O Despertar dos Sentimentos escrita por Luana de Mello


Capítulo 17
Hokage




Acordo me sentindo extremamente bem e contente, como há muito não me sentia. Espreguiço-me na cama e sou inundado por lembranças do meu fim de tarde. Tudo relacionado a Hinata é maravilhoso, sua pele, seu cheiro. Acho que estou ficando pior que o Ero-Sennin; preciso tomar um banho bem gelado. Saio de casa e rumo ao clã Hyuuga buscar minha pequena, hoje vamos comprar a mobília da nossa casa. Também preciso lembrar de agradecer ao Konohamaru por pegar aquele apartamento por mim, e por levar minhas coisas para lá. Aquele garoto realmente se tornou um irmão mais novo para mim, e me conhece bem o suficiente para saber que eu não iria para minha casa nova sem Hinata.

As ruas estão movimentadas para essa hora da manhã; as pessoas vão e vem com pressa, crianças correm atrasadas para a Academia, algumas senhoras fofocam animadas. Quando passo eles me cumprimentam, me acenam. Quem diria que eu seria tratado assim, depois de anos sendo enxotado dos lugares, sendo praguejado e humilhado por essas mesmas pessoas. Não guardei rancor deles, de forma alguma faria isso, acho que minha vontade de provar meu valor sempre foi maior que minha magoa. Hoje posso viver em paz com meu passado, sem queixas ou alterações, a única mudança que eu faria, seria não ter sido tão idiota com meus sentimentos. Eu sempre fui muito cego quanto a isso, mas no fundo, mesmo que inconscientemente eu sabia que sempre amei Hinata, desde pequeno, nunca gostei de vê-la triste, me irritava quando outros meninos caçoavam dela; para mim poderiam falar o que quisessem, mas não para ela. Agora quando me recordo, vejo que sempre admirei seus belos olhos, e sempre que eles me fitavam eu ficava agitado, inquieto; fazia de tudo para ser notado por ela. Mal sabia eu que ela sempre me notou. Chego ao clã e os guardas me deixam entrar. É tão estranho, que chega ser engraçado, eu tenho acesso livre ao maior clã de Konoha, justo eu que era expulso de qualquer lugar.

— Fala cunhado, chegando cedo hoje hein? - Hanabi comenta, pelo visto ela está animada.

— Bom dia para você também, Hanabi! - respondo no mesmo tom chocoso.

— Minha irmã ainda não saiu do quarto, venha vamos entrar e esperar por ela - me chama já entrando na casa.

— Hinata está doente? - peço preocupado.

— Ah não, minha irmã só está cansada. - declara, e me parece muito astuta.

Sinto meu rosto esquentar com sua declaração, e a danadinha percebe e gargalha da minha expressão.

— Não se preocupe cunhado, eu não sou fofoqueira. - ri-se mais de mim.

Resolvo não responder, não sei ao certo o que ela sabe, e se eu abrir a boca posso me complicar mais. A sigo para a sala e encontro meu sogro e Neji a mesa, os cumprimento e quando estou sentando, ela desce as escadas, tão linda e serena que eu fico com a maior cara de bobo.

— É melhor comprar um babador Naruto. - Neji faz troça.

Não respondo, sei que estou agindo feito um idiota, mas não me importo.

— Bom dia papai, irmão, irmã! - ela os cumprimenta e dá a cada um, um abraço e se volta para mim - Bom dia Naruto-kun!

— Bom dia pequena! - respondo lhe abraçando de volta.

— Então Naruto, o que faz acordado tão cedo no seu dia de folga? - Neji pergunta.

— Eu vim buscar Hinata, para irmos comprar a mobília da casa. - repondo animado - Claro, se o senhor permitir, meu sogro.

— Não vejo motivos para ir contra, isso me deixa muito contente. - Hiashi responde - por falar nisso, já começou a fazer seu enxoval minha filha?

— Ainda não pai, eu tenho algumas lãs, mas os demais tecidos me faltam. - Hina fala.

— Espere aqui - ele levanta vai até seu escritório e retorna a mesa - esta quantia deve dar para tudo!

Isso não está certo, as economias que tenho das missões darão para tudo e mais um pouco; sempre fui cuidadoso com dinheiro, sabia que não teria ninguém por mim, então guardava mais da metade dos meus pagamentos desde que entrei para o time 7. Olho para o meu sogro e vou protestar.

— Nem comece Naruto, sei o que vai dizer, mas isso é obrigação do pai, não se preocupe. - rebate convicto.

Depois que Hina toma seu café, nós saímos, mas não antes de Hanabi fazer mais um comentário inusitado e me deixar envergonhado. Caminhamos felizes decidindo em qual loja iremos primeiro. Entramos em uma loja e começamos nossa busca, primeiro achamos a cama, era bem confortável e espaçosa, e na cabeceira tinha algumas folhas entalhadas na madeira. Depois compramos um guarda roupas grande e dois criados mudos, escolhemos também uma mobília parecida para um quarto de hospedes. Para sala de visitas uma mesinha de tamanho médio, poltronas confortáveis e um armário. Para cozinha uma geladeira grande, fogão, pia, achamos também os armários perfeitos, com detalhes de flores entalhados, uma mesa de jantar grande. Para o escritório apenas uma mesa e cadeiras, não o usaremos muito, mas a sala de estar eu quis fazer algo melhor, escolhi poltronas confortáveis  e uma estante para encher de livros; por mais que eu não vá ler nenhum, queria uma em casa. Agora é só esperar que tudo seja confeccionado e montado. Saímos dessa loja e fomos a uma de tecidos, enquanto Hinata escolhia o que precisava eu lembrei de algo importante, pequei em sua pequena mão e guardei mentalmente a medida.

— Hina, eu preciso fazer uma coisa, mas já volto aqui está bem? - ela me olha curiosa, mas concorda.

Saio apressado pela rua, procurando a loja como louco, não posso demorar e correr o risco dela vir atrás de mim. Quando encontro, me ponho a analisar as peças, uma mais linda que a outra, mas nenhuma tinha um toque especial. Até que eu vejo, a um canto da vitrine, feito de ouro branco,com um adorno delicado de pequenas pedrinhas azuis e no centro, reinando absoluta, uma pedra da lua. Esse era perfeito, delicado como Hinata, e remete a beleza estonteante de seus olhos. Chamo a vendedora, checo as medidas e vou ao caixa para pagar, mas sou interrompido no caminho.

— Naruto-kun, você por aqui? - uma garota de cabelos avermelhados e olhos negros me para.

— Desculpe, mas eu não me lembro de você e estou com um pouquinho de pressa. - digo tentando sair dali.

— Ah eu sei, nunca fomos apresentados, sou Mariko Kimura. - fala como se não ouvisse o que falei antes.

— Tá, prazer Mariko, mas agora eu tenho que ir, como disse, estou com pressa. - tento sair novamente.

— Ah mas não pode nem me acompanhar um pouco? Você está comprando joias, um presente para alguma garota? - pergunta intrometida, mas que menina chata.

— Olha só, eu realm...- não termino a fala, um furacão loiro aparece entre nós.

— Escuta aqui querida, meu amigo é comprometido, e sim ele está comprando uma joia para a noiva dele, então você faria um grande favor em deixar ele em paz. - Ino fala furiosa - Vem Naruto, Hinata está esperando.

Deixo Ino me puxar até o caixa, e agradeço a Kami por ela estar ali, eu acho que não conseguiria sair daquela situação. A garota fica para trás com sua cara azeda.

— Naruto, você precisa ser mais incisivo com essas garotas, principalmente essas que se fazem de surdas. - Ino me repreende.

— Eu tentei Ino, mas nada surtia efeito, isso está ficando chato demais. - reclamo já saindo da loja.

— Bom, sinto em te dizer, mas isso não parar e você terá de ser mal educado as vezes, se quiser evitar confusão. - quando vou protestar, Ino fala algo que eu não tinha pensado ainda - eu sei que você não faz por mal Naruto, mas vai ter que evitar essas coisas, se não pode acabar magoando a Hinata.

— Nunca quero magoar minha pequena, não vou deixar isso acontecer Ino, muito obrigado. - digo decidido - mas o que você faz aqui?

— Eu vim trazer um colar da minha mãe para conserto. Ela quer usar hoje na cerimonia de posse do Kakashi-sensei. - ela conta entediada.

Me despeço da Ino e vou rumo a loja de tecidos, encontro Hinata perdida analisando dois tecidos muito bonitos.

— Ah, Naturo-kun! Que bom que chegou, o que acha desses dois para fazer algumas cortinas? - pede me mostrando os dois tecidos.

— Gosto mais do laranja. - respondo sincero.

— Eu sabia! - fala já pondo o tecido no sexto de compras.

— Hina? - chamo um pouco nervoso - eu achei algo especial para você, para simbolizar nosso relacionamento, sei que não precisa e tudo mais. Mas eu queria realmente fazer isso, e te dar algo que te lembrasse de nós dois.

Pego sua pequena  mão, abro a caixinha e retiro o anel, e o coloco em seu dedo anelar. Hinata fica calada, não sei se gostou e começo a pensar que não quando vejo algumas lágrimas rolar em sua face. Me apavoro e estou quase me desculpando quando ela abre um lindo sorriso.

— É lindo Naruto-kun, eu amei - diz se jogando em meus braços e me roubando um beijo - Essa é uma pedra da lua? E essas são safiras?

— Sim, eu achei perfeito! Representam o modo como meus olhos reverenciam os seus, assim como minha alma e coração te reverenciam, meu amor. - falo emocionado.

Eu sei que pareço um idiota no momento, mas não importa, Hinata merece isso e muito mais, merece todo tipo de declaração e carinho, por me esperar tanto tempo. Ela sorri mais ainda, as pessoas a nossa volta, todas pararam o que estavam fazendo para nos olhar. Depois que Hinata comprou tudo que precisava, nós saímos da loja e encaramos o aglomerado de pessoas pelas ruas. Andamos felizes, Hinata fala animada sobre o que fará com os tecidos que comprou. Nossa vida está tão boa que tenho medo de estar sonhando, temos uma sincronia e afinidade absurdas. Caminhamos até o clã para Hinata guardar tudo e se aprontar para a cerimonia, e enquanto aguardo, Hanabi me chama para jogar Shogui e perco vergonhosamente. Hinata desce com sua roupa de cerimonia dobrada na mão, ela só vestiria no local. Quando saímos nos portões do clã, avisto Sakura correndo até nós, eu me encolho inteiro já prevendo o pior.

— Naruto, Hinata! Ainda bem que achei vocês. - fala com dificuldade.

— O que foi Sakura-chan? - Hina pergunta.

— A cerimonia de nomeação foi cancelada! Tsunade-sama acordou! - conta animada.

— Mas isso é uma maravilha, vamos Hina! - pego em sua mão e só dá tempo dela atirar a vestimenta para Hanabi.

Saímos os três em disparada para o centro da vila, desviando de transeuntes, comerciantes e animais. Hinata acha engraçada minha afobação, e pelo visto Sakura também. Não evito rir junto das duas, não poderia ter recebido notícia melhor. Continuamos correndo até chegar ao prédio do hospital, uma enfermeira tenta nos barrar, mas desviamos dela e continuamos até o quarto, e entramos de supetão.

— Desculpe Shizune-san, eu tentei para-los! - a moça se justifica.

— Tudo bem Inai-san, você não pararia o Naruto! - Shizune fala risonha.

E sentada na cama, comento um monte de coisas, a vovó. Nem parece que estava quase morrendo, só pele e osso.

— Vovó Tsunade! - digo lhe abraçando.

— Cuidado Naruto! - Sakura adverte.

— Que bom que acordou Tsunade-sama! - Hinata fala encabulada.

— Estou feliz de estar de volta! Ei Shizune, me consegue um pouco de saque, sim?

— Claro que não, senhora Tsunade! - Shizune se exalta.

— Você não mudou nada vovó, continua a mesma velha matreira de sempre! - digo rindo.

Sakura faz menção de me bater, mas basta um olhar da Hina para ela mudar de ideia, o que não passa despercebido dos olhos astutos da vovó.

— Então? Quais as novidades? - pergunta enchendo a boca de bolinhos de arroz.

— Bom, como pode ver senhora Tsunade, Naruto derrotou Pain e salvou a vila. - Shizune conta - as obras de reconstrução estão praticamente todas prontas.

— Eu não derrotei o Nagato sozinho, a Hina me ajudou. - digo afagando sua mão.

— Hum, e o que mais? - insiste.

— Ah o de sempre vovó, Danzou era um sem vergonha, a Akatsuki declarou guerra, o líder deles é um tal de Madara Uchiha. - vou enumerando os acontecimentos, a vovó arregala os olhos - o Sasuke só apronta, está cada vez mais perdido. Ele até tentou matar a Sakura!

— Ah Naruto-kun também doou Chakra para sua recuperação Tsunade-sama! - Hinata conta, mas como ela sabe disso? - também ajudou bastante na reconstrução da vila.

— Isso é verdade, nem parece aquele Naruto cabeça oca que conhecemos. - Sakura afirma.

Elas estão me deixando envergonhado, não fiz nada extraordinário, só o meu dever, coisa que qualquer faria.

— Estou orgulhosa de você Naruto, fico feliz de ver o quanto cresceu, realmente dará um grande Hokage! Jiraya, de onde quer que esteja, também está orgulhoso do seu aluno. - vovó diz emocionada.

— Fiz o que qualquer um faria pela vila vovó. - digo com a voz embargada, mas mudo de assunto para quebrar o clima pesado, não quero ficar triste hoje - Mas o mais importante, eu vou me casar!

Nesse exato momento, a vovó estava tomando água e acaba se afogando, Shizune corre acudi-la.

— Ora seu moleque, eu aqui te elogiando e você vem me pregar uma peça dessas! - a vovó diz vermelha.

— Não é brincadeira, senhora Tsunade. - Shizune me ajuda.

— Não?!! - a vovó parece não acreditar - com quem você vai se casar Naruto?

— Comigo Tsunade-sama. - Hinata fala docemente.

— Por amor de Kami, me diga que você não virou um tarado igual seu mestre, e acabou engravidando a Hinata, Naruto! - me olha brava, deixando Hinata e eu muito envergonhados.

— O que?! Claro que não vovó! Vou me casar com ela porquê a amo. - digo vendo sua face corar.

Se bem que, eu estou muito parecido com o Ero-Sennin, e também nosso relacionamento já está bem avançado, mas isso a vovó não precisa saber. Dessa vez é a vovó que me abraça, e um abraço de urso.

— Que bom que finalmente você acordou garoto! Fico muito feliz por vocês, Hinata é uma menina de ouro. - a vovó diz emocionada.

— Credo vovó, desse jeito me arranca o pescoço. Nem parece que estava em coma, ainda tem uma força monstra. - digo recuperando o ar.

Elas riem, e nós voltamos a nossa conversa. Passamos as próximas duas horas ali, atualizando a vovó sobre a reunião dos cinco Kages, a aliança Shinobi, Sasuke, Danzou, Madara Uchiha e todo o resto. Sei que os tempos serão difíceis daqui em diante, mas sem dúvidas a vovó é uma ótima Hokage, e quando a hora chegar, ela não exitará. Konoha vai se preparar para a guerra. 





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Despertar dos Sentimentos" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.