Sonhos de Grãos de Areia escrita por LaviniaCrist


Capítulo 13
Paternidade


Notas iniciais do capítulo

Aconselho a lerem enquanto ouvem Flight of the Bumblebee.



Kankuro abriu os olhos com uma onda de dor lancinante.

Ele respirou fundo e tentou pensar no que fazer. O quarto estava escuro demais para que seus olhos se acostumassem rápido, se levantar daquele jeito poderia ser perigoso. Uma nova onda de dor emanou pelo corpo e, em desespero, ele resolveu o que faria:

— GAARA! — ele chamou com todo o folego que tinha, mas aquilo só fez com que se sentisse ainda pior.

Em poucos segundos ele ouviu passos apressados, a porta ser aberta e um “click” do interruptor. Kankuro se revezava entre se sacudir tentando afastar a dor e tentar explicar para o irmão, com os cabelos bagunçados e uma cara de preocupação, o que estava acontecendo.

— Kankuro, foi um pesadelo? — ele olhou em volta — Parece tudo normal por aqui...

— D-Dor... DOR! — se aquele desconforto piorasse, ficaria semelhante ao efeito do veneno de Sasori.

— Ah, é só dor? — o ruivo passou a mão no rosto, parecendo ficar mais tranquilo, até que pareceu notar algo e olhou um tanto assustado para o irmão — Dor? Está sentindo dor? Dor aonde?

— Dor, dor, dor... — Kankuro respirou fundo e tentou falar algo mais explicativo — Faz parar antes que eu morra... — no final da frase, a voz já era uma mistura de choramingo e irritação.

— Mas dor aonde?

— COMEÇA NO ESTOMAGO E ESPALHA PRO CORPO TODO, AGORA ME AJUDA, JAAN!

— Kankuro, você está sentindo contrações, é isso?

Mesmo sem conseguir ter controle de si mesmo tão bem como de costume, Kankuro conseguiu se apoiar na cama e se sentar.

— Gaara... — ele respirou fundo — Não é hora para eu te explicar de onde vem os bebês, mas com certeza eu não vou ter um, jaan...

— Não precisa ficar com medo de ser pai solteiro ou algo assim, tá?

— EU NÃO VOU TER UM BEBÊ, GAARA! — antes de poder reclamar sobre mais alguma coisa, uma nova onda de dor o fez se calar por alguns segundos — Mas tenho quase certeza de que a dor é a mesma... — novamente a fala terminou em choramingo.

— Vou pedir para chamarem o médico! — o ruivo saiu apressado — Tente respirar tranquilamente! — falou do corredor, enquanto o som dos passos apressados ainda podiam ser ouvidos.

“Eu não vou ter um bebê, droga! Mas não duvido que tenha alguma criatura cheia de garras tentando atravessar meu estomago... Seria um motivo legal para toda essa dor, jaan. Mas e se eu estivesse grávido mesmo, quem é a mãe? Espera... O Gaara falou algo sobre eu ser pai solteiro! Eu não quero ser pai solteiro, jaan! ”.

— KANKURO! — Temari falou entrando no quarto como um furacão — A bolsa estourou?

— Eu não faço ideia de como andam as finanças de Suna e não é hora pra isso, só faz a dor parar! — ele se contorceu na cama como uma minhoca.

— Calma, calma, a irmã está aqui... — ela o fez se deitar de novo — Espero que o médico chegue a tempo...

— Você também acha que eu estou grávido?

— Se não é isso, o que mais poderia ser? — ela cutucou a barriga do irmão — Só acho que você deveria ter se preservado mais, ser pai solteiro em um país tão tradicional como esse não foi uma boa escolha...

Enquanto Temari falava e falava, Kankuro se perdeu nos pensamentos de novo:

“A Temari não mentiria quanto a isso, jaan. Não quero arrastar o nome da família para o chão, melhor eu e meu filho nos mudarmos... Droga! Eu não acredito que vou ter um filho no auge da minha juventude! Kankuro, Kankuro, Kankuro... Quem mandou você ficar bêbado tantas vezes e ser tão irresistível? ”.

Mais uma vez, aquela onda de dor o fez despertar.

— FAZ PARAR! — ele se abraçou.

— Talvez se eu te acertar no ponto certo, eu consiga te fazer desmaiar daí...

— Nem pensar! — Gaara entrou no quarto — O médico está vindo, acha que consegue aguentar?

— ACHO QUE VOU MORRER! — Kankuro continuou se contorcendo.

— Não exagera também, é só um bebê! — Temari falou irritada.

— Mas eu ouvi dizer que é uma das maiores dores possíveis, principalmente quando é parto normal...

Gaara tentou defender o irmão, mas tudo o que conseguiu foi mergulha-lo em uma nova onda de pensamentos:

“Vai ser parto normal... Ok. COMO ASSIM PARTO NORMAL!? COMO ELES ESTÃO PLANEJANDO FAZER UM PARTO NORMAL, JAAN!? Não posso deixar isso acontecer! Nada de parto normal, humanizado, no meio de um banho de areia, seja lá o que for! Eu quero cesariana!!! Melhor uma cicatriz na minha bela barriguinha do que se sabe lá quais sequelas esse parto normal vai deixar, jaan! ”.

— Vou ver se o médico já está chegando. Na pior das hipóteses, eu posso tentar fazer algo... — ela disse já no corredor.

— Isso seria a pior das hipóteses, Temari.

— NADA DE PARTO NORMAL!!! NÃO QUERO PARTO NORMAL!!! EU SÓ QUERO QUE PARE DE DOER LOGO!!! — as ondas de dores só ficavam cada vez mais frequente, enquanto o rapaz se contorcia de olhos fechados

— Kankuro, respira fundo e se acalma.

— NÃO DÁ! O médico vai demorar? Diz que não, por favor...

— Se você se acalmar, vai ficar tudo bem...

— EU NEM SEI SE VAI SER MENINO OU MENINA E VOCÊ QUER QUE EU FIQUE CALMO!?

— VOCÊ SÓ ESTAVA SONHANDO!

Com certo esforço, Kankuro abriu os olhos e notou um ruivo encarando-o um tanto irritado, com o cabelo bagunçado e cara de sono. Quanto a Temari, nem sinal dela...

— Mas a dor... É de verdade, jaan.

— Eu sei, imagino que passar a noite inteira bebendo e se entupindo de doces cause essa sua gravidez ai! — o Kage cruzou os braços, sem achar a menor graça em tudo aquilo — Arque com as consequências...

— E a Temari? Espera, eu não vou ter um filho?

— Homens não engravidam, Kankuro, e eu não estou disposto a te explicar isso agora. — ele suspirou — Temari deve estar na casa dela ou no hospital, Shikadai nasceu, lembra? Você foi comemorar e acabou exagerando...

— Então ela quem teve um filho?

— Kankuro, por que eu mentiria para você? Acha mesmo que você ia ter um filho ou algo assim?

— E as contrações? Essa dor!

— ... Provavelmente são gases...

O mais velho ia tentar continuar argumentando, mas uma nova onda de dor o fez parar e se encolher. Bem, digamos que Gaara tinha razão e isso foi anunciado com um alto e estrondoso...

— É... Acho que são só gases mesmo... — ele disse sem graça, olhando para o irmão.

— Ou algo que entrou no seu estomago e morreu! — o mais novo abriu a janela, sem se importar com o vento frio da madrugada. — Sabe qual vai ser o seu castigo, Kankuro? — ele olhou maldosamente para o irmão.

— Ficar com essa dor horrível?

— Pior: Temari vai saber cada detalhe dessa sua gravidez!



Notas finais do capítulo

Música: https://www.youtube.com/watch?v=aYAJopwEYv8
Espero que tenham gostado!
Sugestões para próximos capítulos, dicas, críticas e observações são muito bem-vindas.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Sonhos de Grãos de Areia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.