Apaixonada por um sonserino Vol. 1 e 2 escrita por HeloLovegood


Capítulo 5
A taça tribruxo


Notas iniciais do capítulo

Oi meus amores, muito obrigada pelo os comentários me incentivou a continuar postando.
Boa leitura



Hermione voltou para o vagão vendo apenas Harry e Rony.
— Turner pegou suas e foi embora com Parker sem dizer nada. - Harry começou cautelosamente vendo a garota sentar no banco, irritada. - O que houve?
— Acho que estou ficando de tpm.- Falou massageando às têmporas tentando inutilmente que a dor de cabeça passasse. - Eu apenas disse que não podemos ser amigos de sonserinos.
— Eu acho que a Hermione tem razão. - Rony disse com expressão menos carrancuda. - Não existe ninguém que foi para a sonserina que não tenha ficado mal.
— Mas ele parecia querer nossa amizade. - Harry tentou mais uma vez.
— Ele me odeia e vai continuar assim. - Hermione falou num tom que encerrasse o assunto.
— Se você diz. - Harry falou decidindo não se intrometer mais.
***
A seleção das casas foi
praticamente a mesma do ano anterior, alunos sendo destinados para casa Sonserina tendo como principal a ambição, lufa - lufa sendo os mais leais, corvinal para quem possui maior inteligência e grifinória os mais corajosos.
Hermione estava completamente área a tudo, sua mente só predominava um certo sonserino que o último acontecimento a deixou intrigada.
Tinha mesmo rejeitado a amizade de Dylan Turner ou tinha tido um surto psicótico e imaginara tudo aquilo? Sentiu-se totalmente envergonhada fitando seu prato de ouro vazio. Podia sentir um par de olhos azuis a fitando insistentemente fazendo com que sentisse suas costas queimando, mas não se atreveu a olhá-lo, não tinha coragem para isso.
— Dylan Turner não para de olhar para você. - Gina sussurrou olhando Dylan na mesa atrás deles.
— Não me importa. - Mentiu Hermione desejando que tudo aquilo acabasse logo e ela pudesse deitar em sua cama quentinha e tentar esquecer tudo o que aconteceu.
— Ele está vindo. - Gina disse se endireitando.
— O quê? - Indagou Hermione, desesperada.
— Era brincadeira. - Riu a ruiva percebendo o estado dela. - O que aconteceu? Porquê está nervosa?
— Eu não estou nervosa, Gina. - Hermione respondeu prestando atenção no discurso que Dumbledore iniciara.
— Sejam todos bem vindos a hogwarts para mais um ano. - Disse levantando os braços como se estivesse abraçando o salão principal. - Quero dar às boas vindas ao novo professor de defesa contra as artes das trevas, o professor Alastor Mood. - Nesse momento a porta se abre no estrondo chamando a atenção de todos os presentes para um homem que acabara de entrar.
Um homem baixo, usa um olho mecânico que vira para todas às direções, havia também uma perna de prótese e aparência bizarra.
Enquanto ficara andando pelo salão principal até a mesa dos professores, houve vários murmúrios entre os alunos.
— Ele era um auror. - Rony começou. - Papai disse que era ótimo e levou muitos seguidores de você sabe quem para Azkaban, mas depois foi afastado do cargo, porque dizem que ele enlouqueceu.
— Então, porquê Dumbledore o chamou para dar aulas? - Harry perguntou confuso.
— Por que o cargo está amaldiçoado. - Hermione quem respondeu. - Nenhum professor durou mais de um ano lecionando nessa matéria e Dumbledore não tinha mais ninguém para colocar no cargo.
— E resolveu colocar um biruta? - Harry perguntou perplexo.
— Poderiam ter colocado o Snape. - Rony quem falou desta vez. - Ele sonha com esse cargo e pensa como seria maravilhoso não tê-lo como professor no ano que vem.
— Deve ser por isso que Dumbledore sempre o nega, ele não quer perder o professor.- Hermione falou pensativa e depois se calou ouvindo o diretor.
— Me desculpa o atraso, Dumbledore. - Disse Mood apertando a mão do mais velho.
— Não se preocupe. - Disse sorrindo. - E muito obrigado por ter aceitado o convite.
Mood sentou na mesa e Dumbledore continuou o discurso das regras da escola, por exemplo, como não podiam ir a floresta proibida e que era permanentemente proibido o terceiro andar.
Enquanto Dumbledore avisava os primeiranistas sobre as regras, Hermione aproveitou o momento para olhar Dylan que parecia bastante concentrado no seu prato, ele olhou na direção dela quando percebeu que o encarava e imediatamente ela virou-se para frente suspirando, entristecida.
— Ainda tenho mais alguns avisos. - O diretor alertou. - Porém, vamos jantar primeiro. Inicia-se o banquete. - Falou por fim, fazendo aparecer inúmeras comidas diferentes em cada mesa.
— Já era sem tempo. - Rony disse contente e começou a devorar várias coxinhas de frango.
Hermione estava tão perdida nos seus próprios devaneios que nem sequer lhe incomodou o modo como o ruivo comia. Resolveu pegar uma sopa de abóbora e comeu calmamente.
Quando todos estavam saciados, Dumbledore levantou-se e comunicou.
— Quero dizer que este ano hogwarts vai ter uma competição, o torneio tribruxo. - Disse fazendo todos comemorarem. - Um aluno será selecionado em cada escola para a competição e quem consegui vencer o torneio, levá-la para casa a taça tribruxo e dez mil galeões.
Fred e Jorge se entreolham contentes, a quantia seria suficiente para abrir a loja de logros que tanto sonhavam, mas a ultima parte que ouviram os fizeram protestar, só podiam participar alunos maiores de idade.
Um grande murmúrio fora ouvido, ninguém gostou de ouvir a última regra e Dumbledore tivera que elevar o tom de voz.
— Silêncio! - Exclamou fazendo todos se calarem. - As regras são claras. - Disse mais calmo. - O torneio tribruxo é uma competição perigosa, poucos conseguem sair vivos das provas e por isso achamos melhor alunos com mais experiências para participar.
— Seria legal, não é? - Rony disse sonhador. - Participar de um torneio e ganhar a glória eterna.
— E ser morto por isso? - Retrucou Hermione achando tudo aquilo perigoso demais por uma simples taça.
— Quem não quer a glória? Ficar famoso no mundo bruxo todo, nem que seja por alguns segundos.
— Antes você do que eu. - Harry disse pensando que já corria perigo o suficiente com Voldemort querendo matá-lo desde quando pôs os pés na escola e não queria mais fama do que já tinha.
Depois das explicações, começou a entrar alunos e diretores de outras escolas. A escola Drumstrang fizera uma entrada triunfal com cambalhotas e coreografias.
Vitor Krum entrara por último sendo acompanhado pelo diretor de seu colégio e Krum lançou um olhar para Hermione que retribuiu criando um clima entre eles. Isso não passou despercebido por Dylan que se remexeu na cadeira, desconfortável.
Logo depois, entraram as alunas de Beauxbatons, são todas veelas. Isso faz com que qualquer rapaz ficassem hipnotizados quando as vissem, todos os garotos da grifinória pareciam babar por elas, inclusive Rony que já estava escorrendo.
Hermione fizera uma careta enojada e olhou rapidamente para Dylan que ao contrário dos demais parecia não se importar com elas, isso fizera ela sorrir mesmo não entendendo o porquê.
Mas seu sorriso desapareceu quando uma em particular, fizera uma pose esticando o braço na direção dele, que apenas sorriu para a loira e ela retribuiu antes de continuar seu caminho.
Que oferecida, pensou Hermione. Depois entrou a diretora da escola que parecia maior que Hagrid.
Finalmente todos foram liberados e Granger não poderia ficar mais agradecida. Levantou-se sendo acompanhada pelos os seus melhores amigos e foram direto para o salão comunal.



Notas finais do capítulo

Gostou?
Mereço comentários?
Beijos



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Apaixonada por um sonserino Vol. 1 e 2" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.