Jungle Guards School - INTERATIVA escrita por Giovanna


Capítulo 4
Hey Brother


Notas iniciais do capítulo

Apresento hoje a vocês a personagem Natalia Belova.
No capítulo de hoje eu quis passar um pouco da amizade que o grupo de personagens tem e mesmo que aja briguinhas aqui e ali, a amizade fortalece.
Boa leitura!



[Colégio, refeitório, 7 de setembro, quarta-feira,  12:27 PM]

— Então você está me dizendo que eu só estou no mesmo quarto que a Heather por sua culpa? – Aurora perguntava surpresa e indignada com a atitude do amigo.

— Ela é minha amiga. – James se defendeu. – Ela ia matar a Jocelyn se ficassem juntas.

— E porque eu não fui o felizardo? – Pietro perguntou enquanto mordia uma maçã, já sentado na mesa do refeitório.

— Talvez porque você seja do sexo masculino? – Aurora respondeu sarcástica com um sorriso brincalhão no rosto.

Pietro sabia como ser engraçado quando desejava. Ele nunca havia apoiado a briga que as meninas do grupo tinham entre si, ele queria que todos os amigos fossem amigos e que juntos eles pudessem brigar com outras pessoas.

— Falando da Heather de novo? – Lucian chegava jogando as pernas para dentro da mesa.

— É impossível tirar o nome de uma rainha dos lábios. – o assunto chegou ao fim com a chegada da ruiva. – Não fique tão triste, Aurora. Sei que seremos grandes amigas.

— Se o inferno congelar, talvez. – Aurora cochichou fazendo James que estava sentado ao seu lado rir.

Heather fingiu não ouvir o comentário da morena e seguiu comendo seu almoço. James parecia feliz em saborear seu almoço, assim como Pietro que tinha o prato mais colorido da mesa. Verduras, legumes e até mesmo frutas em um pote separado, isso sim era cuidar da saúde.

O vento lá fora era frio, por isso parte das janelas do refeitório estavam fechadas, mas as que estavam abertas traziam algumas gotas de chuva para dentro do local. A chuva era fina, porém demonstrava ficar pior com o tempo que passava.

— Se o clima continuar assim, acho que a fogueira da santa quarta-feira não vai rolar. – Ikky chegou à mesa parecendo triste com a noticia. Ele adorava a noite da fogueira, era como uma tradição.

— Podíamos ir todos para a Ala X. – James ofereceu, chamando a atenção do grupo. – Noite do banco imobiliário?

— Eu vou vencer todos vocês, otários. – Ikky comemorou de modo confiante e conquistou seu assento á mesa.

— Somente acima do meu cadáver, Ezra. – Lucian comentou com um sorriso fino no rosto. Lucian adorava competir um bom jogo, principalmente o jogo da sedução.  – Qual meu prêmio por vencer?

— Que tal um pouco de caráter? – Aurora alfinetou, não estava no seu melhor momento depois de descobrir que todo a drama que teria que passar ao lado de Heather era culpa do James.

— Aposto que você ganhará educação se eu ganhar, víbora. – Lucian devolveu a alfinetada ainda mais fundo.

— Olha só quem fala: A Cobra em pessoa. – Aurora sorriu de desdém enquanto Lucian a encarava, era possível ver pequenas faíscas saírem dos dois olhos, eles não se suportavam.

— Pessoal, eu posso comprar alguma coisa, se isso ajuda. – Ikky se ofereceu tirando algumas notas do bolso. Seu sendo ingênuo e altruísta sempre falavam mais alto. – Talvez quem ganhar possa ficar com o dinheiro de todo mundo.

— Eu tenho uma coisa melhor. – Heather sorriu convincente apertando a mão de Ikky contra o dinheiro para que ele o guarda-se, as vezes ele era ingênuo demais, a ruiva pensou. – Se um dos meninos ganhar, eles podem me beijar.

Ela levantou a sobrancelha e um sorriso sacana abriu seus lábios. Ikky sorriu disposto a ganhar aquela partida, assim como Pietro. Lucian se contentou em dar uma garfada em seu almoço, não que ele negasse que queria beijar a boca de Heather mais uma vez, mas já havia feito isso diversas vezes pelo ano passado.

Se lembrava muito bem de todas as vezes em que eles se encontraram fora da escola e tiveram boas tardes juntos, sem trocar devidas palavras, somente as duas bocas trabalhando como nunca.

— Isso não seria novidade para mim. – Lucian deu de ombros fingindo não se importar.

— Se você não quer, não beija. – Heather inclinou a cabeça num ato doce, porém mandando um sinal simples para que Lucian fosse se foder, o que o fez sorrir. Essa era a sua menina.

— Eu prefiro não beijar. – James passou a vez tirando o riso dos amigos, era claro que ele não iria beija-la.

— E você, Aurora? – Heather perguntou. – De qual dos meninos vai querer um beijo?

— A não ser que você tenha alguém inteligente... – todos na mesa olharam para Lucian, que bufou junto da moça. – e decente, eu declino o convite.

— Eu não. – Pietro puxou o braço fino de Heather sentindo a pele macia da mesma para logo depois colar seus lábios em um movimento rápido.

No mesmo instante todos riram enquanto Heather ficava vermelha como um pimentão e abaixava a cabeça para que seus cabelos cobrissem o rosto. Pietro sorria convencido, como se tivesse levado o troféu para casa.

Os seis amigos continuaram seu almoço, seria um longo dia.

[Colégio, corredor da Ala H, 20:23 PM]

Natalia Belova, uma das novatas do colégio andava perdidas pelos corredores. Eles podiam ter muitas indicações de caminho, mas não era todo o dia que se entrava no labirinto daquela escola. Por mais que houvesse sido levada a todos os cômodos e alas da escola, não era assim tão fácil decorar enquanto todas as paredes e alas pareciam iguais.

— Isso é mais difícil do que a Clareira*. – bufou levemente irritada enquanto virava uma esquina.

BOOM! Ela sentiu que tinha batido em um armário. Caiu sentada no chão, os cabelos castanhos cobre balançaram de um lado para o outro. Por sorte sua calça de pijama era fofa o suficiente para absorver um pouco da queda.

— Oh-ou. – uma voz masculina parecia envergonhada, Natalia abriu os olhos inocentes que tinha e observou a forma grande e ruiva a sua frente. – Sinto muito.

Ela aceitou a mão do rapaz que a ajudou a levantar, pegando logo em seguida o livro que ela carregava nãos braços. O rapaz tinha cabelos ruivos em um topete, seus olhos castanhos ficavam atrás da lente de seus óculos de grau personalizados, sua pele era quente e seus dedos eram suaves assim como uma nota musical, Natalia sentia que ele era bonito demais para ser verdade.

— Olá? – ela perguntou meio incerta, raramente começava as conversas.

— Oi. – Ele sorriu mostrando seus dentes brancos e perfeitamente alinhados. – Você é nova por aqui?

— Sim, caloura. – Ela riu fraco, nunca era fácil para Natalia, os primeiros dias sempre eram difíceis já que ninguém queria ser amiga dela. Um fato era os lobos quererem ficar sozinhos, outro era não ter amigos.

— O que você vai fazer agora? – o jovem perguntou.

— Ah... Acho que ler o meu livro. – seu tom era questionável como se raramente passasse desse ponto da conversa.

— Quer vir comigo? – o menino deu de ombros. – Estou indo me encontrar com meus amigos para jogar um jogo.

— Eu não sei se seria uma boa. – Ela pensava em como declinar gentilmente o convite.

— Olha, eu normalmente não aceito muitos ‘nãos’ como resposta. – ele arqueou a sobrancelha. – Por isso não vejo motivos para você recusar um convite amigável de um veterano.

“Então, um veterano?” Natalia pensou. Seria bom pelo menos ter alguém que a pudesse guiar naquele labirinto até que ela aprendesse os caminhos por si só, não andava em bandos, era mais do estilo loba solitária.

— Ok. – Ela respirou fundo vendo a marca de um sorriso se abrir no rosto do outro. – Onde vamos?

— Um lugar que você não deve contar a ninguém.

Ele começou a andar fazendo com que ela o seguisse, sua sombra sendo completamente tampada pela dele, ninguém notaria que havia alguém ali atrás.

— Ah, moço? – Natalia chamou.

— Sim? – o ruivo olhou para trás.

— Eu não sei seu nome. – ela arrastou a voz, como se aquela parte da conversa não fosse exatamente seu forte.

— Pietro Nivans  – ele respondeu. – e você?

— Natalia, Natalia Belova.

[Porão, 2 horas mais tarde]

— Sabe o que me lembrou você trazer a Natalia aqui? – Ikky perguntou ao grupo enquanto jogava seu dinheiro do banco imobiliário na caixa.

— O que? – Pietro perguntou.

— Quando você trouxe a Jocelyn. – Ikky levantou as sobrancelhas com um sorriso brincalhão no rosto.

—É verdade, você começou a namorar ela algumas semanas depois. – Lucian concordou.

— Mas dessa vez ele vai ganhar um beijo meu e não da Jocelyn. – Heather revirou os olhos ao comentar aquele nome com a própria boca e se sentou no colo do Pietro.

Ele havia ganhado o jogo e como prometido Heather lhe daria um beijo. O que de certa forma era injusto já que ele havia a beijado mais cedo, palavras do Ikky. Eles iniciaram o beijo, as mãos de Heather no rosto dele, enquanto as mãos dele estavam nas coxas dela em contato com o Jeans.

Natalia se sentia bem conversando com James e Aurora. Os dois eram bons amigos e ela tinha a impressão de que se tornariam amigos, James contava de como se sentiu atraído por Ikky, porém o jovem era hetero tirando qualquer chance dos dois ficarem juntos.

— Supera. – Foi o melhor conselho de Aurora.

— Por favor, arranjem um quarto. – Lucian reclamou dos jovens que ainda se pegavam.

— Crianças. – Aurora negava com a cabeça, mas sorria.



Notas finais do capítulo

Apesar do clipe da música do título tratar sobre a morte do irmão e tudo mais, a letra me faz lembrar de tudo o que um grupo de amigos faria um pelo outro.
O nosso amigo da foto é o Ikky Ezra, então acho que dá pra perceber porque o James deu uma gamadinha nele, mesmo que ele fosse hétero.
Espero que vocês tenham gostado.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Jungle Guards School - INTERATIVA" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.