O Garoto da Porta ao Lado escrita por G a b i


Capítulo 3
Ouvindo de tudo do garoto da porta ao lado


Notas iniciais do capítulo

Oi :)

Então, a minha intenção é postar um novo capítulo a cada 5 dias; o que significa que eu deveria estar postando esse capítulo só amanhã. Só que amanhã é segunda-feira, e não sei se seria um bom dia para postar e tal. Por isso acabei chegando mais cedo e estou postando agora.

Enfim, espero que gostem. Boa leitura.



"É tão quente..." 

"Pare, só vai ficar ainda mais quente." 

  

Finalmente a compra de Yoongi havia chegado. O modelo mais recente de uma frigideira antiaderente. Na hora certa para ele cozinhar aquele bife que tanto queria comer no almoço. 

E tudo teria dado certo, não fosse um grito escandaloso vindo do 301 ter assustado Yoongi a ponto de ele derrubar seu precioso bife no chão do apartamento ao invés de colocá-lo dentro de seu prato. Agora seu estômago teria de se contentar com ramém. 

Kim Taehyung comprara um alto-falante e estava testando seus jogos de terror no volume máximo. 

Yoongi fechou os olhos com força e respirou fundo. Ele precisaria de muita calma e paciência. 

***  

O garoto da porta ao lado simplesmente não desligava aquele maldito computador, ou videogame, ou qualquer que fosse o aparelho eletrônico que estivesse usando; e Yoongi já não estava mais suportando tanto berros. Ora os berros que vinham dos personagens do jogo, através do que Yoongi já tinha certeza ser um alto-falante; ora os berros de Taehyung, fosse de susto ou empolgação por ter matado um zumbi. O loiro não conseguia se concentrar em nada por causa do vizinho barulhento do 301.  

Foi então que Yoongi teve uma ideia. Se Taehyung não o deixava se concentrar com todo o barulho que fazia, Yoongi faria barulhos ainda mais altos para atrapalhar a concentração do mais novo em qualquer que fosse o jogo ridículo que ele estivesse testando. 

Yoongi esfregou as mãos uma na outra antes de ligar o aspirador de pó na potência máxima e começar a esfregá-lo contra a parede que separava os dois apartamentos. Depois de uns minutos ele deixou o aspirador ligado encostado na parede e foi ligar todos os outros aparelhos barulhentos que possuía. Ligou o secador de cabelo, ligou o liquidificador e ligou a batedeira. Só não ligou uma furadeira porque não possuía uma. 

O terceiro andar estava uma barulheira só, estava um caos. Mas ninguém aparecera para reclamar até então. Provavelmente o vizinho do 303 não estava em casa. Sorte dele. E azar de Min Yoongi, que começou a sentir uma dor de cabeça e uma raiva tomar conta de seu corpo ao perceber que toda aquela barulheira que estava fazendo não afetava de modo algum Kim Taehyung. 

— Eu desisto! — Yoongi jogou as mãos para cima em forma de rendição e desligou todos os aparelhos. 

Com um cigarro e isqueiro em mãos, o loiro resolveu ir até a sacada pegar um ar.  

Não deu nem dois minutos e o garoto da porta ao lado apareceu ali. Ele tinha um sorriso no rosto e Yoongi sentiu vontade de esganá-lo. 

— Hyung! O meu novo jogo está dando super certo. A melhor coisa até agora foram os sons! Eu consegui fazê-los tão reais! Mas 'tô começando a ficar cansado. Já trabalhei nisso por doze horas seguidas, acho que vou tirar uma soneca agora. Só vim aqui pegar um ar. 

Taehyung falou quase tudo sem nem respirar. Yoongi apenas encarava o garoto, o cenho franzido, o cigarro na boca. 

— Eu não quero falar com você agora, Taehyung. Estou entrando. — O loiro apagou o cigarro e voltou para dentro de casa. 

— Ele está bravo comigo? — O mais novo questionou a si mesmo, incrédulo. — Eu quem deveria estar bravo com todo aquele barulho que ele fez limpando, cozinhando e secando o cabelo enquanto eu trabalhava... Mas eu fingi não ouvir! 

Taehyung respirou fundo e adentrou seu apartamento também. Bateu a porta com uma força desnecessária, o que assustou Yoongi do outro lado. 

— E depois de todo o escândalo, ainda quer tirar uma soneca... — Yoongi murmurou sozinho. — Garoto barulhento! Espero que a casa dele pegue fogo e ele seja obrigado a se mudar. Ok, agora eu 'tô exagerando. — Arrependeu-se. 

Já no apartamento ao lado, Taehyung se preparava para tirar seu cochilo da tarde. 

*** 

Duas horas de completo silêncio e Yoongi estava muito grato pelo garoto da porta ao lado estar dormindo. Assim ele estava, finalmente, em paz para trabalhar em sua mais nova composição. Sentou-se em frente ao piano e conseguiu trabalhar em algumas notas e melodias por apenas dez minutos até ter alguém batendo em sua porta. 

— Será que você pode tocar outra hora? O seu piano 'tá atrapalhando a minha soneca. — Taehyung gritou do lado de fora enquanto continuava a bater na porta do 302. 

Yoongi não podia acreditar no que estava acontecendo. O garoto da porta ao lado não se importava com barulhos de aspirador de pó, secador de cabelo, liquidificador e batedeira, mas acordava com algumas notas musicais vindas de um piano? 

— Você está bravo com o som do meu piano? — Yoongi perguntou assim que abriu a porta, o cenho franzido. — Você berrou por doze horas seguidas e ainda usou um alto-falante. E seja lá qual fosse o seu game, os berros de terror vindos dele me deixaram com dor de cabeça. Mas agora você acha que pode reclamar do som do meu piano? 

— Eu estava trabalhando, hyung. Eu não jogo só por diversão. É meu trabalho. — Taehyung tentou se defender. — E eu tenho o sono sensível quando o assunto são pianos, eu acho. 

Yoongi riu, ele achou melhor rir. Aquilo só podia ser uma piada. Taehyung não podia estar falando sério. 

E não estava. Na verdade, Taehyung adorou acordar com o som daquele piano; e toda a cena que estava fazendo era apenas para ver se conseguia fazer com que Yoongi o convidasse para entrar e ele pudesse ouvir mais do talento do seu vizinho através daquelas teclas.  

Mas aparentemente, nada estava dando muito certo. 

Yoongi respirou fundo, buscando o pouco de paciência que ainda lhe restava. 

— O piano também faz parte do meu trabalho, Taehyung. Agora vá embora e me deixa trabalhar. 

— Você é mau, hyung...  

— E você é irritante! 

— SHUT UP! PLEASE, SHUT UP!* — Era o vizinho do 303 que saíra no corredor. Ele finalmente estava em casa. 

Taehyung e Yoongi se olharam, os olhos arregalados. O vizinho do 303 não era coreano; e parecia estar realmente zangado com toda aquela discussão no corredor. 

O cara americano franziu o cenho e voltou para dentro do apartamento, batendo a porta com força. 

— Hyung, você 'tá sentindo o cheiro de algo queimando? — Taehyung questionou. 

— Queimando? Deve ser eu que já estou pegando fogo de tanta raiva!  

Mas não era, claro. 

Algo explodiu no apartamento 301. 

— Fogo! — Taehyung gritou, apavorado, já correndo em direção ao seu apartamento.  

As chamas vinham de cima da pia da cozinha, logo na entrada. 

Yoongi apareceu logo atrás de Taehyung já com uma bacia cheia de água em mãos. 

O Kim tomou a bacia das mãos de Yoongi e simplesmente jogou toda a água em cima de sua própria cabeça, molhando por inteiro seus cabelos castanhos e a camiseta branca que vestia.  

— É tão quente... — Ele deu um passo em direção as chamas. 

— Pare, só vai ficar ainda mais quente. — Yoongi abraçou Taehyung por trás, o impedindo de adentrar o apartamento. 

— Eu preciso entrar! — Tentou se soltar das mãos de Yoongi, que o abraçou ainda mais forte. 

— Eu não vou deixar você entrar, é perigoso. 

O alarme de incêndio finalmente disparou. O vizinho do 303, juntamente com o síndico e o porteiro, apareceram rapidamente com extintores de incêndio em mãos. Enquanto eles controlavam o fogo, Yoongi arrastava Taehyung para o final do corredor, longe dali. 

O mais novo sentou-se no chão e abraçou suas próprias pernas. Ele murmurava para si mesmo "está tudo bem, está tudo bem" repetidas vezes e tremia de frio. Yoongi tirou seu casaco e colocou por cima do mais novo. 

— A quem eu quero enganar? Está tudo péssimo! — Taehyung tinha os olhos cheios de lágrimas. — Meu precioso apartamento...  

Yoongi sentiu um aperto no coração por ver o mais novo naquele estado. 

O síndico do prédio se aproximou dos garotos, e assim Taehyung levantou do chão onde estava sentado. 

— E então? — Yoongi perguntou, visto que Taehyung ainda parecia estar em choque. 

— Foi um curto-circuito. O fio da cafeteira estava desencapado e isso facilitou que o fogo começasse. — Explicou. 

— E o que eu faço agora? — Taehyung finalmente perguntou. 

— O incêndio não foi grande. Só danificou a entrada, onde fica a pia e os armários. As outras coisas estão a salvo. — O síndico voltou a explicar. 

Taehyung suspirou, um pouco mais aliviado, e se curvou em um agradecimento quando o porteiro e o vizinho americano do apartamento 303 passaram por ele, já indo embora. 

— Menos mal. — Yoongi murmurou. 

— Mas ele vai precisar ficar fora do apartamento por um mês. Precisaremos trocar toda a fiação, consertar o teto, a pintura e a porta. 

— O quê? Mas eu não tenho para onde ir! 

— Ouvi do vizinho do 303 que vocês dois são muito próximos a ponto de discutirem por besteiras no corredor. — O síndico riu. — Até consertarmos tudo, more no 302. 

— O QUÊ? — Yoongi elevou o tom de voz, incrédulo. — Taehyung definitivamente não pode morar comigo! 

— Então você vai deixá-lo no corredor passando frio por um mês? — O síndico ergueu a sobrancelha direita. 

Yoongi bufou. 

Taehyung encarou o loiro com um olhar de cachorrinho abandonado. Seus lábios estavam levemente roxos por causa do frio. E mesmo que Yoongi tivesse dado seu casaco ao garoto, o mesmo ainda vestia aquela camiseta branca molhada. 

— Hyung... — Murmurou Taehyung. 

— Tudo bem. — O loiro finalmente cedeu. 

O mais novo abriu um breve sorriso. 

— Ok, estamos resolvidos. — O síndico sorriu. — Tire o que precisar de dentro do apartamento. Amanhã tomarei as providências para o início dos consertos. — Fez uma reverência e foi embora. 

Taehyung apenas assentiu e ficou encarando a porta queimada do seu apartamento. 

Yoongi o puxou pelo braço para tirá-lo dali. 

— Anda logo, vamos entrar. Você precisa de um banho quente. 



Notas finais do capítulo

*SHUT UP! PLEASE, SHUT UP! = Calem a boca! Por favor, calem a boca!


Oi, de novo!
Se você leu até aqui, desde já muito obrigada pelo seu interesse e pela sua paciência.
E, por favor, se notarem algum erro de digitação ou qualquer outro erro, eu gostaria muito que avisassem para que eu possa consertar!
Então, que tal deixar um comentário dizendo o que achou desse capítulo? Eu ficaria ainda mais agradecida :)

Até logo õ/

Xoxo,
G a b i.
(18/03/2018)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Garoto da Porta ao Lado" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.