Supernatural Five-0 escrita por Lady Tsubaki


Capítulo 1
Capítulo 1 – Disk Dean Winchester.


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoas!

Depois de algum tempo sem postar nada e ainda insegura por isso, tomei coragem e vim postar essa fic.

Espero que gostem e boa leitura.



— Steve!!! – gritou Danny na ligação pelo telefone. – Liga para o Dean, ele saberá o que fazer... – e essa havia sido a ultima coisa que ele escutou antes da ligação acabar.

O SEAL não entendeu na hora. Pensou não passar de mais um caso e ser exagero de seu pequeno amigo, mas a medida que os dias iam passando e a coincidência estranha de Chin e Kono estarem hospitalizados lhe fazia querer ligar para o tal Dean.

Estacionou o camaro azul, a única lembrança que tinha de seu Danno e discou os números. Parecia loucura, não definitivamente era loucura, mas o que tinha mais a perder não é mesmo.

O telefone chamava e ninguém atendia. Para Steve parecia que se passavam meia hora sendo que na verdade haviam se passado poucos minutos. Ele batia os dedos nervosamente no volante do carro e em fim escutou uma voz do outro lado da linha.

— Quem fala? – A voz do outro lado parecia um tanto agitada.

— É o Dean? – questionou Steve sem saber ao certo o que falar.

— Sim. Quem é você e a propósito, aonde arranjou esse número?

— Sou Steve McGarret, amigo do Danny. Ele disse que se algo acontecesse era para ligar para você. – o SEAL foi logo direto, sem rodeios.

Antes que Dean pudesse o responder, um barulho do telefone caindo foi escuto e na sequência um grito. Perguntou em vão o que havia acontecido e se estava bem, mas não escutava nada. E quando iria desistir ouviu novamente a voz do outro lado da linha:

— Amigo do Danny... Depois eu ligo, temos que terminar um serviço aqui... – Dean pausou por alguns instantes. — Espere um minuto rapaz...

Já havia ido bem a diante para desistir agora. Ficou alguns longos minutos na linha.

[...]

Des Moines – IO.

— Dean! – grita Sam sendo lançado contra a parede.

— Deixa esse telefone pra depois. – gritou a garota pulando, em uma tentativa inútil de derrotar a bruxa, mas acabou sendo lançada para o outro lado da sala.

Dean deixou o telefone por alguns segundos ao ser pego novamente pela bruxa. A megera estava-o sufocando quando levou duas flechadas da besta da semideusa. E com dois tiros com bala mata bruxa a serva do diabo havia sido derrotada.

Caminhando para fora rumo ao impala Sam pergunta curioso:

— Quem era no telefone?

— Ah! É mesmo. – Dean puxa novamente o celular. – Ainda esta aí rapaz? – Kally olhou para Sam que deu de ombros.

— Então, vocês podem ajudar? – perguntou a voz do outro lado da linha.

— Sim, chegamos aí o mais rápido possível. – Dean respondeu não demorando a desligar o celular.

— E então, quem era e o que queria? – perguntou Sam lhe entregando uma garrafa de cerveja.

— Lembra do Danny?

— O detetive de Nova Jérsei? Lembro, além de ter ajudado ele não nos entregou pra policia. – falou o Winchester mais novo chegando mais perto.

— Que bom que se lembra, porque ele esta encrencado. – Disse Dean.

— Então vocês vão para Jérsei? – questionou a pequena enquanto se costurava. Realmente sentia falta de seu poder de cura.

— Não exatamente, nós vamos para o Havaí. – respondeu Dean.

— Boa sorte. – sorriu e fez uma careta ao terminar de se auto costurar.

— Você não vem? – perguntou Sam risonho. Não entendendo a reação da semideusa que sempre implora para ir junto.

— Eu to fora. – fez careta – Só para saberem vou atrás da vadia, digo Atena. – fechou a cara pegando uma garrafa de álcool que havia guardado no porta mala do camaro-69 para jogar no corte recém costurado.

— Se assim deseja. – ele riu e deu de ombros.

Com um sorriso e terminando de guardar suas coisas no porta mala de seu carro. Se despediu dos dois, entrou no camaro e foi embora. Dean olhou para Sam e quando terminaram de tomar sua cerveja entraram no carro e foram embora.

O Winchester caçula pesquisava em seu tablet um jeito de ir para o Havaí sem precisar pegar um avião. Quem sabe um navio, assim poderia levar o impala e seu arsenal. Mas não tinha jeito, a não ser que falasse com um comandante.

— Dean vamos ter que ir de avião. – disse Sam como um ultimato.

— O-o que? Não. Não tem outro jeito? – Perguntou Dean amedrontado.

Pesquisou Sam mais um pouco e nada. Pelo visto iriam ter que se virar sem seu arsenal. O mais novo não gostava nada dessa ideia, mas ao contrário do seu irmão, que tinha medo de voar. O fato era ir para uma ilha, sem ao menos saber que tipo de ameaça havia por lá.

O mais novo deu uma pesquisa geral e a menos que Deus quisesse descer na terra e de bom grado o tele transportasse eles com o impala para o Havaí, teriam que ir de avião. E como sabia que era impossível, querendo Dean ou não eles teriam que voar até a ilha e não teria jeito.

— Não tem jeito Dean, vamos comprar as passagens e ver o nosso voo. – falou Sam deixando o tablet de lado.

— Mas...

— Não Dean, pesquisei todos os jeitos e não tem como. – Disse olhando ara seu irmão.

Pegaram o caminho de volta ao bunker no Lebanon. O mais velho estava frustrado, como não teria como ir de navio e pior do deixar sua baby para trás, iria ter que ir de avião. Em fim chegaram no bunker. Dean guardou o impala e Sam comprou as passagens e eles trataram de ligar para o comandante McGarret.

Marcaram com o comandante e pegaram tudo o que era possível, o que não era boa coisa.

[...]

Aeroporto de Oahu – Havaí – 11:00hrs AM

Steve esperava ansiosamente os irmãos, mal sabia como eles eram e nem os conhecia, mas tudo pelo seu Danno. E a preocupação só aumentava. Será que ele estava bem? Não. Ele tinha que está bem. Esperava que estivesse bem.

Olhava para o relógio atentamente. Andava de um lado para o outro e nada dos irmãos. Será que aconteceu alguma coisa? Ou seria simplesmente o voo havia atrasado? Suspirou fundo, afinal do que adiantava ficar especulando coisas.

Uma hora havia se passado e sua paciência já tinha acabado. E antes que pudesse sair do aeroporto o desembarque foi anunciado e as duas figuras haviam aparecido. Com certeza eram eles. Tinha que ser.

Sam e Dean andavam pelo local. O Winchester mais velho estava um tanto ainda “emocionado” com o voo. O caçula olhava com um certo sorrisinho no rosto e antes que falasse alguma coisa:

— Cala a boca! Cala a boca! – falou levantando o dedo e apontando parado Sam que apenas levantou a mão em sinal de defesa, mesmo que ainda estivesse rindo.

O comandante da Cinco-0 se aproximou os analisando e resolveu se pronunciar.

— Com licença, vocês são Sam e Dean? – olhou para a dupla esperando uma resposta.

Os dois se entreolharam e responderam.

— Sim. – respondeu o mais alto.

— E você é o amigo do Danny, certo? – falou Dean apontando para ele.

—Sim. – estendeu a mão para Dean e depois para Sam.

Saíram de lá acompanhando Steve e foram para a sede do Cinco-0 onde talvez pudessem conversar melhor. Quando chegaram no camaro ambas todos entraram, mas não sem Dean fazer um comentário, é claro.

— Saudades da minha baby. – suspirou Dean entrando no camaro.

— Quem? – perguntou Steve dando a partida assim que os dois já haviam entrado.

— O impala dele. – Respondeu Sam.

Steve balançou com a cabeça e continuou dirigindo. Logo já estavam na sede do Cinco-0. No haver do comandante aquele lugar nunca esteve tão quieto e vazio como estava agora.

Entraram na sala e ficaram se entre olhando até que McGarrett pronunciou-se:

— Como encontramos o Danny? – encarou os irmãos.



Notas finais do capítulo

Então pessoas espero que tenham gostado e até a próxima. :3

Obrigada quem leu.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Supernatural Five-0" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.