Eu sabia escrita por Srta flower


Capítulo 9
Verdades aparecem




Pararam na frente de uma antiga porta de carvalho, garantida por tantas alas e feitiços de proteção que Snape teve que proteger seus olhos da chama mágica.

Lentamente, com sua mão tremendo ligeiramente, Potter bateu.

Apenas segundos depois, a porta foi aberta por um jovem aparentemente vestido de couro preto e seda.

"Harry", ele o cumprimentou calmamente. "Você finalmente chegou! Ele está esperando por você desde a última sexta-feira".

Potter engoliu. Audivelmente.

"Quão ruim é?" Ele perguntou novamente e recebeu apenas um encolher de ombros de resposta.

"Realmente não posso dizer. Melhor acabar com isso", afastando-se da porta, ergueu a voz para um tom respeitoso. "Meu Senhor, Harry chegou".

Dito isto, o vampiro os conduziu até a sala, os deixo e fechou a porta atrás de si meio que com muita ansiedade, para o gosto de Snape.

No momento em que a porta se fechou atrás deles, Potter caiu sobre um joelho e abaixou a cabeça, gesticulando para que Snape fizesse o mesmo. ' E isso veio do menino que desafiou o próprio Lord das Trevas , pensou Snape. Infelizmente, em todos os seus longos anos  conhecendo Potter, ele nunca o viu mostrar tanto respeito a qualquer um. 

'Adivinha quem deveria estar preocupado, agora.'

"Meu Senhor", anunciou Potter com uma voz modesta, sem levantar a cabeça.

Algo dentro da sala se moveu em direção a eles. Snape mal podia sentir farfalhar de roupas, e passos tão suaves que só o silêncio absoluto em torno deles os fazia notar.

"Harry Potter", uma voz respondeu, uma voz tão inexpressiva e fria que Snape se encolheu contra a vontade dele. O mesmo aconteceu com Potter. Visivelmente.

"Meu Senhor, eu apresento a você o Mestre Severus Snape, Mestre de Poções e meu antigo professor. Professor Snape, apresento a você Shadow, principe de todos os Vampiros".

Snape sentiu seu queixo cair e estava feliz que o rosto abaixado estava escondido por seus cabelos. Príncipe de todos os vampiros. Além do líder dos centauros e do rei dos sereianos, a mais forte criatura escura da terra. E Harry Potter realmente conseguiu irritá-lo. Ótimo.

O silêncio cresceu até ficar quase insuportável para Snape, mas o príncipe não permitiu que ele se levantasse e Potter não tinha movido um músculo. 

'Preferiria uma posição mais confortável enquanto esperava a minha execução ', pensou Snape, resistindo o impulso de levantar a cabeça e olhar para a criatura mítica que ainda estava em silêncio ante eles.

"Por que você não me disse", a voz fria finalmente sussurrou, e havia mais que apenas fúria nela.

'Nunca chame um  centauro de cavalo e nunca cruze um vampiro' , o ditado da professora  antiga de DCAT se dirigiu pela mente de Snape.

"Você já conhece a resposta a essa pergunta, meu senhor", respondeu Potter silenciosamente, suas palavras segurando apenas respeito.

"Sim. Eu acho que sim".

Snape se preparou para mais um desses desses longos silêncios, quando, de repente, Potter foi arrastado por dois braços super humanos. Sem pensar, Snape também surgiu, sua varinha estava pronta na mão. Mas, novamente, as primeiras impressões haviam enganado, pois Potter não estava sob ataque.

Em vez disso, ele estava apertado em um abraço apertado por alguém que teria feito o próprio Lucius Malfoy parecer tímido e desajeitado como Neville Longbottom.

Shadow era um vampiro alto com um rosto tão liso quanto o mármore e o cabelo preto o suficiente para fazer corvos corar de inveja. Os olhos eram azuis, tão brilhantes e intensos quanto os verdes de Potter, mas a aura de Potter palideceu contra a de Shadow.

Seu próprio ser respirava o poder de uma maneira que Snape não experimentara, mesmo de Voldemort, cada uma de suas células afirmando com calma que ele poderia matá-lo tão facilmente quanto você poderia matar um besouro.

E ele segurou Harry Potter como se o pirralho fosse sua linha de vida.

"Harry", ele sussurrou agora, finalmente liberando o jovem mago do seu aperto de morte, mas não o soltou completamente. "Ninguém me deixa tão louco quanto você, devo dizer".

Potter sorriu o seu sorriso bem conhecido e tímido, e suspirou aliviado. "Mas não é exatamente essa a razão pela qual você me ama, Shadow?"

"Só prova que eu sou doente mental" murmurou Shadow, sorriu calorosamente e acenou com a cabeça para um armário. "Uísque, eu acho?"

"Absolutamente."

Decidindo isso, Shadow virou-se para Snape, enquanto Potter dirigia-se para o gabinete. O príncipe dos vampiros tomou Snape de pé, sua varinha protegida, e a expressão bastante confusa em seu rosto, e arqueou uma sobrancelha.

"Mestre Snape", ele cumprimentou-o com um aceno respeitoso de cabeça que serviu apenas para aumentar a confusão. "Ouvi falar muito sobre você e tenho a honra de finalmente conhecê-lo. Por favor, permita-me convidá-lo para uma bebida".

'Grato ao deuses  por minha herança de sangue puro' , Snape pensou enquanto se curvava visivelmente mais profundo do que Shadow tinha, a cada centímetro, o líder de uma antiga casa. 'Pelo menos eu tenho um código de  boas maneiras para me esconder atrás .'

"Meu Senhor Shadow", anunciou, sua voz tão suave e calma como a seda. "A honra é toda minha e sua oferta é aceita de bom grado".

Shadow sorriu novamente, expondo as presas brancas e ofereceu-lhe uma poltrona luxuosa, na qual Snape baixou-se com prazer. Ele não tinha certeza de quanto tempo suas pernas poderiam tê-lo  levado.

"Então, o que exatamente está acontecendo, Harry", perguntou Shadow finalmente, sua cabeça inclinando para a esquerda em um gesto de concentrar em ouvir. "Tudo o que a mulher druida podia me dizer era algo sobre morte certa e muito dolorosa. Espero sinceramente que eu ouvi mal".

"Receio que você não tenha feito isso - respondeu Potter em voz baixa, mas, em vez de continuar, ele jogou e encorajou o olhar para Snape.

"É bastante complicado, e o professor Snape aqui sabe muito mais sobre isso do que eu".

E então Snape encontrou-se, mais uma vez, na posição de explicar a doença de Potter a um leigo interessado.

"Então, não só você está em perigo mortal, mas também a chance da ressurreição de Voldemort", a voz sedosa de Shadow murmurou quando Snape terminou. "Por que nunca é nada fácil com você, Harry?"

Potter encolheu os ombros. "Parece ser o meu destino", ele respondeu. "Não seria muito chato, caso contrário?"

A expressão no rosto de Shadow declarou claramente que ele não achava isso engraçado. Não. Em. Todos.

"E você não considerou isso importante o suficiente para me informar?" Ele perguntou, sua voz perigosamente baixa de novo. "Você nem sequer considerou que eu poderia querer saber sobre sua morte que se aproxima? Que nós, vampiros, possamos informações sobre tratamentos que os Magos nunca sonharam?"

Potter, que claramente esperava ter evadido a catástrofe, parecia preocupado novamente.

"Eu realmente queria visitá-lo, Shadow", ele protestou. "Mas então, eu fuifui estúp o suficiente para ir a Hogwarts, pensando que eu iria morrer e todo esse material sentimental que está ligado a isso, e depois que Dumbledore forçou-me a submeter este tratamento, não havia tempo algum!"

A voz do vampiro caiu para um sussurro frio. "O que você quer dizer," forçou você "?"

"Isso significa que ele estava bastante feliz emem morr", Snape entrou com calma, ignorando os gestos frenéticos de Potter atrás das costas do vampiro. "Somente o tratamento parecia enfurecê-lo, e se não fosse pelo perigo do retorno de Voldemort, ele o teria recusado completamente. Eu ficarei em silêncio sobre suas capacidades mentais".

Somente quando Shadow girou, agarrou Potter da mesma forma que Potter fez com o novo vampiro no bar alguns minutos antes, e pressionou-o contra a parede, Snape reconsiderou a sabedoria desta resposta.

Obviamente, Potter tinha sido bastante sério quando o avisou sobre Shadow.

"Então você estava pronto para morrer novamente, você estava?" O líder dos vampiros sibilou, a mão agarrando a garganta de Potter, e agora Snape sabia onde o jovem mago tinha aprendido o brilho da morte.

"Essa é a razão pela qual eu não te disse, Shadow", disse Potter calmamente, nem tentando lutar contra o poder que o segurava. De qualquer forma, teria sido inútil. "Eu sei que discordamos sobre este ponto, mas você deve me permitir minhas próprias decisões!"

"Não concordo", o vampiro rosnou e ergueu a mão, deixando Potter pendurado impotente no ar, ainda pressionado contra a parede branca lavada, e agora Potter lutou, embora ele pudesse ter dito uma montanha para se mover para o mesmo benefício. "Eu sei que você não se preocupa com essa vida sua, Harry, mas eu não. Eu não permitirei que você jogue fora! Não depois do que você sobreviveu! Lembro-me do estado do seu corpo depois que você me libertou, Lembro-me dos pesadelos que o caçaram há anos. E lembro que você conquistou tudo! "

"Pare, Shadow", Potter de repente gritou, e Snape pensou que ele poderia detectar uma pitada de medo em sua voz. "Esta não é a maneira de discutir isso!"

"Então, como você gostaria de discutir isso, Harry," Shadow agora estava gritando também. "A maneira como discutimos durante os primeiros meses quando tivemos que esconder sua própria varinha de você? Isso é apenas mais uma das suas tentativas de suicídio?"

Ainda no aperto do vampiro furioso, com os pés pendurados no chão, Potter ficou muito quieto. Seus olhos perderam o foco, o verde de alguma forma embotado, e ele deixou de lutar contra a força sobrenatural

"Como você ousa jogar sua vida apenas porque você ainda se sente culpado por seus amigos ..."

Os olhos de Potter brilharam e suas características suavizadas em uma expressão de paz absoluta. Então, sua pele começou a ondular e mais uma vez o brilho doentio emana de seu corpo.

"Deixe-o cair!" Snape gritou, mas o vampiro pareceu estar congelado em estado de choque. Fascínio e terror lutaram em seu rosto enquanto ele observava Potter convulsionar, os fios de magia escapando de sua pele e girando ao redor dele como névoa de prata.

"Inferno e condenação, deixe-o descer neste instante!"

As mãos de Shadow de repente sem força, abriram-se, e Potter caiu no chão, torcendo e se contorcendo, balbúcios macios escapando de sua garganta. Snape estava caído ao lado dele em um batimento cardíaco, agarrou seus cabelos para levantar a cabeça e bateu a bochecha pálida o mais forte que pôde.

"Eu poderia me acostumar com isso", ele murmurou enquanto observava as convulsões cessarem.

Lentamente, os olhos de Potter se abriram quando um pequeno gemido escapou de seus lábios.

"Nos nove níveis do inferno, Harry, o que está acontecendo com você?" Shadow perguntou, ajoelhando-se além do mago mais novo, choque e preocupação em seu rosto.

"Desculpe, Shadow", sussurrou Potter. "Eu não queria que você presenciasse isso".

O vampiro suspirou com exasperação. "Tenho mil oitocentos anos, Harry. Você não precisa me proteger!"

O fantasma de um sorriso sorriu sobre o rosto de Potter. "É um velho ... hábito ..." Ele grunhiu.

"Eu sei. E você sabe o quão inoportuno é comigo. Aqui, deixe-me ajudá-lo ..." Com muito cuidado, ele juntou o mago em seus braços, levantou-se e levou-o para a parte de trás da sala, onde ele gentilmente colocou sua  Carrega num sofá.

"Durma" ele disse enquanto  espalhava um cobertor sobre seu corpo. "Eu vou entreter seu professor até você ter descansado o suficiente".

"Eu não sou criança, Shadow", protestou Potter, mas fechou os olhos e relaxou no suave toque do vampiro.

Shadow sorriu, e algo nesse sorriso disse a Snape que ele estava testemunhando a repetição de um argumento muito antigo. "Ah, mas para mim você é, Harry. Durma agora".

E Potter dormiu.

Snape não podia dizer que estava muito feliz com as mudanças nas circunstâncias. Ele estava agora sozinho em uma sala com o Príncipe dos Vampiros, que acabava de provar o imprevisível que era, e provavelmente seria questionado de perto sobre a doença de Potter em um momento. Isso fez dele o proverbial portador de más notícias, e Snape não queria saber como Shadow tratava desse hábito real específico.

Mas em vez de arredondar em Snape e exigir mais informações, Shadow permaneceu do lado de Potter, os olhos fixos na figura adormecida.

"Então ele escolheu retornar ao seu mundo, e novamente ele deve bancar o herói, apesar de sua própria vontade", sussurrou Shadow e suspirou cansativa. "Você tem que admirá-lo, mesmo que ele me deixa louco com sua atitude".

Snape bufou, tão apanhado em sua ira com Potter que ele esqueceu por um momento com quem ele estava falando. O que foi com todos se apaixonando por Potter e derramando seus cérebros no processo?

"Um herói ele é, na verdade", disse ele com zombaria.

Shadow se virou para ele com surpresa. "O que você quer dizer? Como você não pode admirá-lo?" Ele perguntou suavemente.

"Por que eu deveria admirar alguém que desapareceu assim oito anos atrás, deixando-nos fazer o trabalho sujo por algum capricho?" Snape perguntou, raiva e amargura, tornando sua voz frágil com frieza. Muitos morreram, muitos sofreram ...

"Potter tinha conhecimento e habilidades que precisávamos muito. Desta forma, nos levou mais quatro anos para acabar com o terror e inúmeras pessoas morreram, só porque o Menino que Viveu decidiu se tornar um turista em tempo integral", gritou Snape, não Incomodando manter a voz baixa.

Em vez de uma resposta, os olhos do vampiro se arregalaram de espanto. "Ele nunca disse?"

"Disse o quê?" Ele respondeu. "Ele desapareceu por oito anos, como ele poderia ter nos contado alguma coisa?"

"Mas quando ele voltou", o vampiro sussurrou. "Eu posso entender que ele não respondeu uma palavra a esse tolo intrigante de um diretor, mas eu estava tão certo de que ele iria te dizer ..."

"Eu sou apenas um confidente adequado. O pirralho sempre me odiou".

A diversão cintilava pelo rosto do vampiro. "Que um homem pode conhecer tanto e ainda tão pouco", ele comentou de forma encriptada.

Snape gemeu. "Não mais enigmas, por favor. Eles me dão uma dor de cabeça. O que ele deveria ter me dito?"

Mas, novamente, o vampiro não respondeu e ficou em silêncio pelo menos por um minuto. Ele franziu a testa, como se estivesse ponderando uma decisão difícil.

"Temo  que Harry me odeie por isso, mas acredito que você deve saber de qualquer maneira", ele finalmente disse e Snape teve que suprimir um suspiro exasperado, sem duvidar de que uma história desgarradora de coração sobre o pobre menino que estava inconsciente seguiria.

"Eu conheci Harry na prisão de Voldemort", começou Shadow, seus olhos novamente descansando na forma flácida coberta no sofá. "Ao contrário da crença do feiticeiro popular, os vampiros nunca seguiram Voldemort voluntariamente. Eles apenas se inclinaram por ele porque ele me fez, seu rei, presioneiro".

Snape assentiu pensativo. Isso certamente fazia sentido. Ele sempre se perguntou como Voldemort tinha conseguido controlar os vampiros, mas ele não acreditou nem mesmo em Voldemort capaz de tal feito. Segurando o próprio Príncipe por resgate? Novamente ele lembrou por que exatamente o Voldemort quase conseguiu governar o mundo.

"O Senhor das Trevas teve muitos prisioneiros enquanto eu estava no poder dele", continuou Shadow. "Magos, trouxas e criaturas mágicas. Eles nunca duraram muito tempo, então eu não estava particularmente interessado no menino que os Comensais da Morte colocavam dentro da cela oposta a mim. Ele parecia jovem e frágil para resistir por muito tempo".

Ele fez uma pausa, seus olhos direcionados para um passado que Snape não podia ver nem imaginar. "Mas algo era diferente sobre Harry, eu percebi logo o suficiente. Ele sobreviveu. E ele lutou contra eles".

A ternura e o cuidado encheram os olhos do vampiro enquanto eles escorriam sobre o corpo de Potter, e Snape decidiu deixar seu comentário sobre o grande talento de Potter não ser dito.

"Eu nunca descobri exatamente o que eles fizeram com ele nesses meses, pois eles sempre o levariam para a sala do trono de Voldemort, mas havia menos dele toda vez que ele retornava. Eu nunca soube que havia tanto sangue dentro de um Mago e sempre me considere especialista nesta área ", sorriu Shadow.

"Mas ainda ele lutou contra eles. Até uma noite, ele não voltou. Horas depois de tê-lo levado, um terrível grito ecoou os salões, e os próprios muros da Fortaleza das Trevas tremiam. O Comensal da Morte que tinha guardado minha cela Abandonou seu posto em pânico, e também a maioria deles. O Senhor das Trevas foi finalmente vencido ".

A respiração de Snape pegou, pois ele sabia do que Shadow estava falando. Ele lembrou aquela noite bem, como eles se encontraram de novo, silenciados por sua crescente frustração e desespero. Potter havia desaparecido há dois meses e, finalmente, os mais otimistas deixaram a esperança.

Quando Minerva entrou no salão e gritou que Weasley e Granger foram embora, juntamente com o manto de invisibilidade de Potter e um dos portais de emergência da Ordem. Como eles enviaram festas de busca, o tempo todo sabendo que provavelmente era inútil. E como, depois de horas de espera, sua marca negra  tinha inflamado de repente um vermelho irritado e doloroso que havia enviado ondas de dor gritadas em seu corpo, e então ... desapareceu.

Ele ficou deprimido com a pele agora sem marca de seu braço esquerdo, inconsciente do mundo por muito tempo, até que outro conjunto de  gritos do lado de fora o levantasse de seu choque.

"Ele lhe disse o que aconteceu?", Perguntou Snape, amaldiçoando a fraqueza que tremia em sua voz.

Shadow apenas sacudiu a cabeça, ainda presa nos pesadelos de seu passado.

"Nunca", ele respondeu, sua voz tão baixa quanto a de Snape. "Eu acredito que ninguém nunca descobriu essa última luta, além de Potter, Voldemort e as vítimas de seu confronto. Eu só sei que seus amigos de alguma forma apareceram na cena e foram mortos. Ele nunca falou sobre isso".

Ronald Weasley, Hermione Granger. Os cadáveres tão mutilados, maltratados e feridos, manchando o tapete de vermelho e ouro do escritório do diretor. Seus olhos vidrados congelados em medo eterno. E preso no peito de Weasley uma nota, um pergaminho enrubescido e ensangüentado com graus de longa e latitude rabiscados neles. E duas, frases curtas: "Está feito. Desculpe".

"Eu acreditava que o menino estava morto, é claro", continuou Shadow, não percebendo o estado de espírito de Snape nem se importando com isso. "Mas Harry sobreviveu, só que apenas. Ele abriu minha cela com uma varinha e me disse para fugir. Então ele entrou em colapso. Claro que eu o levei comigo, embora ele  lutou e exigiu morrer em paz ".

Snape assentiu silenciosamente enquanto outro pedaço do quebra-cabeça de Potter encontrou seu lugar. Então foi aí que o pirralho de Potter desapareceu. Eles haviam invadido a fortaleza assim que montaram uma festa de ataque, mas não encontraram nada além de um monte de cinzas perto do trono de Voldemort, um labirinto de calabazas e alguns mortos da morte, mortos por uma força desconhecida.

"Então, sua condição era ruim?"

Shadow assentiu com a cabeça. "Levou mais de um mês para recuperar a sombra de sua antiga força. Mas no momento em que ele conseguiu usar sua varinha novamente, ele tentou se matar. Mais de uma vez, de fato. Ele parecia acreditar que seu uso tinha Terminado, agora que Voldemort morreu. Ele parecia pronto a receber sua própria morte ".

A própria voz de Snape ecoou em sua mente quando ele lembrou os meses do treinamento de Potter. ' Se não fosse por sua tarefa, Potter e seu dever para com o nosso mundo, eu apreciaria a ideia de que essa incompetência fosse esmagada pelo Senhor das Trevas. Mas seu uso ainda não terminou. E agora, concentre-se!'

"Nós só conseguimos desencadeá-lo, colocando mais um fardo sobre seus ombros, o conflito entre vampiros e druidas. Foi assim que ele conheceu Ayda, e ela o ajudou mais do que eu poderia ter. Embora eu ainda deteste essa Irritante  mulher  violenta".

Snape bufou. "Eu não poderia concordar mais com a última parte", ele murmurou, enquanto pensava em sua cabeça as novas informações que ele havia obtido sobre esse enigma chamado Potter.

Seu comentário lhe valeu uma risada de Shadow. "Você sabe, mestre Snape", disse o vampiro. "Eu começo a entender o que Harry gostou de você. Você vai ajudá-lo através disso. Eu não poderia ter escolhido um melhor curandeiro para o nosso jovem herói aqui".

Mais uma vez, os olhos de Shadow descansavam na forma adormecida de Potter, perdendo o olhar estranho que Snape dirigia a ele. O que todos esses comentários críticos sobre Potter "gostando" dele significam? Talvez fosse uma espécie de conspiração sombria para irritá-lo? Se fosse, eles conseguiram admirável.

"Se você precisar de ajuda ou apoio", continuou Shadow, voltando para Snape. "Ligue para nós, o Mestre Snape, e cada vampiro na Grã-Bretanha responderá sua chamada".

Demasiado rápido para deixar Snape perceber o que ele estava fazendo, a mão de Shadow virou-se e tocou a garganta do homem. Onde a pele fria do vampiro conhecia um humano quente, um sentimento quente e dourado permaneceu que o Snape encheu uma estranha sensação de segurança.

"Este é um sinal vampírico", explicou Shadow, gesticulando para o pescoço de Snape e depois para um espelho acima da lareira. "Ele informa todos os vampiros que você está sob minha proteção direta. Apenas o sinal de Harry, um documento de sua adoção pelo meu clã, é mais potente entre os vampiros".

Virando-se para o espelho, Snape poderia ver uma tatuagem bastante parecida com a do pescoço de Potter. ' Levo-o para visitar um amigo por algumas horas e acabo com poderes comandantes entre os vampiros da Grã-Bretanha. Talvez Potter seja um deus reencarnado do caos?' Snape pensou com crescente exasperação. 'Bem, pelo menos eu não tenho que me mudar para a Transilvania agora. Eu posso ficar aqui e ter os mesmos resultados!'

"Eu confio em você para cuidar de Harry, Mestre Snape", disse Shadow, provavelmente percebendo a irritação de Snape.

"Estou honrado, meu senhor", respondeu Snape formalmente. E em um sentido estranho, ele era. Os vampiros eram muito protetores dos seus, e se seu clã realmente tivesse adotado o Potter, o homem era tanto vampiro como poderia ser sem as presas.

"Você deve levá-lo antes de acordar, Mestre Snape", observou Shadow com mais um longo olhar para Harry. "Ele ficará terrivelmente envergonhado se isso acontecer na minha presença. Ele detesta sua própria fraqueza, e ele detesta o jeito que eu mexendo com ele. E não queremos que fique com raiva novamente, não é?" Um sorriso feral, colmilhos brancos brilhando à luz de velas, fez Snape por um momento lembrar em cuja presença ele estava.

'Os Deuses nos salvaram disso', Snape concordou silenciosamente.

"Eu vou manter sua senhoria informada sobre sua condição," foi tudo o que ele disse, no entanto. Ele não estava louco o suficiente para comentar abertamente sobre as mudanças de humor de Shadow.

Mas o sorriso do vampiro, ainda mais escuro e mais perigoso do que antes, disse-lhe que Shadow o tinha entendido perfeitamente.

"Faça isso", ele respondeu. "E lembre-se de que posso encontrá-lo, mestre Snape. Onde quer que esteja. E você a mim , se necessário".

Dito isto, Shadow abriu a porta do quarto e gesticulou para Snape partir, flutuando o inconsciente Potter ao lado dele.

Snape estava muito orgulhoso de poder suprimir seus tremores violentos até que a porta se fechou atrás dele





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Eu sabia" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.