Personas in my Ice Heart escrita por Haruyuki


Capítulo 11
Mask 11 ~ The Date


Notas iniciais do capítulo

Mais personagens importantes para esta história, novos ups de Social Link, Nosso Katsudon acidentamente arruma um emcontro e um estranho pervertidao passa a se interessar nele.
No jogo, Leblanc só serve café tradicionais. Nesta fic, irei colocar mais itens para Yuuri aprender a fazer por Celestino. Além disso, planejo fazer esses itens ter efeitos diferentes no Metaverso.



Phichi+chu
O Shadow lá disse o nome Karpisek, não foi?
Cheque com o navegador o nome Josef Karpisek.
"Josef Karpisek." Digo, olhando para o ícone do navegador para o Metaverso. 
"Cognição Encontrada. Nome: Josef Karpisek. Primeiro andar liberado." O aplicativo diz, e eu volto para o chat com Phichit.
Eu
Acertou em cheio.
O que sabe sobre ele?
Phichi+chu
Pintor mundialmente famoso por incorporar diversos estilos de pinturas diferentes em suas obras. Uma de suas obras mais importantes é 'Masumi', que há 10 anos atrás foi roubado do ex-estúdio dele e até agora não se tem relatos sobre tal pintura. 
Atualmente, ele está com uma exibição aqui em Detroit. O que você acha?
Eu
Acho que quero dar uma olhada.
~x~
"Muito bem. Este remédio é o resultado de minhas pesquisas. Beba tudo, garoto. E não quero saber de reclamações sobre gosto e cheiro." Doutora Baranoskaya diz, me entregando um copo com um liquido alaranjado dentro.
O líquido fede, e eu não hesito em mostrar na minha cara isso. Eu respiro fundo e bebo tudo, levando a mão na boca quando termino pois... Essa coisa é horrível! Eugh! 
E então, começo a me sentir tonto e acabo desmaiando na maca.
...
Acordo com minha visão desfocada, deitado na maca. Escuto uma musica peculiar e viro meu rosto, vendo a doutora sentada ao meu lado, digitando algo em um laptop. Me sinto muito enjoado.
"Doutora?" Pergunto, com a voz fraca. "Estou querendo vomitar."
"Aqui." Ela diz, erguendo uma lata de lixo no meu rosto no exato momento que eu boto tudo do meu estômago para fora. "Infelizmente, o esperimento foi um fracasso. Além de você ter desmaiado logo depois de tomar o remédio, seu corpo não o aguentou e o fez colocar tudo para fora. Isto é deprimente."
"E agora?" Pergunto, me sentando com dificuldade.
"E agora que preciso de mais recursos para re-fazer minhas pesquisas." Ela diz, preocupada.
"Quanto?" Pergunto, colocando meus óculos no rosto.
"2 mil dólares." Ela responde e eu me levanto da maca.
"Entendido. Deixarei em sua caixa de correio esta noite." Digo, abrindo um sorriso para ela.
Arcana Bond Updade: The Death ~ Nível 03
"Muito bem." Ela diz, me olhando friamente. "Graças a você puse reestocar remédios que estavam em falta. Deseja comprar algo?"
"Deixe-me ver o que você tem." Digo, já renovando meu estoque de remédios para o metaverso. 
~x~
No café Leblanc, eu preparo café, usando dos ensinamentos de Celestino. Phichit desce do quarto dele e se senta no balcão, e eu sirvo uma xícara para ele com um sanduíche.
"Oh, você melhorou, Yuuri! Está muito bom!" Ele exclama, e eu abro um sorriso.
"Muito obrigado." Digo, checando a hora. "A gente se fala mais tarde."
Saio de trás do balcão e me aproximo da porta, girando a placa para avisar que o café está aberto. Celestino chega depois do primeiro cliente, o escutando aprovar o café de Yuuri. 
"Deixe-me provar." Ele diz, colocando um pouco do café na xícara, apreciando o aroma e em seguida, beber um pouco.
Seus olhos abrem de surpresa e com um sorriso no rosto, ele coloca a xícara na mesa.
"Delicioso! Meus parabéns, Yuuri!" Ele diz, e eu abro um sorriso também. "Amanhã te ensinarei a fazer latte e cappuccino, ok?"
"Muito obrigado, Celestino." Digo, me curvando para ele.
"Ciao Ciao, você arrumou alguém para ir com você na exposição daquele artista que você gosta?" Phichit pergunta no momento que a porta é aberta.
"Seja bem vindo..." Eu digo, olhando para Victor, que acaba sorrindo ao me ver.
Um sorriso que mais parece um coração. Meu coração coração começa a bater forte, o que é estranho pois não sinto que estou respirando.
"Yuuri!" Phichit diz, e eu viro o rosto para ele, surpreso. "Ciao Ciao disse que tem um ingresso extra para a exposição de Karpisek amanhã... Você está legal?" O sorriso dele se desfaz e ele me olha com a testa franzida.
"Quê?" Pergunto, o olhando com surpresa.
"Cara, seu rosto está vermelho." Ele diz, e eu respiro fundo. "Oh, já passou."
"Não me assuste desse jeito." Sussurro ao me aproximar dele, para que nem Celestino nem Victor possam escutar.
"Oh, desculpa." Ele diz, e eu afirmo com a cabeça.
"Café e um croissant de frango, por favor." Victor pede e eu logo o sirvo. "O que é isso sobre exposição que eu ouvi?"
"Ciao Ciao possui ingressos para a exposição daquele artista famoso no domingo, e ao que parece, ele não vai poder ir. Então, como Yuuri aqui já tinha me dito que ele estava interessado em ver a exposição mas não tinha dinheiro para comprar um ingresso." Phichit explica, e eu o olho com surpresa.
De fato, a entrada da exposição é cara para um estudante 'normal' como eu. Eu olho para Celestino e respiro fundo.
"Seria algum problema se eu pudesse ter um dos ingressos?" Eu pergunto, o olhando seriamente.
"Não, eu já estava até pensando em perguntar se você teria interesse. Eu ia com uma moça, mas ela acabou me ligando mais cedo para cancelar." Ele diz, soltando um longo suspiro e colocando a mão no bolso, tirando a carteira e dela, puxa dois ingressos. "Você pode dar o outro para alguém que queira ir com você."
"Muito obrigado." Digo, recebendo dele os ingressos. 
Eu olho para Victor, que arregala os olhos e me olha com surpresa.
"Eu? Mas é claro! A gente se encontra aqui mesmo à uma da tarde." Ele diz, colocando o dinheiro na mesa, pegando o ingresso da minha mão e saindo da cafeteria correndo.
Surpreso e confuso, olho para Phichit e Celestino, vendo que eles também estavam de olhos arregalados.
Mas o que foi isso?
"Ai meu deus!" Phichit exclama, de repente. "Ai meu deus, Yuuri! Você descolou um encontro com um galã russo!"
"O quê?!" Exclamo, surpreso.
"Que inveja." Celestino comenta, me fazendo olhar para ele com horror. 
~x~
Sentado na cama de Phichit, eu guardo os ingressos na minha mochila. Morgana, que estava na janela, se aproxima e pula no meu ombro, erguendo a pata para baixo.
"O que há nessa sacola?" Ele pergunta e eu retiro a sacola que o homem da loja de equipamentos me deu.
"Me pediram para guardar. Pretendo devolver em breve." Digo, retirando o pacote. 
"Abra. Eu quero ver o que tem dentro." O gato diz, e eu ergo o pacote, o abrindo.
Me assusto ao retirar uma arma de verdade, assustando até Phichit.
"É falsa." Morgana diz, nos acalmando.
Eu e Phichit olhamos um para o outro e começamos a rir, aliviados por Celestino já ter ido para casa. 
"É falsa, mas pode ser verdadeira no Metaverso." Morgana diz, e eu me aproximo dela.
"Como assim?" Pergunto para ele, confuso.
"Metaverso é um universo paralelo, que adquire forma de acordo com a metalidade humana e certas circunstâncias ao seu redor. Como vocês acharam que é uma arma verdadeira, outras pessoas podem achar também que é uma e isso faz com que ela funcione como uma arma normal lá." Ele explica, e eu me surpreendo com o que ele diz.
Arcana Bond Update: The Magician ~ Nível 03
"Isso é interessante." Comento, observando atentamente a arma. "Talvez eu devesse testar primeiro antes de devolver."
"Soa uma boa idéia." Phichit diz, ao meu lado.
~x~
Eu acordo cedo, ansioso por esta tarde. Afinal estarei indo para a exposição de Karpisek com Victor. Desço as escadas, vendo que Toshiya-san está preparando nosso café-da-manhã. Isso me dá uma idéia.
"Ohayo, Toshiya-san." Digo, me aproximando dele. "Você poderia me ensinar a preparar um bentô?"
"Oh? Vai sair para algum lugar?" Ele pergunta, sorrindo para mim.
"Sim. Ganhei um ingresso para a exposição de Karpisek e vou com um amigo esta tarde." Respondo, timidamente. "Achei que seria legal comer uma comida caseira saudável ao invés de comprar na rua."
"Muito bem. Você tem nos ajudado bastante no restaurante. Nada mais justo que te ensinar a preparar um bentô." Ele diz, e eu abro um sorriso, feliz com o que escuto.
Depois do café, ele me ensina a preparar onigiris, frango teriyaki e gyoza. Ele me amostra como cortar salmão, vegetais e eu preparo tamagoyaki. Sob a fiscalização dele, eu monto dois em potes que ele me emprestou. Preparo também sopa de Miso, a colocando em uma garrafa térmica. Melhor comprar para mim, para não ficar dependendo das coisas dos Katsukis sempre.
Na minha mochila antiga, guardo os bentôs, a garrafa térmica com a sopa, alguns itens caso acabe indo para o metaverso, o pacote com a arma e um novo envelope com o dinheiro para a Doutora Baranoskaya. Guardo o ingresso na minha carteira, e vou tomar banho e trocar de roupa, abusando dos produtos que comprei para mim. Visto uma calça jeans preta colada nas minhas pernas e quadris, uma camisa branca de manga na altura do ombro, um colete preto por cima e um par de tênis preto e branco. Finalizo deslizando meus cabelos para trás, o pingente no pescoço, lentes de contato nos olhos e com perfume pelo corpo. Quando eu termino, eu congelo e solto um longo suspiro.
"Mas por que é que eu estou me arrumando desse jeito? Não é como se realmente fosse um encontro com ele." Digo, me olhando no espelho. "Não é?"
~x~
Em Leblanc, preparo café para levar também. Quando Phichit desce, ele assobia.
"Uau! Você está mesmo empolgado para se encontrar com Victor, heim?" Ele comenta, me deixando embaraçado. "Puta merda! Essas calças em você são bem capazes de causar um homicídio em massa."
"O quê?!" Exclamo, surpreso. "Está tão ruim assim?" 
Eu pergunto, deslizando as mãos pelo tecido, vendo Phichit arregalar os olhos para algo atrás de mim.
"Bem, não. Mas pelo visto você acabou de fazer a primeira vítima." Ele diz e eu olho para trás, notando Victor que me olha com surpresa, de boca aberta, com o rosto avermelhado.
"Victor?" Pergunto, inclinando o rosto para ele. 
Me preocupo ao perceber que ele não se mexe, e acabo mais embaraçado ainda pelas palavras de Phichit. Percebo que ele está usando terno e gravata, o que me faz deduzir que ele deve ter acabado de sair do trabalho.
"Yuuri, reseta ele!" Phichit exclama, e eu o olho com a sobrancelha erguida. "Ou melhor, beija ele!"
"Como é que é?!" Exclamo, horrorizado ao escutar um pigarreio vindo de trás de mim e vejo Victor com a mão no rosto. "Você está bem?"
"Sim eu estou. Me desculpe por..." Ele se interrompe, usando os dedos para apontar entre nós deles. "Me desculpe."
"Está tudo bem." Eu digo, colocando a garrafa com café na mochila também. "Eu já estou pronto para ir."
"Oh, sim." Victor retira o paletó afrouxa a gravata do seu pescoço. 
"Quer que eu os guarde na minha mochila?" Pergunto, o vendo erguer a sobrancelha. "Bem, os Katsukis me ajudaram a preparar um almoço quando descobriram que eu ia para a exibição, e eu não tenho coragem de recusar a oferta deles."
Eu minto, agora realizando que preparar almoço para dois que vão sair juntos é estranho. Os Katsukis também devem ter notado, mas como são gentis, não quiseram comentar nada.
"Ok." Victor diz, me estendendo as peças de roupa. 
Eu as dobro e as guardo com cuidado na mochila. Eu a coloco nos ombros, me incomodando um pouco com o peso, e o olho.
"Vamos lá?" Pergunto, animado.
"Vamos." Victor diz, sorrindo para mim.
~x~
A exposição é... Peculiar, na minha opinião. Eu entendo um pouco de artes, graças ao fato de que era um patinador, mas nada a ponto de entender tecnicamente o que cada quadro representa. Mas posso certamente sentir o que cada pintura carrega. Algo que Victor, que carrega para mim minha mochila no ombro, não percebe.
Dor.
Desespero.
Solidão.
Raiva.
Revolta.
Medo.
Perdição.
"Esses quadros são incríveis." Victor comenta, maravilhado com o que vê. 
Eu agarro minhas roupas na altura do coração, lutando para não derramar nenhuma lágrima. Eu respiro fundo, tentando não entrar em pânico, e entro em choque quando vejo um dos quadros. Uma figura está dançando em uma arena cheia de pessoas. Uma arena de gelo. Placas retangulares que reconheço serem de patrocinadores me faz perceber que o quadro representa um evento oficial. Um campeonato. Eu volto a olhar para a figura, irreconhecível para muitos, mas não para mim. Afinal eu reconheço aqueles cabelos pretos e aquelas cores na roupa dele. Ágape
Um assobio quebra a linha de meu pensamento, e me faz olhar para a direira, onde um homem de cabelos loiros e olhos verdes se aproxima. 
"Ora, ora. Nada mais junto para uma obra de arte estar em exposição, não concorda?" Ele me olha, dando uma piscadela.
"O quê?" Pergunto, confuso.
"Ora, Chérie, não se faça de bobo. Eu estava falando de você." Ele diz, me fazendo franzir a testa. "O que achou dos quadros de meu mestre?"
"De todos, eu gostei mais deste aqui. Não sei o porque." Victor aponta para o quadro na minha frente.
"Ágape, uh? Você tem bom gosto." O rapaz diz, surpreso.
"Mas é claro." Victor diz, sorrindo. "Não concorda Yuuri?"
"Yuuri?" O rapaz pergunta e eu o olho.
"Sim?" Pergunto, engindo em seco ao ver o olhar dele firme em mim.
"Meu none é Christophe Giacometti, e sou um dos pupilos de Josef Karpisek. Eu realmente gostaria que você posasse para mim. Seja meu modelo." Ele me agarra nos ombros, me assustando.
Eh?
"Me desculpa, mas..." Escuto Victor, que me puxa e dele e me abraça por trás. "Poderia retirar as mãos de meu parceiro?"
Eu pisco, confuso. De repente, sinto meu rosto esquentar.
Eeeeeeeeeeeeh?!



Notas finais do capítulo

Status
Compendium active
Personas: 05 - active
Arcana Bonds: 08
Hearts Changed: 03



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Personas in my Ice Heart" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.