Rebirth | NamJin escrita por Pauline


Capítulo 9
This Is My Fight Song


Notas iniciais do capítulo

Boa tarde pra quem não aguenta mais a escola!
Não consegui revisar esse capítulo, então se tiver algum erro, por favor ignorem!

Música do capítulo: Fight Song - Rachel Platten
Com amor, Pauline ♥



Yoongi tirou os olhos da tela gigantesca a sua frente para prestar atenção às mensagens que chegavam toda a hora. Jimin, que se declarara irritado com o marido aquela manhã, agora enviava a cada dois segundos uma frase como “por que você não pôde vir?” ou “sinto sua falta”. Ele com certeza esquecera que supostamente estava bravo com Yoongi.
—Jiminie também faz das suas conversas rascunho? – Namjoon perguntou quando viu seu hyung largar o beat em que trabalhavam para responder o marido mais uma vez.
—Ele faz das nossas conversas o Twitter dele – o baixinho revirou os olhos – não tem um dia que ele não me mande uma informação desinteressante sobre algum ídolo por aí.
—Um tal de Agust D? – o mais novo perguntou apenas para provocar, vendo seu hyung ficar vermelho.
—Você tem a sorte de que Chae está aqui Namjoon, ou eu estaria te assassinando agora mesmo.
Isso fez Namjoon rir alto, antes de se inclinar para que pudesse ver a filha dormindo no bebê conforto à sua frente.
—Obrigada filhotinha, você me salvou – sussurrou, sentindo seu coração se aquecer quando ela se agitou um pouquinho, fazendo o macacão de Kumamon (obviamente um presente de Yoongi) se mover levemente. A touca do macacão acabou cobrindo parcialmente o rosto do bebê, cujo biquinho nos lábios e o narizinho eram as únicas partes visíveis agora.
A paternidade teve um efeito engraçado em Namjoon. Ele sempre foi do tipo reservado, que só se mostrava em público quando seus amigos estavam ao redor. Mas agora, bastava Chae fazer uma carinha fofinha ou balbuciar algo que ele se derretia por completo em caretas, sorrisos com covinhas e vozinha de bebê. Que vergonha o que, ele estava muito ocupado sendo um pai babão.
Porém, Chae já não era a única dona dos sorrisos bobos de Namjoon.
Graças à agenda cheia de Yoongi e o prazo para entregar algumas músicas imposto se aproximando, Namjoon não teve muito tempo para pensar em como Kim Seokjin tinha se tornado sua vertente de inspirações de uma maneira tão natural que fora assustadora. Talvez fosse o fato que o mais velho o ajudava em todas as facetas de sua vida, talvez fosse porque se sentisse feliz perto de Jin. Não sabia apontar exatamente onde aquele sentimento começara, mas ele existia, e foi percebido por Namjoon quando o mesmo deixou que Jin fizesse cafuné em si. A última vez que se sentira tão bem recebendo um carinho assim foi com Jun-Ho.
Jun-Ho.
Namjoon suspirou, deixando de lado a letra que corrigia. Sentia-se culpado por ter superado o marido tão rapidamente. Claro, ainda doía, doía muito, mas Jin o ajudava. Era como se Jin retirasse um pouco da saudade esmagadora que Namjoon trazia no peito e a substituísse com alegria. Conhecia o mais velho há pouco tempo, mas sentia como se fossem amigos de infância. Confuso? Sim, mas um confuso bom.
—Hyung – chamou para receber a atenção de Yoongi. Encarou os cabelos verdes do homem para não ter que olhá-lo nos olhos e perguntou – Acha que Jun-Ho me odiaria?
A feição de Yoongi se tornou confusa por um segundo, mas logo compreendeu do que Namjoon falava. Assim como Jin tinha confessado para Jimin que gostava de Namjoon, o produtor confessou para Yoongi, que por semanas ouvira seu dongsaeng se perguntar a mesma questão: Estaria traindo Jun-Ho?
—Você sabe bem o que eu penso sobre isso Namjoon-ah – falou virando-se totalmente para o mais novo – Não acho que Jun-Ho ficaria bravo por te ver indo em frente. Ele ficaria feliz na verdade.
—Isso todos dizem – Kim rebateu tristonho. Como se compartilhasse do sentimento do pai, Chae acordou resmungando, a ponto de chorar, e isso permitiu que Min tivesse tempo de formular um argumento melhor para aquela conversa.
Ele estava falando com um professor, precisava combater fogo com fogo, ou nesse caso, argumentação com argumentação.
—Namjoon – chamou, tendo a atenção do moreno voltada quase que totalmente para si, afinal ele ainda estava acalmando Chae-Won nos braços – Me diz uma coisa: Você realmente gosta de Jin hyung?
O produtor imediatamente assentiu.
—Você acha que isso pode se tornar um relacionamento?
Agora, Namjoon não sabia o que responder. Não tinha percebido nenhum sinal que Jin gostava de si, sempre ocupado demais olhando para cada detalhezinho do rosto belamente esculpido de Jin.
—Eu quero que se torne um – sussurrou por fim – Mas Jin hyung...
—Jin hyung está caidinho por você, ele fala isso pra Jimin toda hora – Yoongi revirou os olhos – Jun-Ho te amava com todo o coração dele, Namjoon-ah, e eu sei que você o ama também, mas não se impeça de viver algo bom por uma coisa que você não pode mudar.
E mais uma vez naquela semana, Namjoon sorriu com covinhas e tudo mais. Não por causa de Jin ou de Chae dessa vez, mas sim por causa de Yoongi.
Quem os visse juntos poderia muito bem dizer que aquela amizade era tão antiga quanto o mundo. Min Yoongi sempre foi o irmão mais velho que Namjoon precisava ter, e Namjoon acabou se tornando o perfeito ombro para chorar quando o homem precisou. Eram irmãos, mesmo que não compartilhassem o sangue. Irmãos de alma, como Jimin chamava.
—Obrigado hyung – o mais novo disse finalmente – Agora, o que disse sobre Jin hyung gostar de mim?

Naquela noite, depois de colocar Chae para dormir, Namjoon se achou novamente com insônia. Não era algo raro para ele, não mais pelo menos.
Ele rolou na cama, acabando por estar deitado de lado, encarando a foto em cima de seu criado-mudo. Era uma cópia da primeira foto que ele e Jun-Ho tiraram como uma casal: Namjoon segurava seu diploma em uma mão e a cintura do rapaz na outra. Namjoon sorriu com a lembrança.
—Se você estivesse no meu lugar, agora mesmo, o que faria? – perguntou olhando para o marido na foto. A saudade bateu dolorosamente no peito – Você era mais novo, mas com certeza mais sábio.
Sorriu para a foto mais uma vez antes de se deitar de bruços, com os olhos fortemente fechados, buscando o sono de qualquer forma, sono esse que parecia fugir de si. Bufou irritado antes de buscar o celular pela mesinha, abrindo o aplicativo de músicas. Colocou-as para tocar, esperando que o embalo das melodias poderiam dar a ele o tão esperado sono.
Foi quando ouviu a voz de Jin sair do objeto, acompanhado apenas pelo violão e, vez ou outra, pela risada de Namjoon. Era uma gravação amadora, feita apenas para que pudessem lembrar o momento. O Kim mais novo quase conseguia ver seu hyung franzindo a testa para a cifra da música e as partes rápidas, dedicadas a um rap. Era uma memória boa.
Naquela noite, Kim Namjoon percebeu que estava completamente apaixonado por Kim Seokjin. Dormiu ouvindo a voz do homem cantando sobre um amor que só voltaria na primavera e soube que deveria falar com Jin assim que o visse.
Estava na hora daquele dia de primavera chegar.



Notas finais do capítulo

Eu amo muito SugaMon diga-se de passagem!
No próximo capítulo teremos muito NamJin!

Com amor, Pauline ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Rebirth | NamJin" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.