O Último Adeus de Amélia Pond escrita por Cyberwoman


Capítulo 1
No Need To Say Goodbye


Notas iniciais do capítulo

Amy Pond foi uma companion incrível e admirável, fiquei muito triste com seu final e precisava escrever alguma coisa sobre.

*A fanfic participa do Projeto Starwoman da @ValdieWhittaker no Spirit Fanfiction, para quem quiser participar, o link do jornal estará nas notas finais



 

 

Ela conhecia aquele som, sabia quem e o que se aproximava, havia esperado por isso a noite toda, já estava perdendo as esperanças de rever aquele homem estranho que consertou a rachadura em sua parede. Ele havia prometido que voltaria para buscá-la e, quando começava a pensar ser apenas fruto de sua imaginação, que aquele homem jamais estivera em seu jardim e em sua casa, aquele som familiar surgiu cortando os ventos e aumentando conforme a cabine azul pousava. 

    A menina olhou para cima com um sorriso crescendo em seu rosto, levantando-se ao ver a enorme cabine e aguardando ansiosa pelo momento que veria o homem misterioso e divertido outra vez. Sentia uma emoção forte ardendo no peito, o ritmo acelerado de seu coração entregava sua felicidade e alívio ao perceber que não, ele não havia esquecido dela, ele não foi embora como todos os outros, ela não estava mais sozinha. 

     A porta finalmente se abriu, um homem agitado e emocionado surgiu a sua frente, olhando para ela com os olhos marejados e um sorriso nostálgico e gentil nos lábios. Ela reparou que as vestes não eram mais as mesmas de quando ele havia partido, ele estava diferente, a confusão em seu olhar e aquele ar de inocente já não estavam mais lá, ele havia amadurecido. 

     —  Você voltou! 

    Ele se aproximou arrumando a gravata borboleta e sorriu. 

     —  Eu disse que voltaria! 

     —  Você demorou. 

    A garotinha cruzou os braços e ficou séria, deixando transparecer o quanto ela estava frustrada com a demora dele. 

     —  Disse que voltaria em cinco minutos. 

    O homem se abaixou na frente dela e pegou as mãos pequenas e enluvadas da menina, olhando para o chão com tristeza. Se ele pudesse voltar no tempo, naquele momento, ele voltaria. Ah, se ele pudesse! Se ele pudesse resolver todos os problemas do universo, ele o faria, mas mesmo um Senhor do Tempo como ele era incapaz de fazer isso. Tantas mortes que ele poderia ter evitado, tantos amigos que ele poderia ter mantido ao seu lado... Mas o tempo era engraçado, estava a seu favor e também não estava. 

   O Doutor olhou para a menina ruiva com olhos curiosos e por um instante desejou poder levá-la para longe, um lugar onde ele teria certeza de que estariam seguros. Mas aquele lugar não existia, e mesmo que existisse, ainda assim ele a veria partir, afinal, ele estava além das expectativas de vida de um ser humano. Veria sua amiga partir de uma forma ainda mais dolorosa, levada para longe pela velhice ou por uma doença da qual ele não podia lutar contra. 

    —  Aconteceram coisas... Muitas coisas. 

   —  Tem a ver com a rachadura na minha parede?  —  perguntou curiosa, fazendo-o sorrir ao lembrar-se daquela noite, a sua primeira noite com um rosto novo. 

    —  Tem a ver com uma amiga muito querida. 

    —  Sério? Eu posso conhecê-la?

   —  Receio que não  —  respondeu, logo vendo o sorriso da menina se apagar  —  Mas um dia irá.  —  completou, atraindo a atenção dela novamente. Ele adorava vê-la daquela maneira, sempre tão atenta ao que ele dizia e às histórias contadas por ele, um brilho de admiração tomava conta de seus olhos toda vez que ele falava. 

    —  Como ela é? 

  Ele levantou-se e, segurando na mão da menina, a guiou pelo jardim da casa, aproveitando cada minuto junto da pequena, contando sempre empolgado as aventuras que teve ao lado de sua amiga, encarnando um pirata em alto mar e ambos lutando contra eles, falando sobre um amor que cresceu e se fortaleceu conforme os dias passaram, como aquele homem era tão apaixonado que esperou por dois mil anos pelo despertar da amada apenas para mantê-la segura, o quanto ela se esforçou para salvar uma baleia no espaço e como ela havia dado esperança para um dos maiores pintores já existentes. 

   Conforme ele via o brilho nos olhos dela aumentar, mais ele contava sobre uma das melhores amigas de toda a sua longa vida. Segurava-se para não contar mais do que deveria, implorar para que ela tivesse cuidado e evitasse o acontecimento que os separaria, mas o Doutor sabia, não havia nada que ele pudesse fazer. 

   Após muito se divertir com a pequena garota ruiva, chegara o momento de se despedir e deixá-la para viver a vida por si própria. 

   —  Por que não me leva com você? Disse que eu poderia ir!  —  perguntou em um tom de voz triste e frustrado  — Vai me deixar aqui outra vez?


   O homem se aproximou dela novamente e deu um sorriso triste, não queria partir, mas uma parte de si no passado teria aventuras inesquecíveis ao lado dela. 

   —  Nem se eu quisesse a deixaria, mas esse não é o momento. Você terá de esperar por mim mais um pouco, apenas não perca a esperança, não desista, pois eu virei buscá-la. Confie em mim, eu sou o Doutor! Não mentiria pra você. 

   —  Você promete? 

  — Juro pelos meus corações.  — ele sorriu e pousou as mãos nos ombros dela, depositando um beijo singelo em sua testa  —  Agora vá, viva a sua vida como tem de ser, aproveite o quanto puder e não se esqueça de mim, Amélia, pois não esquecerei de você. 

   Correndo de volta para a Tardis, ele parou em frente a porta para acenar, girando em seus pés, fazendo o sobretudo escuro que usava flutuar ao seu redor. 

    —  Adeus, homem maltrapilho! 

   O Doutor paralisou com aquele apelido, lembranças desencadeadas por ele invadiram sua mente em um segundo, seria a última vez que o ouviria. 

   — Ora, não é um adeus, mas sim um até breve.  —  sorriu  —  Ah! Mais uma coisa! 

   Ele disse. 

   —  Lembre-se da história que lhe contei. A história de Amélia Pond. 

  Fechou as portas ao ver a confusão no rosto da pequena e correu para o console, puxando alavancas, pressionando botões e girando feliz por realizar um pedido de sua amiga e por ele mesmo. Sentia-se iluminado e melancólico por ter tido a chance de ver, pela última vez, o rosto de Amélia Pond.



Notas finais do capítulo

Músicas que me inspiraram à escrever:

Regina Spektor - The Call
https://www.youtube.com/watch?v=oNsQewlFtEs&index=17&list=LLW6EPFE1YpFlzPgSab5pjDw

Amy Pond Theme
https://www.youtube.com/watch?v=9BuPBQXTcMk&list=LLW6EPFE1YpFlzPgSab5pjDw&index=15

Link do jornal do projeto:

https://www.spiritfanfiction.com/jornais/projeto-starwoman-14316043



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Último Adeus de Amélia Pond" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.