Sonhos de Grãos de Areia escrita por LaviniaCrist


Capítulo 9
Cerimônia


Notas iniciais do capítulo

Eu aconselho para lerem enquanto ouvem a música Fur Elize de Beethoven.



 

 

O País do Vento estava calmo.

As brisas fortes balançavam gentilmente os enfeites brancos pendurados de um prédio ao outro. As toalhas das mesas – rendadas e de alta qualidade – só não levantavam porque os fios de ouro davam peso a elas.

Mas Sunagakure estava em festa!

As pessoas sorriam timidamente e conversavam entre si pelas ruas lotadas. O único espaço livre era de uma casa simples até um luxuoso salão de festas, pela via principal.

Todos esperavam ansiosos pela saída da noiva, Matsuri.

A garota estava ansiosa e a todo momento se olhava no espelho, conferindo cuidadosamente se cada detalhe estava em seu devido lugar. Aquele dia era seu e somente seu, sendo assim, ela precisava brilhar tanto como as estrelas de Tanabata Matsuri.

— Já está pronta? — a voz um tanto rouca e suave de Gaara era como uma música aos ouvidos.

— Quase! — ela respondeu sorridente, se admirando mais uma vez no espelho antes de ir até o Kazekage.

— Pode me ajudar com a gravata?

— ... Não tinha ajeitado ela antes? — a pergunta saiu em tom de confusão, afinal, um noivo normalmente já estava pronto antes da noiva.

— Acabei afrouxando demais no caminho.

No fundo, não importava de verdade se a gravata estava ou não no lugar. O que importava era aquela cerimônia maravilhosa.

Depois de certificar-se mais uma vez de que tudo estava em seu devido lugar, Matsuri  se segurou da maneira mais delicada possível ao braço direito de Gaara. A caminhada dos dois pela via principal só não era constrangedora porque os olhares que recebiam eram de afeto e gentileza.

Quem diria que a garota medrosa e desajeitada um dia, além de ter seu potencial reconhecido, ainda se casaria com um Kage?

— Eu estou tão feliz... — ela murmurou, sorrindo e notando quão próximo estavam do salão imponentemente erguido no meio da cidade.

— Também estou muito feliz por você, Matsuri. — Gaara comentou e deu um leve ar de sorriso.

Ela sentiu as bochechas enrubescerem e as pernas bambearem.

— Nã-ão seria por nós dois? — a pergunta saiu com a voz falha.

— Ah, você tem razão! — ele suspirou e, novamente, deu o ar de sorriso — Estou muito feliz por vocês dois.

Dessa vez, além das bochechas vermelhas e pernas bambas, ela ainda sentiu um aperto enorme no peito.

Se não é com você que vou casar, com quem seria!?

— E-E... Está orgulhoso da minha escolha? — aquela pergunta foi apenas uma tentativa para que o antigo mestre não notasse o quão mal ela estava agora.

— Sim. Se casar com um Kage é muita responsabilidade e compromisso, porque somos casados primeiramente com o trabalho...

Então é com um Kage, mas não é com você? Que injusto!

Ela respirou fundo. A vontade que tinha era de voltar para casa correndo e se esconder para o resto da eternidade, afinal, como ela estava se casando sem saber quem era o noivo!?

— Que noiva bonita você tem ai, jaan... — aquele tom brincalhão era de Kankuro, sem dúvida alguma.

Se fosse ele o noivo, pelo menos...

— Sim! — a portadora desta voz misteriosa fez com que Matsuri voltasse de seus pensamentos.

A dona da era ninguém mais, ninguém menos do que Kurotsuchi. Ela estava lindíssima com um vestido vermelho... mas, para que ela estava lá? Talvez tenha algo relacionado em o casamento ser de um Kage, assim, as pessoas próximas devem ir acompanhando os Kages de cada país.

Sim, isso mesmo! E aposto que o meu noivo deve ser uma pessoa boa e que me mereça, mesmo eu não me lembrando quem seja...

Uma coisa era certa: Matsuri jamais se casaria por interesse. Ela sabe dar valor aos laços, aos sentimentos... ao poder. O poder não serve apenas para prestigio ou para intimidar! O poder serve para proteger as pessoas, sendo assim, seu noivo com toda a certeza tinha poder!

— Está belíssima. — novamente, uma voz a fez acordar de seus devaneios. Aquela voz era familiar... Olhando ao redor, ela finalmente notou a pessoa relativamente baixa, dono daquela voz: Onoki.

Das pessoas lá, ele com certeza era o mais experiente e um dos mais fortes. A figura pequena e enrugada conseguia esconder perfeitamente todo o poder que um dos Kages mais antigos possuía. Aquele elogio com certeza entraria em sua memória como um dos "mais importantes" que já recebera.

— O-Obrigada! — ela sorriu — O senhor também me parece bem, como sempre.

— Vou adorar ouvir isso mais vezes... — ele comentou, passando uma das mãos pela barba comprida com um sorriso orgulhoso na face.

— Como? — a gentileza de Matsuri não a permitiu interpretar aquilo como uma “cantada”, o que não foi, apesar de despertar o interesse em saber o motivo do comentário.

— Como vamos nos ver todos os dias...

Vamos nos ver todos os dias? Então o meu noivo é de Iwagakure! Se ele é um Kage, com certeza foi escolhido a dedo por Onoki-sama! Ah, ele deve ser tão charmoso e forte!

Os olhos da garota brilhavam...

Talvez ela estivesse se esquecendo dos sentimentos por Gaara pela animação em um outro pretendente em sua vida, mas de qualquer forma, aquele dia estava se saindo como um sonho realizado.

— A cerimônia já vai começar! — dessa vez, foi Temari quem despertou Matsuri — Todos em seus lugares! — a loira mandou, impaciente.

A garota não teve tanto tempo de reparar em quem mais estava lá e, muito menos, de tentar adivinhar quem seria seu noivo misterioso. Ela acompanhou a Sabaku até o local em que deveria ficar durante a comemoração.

— Ei, Matsuri... — Yukata a chamou da maneira mais discreta que conseguia. — Ainda dá tempo de fugir...

— O que? — a noiva olhou para a amiga, que estava ao lado dela, com várias dúvidas nascendo em sua mente de novo.

— Não se lembra que estava querendo fugir? — a pergunta saiu com tom de estranheza — Tínhamos combinado de você fugir no caminho pra cá, mas parece que descobriram e colocaram o Kazekage-sama para acompanhar você...

— Mas meu noivo é tão ruim ao ponto de eu querer fugir?

— Eu achei que você soubesse que ia se casar com o Tsuchikage e por isso queria fugir... — Yukata, como sempre, parecia confusa e pensativa com tudo aquilo _ Eu não sabia que você gostava de pessoas tão mais velhas...

Tão... Mais... Velhas... Tsuchikage Onoki?

— COM ELE!? — pelo nervosismo, a garota acabou alterando o timbre enquanto apontava para o seu “noivo” com o buque. — NEM PENSAR!

“NÃO! NÃO! NÃO PODE SER! NÃO!”.

Ela tentou se afastar, mas ter o sonho transformado em um pesadelo fez com que ela ficasse atrapalhada em suas ações.

Andando de costas enquanto gritava negativas perante o casamento, ela tropeçou no próprio vestido e caiu em uma das fontes de água que decoravam o lugar.

A água estava fria!

O estranho é que, apesar de se debater e tentar sair da fonte, ela só sentia o rosto molhado e um certo peso sobre o resto do corpo.

— Matsuri... — era a voz de Yukata, um tanto preocupada. Ao menos a amiga poderia ajudar ela.

— Não! Não quero! Yukata, me ajuda! — ela pedia desesperada, tentando se agarrar em qualquer coisa.

— Desculpa! Foi o único jeito que achei de acordar você e...

Enquanto a amiga se explicava, Matsuri abriu os olhos e se sentou rapidamente. Aquele era o seu quarto, em sua casa. O peso em cima dela era de todos os cobertores que sempre teve mania de usar pela noite. O rosto molhado provavelmente era culpa de Yukata, já que ela segurava um copo vazio nas mãos.

— Me acordar? E o casamento?

— Ah! Foi tão lindo! — a garota sorriu, deixando o copo de lado e se sentando na cama.

Então teve um casamento... TEVE UM CASAMENTO!

— E-E... Quem era o noivo?

— Shikamaru, oras! — Yukata sorriu — Ele estava tão elegante e...

— Shikamaru!? Por que ele!?

Tudo bem que ele seja inteligente e forte, mas não faz meu tipo! Ele parece ser meio... Velho...

Só de pensar na palavra "velho" ela fez uma careta.

— Com quem mais a Temari iria se casar? — a amiga contestou cheia de dúvidas.

— O casamento então foi da Temari? — um sorriso enorme nasceu na face de Matsuri — Foi ela quem se casou!?

— Foi! — dessa vez, Yukata levantou os braços, eufórica — Foi tão linda a festa que ela ganhou dos irmãos... Aqueles enfeites brancos... Ah! — ela sorriu como boba, balançando os pés — E você estava tão bonita que até foi elogiada pelo Tsuchikage! Lembra dele? — a pergunta foi seguida de um riso — Ele pelo visto já nos desculpou de ter chamado ele de velhinho...

— E-Então foi isso? — tudo o que Matsuri conseguiu fazer foi se deitar e continuar sorrindo como boba — Eu não me casei!

— Que eu saiba não... — a amiga olhou-a confusa — Ai de você se eu descobrir que você se casou escondida de mim!

— Eu não faria isso! — ela riu — Em quem eu confiaria de me ajudar a fugir do noivo, caso precisasse?

— É... É verdade... — Yukata riu, concordando.



Notas finais do capítulo

Link da música: https://www.youtube.com/watch?v=k—UOuSklNL4
Espero que tenham gostado!
Sugestões para próximos capítulos, dicas, críticas e observações são muito bem-vindas.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Sonhos de Grãos de Areia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.