Dark Traces escrita por karollabele


Capítulo 37
Ida Para Casa




Lisa e Donavan olhavam para Matt sem entender. Matt olhava para os dois enquanto estava sentado na cama. Donavan piscou um pouco.

— Como é que é?

— Isso mesmo que voce ouviu. O assassino tem uma cicatriz de arranhado de gato.

— Que maravilha! Isso reduz muito as buscas! Vamos analisar todo o cara que tem arranhado de gato no braço! - Ironizou Donavan

— Nao seja idiota, Donavan. Se juntarmos isso com outras partes do perfil que já temos, irá ajudar a identificar o assassino.

— E que perfil já temos?

— Pelo o que eu me lembre sabemos que o nosso assassino usa um capuz para nao revelar sua identidade, sabemos que ele é um homem branco, pelas imagens da camera de segurança nao deve ter mais que 37 anos. E ele é um homem alto também. - Disse Lisa

— Ótimo. Isso se nós pegarmos esse assassino. Porque eu tenho minhas duvidas. - Disse Donavan

— O que é isso, Donavan? - Perguntou Matt

— Qual é, Matt? Olha por tudo o que temos passado. Olhe o que esse assassino fez com voce hoje. Acha mesmo que vamos pegar esse cara tão facilmente?

— Nao podemos desanimar assim.

— Diga isso por voce. Eu estou cansado. 

— Como vão todos?

Os três viraram a cabeça para trás e viram o doutor Theodore Pitterson olhando para eles segurando um papel na mão. Matt revirou os olhos, enquanto Lisa olhou para ele sem entender.

— Theodore? O que faz aqui?

— Vim ver como Matt está. Soube que estavam aqui.

— Agradeço sua preocupação fingida. - Matt revirou os olhos

— É bom ver que está com a lingua afiada como sempre, agente.

— Matt.. - Repreendeu Lisa

— Olá, doutor. Voce tem noticias de Ethan? - Perguntou Donavan

— Bom.. Seu parceiro nao se recuperou totalmente. Parece que seja o que for que ele viu foi algo muito forte para ele. Ele nao está cem por cento ainda. Mas espero que logo ele se recupere. Eu estou trabalhando duro para isso. - Disse Thedore olhando para Donavan

— Espero que ele melhore logo. Não aguento mais esses dois.

— Ninguém te chamou aqui, Donavan. - Resmungou Matt

— Está vendo? É isso que eu recebo. 

— Na verdade, é sobre isso que vim falar. Preciso dar uma palavrinha com Matt.

— Vou esperar lá fora. - Disse Donavan

Donavan se afastou e saiu do quarto de Matt. Lisa o seguiu. Matt olhou para os dois enquanto eles se distanciavam e depois olhou para Theodore que olhava para ele.

— Veio aqui para que? Me acusar de assassinato? Me poupe, doutor.

— Na verdade eu vim aqui te pedir desculpas.

— Como é? - Matt piscou, incrédulo

— Voce nao foi responsavel pelos crimes hediondos que o serial killer cometeu. Eu fiz uns testes com Ethan. Parece que ele realmente nao estava totalmente dentro de si quando te acusou. Mas é normal ter esses tipos de reflexos. Algumas imagens se misturam na cabeça dele. Aqui está o laudo do exame. - Theodore entregou o exame a Matt

— E eu achando que voce ia me ferrar. - Disse Matt lendo o laudo

— Por que eu faria isso? - Theodore piscou

— Vai saber?

— Sua mania de perseguição é assustadora, agente. Voce devia buscar um tratamento para isso. Por que voce insiste em achar que estão todos contra voce?

— Talvez porque recentemente eu fui acusado de assassinato!

— Eu devia me preocupar com uma ponta de egocentrismo seu. Não é tudo sobre voce. Nao há ninguém vindo atrás de voce, ou armando para voce, Matt. Aquilo foi apenas confusão de um paciente e um incidente infeliz.

— Um incidente infeliz que quase custou minha vida. - Resmungou Matt

— Seja o que for que causou a explosão naquela parte do departamento, está sendo investigado. A area foi isolada para pericia.

— Espero que encontrem algo logo.

— Mas voce está assim por causa de Lisa, nao é mesmo? Eu sinto muito, agente. Se voce tivesse sido sincero com ela desde o começo..

— Eu nao preciso de conselhos sentimentais seu! - Exaltou Matt

— Claro. Como queira. Eu vou chamar Lisa e Donavan de volta.

Matt revirou os olhos e Theodore se afastou abrindo a porta do quarto e fazendo um gesto para os dois entrarem. Lisa e Donavan entraram no quarto. Theodore pegou as mãos de Lisa e Matt olhou para o lado.

— Lisa, voce gostaria de ir para casa comigo essa noite?

— Mas é claro. Por que nao?

— Perfeito. Fico feliz. Ah, conte as novidades para eles, Matt. Ele nao é culpado pelos assassinatos. Eu tenho um laudo para provar isso. 

— Eu fico feliz.  - Lisa sorriu

— Lisa. Eu posso falar com voce em particular? - Pediu Matt

— Já estou cansado de ficar sendo enxotado desse quarto.

Donavan saiu e Theodore olhou para Lisa.

— Eu te vejo depois.

Ele se virou e saiu do quarto.

— Eu estou tão feliz que agora voce realmente nao pode ser culpado pelos assassinatos! Eu me sinto tão culpado por nao - ..

— Lisa, me escute. - Interrompeu Matt

— O que foi, Matt?

— Não confie em Theodore Pitterson.

— Por que voce diz isso, Matt? Viu marca de arranhado de gato no pulso dele?

— Não. Na verdade, eu nao sei porque. Eu só nao confio nele.

— Matt..

— Só tenha cuidado, ok? Nao confie nele.

O celular de Matt começou a vibrar. Lisa pegou o celular para passar para Matt, mas viu na tela a seguinte mensagem:

"Matt, meu amor. Eu estou tão preocupada com voce. Atenciosamente, Susan."

— Claro que voce está preocupado comigo e com Theodore, tendo a recepcionista para te consolar!

— Como é que é?

— Quer saber, Matt? Nao preciso de voce cuidando da minha vida pessoal, voce já tem a sua para cuidar.

Lisa atirou o celular em Matt e saiu do quarto dele logo em seguida, caminhando com Theodore até a saída do hospital. Donavan estava segurando a maçaneta da porta e olhou para Matt com a sobrancelha arqueada.

— O que foi isso?

— Eu sei lá.. Ah, ela leu uma mensagem da Susan.

 - A recepcionista? Voce está pegando ela?

— Donavan!

— Que é? Só perguntei. Só estão os homens aqui, Matt. Voce pode dizer.

— Eu não sei em que pé estamos.

— Voce está com duas e eu aqui sem nenhuma.

— Cala a boca, Donavan.

— Isso nao interessa. Mas me diga por que voce se incomoda tanto com Theodore Pitterson?

— Eu nao sei. Tem algo nele que me cheira mal.. Muito mal..

— Seja o que for, cara, nós vamos descobrir. Vamos passar a limpo o passado o doutorzinho.

Matt olhou para ele e sorriu. Donavan sorriu também.

Enquanto isso, horas depois, já a noite, Lisa tinha chegado na sua casa com Theodore. Ele tirou o casaco dela gentilmente e o pendurou. Lisa pegou uma bebida e Theodore olhou para ela.

— Como voce está hoje, Lisa?

— Eu nao sei. Um pouco aliviada porque o problema de Matt acabou, mas ainda confusa.. Tem aquela carta que eu recebi..

— Carta? Oh, Lisa.. Esse cara só está tentando te intimidar.

— Eu não sei o que é.. Mas está conseguindo me afetar..

— Nao deixe ele te afetar. Voce é mais forte do que pensa.

— Obrigada, Theodore.

— Voce é a pessoa mais forte que eu conheço. Eu sei que de algum jeito voce passará por isso. Porque eu sei que voce já passou por muita coisa, e ainda passa, coisas que mexem com voce e voce nao tem coragem de falar com ninguém, mas eu quero que saiba que eu estou aqui por voce. Sempre estarei.

— Theodore.

Theodore e a beijou. Lisa retribuiu. Theodore a deitou no sofá enquanto a beijava.

 





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Dark Traces" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.