Produtos Uchiha escrita por ICLP, Hitari Amai, Evil Queen 42, ExoLina42


Capítulo 5
Olha a audácia dessa fdp!


Notas iniciais do capítulo

Nem demoramos, impressão de vocês u.u

Enfim, tive problemas pessoais e acabei atrapalhando as outras autoras para postar, mas aqui vai mais um capítulo ;D

Enjoy...



Eu simplesmente gostaria de hibernar. Sinto que acordei mais cansado do que quando fui dormir. Enrolei na cama, na esperança de descansar mais um pouco, e nada.

Meu gato subiu em mim e ficou me olhando obviamente querendo comida. Ah, que folgado!

Levantei com muita dificuldade até onde eu deixo a vasilha do Mr. Black Label com a ração e olhei indignado para ele. Esse safado come no centro, mas em volta ainda está cheio. O que eu fiz? Dei uma balançada, óbvio.

Ele estava do meu lado e me olhou com uma cara do tipo: “você acha que eu não vi você fazendo isso? Faz isso direito”, me sentindo obrigado a obedecer.

Depois de servi-lo, me joguei no sofá e esfreguei as pálpebras. Eu estou no meu limite.

Noites mal dormidas, catálogos e mais catálogos, eventos, produtos para serem avaliados... Como minha mãe fazia tudo isso e não tem uma olheira? Ah, claro, Sasuke, ela é fundadora da M.U., empresa de cosméticos.

Como se não bastasse o estresse da Première VIP que está para acontecer no final do mês, ainda tenho que lidar com as aulas de moda da Sakura, com ela gritando em meus ouvidos.

“Veste isso”, “Tá cafona”, “Troca”, “Quanto mau gosto”, “Você não aprende”, falei isso imitando uma voz fina e irritante.

Não estou com paciência!

Preciso relaxar, sair da rotina. Se eu não for trabalhar hoje tem problema? Ora, eu sou o chefe, vou quando bem quiser!

Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira!

Liguei a televisão. Não há nenhuma série atualizada, passei os canais com o controle remoto, sem absolutamente nada para fazer enquanto fazia um carinho no Mr. Black Label.

Enquanto passava os canais aleatoriamente, me deparei com a propaganda da Uchiha Company, a empresa que o meu irmão assumiu.

“Se você acredita que a tecnologia pode revolucionar o mundo, então você acredita na Uchiha Company...”

A propaganda mostrava uma mulher insatisfeita com o seu celular e a televisão dela dizia essas palavras.

“Não é só um design bonito, é um design próprio para que você tenha maior facilidade em deslizar o dedo pela tela e a mesma reconhece um toque acidental...”

Dentro da televisão da mulher, fomos levados para dentro das funções do celular.

“Uma memória de 256 gigas, e a memória RAM de 4 gigas, dando possibilidade para que você jogue os seus jogos favoritos sem travar...”

Eles aproveitaram e fizeram propaganda de um jogo famoso da própria empresa e eu soltei um riso anasalado.

“Claro, também te ajudando quando possíveis acidentes acontecem...”

O celular cai na privada, mas é a prova d’água. A pessoa secou o aparelho e inclusive a câmera. Fomos levados novamente para dentro do celular e é mostrado uma família tirando uma selfie, mostrando a qualidade da câmera.

“E se você é um amante da fotografia, ficará feliz em saber que essa belezinha contém 10 megapixels na frontal.”

É mostrado as diferentes cores do aparelho: branco, preto e dourado.

“Adquira já o seu UC2017 duos, as 200 primeiras compras ganharão um desconto de 50%, a partir dessa sexta-feira. E aí? Vamos fechar?”

Somos tirados da televisão e levados novamente até a mulher que estava assistindo a propaganda em seu quarto.

“Mãe, já sei o que quero de aniversário!”

Ela grita empolgada e a propaganda termina.

― Uau, viu isso, Mr. Black Label? ― Olhei para o meu gato. ― Aposto que você também quer um UC2017, né?

Ele miou e eu considerei isso um sim. Ri e lhe fiz mais carinho.

Essa foi a primeira propaganda da empresa desde que o meu irmão assumiu. Ele está se esforçando apesar de não entender nada ― se bem que quem faz isso é a área de publicidade, ele só aprova ―, me sinto deixado para trás...

― Eu não deveria faltar... ― Suspirei pensando na decepção que minha amada mãe teria.

Me sinto mal pelo motivo que realmente me fez levantar daquele sofá foi a Haruno e não a dona Mikoto. Deus me livre daquela doida me dando sermão por ter faltado!

“Vai gritar comigo daquele jeito de novo?”, perguntei antes de concordar com as aulas. “Jamais, senhor Uchiha. Eu já disse que sinto muito por aquilo, foi um deslize.”, ela disse.

Mas ontem, misericórdia. Foi a noite inteira gritando.

Quando eu saí para comprar comida pra ela, o vizinho, que eu nem sei o nome, estava indo bater em minha porta para saber o que estava acontecendo. Falei a primeira coisa que veio em minha mente: Um parente teve que viajar e não podia levar a filha com problemas mentais, então deixou-a comigo.

Depois eu me toquei que aquilo podia ir parar em sites de fofoca. Então fiquei nervoso o tempo inteiro enquanto escolhia as peças de sushi pra Sakura, no restaurante japonês self service que fica perto do condomínio.

Quando voltei, falei com o vizinho, disse que eu estava brincando, que na verdade era apenas uma amiga extravasando a raiva. Ele disse que não precisava se preocupar, não falaria nada para ninguém... Não sei se ele acreditou que era uma amiga.

Bem que me falaram que ou você conhece uma mulher bonita ou uma legal, as duas numa só não existe.

Sakura está aí para provar isso: uma mulher linda, mas irritante; Diva, mas insuportável!

E ainda tem aquele “boy” que ela fala toda hora. Dá vontade de costurar a boca dela.

Ela disse que ia separar looks montados para eu não errar, mas não o fez, apenas levou minhas roupas e ainda jogou uma no lixo.

Espero do fundo do meu coração que isso tenha sido apenas uma piada de mau gosto.

Preciso ir trabalhar, não posso ficar aqui vendo propaganda na TV.

O Mr. Black Label me encarou com a mesma expressão de tédio e cara fechada de sempre.

― Que foi, garoto? ― Indaguei e ele miou. ― Tem ração e água pra você, não há motivos pra ficar miando... ― Outro miado. ― Será que é a roupa? ― Indaguei pensativo. ― Ora, está frio, não quero que você adoeça.

Fiz um carinho na cabeça do bichano e me levantei pra poder me arrumar, sendo seguido por ele.

Não sei porque dizem que gatos são falsos e não gostam dos donos. O Mr. Black Label é um excelente companheiro. Minha mãe diz que não sabe como eu crio "essa coisa feia" e não tenho medo, mas me acostumei, não acho que ele seja feio... Ele só tem uma beleza única e poucos sabem apreciá-la.

Qual roupa escolher? Preciso agradar a Sakura, pois sei que falta pouco pra ela chegar aqui em casa e fazer uma fogueira para jogar minhas roupas.

― Então... ― Encarei o bichano parado perto da minha perna. ― O que você acha?

Isso só pode ser carência, porra! Fico tanto tempo sozinho em casa que sinto necessidade de conversar com um gato.

Foda-se, ninguém está vendo.

Ele miou, o que deve significar alguma coisa.

― Eu sei que você não simpatizou muito com a Sakura, mas eu preciso agradá-la.

Não sei por que, mas o Mr. Black Label parece sentir que existe algo relacionado a Sakura e não tá gostando nadinha.

Ora, ele não era desconfiado assim, o que tem contra a Sakura? Ele sempre foi simpático com todo mundo... na verdade ele é indiferente, mas nunca deu um chilique como quando a Sakura estava aqui. Acho que ele mataria a rosada se pudesse.

― Acha que pegaria bem eu ir de gravata?

A Haruno falou mal de gravata só quando não é bem combinada, então o problema não é a gravata em si, mas a combinação. Se a roupa for neutra e sem estampa, a gravata pode ser estampada, não?

O Mr. Black Label miou e eu compreendi seu miado como um "Não, não pega mal ir de gravata".

― Obrigado pela sugestão, garoto. Também gosto dessa gravata. Acho que vai cair bem, talvez eu orgulhe a Sakura.

Notei claramente que meu gato não gostou quando citei o nome da rosada. Ou seria paranoia da minha cabeça?

Ora, os animais não são tão irracionais assim, eles nos compreendem! Quem tem um bichinho, sabe!

― É bom você simpatizar com a Sakura. ― Alertei. ― Ela está me ajudando, está fazendo um bem para a empresa. Fique feliz, Mr. Black Label.

Ele me olhou com cara de "foda-se" e pulou na minha cama.

Ele tem uma torre, mas prefere a minha cama. Às vezes eu penso que foi dinheiro jogado fora... enfim, ele é o soberano da casa, ele se sente assim e eu nunca o convenci do contrário.

O bichano miou, me encarando como se me julgasse.

― Eu sei que ela parece um monstro. Não entendo como uma pessoa aparentemente tão meiga pode ter parte com o capeta. Naruto diz que é porque ela é de Áries. ― Dei de ombros. ― Seja lá o que isso signifique.

Olhei para o meu relógio do Capitão América que coloquei na parede depois que o capeta cor de rosa foi embora da minha casa, tão bonito, eu tenho um ótimo gosto… Fiquei admirando por um tempo e até esqueci que estava atrasado. Me arrumei rapidamente e fui voando para a empresa!

 

[...]

 

Quando cheguei na M.U., soube por meio de murmurinhos nos corredores que a Sakura não havia chegado ainda. Preocupados se aconteceu algo porque ela é sempre pontual.

Mas o meu atraso ninguém notou e eu também sou pontual... Estou vendo esse favoritismo. Vou diminuir o salário de todo mundo.

Felizmente, isso me tira a preocupação dela vir gritar comigo porque não cheguei no horário.

Tão linda, nem parece que é do mal...

― Chefinho...

― Some daqui! ― Gritei com Naruto.

― Ora, não posso pegar um café? Eu hein, que mau humor. Até parece que alguém jogou suas roupas fora... ― Ele riu e eu fechei mais ainda a minha cara. ― Eu acertei? Puxa, quem cometeu tal maravilha? ― Respirei fundo para não pular no pescoço do meu amigo. ― Digo, tal atrocidade?

― Sai da minha frente! ― Gritei.

― Sério... O que houve? ― Ele parou de rir.

Parar não quer dizer que ele não estivesse com cara de quem quer rir.

― Sakura aconteceu... ― Murmurei.

― Bom, seja lá o que ela fez, até que valeu a pena. Acho que essa foi a combinação de roupas menos ruim que você usou até hoje. ― Ele falou segurando em meus ombros para eu não me virar, analisando as minhas roupas.

Eu estava usando um terno risca de giz, a Sakura elogiou esse terno ontem. A camisa também tem listras discretas, então achei que não teria problema usar uma gravata estampada.

― Você errou na gravata. Não use muita estampa de uma vez, Sasuke.

Estampas, lembro da Sakura falar sobre isso em nossa primeira aula.

Olhei para as roupas do Naruto. Dizem que ele se veste bem, mas eu prefiro a neutralidade de minhas roupas.

Naruto usa calças coloridas... Não é berrante, mas é colorido, eu odeio roupa com muita cor.

Ele está usando uma calça vermelha escura, blusa de mangas longas branca e uma jaqueta preta e calçava um tênis parecido com os que a Sakura mandou eu usar, não lembro o nome, na cor preta.

― Está me secando, Sasuke? Porque você sabe que eu aceitaria ficar com um cara bonitão feito você... Sem as roupas deve ser muito melhor. ― Ele me lançou um sorriso sacana.

Não perde a oportunidade de me deixar sem graça, muito menos de falar das minhas roupas.

― Você acha que eu ficaria bem com roupas como as suas? ― Perguntei.

― Amor, qualquer cara ficaria ótimo em minhas roupas, eu tenho muito estilo. ― Modesto, esse meu amigo. ― Mas você é um cara muito fechado, looks mais discretos são melhores.

― A Sakura gosta muito de cor, espero que ela não compre roupas muito coloridas para mim. ― Estremeci.

― Por que ela compraria roupas para você? ― Ele me olhou.

Ah, é! Não contei ao Naruto sobre as aulas de moda forçadas.

― Ela disse que vai me dar aulas de moda, já se foram dois dias de sufoco. ― Contei.

― Espera... ― Ele apertou minhas bochechas e virou meu rosto para ele. ― Sua crush está te dando aulas de moda e você não me contou? No outro dia, daqueles memes de vocês fazendo compras, você me disse que apenas tinha a encontrado por acaso!

― Ela não é minha crush... ― Falei com dificuldade por causa de minhas bochechas. Tirei a mão dele dali. ― Na verdade ela é insuportável. ― Completei enquanto massageava o local.

― É, ela libertou todo o espírito satanáries naquele dia. ― Comentou. ― Sabia que tinha um demônio escondido ali. Uma ariana amável como ela aparentava ser é uma criatura mitológica. ― Ele olhou para minhas roupas. ― Se bem que você é um leonino brega, vai contra as leis da física também.

O que eu entendi desse discurso: Nada!

Nem vou pedir para ele explicar...

― Naruto, acredita que ela levou minhas roupas? Ela até jogou uma no lixo, porra!

― Apesar de ariana, a Sakura é maravilhosa mesmo. ― Falou encantado. ― Uma diva é uma diva, não concorda?

― Você vai ficar do lado dela, traste? ― Não creio.

― É para o seu bem. ― Me lançou um beijo no ar e saiu.

Isso, sai mesmo... Traidor!

Fui para minha sala e logo sentei-me em minha cadeira. Suspirei e peguei meu celular. Não olho muito o WhatsApp, mas o abri naquele momento.

Havia algumas mensagens da minha mãe, perguntando como estavam as coisas na MU. Devo contar que tem um diabo no meio das modelos e que ela quer me arrastar para o inferno?

"Está tudo ótimo" respondi.

Havia algumas mensagens da Sakura, com mais memes daquele dia das compras. Não creio que ela compartilhe essas coisas. Ela se incomoda com a quantidade de café que tomo, mas não se incomoda com estes memes?

É claro que não, Sasuke, os memes zoam você, não ela. Ela é amada, você é o odiado.

Eu preciso mesmo mudar. A sociedade exige muito dos famosos, odeio isso!

Fiquei vendo relatórios e catálogos por um tempo. Também conferia o orçamento do necessário para a Première VIP Quando senti que precisava de café, me levantei para buscar. Não costumo pedir para trazerem para mim, prefiro me esticar um pouco.

― Bom dia, Senhor Uchiha. ― Minha secretária sorriu. ― O senhor fez um belo trabalho hoje. Está de parabéns!

Estranhei as congratulações, mas sorri de volta e agradeci. Ora, eu fiz a mesma coisa de todos os dias.

Entrei no elevador e me olhei na parede espelhada. Será que foi pelas roupas?

Ajeitei a gravata, me sentindo um pouco orgulhoso por ter agradado.

Naruto disse que errei na gravata, mas ainda assim meus esforços foram reconhecidos. Estou melhorando. Sakura ficará orgulhosa!

No percurso mais algumas pessoas me felicitaram. Meu ego ficava cada vez mais inflado... Até ouvir o Naruto me parabenizar...

― Eu estava indo te parabenizar! ― Naruto me abraçou e deu tapinhas em minhas costas.

Ora, ele já havia me elogiado, falando que errei na gravata... Então...

― Pelo quê? ― Perguntei confuso.

O loiro me olhou confuso também e pegou o celular, abrindo algo.

― Ora, por isso. ― Sorriu orgulhoso. ― Sua primeira ação filantrópica como dono da M.U.!

Virou o celular que segurava para mim e mostrou fotos da Sakura doando roupas para uma instituição de caridade.

AS MINHAS ROUPAS!

Aposto que o meu rosto ficou vermelho de raiva.

"Sakura Haruno aparece no Centro de Apoio aos Sem Teto (CAST) doando roupas em nome do CEO da empresa M.U., Sasuke Uchiha".

― Só não sei se os sem teto vão ficar muito felizes com a doação ou chateados. Mas eles precisam, então não importa a beleza... Eles devem estar emocionados, Sasuke. Estou tão orgulhoso de você. ― Os olhos dele realmente estavam lacrimejando. ― Foi um ato lindo, amor! E você me fazendo pensar que a Sakura tinha jogado fora...

― Some. Da minha. Frente! ― Falei pausadamente.

Vendo que o meu amigo não entendeu a mudança repentina do meu humor, eu mesmo me retirei.

Como essa coisa ruim que tem parte com o demônio ― talvez ela própria o seja ― simplesmente faz um negócio desses sem pedir minha autorização? E eu aqui achando que estavam me cumprimentando por causa das minhas roupas. Pensei que não seria trouxa, mas fui trouxa! Fui muito trouxa.

Eu jurava que ela estava zoando sobre doar as minhas roupas, porque Itachi vive fazendo isso! Ele pega elas e esconde para eu não usar. Agora vejo que a Haruno é muito mais louca do que o meu irmão!

Eu ando esgotado e não é de hoje, perdi até a vontade de tomar café e comecei a sentir uma dor que indica um início de enxaqueca. Obrigado, Sakura! Era só o que me faltava nesse momento.

Já de mau humor por conta de noites mal dormidas ― isso é, quando eu consigo dormir depois de tomar café o dia inteiro para me manter acordado ―, saí apressado e puto, ligando para a recepção perguntando sobre a chegada dela.

Felizmente, ou não, encontrei Sakura em um dos corredores, com certeza esperando pelo horário das próximas sessões de foto. Na verdade, não importa o que ela está fazendo, importa que eu preciso falar com ela. Precisamos estabelecer certos limites nessa relação, porque assim não dá para ficar.

― Bom dia, chefinho! ― Ela me cumprimentou sorridente, mas logo sua expressão mudou ao ver a minha. ― O que foi?

― Na minha sala, agora.

Virei as costas e saí rumo a minha sala, não demorou para que eu ouvisse o barulho dos saltos de Sakura atrás de mim. Entrei em minha sala e deixei a porta aberta, logo a rosada entrou e a fechou atrás de si.

― O senhor parece estressado... ― Ela disse algo já óbvio. ― Há quanto tempo não dorme?

Há umas duas noites, mas isso não é da conta dela!

Sakura está misturando muito as coisas.

― Regras precisam ser estabelecidas aqui. ― Falei seriamente e a Haruno uniu as sobrancelhas. ― Nossa relação é estritamente profissional, não se esqueça disso.

― Eu sei disso.

― Ah, não parece! ― Disse um pouco alterado. ― Não somos íntimos, não temos relação de parentesco ou amizade, então não confunda as coisas.

― Onde o senhor quer chegar? ― Ela cruzou os braços em frente ao corpo.

― Você doou minhas roupas.

― Ah, é por isso? ― Riu. ― Ora... O senhor não vai mais usar aquilo, pensei ter sido clara. As roupas eram bregas, horríveis, mas boas. Seria desperdício jogar no lixo, por isso achei que doar seria uma boa opção.

Olha só, já está confundindo as coisas de novo! Eu toco em um assunto, aí ela já dá um jeito de desviar para esfregar no meu nariz que minhas roupas são bregas.

― Por favor, não tenta contornar a situação, Sakura. ― Massageei as têmporas. Minha cabeça já está começando a doer. ― Quero saber por que diabos você deu minhas roupas para a caridade sem a minha permissão!

― Já falei. ― Soltou um suspiro. ― Era melhor do que ir pro lixo, e também melhora um a sua imagem ao fazer filantropia. Tá vendo, dois coelhos numa cajadada só.

Que se fodam os coelhos e a cajadada, eu odeio esse jeito irritante da Sakura de ficar contornando as coisas! E ainda se acha com a razão, tem um jeito infantil de provocar qualquer um!

― Não é disso que eu estou falando! ― Tive que praticamente morder minha língua pra não acabar soltando um palavrão aqui. ― Não era pra você ter simplesmente doado minhas roupas!

― Ora, como o senhor é egoísta! ― Ela me repreendeu.

Ela está conseguindo me irritar. Será que ela não vê que uma pessoa não pode simplesmente se desfazer das roupas de outra sem a permissão dela? Tá certo que Sakura não invadiu minha casa, eu permiti que ela entrasse, mas sair pegando minhas coisas pessoais pra se desfazer é um pouco de cara de pau demais.

E o pior de tudo é que ela está crente de que tem a razão.

― Não é questão de egoísmo, Sakura! Eu posso comprar uma grife de roupas só para mim se quiser. ― Ela abriu a boca para replicar, mas eu fiz um gesto para que me deixasse terminar. ― Mesmo que você acredite que tenha sido uma boa ideia fazer doação, deveria ter me consultado, qualquer pessoa com bom senso faria isso. Você sabia que eu poderia muito bem te denunciar por furto?

Ela mordeu o lábio e desviou o olhar para o chão.

Soltei um longo suspiro. Não posso explodir em cima de uma funcionária em ambiente de trabalho, sem falar que ela poderia até me denunciar por agressão verbal ou sei lá o quê.

― Sabe de uma coisa, Sakura? ― Indaguei mais calmo, mas no fundo quero explodir feito um vulcão. ― Talvez por isso Hinata tenha passado na sua frente por tanto tempo.

― Como é? ― Ela se alterou. Acho que pisei no calo de alguém.

― Você gosta de provocar os outros, parece ter cinco anos de idade ou menos! É infantil, abusada, folgada! É admirada por todos porque não te conhecem, mas agora eu sei o que você é, Sakura! Não passa de um rostinho bonito, apenas! ― Bradei. ― Você nunca chegará aos pés do que Mikoto é, porque ela não foi somente um mero manequim. Talvez, só talvez, quando você perceber que o mundo é bem maior do que o seu mundo e que ele não gira em torno das suas vontades, você chegue perto de Mikoto Uchiha. Até lá, Sakura, você é apenas um rosto bonito impresso em fotos e um corpo bonito na passarela.

Pensei que ela fosse imediatamente explodir em cima de mim, mas não, ficou séria. Talvez eu tenha exagerado um pouco, mas não menti em minhas palavras.

Ela não rebateu.

― Desculpa, senhor Uchiha. ― Disse sem me olhar nos olhos. ― Acho que não teremos mais aulas.

― Ótimo.

Sakura saiu da minha sala e eu imediatamente sentei na minha cadeira, liguei para minha secretária e pedi um remédio para enxaqueca.

Talvez eu tenha ido um pouco longe demais, mas Sakura passou de todos os limites. Acho que isso foi apenas um aviso de que essas aulas ridículas de moda não têm nada pra dar certo.

Passei a mão em meus cabelos e vi que caiu alguns fios. Meu Deus, olha o que o estresse faz com a pessoa.

Meu remédio chegou e eu o tomei. Fechei os olhos e tentei me acalmar. Sinto meu rosto queimar de raiva.

Hoje o dia vai ser longo...