Cotidiano escrita por Ariane Munhoz


Capítulo 26
Não custa nada se precaver


Notas iniciais do capítulo

26 – Que envolva um instrumento musical



Kiba decidiu que se dedicaria, então, a aprender o ofício da irmã. Não como veterinário, mas como treinador de cães. E ela disse que o primeiro passo, era aprender a lidar com eles com o uso de algum instrumento que os deixasse obedientes.

A família Inuzuka tinha uma flauta que preferia usar ao invés dos apitos comumente utilizados para treinar cães, e Hana ensinou o básico para o irmão, dizendo que Kiba teria que se empenhar sozinho no restante pois ela andava ocupada.

Então, quando foi para a casa de Shino, sob o pretexto de treinar, o namorado achou estranho. Afinal, Kiba nunca havia se interessado no ofício de treinar os cães.

− Ouvi uma conversa entre Kakashi-sensei e minha irmã. – Kiba disse, após uma bateria de exercícios, enquanto Shino permanecia compenetrado no próprio estudo, já que decidira seguir a carreira de professor. – Ele disse para ela que uma guerra está chegando até nós, Shino, e talvez ela tenha que abandonar o posto na clínica para ajudar.

Shino notou a preocupação do namorado para com ela. Sabia como Kiba era ligado à família e como coisas assim eram difíceis. Ele suspirou, aproximando-se e passou um dos braços ao redor do corpo de Kiba, puxando-o para mais perto.

− Sabe que somos ninjas, Kiba. Nenhum de nós está livre dos grilhões da guerra quando ela se aproximar. – disse. Não era uma forma de tranquiliza-lo, mas de expor a realidade. – A única coisa que podemos fazer, é nos preparar para isso. Como você está fazendo.

Kiba sabia disso. Repousou o instrumento sobre o próprio colo enquanto as garrinhas faziam fiapos no casaco de Shino. Aburame nem se importava com isso, apenas achava graça.

− Só queria que as coisas fossem diferentes, sabe? Kakashi-sensei acha que foi o Sasuke que atacou o Pakkun. Ou que foi a Akatsuki. Ou os dois juntos. Imagina como o coitado do Naruto não deve estar com isso? – Kiba se aninhou perto de Shino. Nem podia imaginar como reagiria caso a situação fosse consigo e Shino fosse um traidor!

Ele, por sua vez, ficou em silêncio, ruminando aquela informação, que casava com o que seu pai havia lhe dito.

− Estaremos preparados e juntos durante a guerra se ela acontecer. Isso é o que importa. Não deixarei nada acontecer a você ou a Akamaru. – Shino prometeu.

Kiba olhou para o namorado, os olhos lacrimejando por um momento, mas se recusou a chorar. Seria forte.

− Obrigado por estar aqui. – murmurou contra seu pescoço e depositou um beijo ali. Ficaram assim por um momento, apenas o silêncio entre eles, antes que Shino articulasse uma resposta:

− Sempre. – Shino disse, abraçando-o de maneira protetora.

Quando Kiba afastou-se para treinar um pouco mais, Shino soltou mais alguns insetos espiões para que ficassem de olho nele e em Akamaru, além de observarem os arredores da vila para que não estivessem totalmente desprotegidos, embora imaginasse que seu pai e outros Aburames tivessem tomado medidas semelhantes.

Não custava nada ser um pouco mais precavido.



Notas finais do capítulo

E voltamos à programação normal! Adiantei um pouco os capítulos para que as duas fics não aconteçam ao mesmo tempo e fique confuso.

Agora, acredito, dá pra postar normalmente novamente.

E aí, o que estão achando desse clima um pouco mais denso?

Nos vemos na segunda!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Cotidiano" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.