31 dias no Inferno escrita por Kaline Bogard


Capítulo 1
A Partida


Notas iniciais do capítulo

E lá vamos nós...



A ilha era tão pequena, que parecia um simples rochedo caído do céu, para servir de âncora para as demais ilhas, pois sim, dali era perfeitamente possível avistar o restante do arquipélago Nyah, três ilhas distantes o bastante para que não se divisassem os detalhes, apenas contornos sinuosos entrecortando o horizonte.

— As reservas estão em nome de quem? — o pequeno zelador da Ilha Misaki perguntou. Sua única função era recepcionar os visitantes e encaminhá-los para a ilha que sonhavam conhecer.

— Aburame Shino e Inuzuka Kiba — a resposta veio rápida. Quem falou foi o rapaz mais alto, de óculos escuros e blusa de gola alta.

— Claro! Sejam bem vindos. Por favor, me sigam. O barco parte ao meio-dia em ponto. Ao chegar lá, terão todas as demais orientações.

— Nosso agente de viagens já explicou — Kiba respondeu, cruzando os braços atrás da nuca, conquanto logo desfizesse o gesto para pegar a mala.

Seguiram para fora do minúsculo prédio da recepção. Deram a volta rumo ao cais que ficava aos fundos da ilha. Viram um primeiro barco, cuja placa indicava “Ilha Escuridown” e uma fila de quase trinta pessoas conversando e sorrindo. Andando mais, avistaram o barco que partiria para “Korassaum” e, pelo menos, cinquenta pessoas formando uma fila. Todas pareciam ansiosas e animadas. Por fim, atracado no terceiro espaço, estava o último barco, idêntico aos demais. Exceto por dois detalhes.

Não havia fila. Shino e Kiba seriam os únicos a embarcar.

E a placa. O nome gravado dizia “Sunshine Island”.

— Aproveitem ao máximo sua viagem — o funcionário sorriu afável.

Talvez afável demais…

— Obrigado — Kiba respondeu.

— Quem sabe não queiram visitar nossas outras ilhas? Se deixarem a reservas prontas hoje ganham desconto.

— Não temos interesse no momento — Shino cortou a oferta. Estavam ali cumprindo uma missão de Ranking A. Destino certo rumo a Sunshine Island. Não era simplesmente uma viagem de férias, nem tinham intenção de voltar no futuro para fazer turismo nas outras duas.

— Entendo. Boa… diversão — foi o que o rapaz disse antes de oferecer uma leve vênia e se afastar.

— Ah, então é isso — Kiba coçou a nuca — Só a gente vai pra essa ilha.

Shino ajeitou os óculos no rosto, observando ao redor.

— É o que parece.

O outro ninja inclinou o pescoço e olhou para as outras duas filas, a animação daqueles turistas era tão alta e contagiante, que ele quis estar lá, em uma delas! Porém, não estavam ali pra se divertir. O foco era cumprir a missão.

— Shino… a gente tá em missão, eu sei disso. Mas a gente pode aproveitar um pouco, não?

Aburame Shino ergueu uma sobrancelha. Qual a possibilidade de se divertirem em uma ilha cujos turistas desapareciam constantemente e cuja única pensão recebeu tão somente uma estrela de avaliação no Airbnb? Só Kiba para pensar em uma possibilidade dessas.

Acabou por não responder. O outro não insistiu.

Ao meio dia, após uma espera de quase meia hora, pontualmente; o capitão do barco Sunshine e o capitão do barco Korassaum fizeram o chamamento de partida. Apenas o barco Escuridown permaneceu do mesmo jeito. Na verdade, parecia que uma fumacinha preta desprendia da proa…

Não havia carregadores. Cada cliente era responsável pela própria mala. Como aprenderam em missões anteriores era melhor não ir para missões com muita coisa, por tanto não precisavam carregar muito peso, apenas o necessário.

— Façam uma boa viajem — o capitão recebeu seus dois únicos passageiros com o máximo da empertigação. Pela postura rígida, parecia algum tipo de soldado aposentado. Quem sabe um marinheiro…?

— Obrigado — Kiba agradeceu e foi debruçar-se na amurada, de um ponto em que podia admirar a ilha para onde se dirigiam, parecendo pequena na distância.

Shino imitou o companheiro, debruçando-se ao lado dele, para também observar o destino para o qual seguiam.

Sabia que não era um lugar pequeno. Pelo contrário, era uma ilha de boas proporções, com matagal exuberante e verdejante. O clima era excelente, sempre fazia calor perto dos trinta e cinco graus e o sol brilhava a maior parte do tempo. Parecia o paraíso.

Mas se fosse o paraíso, não seriam contratados para investigá-la e descobrir os mistérios maléficos que ali se escondiam.



Notas finais do capítulo

Não será muito longa, nem tem data de postagem xD