Rebirth | NamJin escrita por Pauline


Capítulo 6
You Are My Flashlight


Notas iniciais do capítulo

Boa noite pra quem estragou o calendário de postagens!
Peço perdão pela falta de atualização no fim de semana. Minha irmã veio visitar de surpresa e acabei não tendo tempo nenhum pra computador, mas valeu a pena! As vezes eu me esqueço que ela mora longe e a saudade só vem quando ela vai embora de uma visita haha

Música do capítulo: Flashlight - Jessie J
Com amor, Pauline ♥



Dizer que Namjoon e Jin ficaram mais próximos após esse dia era pouco. Os dois eram praticamente melhores amigos, viviam se falando e muitas, mas muitas das aulas de Jin eram planejadas com ajuda de Namjoon. Não que as músicas que o outro produzia ficassem pra trás. Seokjin, além de ser um ótimo desenhista, tocava o violão muito bem, e agora era uma parte fixa das bases que Namjoon criava.

O problema veio quando Jin percebeu o sentimento que aflorava em seu coração.

Ele tinha vinte e seis anos, sabia reconhecer as famosas "borboletas" que passara a sentir todas as vezes que estava perto demais de Namjoon.

Percebeu-as quando eles tiveram uma espécie de encontro falho. O propósito era terminar uma base em que os dois estavam trabalhando, e por isso Jin foi do trabalho direto para a casa do seu dongsaeng, apenas passando na própria residência para largar sua pasta e pegar o violão. Porém, chegando à casa de Namjoon, o encontrou com o olhar cansado e olheiras escuras.

—Chae está doente. – respondeu a preocupação no rosto de seu hyung. Era uma das primeiras gripes que a menina pegou na vida, fazendo seu pai ficar extremamente preocupado e praticamente sem dormir. Sem saber direito como, Jin acabou sentado no sofá com Namjoon deitado em seu colo, o ouvindo falar sobre qualquer coisa que despertasse seu interesse.

As primeiras borboletas apareceram quando as mãos do mais velho se embrenharam no cabelo de Namjoon, acariciando-o. Não sabia quando essa intimidade tinha nascido ela só existia, e o mais novo não recusou o carinho. Pelo contrário, apenas se aproximou mais e continuou a conversa.

—E se ela gostar de garotas? – Jin perguntou para continuar o assunto dos futuros namoros de Chae.

—Então eu não vou ter que me preocupar com ela engravidando nova – o outro respondeu simples – Acho que meu maior medo aí seria o ódio que ela receberia.

—Ela é forte como o pai Namjoon-ssi, vai enfrentar a vida muito bem.

—Hyung, a sua visão de mim me deixa envergonhado – Namjoon encarou o mais velho, observando os olhos castanhos do outro.

—Não fique envergonhado, eu só digo a verdade – isso fez um sorriso (com direito a covinhas) aparecer no rosto de Namjoon.

As borboletas no estômago de Jin se agitaram. Ele definitivamente gostava de Namjoon e precisava fazer algo sobre isso.

—Espera, espera, espera – Jimin ergueu sua mãozinha, fazendo Seokjin parar de andar de um lado para o outro – Você gosta de Namjoon hyung?

—Eu não sei Jiminie! Eu sinceramente não sei! – o Kim voltou a andar de um lado a outro na frente do pequeno Park-Min – Não acha que é cedo demais pra eu sentir qualquer coisa assim? Faz um ano que Miyuki se foi e eu já estou aqui me metendo com outro...

—Primeiro que não é outro, Seokjin hyung, é o Namjoon hyung. Segundo que pessoas diferentes lidam com perdas de modos diferentes – o mais novo puxou seu hyung para sentar-se ao seu lado no sofá. – Se você está sentindo isso, é porque está pronto para sentir. Não se culpe.

—Não estou traindo ela, estou? – Jin perguntou sussurrando, sentindo lágrimas queimando em seus olhos.

—Não hyung, nunca! – Jimin passou um dos braços pelos ombros largos do outro – Você amou Miyuki noona, aposto que ainda ama, mas se seu coração está te dizendo que tá tudo bem em se apaixonar, dê uma chance. Miyuki noona gostaria de te ver feliz.

—Eu acho que sim – o mais velho encarou as próprias mãos entrelaçadas em seu colo – Jiminie, você acha que eu tenho uma chance?

As viagens de Seul a Ilsan sempre foram levemente estressantes, mas valiam a pena. Namjoon amava sua casa de infância, amava passear pelas ruas em que cresceu. Adorava revisitar lugares em que criara as suas memórias. E agora, com um bebê para compartilhar essas memórias, valia mais a pena ainda.

Chegou à casa dos seus pais durante a tarde e foi capaz de aproveitar algumas horas de sossego ao lado da mãe antes que um furacão (mais conhecido como Kim Geong Min) o atacasse. Eles tinham dez anos de diferença, mas a relação dos dois era ótima. Quer dizer, quando não estavam brigando.

—Olha só, você me respeite que eu sou seu irmão mais velho! – Namjoon disse quando a garota lhe mostrou a língua – Isso é lá jeito de tratar o seu irmão?

—Sim, é jeito de tratar o irmão que não veio me visitar por seis meses! – ela fez o número com as mãos – Tá vendo isso? Você ficou sem me ver por todo esse tempo!

—Eu vim assim que pude, não é como se eu fosse um desocupado que pode simplesmente viajar quando quer!

—Pare de falar do Hajun oppa!

—Yah, vocês dois! – o pai dos dois finalmente se pronunciou – Chega de gritaria, vão acordar a Chae.

—Desculpe, appa – Geong Min murmurou.

—Namjoon, peça desculpas por falar de Hajun-ssi, ele é um ótimo rapaz – o mais velho comandou o que fez Namjoon murmurar um “desculpa” para a irmã – Nem parece que tem vinte e quatro anos.

—Ela que começou.

—Não me importa! Geong, já terminou os deveres? – a garota assentiu – Então suba e ajude seu irmão a desfazer as malas.

Não havia quem discordasse do senhor Kim quando ele mandava. Os irmãos subiram rapidamente para o quarto de Namjoon, que agora precisaria se tornar seguro para um bebê de seis meses que amava explorar. O homem tirou as roupas da mala que tinha trazido (talvez a mala de Chae fosse o dobro do tamanho da sua, mas isso não importa) enquanto sua irmã montava um berço portátil ao lado da cama de solteiro. Uma versão mais jovem de seu irmão sorria para si orgulhoso, segurando um diploma em uma das mãos e a cintura de Kim Jun-Ho com a outra.

—Chae acorda no meio da noite? – a menina tentou puxar assunto enquanto puxava algumas cobertas do armário para colocar no berço.

—Ultimamente não – Namjoon respondeu docilmente – Jin hyung me ensinou algumas músicas e parecem funcionar muito bem.

—Jin hyung? – Geong Min o olhou surpresa. Seu irmão não era de fazer amigos! – Quem é esse?

—Um amigo meu. O conheci por causa de Yoongi hyung.

—Yoongi oppa não faz amigos facilmente – ela provocou, tentando arrancar qualquer informação do irmão para saciar sua mente curiosa.

—Verdade, mas eu meio que agradeço por ele conhecer Jin hyung – o mais velho deu de ombros – Ele é uma ótima pessoa.

A mente de Geong Min começou a trabalhar. Ela não o via falar de alguém assim há muitos anos, desde antes de Jun-Ho.

Quem sabe aquele tal de Jin hyung seria um recomeço...

Namjoon deixou um suspirou cansado escapar de si. Chae tinha demorado a dormir naquela noite, encantada por todas as pessoas “novas” que conhecera, e muito mimada inclusive, principalmente pela avó. O rapaz só conseguiu deitar depois das onze da noite, e talvez, só talvez, estivesse com vontade de assassinar quem o mandou mensagem assim que seus olhos fecharam.

Quer dizer, até ver o remetente:

Jin hyung: Fui na sua casa hoje. Da próxima vez avise o hyung que vc vai viajar.

Namjoon^^: Desculpe hyung, foi de última hora

Jin hyung: Não se preocupe ^^ Aproveite o tempo com seus pais

Namjoon^^: Poder deixar!

Namjoon^^: Hyung

Namjoon^^: Como vc sabe que eu estou na casa dos meus pais?

Jin hyung: Eu tenho meus contatos.

Jin hyung: Vá dormir Namjoonie!

E Namjoon realmente dormiu, guardando em sua mente o lembrete para matar Min Yoongi quando voltasse.

 



Notas finais do capítulo

Gif de Namjin no final porque eu to APAIXONADA POR ESSE GIF. Dá pra ver o amor transbordando dos olhos do Jin, sério. E as mãos deles se encaixam tão bem...
Com amor, Pauline ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Rebirth | NamJin" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.