Jungle Guards School - INTERATIVA escrita por Giovanna


Capítulo 11
Come As You Are


Notas iniciais do capítulo

Feliz dia das mulheres atrasado! ♥
Capítulo mais ou menos, mas o próximo promete causar.



[Colégio, portão principal, 07:55 AM]

Somchai não conseguia se lembrar de um único dia que se sentiu tão nervoso quanto aquele ao por os pés na frente dos letreiros de mármore da escola. A segunda-feira havia chegado tão rápido e o tailandês nem havia se recuperado o suficiente do incidente com o Burn Book.

Se é que aquilo podia ser superado. Toda a escola não havia parado de comentar o fim de semana inteiro, Somchai ficou tranquilo ao ver que Derek mostrava ser maduro para entender o seu lado e tentar ajuda-lo, mas para o escorpião a confiança é um trabalho difícil mesmo para alguém tão próximo.

— Estou feliz que você sobreviveu a isso. – Derek saudou ao ver o namorado descer do carro dos sogros.

— Eu sei que posso passar por isso. – O tom calmo e frio de Somchai não havia deixado sua voz, como todas as manhãs, mas Derek sabia que o namorado se sentia ansioso por dentro. -  Se você estiver comigo.

— Eu nunca o deixaria sozinho nessas circunstâncias. – Derek deu um meio sorriso beijando o namorado, haviam combinado de chegar o mais tarde possível para evitar os olhares fora dos portões da escola.

— Queria poder ser tão bom para você, como você é para mim. – O dono das madeixas negras deixou um suspirou passar por seus lábios ao se separar do namorado.

— Você é bom pra mim. – Derek o encorajou. – Simplesmente por ser você.

Somchai olhou mais uma vez para as portas da escola. Havia se escondido o fim de semana inteiro, mas agora era a hora de encarar a realidade e descobrir quem eram seus amigos de verdade. Derek e Jocelyn eram os primeiros da lista. Ele entrelaçou os dedos à mão do namorado e começou a andar.

O tempo pareceu parar quando a porta se abriu. O corredor abarrotado de adolescentes pareceu congelar enquanto as pessoas percebiam que o assunto do momento havia chegado. Ambos começaram a passar pelo corredor, o peito inflado de Derek intimava a maior parte das pessoas, seu espírito desenvolvido de crocodilo dava medo a maioria das pessoas ali, mas isso não os impedia de lançar olhares maldosos ao casal.

Somchai encarou alguns olhares maldosos e cochichos sobre o fato de Derek estar negligenciando o fato de que pode estar sendo traído, muitos começaram a chamar Somchai de “cordeirinho” um código entre os meninos para que soubessem quem já havia realmente traído alguém importante no escalão do colégio.

O menino mais baixo apertou a mão do namorado mais forte, o corredor parecia maior do que antes e seus passos não pareciam surtir efeito nisso, o olhar de todos sobre si piorava a situação, mas Derek estava ali e era isso que importava.

[Colégio, refeitório, 9:34 AM]

— Isso é tão triste. – Natalia comentava com Aurora, sua guardiã naquela semana. – Eu sei que não os conheço por mais de 8 meses, mas é estranho ver o que eles estão passando.

— Adolescentes são a pior espécie. – Aurora retrucou.  – Isso só vai acabar quando uma informação ainda mais quente vazar.

Natalia concordou e levou o garfo com um morango até a boca. Não desejaria estar no lugar de Somchai que era acusado e nem de Derek que sofria diversos comentários a todo o momento sobre seus “novos chifres”. A jovem castanha observou os dois sentados a mesa de sua colega de quarto, Jocelyn.

Natalia sabia da rivalidade de Jocelyn e Heather, mas não conseguia odiar a negra. Elas não conversavam além do necessário, mas Jocelyn não parecia uma má pessoa como Heather pintava. Ela só era, verdadeira demais.

E a verdade sempre dói.

— Como anda o projeto escrito? – Aurora perguntou interessada na parte de sua parceira.

— Estou... tentando. – Natalia colocou uma das mechas de cabelo atrás da orelha. – Eu não me dou muito bem com as palavras.

— Não é o que eu fiquei sabendo. – Aurora deixou um sorriso furtivo aparecer. – Tenho certeza que você pode usar a sua voz para ter uma ideia.

Natalia congelou no mesmo instante. Ela havia entendido aquilo direito? Como Aurora sabia daquilo? Ela se perguntava. Em seus 16 anos de vida, ninguém havia descoberto sobre o seu dom com o canto, mas Aurora sempre descobria.

— Por favor, não conte pra ninguém. – Natalia pediu envergonhada.

— Isso é uma pena, pois sua voz é linda. – Aurora lamentou. – Mas eu entendo, seu segredo está bem guardado comigo.

Natalia soltou o ar que prendia. Talvez Aurora fosse realmente a amiga que ela procurava, com certeza elas compartilhavam mais do que alguns ensinamentos agora. Elas logo compartilhariam todos seus segredos.

[Colégio, estufa – aula de botânica, 11:00 AM]

Kenai não acreditava no que o destino estava fazendo consigo. Era a terceira aula na qual ele e James caiam juntos desde os primeiros dias de aula depois das férias de verão.

As aulas de botânica sempre chamaram a atenção do moreno pelo fato de que por diversas vezes ele aprendia mais sobre a agronomia e consequentemente sobre os alimentos que usava em sua tão amada gastronomia.

Kenai não podia esperar a hora de simplesmente terminar o colegial e viajar o mundo para se tornar o melhor gastrônomo que o mundo já viu. Ele sorriu com tal pensamento, se perguntou se James aceitaria viajar o mundo com ele.

— Kenai, me passe às sementes? – James pediu enquanto limpava o suor da testa se sujando de terra.

— Claro. – Ele passou o pacote de sementes de flores ao loiro e lhe estendeu um pano para limpar a terra da testa, ao qual James agradeceu com um sorriso desconcertado.

Kenai simplesmente manuseou a cabeça sorrindo do quão desastrado James podia ser e percebeu a movimentação para fora da estufa. Por mais que os alunos tivesse a permissão de se espalhar pela escola, os parceiros decidiram continuar dentro da estufa, seria muito mais prático e privado, entretanto os vidros da estufa ainda assim lhe davam uma boa visão da parte exterior, onde um grupo de pessoas provocava Somchai, seu amigo.

A mão forte de Kenai quebrou um dos vasos que segurava, conhecido por ser um vulcão ambulante que podia explodir a qualquer momento, Kenai não se segurou quando gritou o grupo de meninos e meninas do segundo ano, que tremeram as pernas ao perceber o espírito grande que rondava a imagem de Kenai, o famoso urso.

Um dos jovens ainda tentou se mostrar corajoso, mas o olhar cortante do escorpião o fez paralisar de medo e ser praticamente carregado a enfermaria pelo efeito que Somchai havia lançado gradativamente no menino com seu olhar. Uma paralisia instantânea, nem mesmo precisando de contato físico.

Kenai soltou uma gargalhada com a reação do amigo mais baixo e viu Somchai sorrir para ele e consequentemente James que parecia apoiar o movimento. A bons meses Somchai e James não se falavam, mas não havia ódio entre eles, eles simplesmente haviam se afastado pelo fato de Somchai ter se fechado a ajuda do mais jovem e ter aceitado seu lugar ao lado de Jocelyn. Ele havia feito suas escolhas, por mais que machucassem James.

— Injusto o que aconteceu com ele. – James comentou tirando uma das luvas e indo se sentar, cansado de trabalhar. – Derek deve estar afetado também.

— Os dois conseguem se cuidar. – Kenai o alertou se virando de costas para a mesa onde trabalhava. – Eles tem o apoio um do outro e do nosso grupo de amigos.

— Espero que ele saiba que tem o meu apoio.

O quê de duvida e tristeza no tom de James intrigou Kenai. Ele sabia que os dois haviam se afastado, mas porque não voltavam a se falar? Heather e Jocelyn não podiam impedir isso com sua briguinha estúpida pelo trono.

— O que aconteceu entre vocês? – Kenai perguntou.

James suspirou antes de responder, era sempre difícil tocar nesse assunto. A ferida do primeiro amor nunca parecia se fechar.

— Ele foi meu primeiro amor. – James esclareceu. – Eu contei a ele, quando a briga entre ele e Lucian havia estourado... Mas ele não sentia o mesmo.

— Então por isso você escolheu o lado do Lucian? – Kenai perguntou surpreso.

— Em partes sim. – James escolhia suas palavras com cuidado. – Eu escolhi Lucian pelo fato dele ser meu amigo muito antes de Somchai, mas você sabe como é, o primeiro amor sempre parece cegar a gente.

James deu de ombros e observou Kenai. Os olhos inexpressivos, como se pensasse em mil e uma coisas. A blusa social marcada no corpo atlético, as mangas dobradas acima do cotovelo e os braços cruzados. Mas que logo se desfizeram para poderem abrigar James dentro deles.

A surpresa era visível no rosto do loiro, por mais que não desejasse se separar do abraço tão cedo, era reconfortante estar ali. Kenai podia ser uma pessoa distante e explosiva, mas era extremamente carinhosa com todos.

— Obrigado. – James agradeceu ao abraço. – Mas e você? Como foi com seu primeiro amor?

— Hm... – Kenai pareceu pensar por um momento. Como poderia dizer a James que o próprio era seu primeiro amor? – Ainda está acontecendo.

— Uhhh. – James pareceu interessado em descobrir o futuro parceiro de Kenai. – Imagino que seja um rapaz?

Kenai concordou com a cabeça. A maior parte das pessoas sabia que o negro era bissexual, por mais que gostasse mais de meninos, mas não tinha nada contra a namorar ou ficar com meninas.

— Ele é meu amigo? – James tentava adivinhar fazendo Kenai rir internamente.

— Na verdade... Você o conhece muito bem.

[Colégio, quarto 33, 21:21 PM]

Claire não acreditava que havia perdido o jeito. Estava no interrogatório de Heather a mais de 20 minutos e nem mesmo uma brecha a ruiva havia lhe dado.

— Primeiro você invade o meu quarto, me faz diversas perguntas suspeitas e ainda quer usar o meu banheiro? – Heather a olhava com desdém. – Você não se acha muito folgada Claire?

— Eu sou uma menina, minha bexiga não pode ficar segurando o xixi por todo esse tempo. – Ela dizia com um sorrisinho no rosto.

— Tudo bem, mas não demora. – Heather revirou os olhos se voltando ao seu livro de estudos, logo as provas para a faculdade chegariam e ela precisava estar preparada.

Claire agradeceu e bateu a porta do banheiro, mesmo que não tivesse conseguido tirar algumas palavras de Heather, ela sabia de algo. O banheiro de uma mulher sempre revelava quem ela realmente era, ele devia ser o único a ver Heather sem maquiagem.

Heather parecia concentrada no seu livro quando a voz de susto de Claire a fez erguer os olhos, logo a castanha estava a sua frente segurando um estilo de palitinho entre os dedos com certo nojo.

— Onde você achou isso? – Heather rosnou.

— Você devia aprender a guardar melhor suas coisas. – Claire balançou uma das sobrancelhas.

— Por favor, Claire. – Heather assumiu um tom desesperado enquanto arrancava o item das mãos da castanha. – Não conte a ninguém.

— Eu prometo.

Claire Meyer era uma pessoa boa?



Notas finais do capítulo

O nosso moço da foto é a perdição mental do James, Kenai Nimble hihihi ♥
Espero que tenham gostado, por mais que eu esteja meio duvidosa sobre esse capítulo, mas queria posta-lo.
Derek e Somchai saíram em praticamente toda cena, tadinhos. Devem estar sofrendo por causa desses adolescentes malvados.
O que será que a Heather quer tanto proteger? Será que a Claire realmente falou ao verdade ao concordar em guardar segredo?
Beijinhos



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Jungle Guards School - INTERATIVA" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.