeta levantando com o bebe e começa a balança-lo 

É tão fofo ver os dois juntos.

—ligar radio-digo e o radio liga

  Ajusto á procura de onde está a transmissão e encontro

 Sorrio

 Ligo pro numero e espero

‘’alo...



Notas finais do capítulo



—JT.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "I Will Never Give Up On You" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.