Sonhos de Grãos de Areia escrita por LaviniaCrist


Capítulo 15
Partida


Notas iniciais do capítulo

Aconselho a lerem enquanto ouvem Forbidden Lullaby.
Tem uma Missão Rank-S para você nas notas finais!



 

 

Chiyo estava dormindo tranquilamente em seus aposentos depois de uma noite de trabalho duro aplicando melhorias em seus venenos. Tudo o que a idosa poderia querer era uma manhã calma e tranquila, mas assim que os primeiros raios de sol invadiram o quarto, uma criancinha já pulava em sua cama.

— Sasori... — ela resmungou, abrindo os olhos e encarando aquela criança com certa repreensão.

— Bom dia! — o pequenino se aproximou dela e se sentou em cima dos travesseiros — Já está acordada?

— Não, falo dormindo.

— Mesmo? — não entendendo o sarcasmo, a criança levantou uma das pálpebras da avó como se quisesse conferir ela estar dormindo ou não.

— Sasori!

— Agora acordou, vovó? — ele afastou as mãos e ficou a encarando, quietinho.

Depois de respirar profundamente, buscar toda a calma que já havia perdido e juntar coragem para se levantar da cama, a mais velha encarou o neto.

— Por que levantou tão cedo assim, Sasori? — ela indicou para que ele saísse da cama, para ela começar a arrumar.

— Para ter bastante tempo de brincar! — querendo ajudar, o pequeno começou a jogar almofadas, travesseiros, cobertores e seja lá mais o que ele encarou como bagunça de cima da cama para o chão.

Depois do quarto já estar arrumado era a hora do café da manhã, ou melhor, hora de Sasori tentar enfiar na boca tudo o que via pela frente e Chiyo tentar o impedir, principalmente pelas coisas potencialmente perigosas espalhadas pelo cômodo.

— Isso pode? — ele apontou para algumas ervas em cima da mesa.

— Não, são para fazer uma pomada. — a idosa continuou preparando um chá, até que olhou novamente para o neto — Sasori! Cospe agora mesmo essa planta!

“Céus... Que meu filho chegue logo, porque eu não sei quanto tempo mais eu consigo cuidar dessa criança! ”

— Vovó, geleia! — ele pegou um pote enorme com um veneno concentrado.

— Sasori, larga isso agora mesmo!

Bem, ele obedeceu. Largou o pote e o mesmo se espatifou no chão, se quebrando e lançando o veneno na cor violeta pelo chão e paredes próximas. Chiyo quis gritar, esbravejar, sentiu até mesmo vontade de deixar o neto experimentar aquele veneno e fingir não saber de nada depois, mas ela o pegou pela mão e o levou até o banheiro, para se livrar de todo aquele liquido mortífero que agora cobria-o quase completamente da cintura para baixo.

— Depois do banho eu vou poder brincar lá fora?

— Desde que não se afaste de mim, sim... E só até o almoço!

O pequenino acenou positivamente e se aquietou. O banho seguiu tranquilo até que a chaleira apitou da cozinha e fez com que Chiyo fosse apressada tira-la do fogo. O que a velha senhora não sabia é que, seguindo a ordem de “não se afastar” bem ao pé da letra, ela estava sendo seguida por um pequeno Sasori ensopado e ainda ensaboado...

— Ao menos o meu chá eu vou tomar em paz... — ela murmurou, colocando o liquido esverdeado em uma xícara para esfriar um pouco.

— Posso tomar chá também?

— Sasori! — ela deixou a chaleira de lado e encarou o neto, irritada, apontando para a porta — Volte agora mesmo para o banho!

Um tanto assustada, a criança correu para a porta, mas escorregou no veneno ainda espalhado pelo chão e caiu.

Depois de um banho recheado de choro e reclamações, Sasori estava amuado sentado na sala e bebericando o chá enquanto sua avó parecia ainda irritada, bebendo o mesmo liquido que ele.

— Vovó... — depois de receber um olhar sério, ele achou que deveria continuar — Já pode ir brincar lá fora?

— Depois que beber o chá.

Ansioso pelo ar livre, o pequeno tentou beber tudo de uma vez só e terminou por se engasgar e, mais uma vez, preocupar a avó que tentou ajuda-lo.

Quando os dois já estavam do lado de fora, a criança de cabelos vermelho corria animada sem rumo algum, de um lugar para o outro, soltando risos de animação e procurando coisas quaisquer no meio da areia. Observando ao longe, Ebizo e Chiyo conversavam sem prestar tanta atenção nele.

— Eu nunca achei que teria que passar por tudo isso de novo...

— Avós são mães duas vezes — o irmão riu — Não deve ser tão ruim...

— Se quer tanto assim tomar conta dele, vá em frente.

— Eu não disse nesse sentido, eu só... —foi interrompido.

— Melhor começar logo, porque ele tem um certo dom de fazer tudo em que toca ficar perigoso.

Ebizo olhou para Sasori, tentando entender do que a irmã estava falando. Era apenas uma criança brincando com um escorpião, que mal havia nisso? ... Como ele conseguiu um escorpião? Por que ele colocou o escorpião em cima da cabeça? E se ele fosse envenenado? Eram perguntas demais e pouco tempo para agir!

— Sasori, solte já este animal! — ele observou a criança soltar, mas ainda o deixando em cima da cabeça — Venha já aqui, rapazinho!

— Vem aqui você! — a criança respondeu risonha, correndo para “fugir” de uma possível bronca.

— Irmã, você ouviu a resposta dele?

— Ouvi sim... — ela tentou não rir e incentivar ainda mais as bobagens que o neto fazia — Vá lá resolver isso, ser tio-avô é ser tio duas vezes, certo?

Ele bufou e o que sucedeu foi Chiyo tentando segurar as risadas ao ver um ancião com seus cabelos brancos correndo atrás da criança, serelepe, pulando e se desviando facilmente de Ebizo. Quando o mais velho já estava sem folego, quase se jogando no chão e decretando a derrota, ela resolveu ajuda-lo.

— Sasori, venha aqui! — ela chamou e o neto a atendeu, deixando o escorpião que ainda levava consigo de lado.

— Já é hora de entrar? — o pequeno chegou a fazer beicinho, querendo continuar a brincadeira divertida.

— Finalmente... — foi tudo o que o outro conseguiu falar enquanto recobrava o folego e tentava colocar as costas no lugar.

— Vamos entrar... Mas o Ebizo vai ensinar você a pescar, então vão poder continuar brincando por bem mais tempo — ela sorriu.

— Mesmo!? — aqueles grandes olhos castanhos brilhavam de animação.

— Mesmo? — as orbes escuras de Ebizo não tinham brilho, ele não parecia nem um pouco animado.

Deixando o neto aos cuidados do irmão, Chiyo finalmente teve tempo para arrumar a cozinha e por tudo no devido lugar. Aproveitando a paz que reinava novamente na casa ela começou a preparar o almoço, quando escutou algumas batidas na porta antes dela ser aberta.

— Mãe, já voltamos! — o homem com os mesmos cabelos de Sasori quem falou, segurando-o no colo. Provavelmente Ebizo os viu primeiro e entregou a criança em pedidos de "misericordia".

— Desculpe a demora, espero que ele tenha se comportado... — dessa vez, foi a nora quem disse.

Enquanto os pais falavam, Sasori estava ocupado demais sorrindo e aproveitando o regresso dos dois.

— É... Ele se comportou. — a mais velha sorriu, afinal, nunca iria contar o quão bagunceiro aquele garotinho conseguia ser — Vão ficar para o almoço?

— Eu estava só esperando ser convidado! — o filho riu.

— O cheiro está maravilhoso! — a mulher de longos cabelos também riu, um tanto envergonhada.

— E você, Sasori? Achei que iria querer ir para casa logo... — Chiyo comentou.

— Não, eu gosto de ficar com a vovó — ele respondeu meigo.

Depois do almoço e de uma tarde tranquila, de conversas entre os adultos e brincadeiras entre o garotinho e Ebizo, a velha senhora acabou pegando no sono. Aquilo não era sinal de idade avançada e muito menos insatisfação com as visitas, era apenas o cansaço falando alto.

Quando finalmente acordou, se sentindo excessivamente observada, tudo o que ela encontrou ao abrir os olhos foi um garoto um tanto sério e de olhar desinteressado.

— Vovó...

— Sim, Sasori?

— Eles ainda vão demorar para voltar?

— Não sei bem, talvez cheguem para o almoço. — ela sorriu, se lembrando do sonho de um tempo passado, quando o neto ainda era uma pequena criança bagunceira.



Notas finais do capítulo

Música: https://www.youtube.com/watch?v=LEwkamfwR3U
Missão Rank-S:
Aviso que estamos entrando na temporada do escorpião com ascendente em drama para os capítulos! Não faço ideia do motivo, apenas tive inspiração o suficiente para escrever oito capítulos seguidos com a participação do Sasori, sendo este o segundo.
E o que você tem com isso? Tudo! Porque além de poder ter um capítulo inspirado no seu comentário/ideia, ainda pode participar da “votação” para o tema da próxima temporada. Deixarei aqui embaixo algumas opções, nas quais podem votar a cada comentário na que gostarem mais. Também é válido vocês me sugerirem algum tema, ok? ;3
Gaara; Kankuro; Temari; Infância; Família; Culinária; Músical/Dança; Non-sense; Pesadelos;
Espero que tenham gostado!
Sugestões, dicas, críticas e observações são muito bem-vindas.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Sonhos de Grãos de Areia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.