Fanfiction escrita por Missy Saxon


Capítulo 3
A Verdade Revelada


Notas iniciais do capítulo

Quando eu imaginei essa história, ela teria apenas dois capítulos, mas então houve complicações e aqui estamos rsrs
Eu imaginei esse capítulo no trampo e achei que ia caber tudo o que eu pensei, mas não rsrs
A imagem de capa [feita por mim] ilustra a corrente da Sra Saxon contendo o nome real dela.
Boa leitura!



Os anjos estavam cercando todo o museo.

" - Então, Missy? Nenhuma ideia de quem seja eu? Aquela que você abandonou. Aquela que você não quis com você? " — A voz dizia num tom de raiva e muito rancor.

— Por favor, não me tire a paciência e pare de jogos! - Missy estava irritada com a situação - Você acha mesmo que esses anjos podem te ajudar na sua vingança contra mim?

" - Acha pouco? Já reparou onde vocês estão? Um museo de violões! E do que são feitos os violões...?"

— Não! - O Doutor se da conta do que ela queria dizer.

" - Isso! Vashta Nerada. Gosto deles... Claro, longe de mim."— Ela ri do ela mesma disse.

— Ah, eu mereço! - Missy diz sem paciência - Pare de suspense, isso está me tirando a paciência. Se você pode controlar tudo, porque me dar um pirralho?

" - Porque eu queria um irmãozinho. Não é óbvio? E como por sua culpa minha mãe morreu..."

Missy sente suas pernas ficarem bambas, aquela garota não podia estar ali. Seu passado veio lhe assombrar. Mas ainda sim, não havia tempo para ela ficar em choque com aquela garota.

— Isso... Não pode ser... Como você me achou? - Missy lhe perguntou ainda trêmula.

— Missy, sem querer apresar, mas... Além dos anjos, temos também vashta nerada se aproximando - O Doutor avisa. - Quem é ela afinal?

— Minha... Filha... - Ela revela ainda sem acreditar.

2007

— Como você está, minha querida Lucy? - Mestre pergunta a sua atual companheira - E como ela está? - Ele acaricia a cabeça da pequena criança recém nascida.

— Estamos bem, Hary - Lucy lhe responde - Só estou um pouco cansada. - Depois de uma breve pausa ela lhe pergunta - Hary, vai mesmo tira-la de mim? Eu quero tanto ficar com ela. Ela é Nossa filha. - Lucy chorava.

— Minha querida, eu te disse que você não devia engravidar. Isso arruinaria nossos planos. Mas se te servir de consolo, ela ficará bem. Eu cuidarei dela, e as vezes até te deixarei vê-la. - Mestre lhe fala como se isso fosse aliviar a dor daquela que estava prestes a perder sua filha.

Ele pega a pequena recém nascida e a leva para longe. Mestre deixa a criança em um orfanato da terra.

Antes de deixa-la, ele lhe faz um breve carinho e logo após retira de seu bolso uma corrente com inscrições em gallifreyan.

— Sua pequena coisinha, essa corrente vai sempre te manter perto de mim. Eu lamento, mas isso é necessário. - Ele disse a pequena, e logo em seguida a entrega a uma freira.

— Tem certeza que quer fazer isso? - A freira lhe pergunta - Você perderá todos seus direitos sobre ela.

— Ela voltará para mim um dia, eu tenho certeza disso. - Ele disse muito confiante e logo sai.

2017

"- Em fim se lembrou!?"— As luzes param de piscar e os anjos somem.

— Como consegue controlar tudo? - O Doutor lhe indaga cheio de curiosidade.

"- Tudo isso graças a nossa querida Missy. Graças a ela, eu fui ao século 51 e estudei tudo o que eu precisava, e com isso fiz pesquisas e testes que me permitiram chegar a esse nivel. Sou um prodígio, não é, mamãe?! Sou a única no universo que tem esse conhecimento."

— Onde você está? - Bill estava curiosa por saber quem era a tal Sra Saxon - Eu achei genial sua história.

O Doutor olha para Bill com um olhar confuso e ao mesmo tempo bravo.

— Que foi?! - Bill pergunta ao notar como ele a olhava - Não posso negar que foi uma história genial.

— Estou acima de vocês - Ela revela tocando uma melodia num violino e todos voltam seu olhar para ela.

Ela estava sentada no braço do enorme violão que adornava o lugar.

— Não acham interessante? Meu tio toca guitarra, minha mãe toca piano e eu toco violino. Poderíamos montar uma banda não? - Ela diz irônica.

Missy se mantinha em silêncio. Sempre soube que sua filha voltaria para ela, mas não imaginou que seria assim. Apesar das circunstâncias, Missy estava orgulhosa de sua filha.

— Nyara! - Enfim Missy se pronuncia ao dizer o nome da que todos conheciam de "Sra Saxon". - Já chega disso!

— Você... Disse meu nome? - Nyara estava surpresa por Missy saber seu nome. Ela a havia abandonado ainda bebê. Nyara que escolhera este nome.

— Porque a surpresa? Eu quem lhe dei esse nome. Aquela que é o que desejar. Foi meu presente a você. - Missy revela deixando os outros tão surpresos quanto Nyara. - São estas as inscrições da corrente que eu lhe dei antes de te deixar.

— Mas isso tá melhor que novela mexicana - Bill diz se divertindo.

— Quieta, Bill. - Diz o Doutor.

Nyara deixa cair o violino que se quebra com o impacto no chão. Pela primeira vez olhou diretamente para aquela correntinha que carregou consigo a vida toda.

— Acha que essa história vai me fazer ter menos ódio de você, Missy? - Ela grita com tom de ódio.

— É claro que não! - Missy diz - E não lhe culpo. E afinal, foi melhor assim!

Nyara se levanta e anda pelo enorme violão até que desce pelo lado do corpo do violão que era encostado a parede.

— Sabe porque te dei um filho, Missy? - Ela faz a pergunta indo até Missy - Porque queria ver o seu sofrimento ao seu bebê ser retirado de seus braços, assim como você fez com minha mãe. O sentimento é diferente quando se gera do que quando você apenas o faz. Eu ficaria com o meu irmão, e os anjos me trariam a criança.

— Acha que pode controlar os anjos? - O Doutor pergunta. - Porque ainda que criados por você, ao se alimentar de um senhor do tempo eles ficariam mais fortes e você perderia o controle da situação.

Nyara ficou muda diante da questão levantada.

— Parece que não andou fazendo o dever de casa, não é minha filha? - Missy pergunta irônica.

— Como já foi tudo esclarecido, - Bill começa a dizer - Porque vocês não se perdoam? Estão todos em família.

— Porque eu não quero! - Nyara grita - Quero ver a Missy acabada, sem esperanças de nada, até ela se rastejar a mim, e quem sabe... Eu a perdoe.

— E precisa destruir o universo pra isso? - O Doutor pergunta disposto a por um pouco de juízo na cabeça de Nyara.

— Que diferença faz? O que há de bom no universo, Doutor?

— Se você esquecesse todo o ódio e o rancor que tem pela Missy, perceberia o quão lindo é o universo, o quão belo é a vida. Até mesmo uma vida por nascer tem sua beleza. Se você pegasse o filho da Missy, era isso que iria lhe ensinar? Que porque a vida não foi boa com você, deve destruir todo o universo?

— Doutor? - Missy lhe chama - Há algo de errado - Ela estava com a mão em seu ventre - Algo queima dentro de mim.

Bill foi até a Missy para ampara-la.

— Calma, respira. - Ela tenta ajudar.

As luzes do museo voltam a piscar.

— Essa não! - Nyara estava com um olhar assustado.

— O que está havendo? - O Doutor lhe pergunta - Porque isso está acontecendo?

— Eu dominei essa técnica de controle... Mas...

— Mas o que, Nyara? - O Doutor estava ficando bravo.

— Quando eu escrevo algo, não posso simplesmente apagar o que foi escrito, como fiz com os anjos, mais cedo. Isso pode trazer sérias consequências.

— Tipo quais? - O Doutor pergunta tentando se manter calmo.

— Os personagens criados ganham força e a realidade se apaga. Por isso a Missy sente isso. Como ela será apagada da realidade, o bebê não pode sobreviver, e os anjos e as sombras se tornarão reais...

Continua...



Notas finais do capítulo

Eu amo escrever "continua" *-* kkkkkk
Nyara é um nome indígena com significado que achei que ficaria prefeito com ela "Aquela que é o que desejar"
O próximo capítulo será o último. Até.
Wheeeeeeee!♥♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Fanfiction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.