Crepúsculo 2.0. escrita por Erin Noble Dracula


Capítulo 9
Hipócrita


Notas iniciais do capítulo

https://youtu.be/m6PhkIq3Cbk-Hope e Landon.



P.O.V. Alec.

Quando ela disse sair para ver a luz, não imaginei que estivesse sendo literal. Mas, estava.

Eu vi o sol caminhei entre os humanos pela primeira vez em oitocentos anos. Me libertei.

Ontem, os outros beberam no bar.

—Não vai beber?

—Eu não bebo, nada que não seja sangue.

—É mesmo. Os da sua raça são uns enjoados.

—E qual é a sua relação com todos eles?

—Landon é meu irmão.

—Meio irmão?

—Não. Ele não é meu sangue, por isso sou lobisomem e ele não. Mas, ele é meu irmão.

—E quanto a você garota loba?

—O sangue que corre pelas minhas veias não é humano. Meu pai é um dos primeiros vampiros do mundo. Um Original. Minha mãe era uma lobisomem Alfa membro da primeira linhagem de lobisomens do mundo. Uma Laboneire. Como eu.

—Era?

—Ela morreu para me proteger. E minha vó paterna era uma bruxa então... eu sou uma tri-hibrida. Graças ao meu sangue de vampiro posso controlar quando me transformo.

—Uau!

—Se importam se formos dançar?

—Não. Vão enfrente.

Notei que o lobo estava enamorado pela garota super híbrida.

—Apaixonado pela namorada do seu não irmão.

—Landon é meu irmão. Fomos criados juntos, sabe quando éramos crianças, quando nos conhecemos na casa dos nossos pais adotivos Hector e Maria ele me contou sobre esse cara que morava num outro bairro e costumava queimá-lo com cigarros por esporte.

—Credo.

—É. Senti essa necessidade louca de protegê-lo. Mesmo sabendo que não mudaria o que aconteceu. Então, peguei alguns ônibus, bati na porta daquele cara e eu desci o sarrafo nele. Nunca contei para o Landon, as únicas pessoas que sabem são você, a Hope e a Ness por causa daquela droga de coisa de ler a mente.

—A super híbrida é uma telepata?

—Não. Contei pra Hope e a Ness ouviu. Leu nossos pensamentos. Sabia que o meu irmão não iria querer ser parte de algo assim. Mas, quando alguém é tão importante pra você quanto Landon é pra mim, a gente faz qualquer coisa para protegê-lo, mesmo que signifique ter que mentir. Ele é Kirby, eu sou Waithe, ele é branco eu sou negro, eu sou lobisomem e ele é... o Landon. Mas, ele é meu irmão.

—Impressionante. E como funciona essa coisa de ser filho da lua?

—Sou o alfa da minha matilha.

—Vocês nascem assim?

—É uma maldição. Mas, sim nascemos assim. Landon estava ao meu lado depois que eu ativei a minha maldição. Hector e Maria acharam que eu tava possuído, então me levaram para a igreja e o Padre tentou me exorcizar. Não funcionou. O Doutor Saltzman e a Hope me salvaram, nos levaram para um lugar onde eu pude entender o que eu era, o que estava acontecendo comigo.

—Doutor Saltzman? Como as bruxas gêmeas?

—É. Ele é pai delas.

—Então ele é um bruxo.

—Não. Humano. Completamente, totalmente e irrevogavelmente humano.

—E como elas são...

—A mãe biológica delas era. Josette Laughlin.

—Então, a mulher abandonou as filhas?

—Não. Ela morreu. Ainda grávida e o Coven fez um feitiço maluco e magicamente as implantou na senhora Mikaelson quando ela morreu.

—A mãe da Hope?

—Não. A mãe da Hope era Hayley, a senhora Mikaelson é a Diretora. Caroline.

—Nada disso faz sentido.

—A magia da vó da Hope fez o pai dela ser vampiro, mas ele nasceu lobisomem. Quando ele matou pela primeira vez, ativou a maldição e virou o primeiro híbrido de vampiro com lobisomem. Ai ele dormiu com a mãe da Hope que é... era a última descendente da primeira lobisomem do mundo e ela ficou grávida. Ai ela pariu a Hope, morreu, voltou, virou híbrida, foi amaldiçoada, trancaram o lado lobisomem dela e ai ela se matou para levar uma vampira nazista para o túmulo com ela e proteger a filha.

—Isso dava uma novela.

—É. 

—E de que talismã elas estavam falando?

—O anel. Vai proteger você.

—De que?

—Você vai ver. Vai ser legal. Ai, quantos anos você tem? De verdade?

—Oitocentos.

—Puta merda, cara. E qual é a daquela fumaça?

—É o meu dom. A fumaça cria naquele que ela envolve uma ilusão de que está cego, surdo... tira-lhe os sentidos.

—Então é um anestésico sobrenatural? Legal. Aposto que a Emma vai gostar de ter uma mãozinha.

—Emma?

—Ela é conselheirara lá naquele lugar que eu falei. Ela é uma bruxa e faz um pouco de tudo que nem o Dorian. Dorian Williams, o bibliotecário e vampiro.

—E que tipo de lugar é esse?

—É uma escola. Uma escola para gente como nós. Uma escola para o sobrenatural.

—Está falando sério?

—Não ria. Eles salvaram a minha vida, cara. Não sei o que eu teria virado se o Doutor Saltzman não tivesse me achado. Eu não seria Alfa e provavelmente estaria morto.

—E como você virou lobisomem?

—Foi um acidente de carro. Eu estava dirigindo, minha namorada Cassie estava no banco do passageiro, estávamos discutindo nem lembro sobre o que. Perdi o controle, o carro bateu. Eu sobrevivi, a Cassie não. Ela morreu. Maldição ativada.

Então, ele bebeu o copo de tequila.

Flashback Off.

As duas únicas pessoas que não tiveram problema em confiar na minha palavra, foram as duas que pensei que me expulsariam a ponta pés. 

Creio que ontem á noite foi a primeira vez que tive uma conversa de verdade com alguém que não a minha irmã. E quem diria que este alguém seria um lobisomem? Um filho da lua. Quem diria?

Como a híbrida Cullen sumiu, tive que me contentar com a companhia da bruxinha. Josie.

—Então, o que achou?

—Do que?

—Da cidade. Não estava prestando atenção em mim estava? É. Eu sou mesmo invisível.

—Sinto muitíssimo. Não foi minha intenção magoa-la apenas, é muita coisa para absorver. Outra raça de vampiros, filhos da lua, um ser híbrido de três criaturas diferentes, andar ao sol após oitocentos anos.

—É. Você tá certo. Me desculpe. Acho que você iria gostar do Instituto. Talvez devesse conversar com a Emma.

P.O.V. Renesmee.

O que foi que aconteceu?

—O que aconteceu? Ai, a minha cabeça. Onde estou?

Eu estava num quarto de hotel e não era o meu quarto de hotel. E eu não tava sozinha na cama.

—Puta merda.

—Katerina.

Me levantei completamente em pânico.

—Ai Misericórdia!

P.O.V. Elijah.

Eu acordei, não completamente consciente do que estava se passando. Vi a pessoa deitada na cama ao meu lado. E falei automaticamente:

—Katerina.

Ela se levantou completamente apavorada. E disse:

—Ai Misericórdia!

Então, como um estalo me apercebi de que ela não era Katerina. Lembrei-me de que Katerina Petrova estava morta. Esta era Renesmee Cullen, a melhor amiga da minha sobrinha. Uma jovem de sete anos de idade.

—Oh, Meu Deus! Tenha calma. Eu não vou lhe causar nenhum dano.

—Eu... eu dormi com um cara de mil anos que por acaso é o tio da minha melhor amiga. Eu sou uma péssima amiga. O que aconteceu? Como viemos parar aqui?

—Não sei.

—Não sabe?! Estou tentando lembrar o que aconteceu, mas eu não consigo.

—Temo que tenhamos sido drogados.

—O que?!  Mas, você é um super vampiro. Ai. Eu não... não consigo respirar.

A menina estava tremendo, seu coração batia tão rápido que parecia que saltaria pra fora do peito.

—Tenha calma.

Tentei compeli-la a se acalmar, mas falhei. Então, tapei seu nariz e sua boca por alguns segundos.

—Obrigado. Onde a gente tá?

—Num hotel.

—Eu sei!

Olhei pela janela. 

—Estamos em Los Angeles.

—Los Angeles?! Mas, eu tava na Itália! Ai Meu Deus! Fomos sequestrados!

—Mantenha a calma. Vamos sair daqui, está bem?

—Tá bem.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Crepúsculo 2.0." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.