A Casa de Íris escrita por Carol Azevedo


Capítulo 5
Capitulo 4 - John




A noite já havia caído, o telefone de Lanne tocou. Era John o seu padrinho.
Gostava de chama-lo assim, mas não era em realidade seu padrinho, ele a ajudara a se tornar quem é. Lhe deu abrigo e comida, lhe financiou os estudos. Lhe deu assistência quando a encontrou tentando voltar para o abrigo, logo depois de fugir da casa de Ernesto, John era segurança do abrigo e nao a deixou voltar. A alertou de quão dura era a punição para fugitivas. Tomado por um grande carinho por Lanne, John a ajudou e até hoje tem uma relação quase que paterna com ela.
John a chamou para mas uma noite de treinos em sua casa de campo. O faziam constantemente desde sempre. John sempre dizia que ela precisava saber se defender ja que vive só. A relação deles sempre foi escondida de todos. E mesmo agora que Lanne ja alcançara a maioridade ainda sim John prefere tudo como esta. Diz a ela que sua esposa nao compreenderia a situação.
Lanne foi ao encontro de John, avistou aquele homem alto, ja com idade suficiente para ser seu pai, ja com cabelos brancos e semblante cansado, Lanne se aproximou e o abraçou.  Os dois se sentaram no banco que havia no pátio da casa e conversaram alguns minutos, uma conversa comum "como você esta?" "o trabalho?" "saúde?" Porém o assunto mudou seus rumos quando Lanne citou Anik.
— Apareceu em sua porta do nada ?
— Sim John, coisas de vizinhos. Alguns ainda dão boas vindas!
— Huum... Anik não é? Sabe o sobrenome? - Perguntou John preocupado, porém tentando não demonstrar.
— Não! Não perguntei John. Também nao queria saber, relaxe o cara é um idiota
— Cuidado minha cara, são os idiotas que se deve temer.
— Relaxe já disse! Sei me defender, você me ensinou lembra-se?! Que tal uma demonstração de que tive um bom professor? - disse Lanne se levantando e tirando uma linda e dourada adaga Sai de dentro de uma bolsa preta. A adaga havia sido um presente de John, que quando começou a lhe ensinar a lutar deu-lhe para uso nas aulas e para defesa caso precise. Lanne achou um exagero usa-la como defesa. Mas amou o presente e parece se identificar bem com a arma e tem se desenvolvido uma ótima lutadora com ela em punho.
— Hoje não tenho vontade de lutar minha cara, estava mesmo precisando de noticias suas e saber como andava sua vida. Agora que começou a trabalhar e mora sozinha, apenas preocupei-me.
— Parece que esta tão velho que não sente-se mais apto a lutar. Ou não acha que tenha me ensinado tão bem, e teme machucar-me. - Disse Lanne apontando a adaga para ele. John riu
— Não abuse da sorte minha cara, o aprendiz ainda não superou o professor.
— Mostre-me! - Disse ela se pondo em posição ainda apontando a adaga e sorrindo - Penso o contrário.
John se levantou empunhando uma adaga simples, de ferro. Apontou a adaga para o pescoço de Lanne que bateu com a adaga Sai de forma que ela se prendeu a adaga de ferro e a torceu, porém John se virou junto e nesse movimento trouxe o pé num chute na altura do rosto de Lanne, porém este não a acertou, ela se abaixou no momento exato, como se esperasse por isso e se levantou dando uma rasteira em John, que também previra o movimento e deu um salto breve, Lanne atacou novamente com a adaga Sai, tentando cortar-lhe o braço num movimento giratório, passou perto porém não o feriu, John atacou com um soco e Lanne defendeu-se dele, nesse exato momento ele cortou-lhe o abdómen com a adaga, um corte superficial porém fez com q Lanne se curvasse.
— Esta distraída mocinha! Se deixar ferir num golpe tão simples.
— Foi sorte sua! - Ela disse atacando-o novamente, desta vez veio com uma sequência de socos, ele desviou-se de todos. O que q deixou mais furiosa, e o atingiu com uma joelhada no estômago, o que serviu para se afastar um pouco e retomar sua posição anterior, ele fez um movimento positivo com a cabeça e com a adaga de ferro tentou feri-la, não conseguiu, ela estava em vantagem com a distância. Lanne diminuiu a distância e o tentou golpea-lo com a adaga Sai, porém ele se desviou habilmente, nesse momento Lanne girou e deu-lhe um chute no rosto que o fez virar. Encostou a adaga Sai próximo ao peito de  John e disse:
— Renda-se, a idade ja afetou suas habilidades!
John a segurou pelo pulso, o que a fez olhar para ele, que desviou o olhar e abaixou a cabeça, o suficiente para não atrapalhar o movimento que se seguia. Torceu-lhe o braço para suas costas e com a outra mão apertou a adaga de ferro contra o pescoço de Lanne.
— Esta morta! - ele a soltou - Velho é a mãe! - Sorriu
— Você trapaceou!!! Sabe que é mais forte.
— Você poderia ter se defendido de varias formas. Ja disse, você esta distraída!
— Você usou muita força John, nunca o percebi ter tanta força.
— Acaso acha que quem tiver interesse em feri-la não vai usar toda sua força? Pensas que não irão jogar sujo? Precisa estar preparada para tudo Lanne.
— Diz como se eu corresse grandes perigos. Talvez um assaltou, sequestro. Não vou a guerra
— Nunca se sabe o que se pode encontrar por ai minha cara. Precisa treinar mais. Porém ainda sim acho que esta distraída. Você sairia daquele golpe, esta bem treinada, e quanto a força... Deveria explorar mais a sua!
— Não sou tão forte! E o que quer dizer com distraída? - Lanne o olhou de lado
John guardou a adaga de ferro em sua mochila. Olhou para Lanne enquanto o fazia.
— Distraída... Quero dizer distraída. Você se feriu duas vezes. Na verdade em uma delas te matei. A distração tem nome???
— Não! - Lanne fez cara de desdém - talvez seja o trabalho. Primeiro dia.
— Sim... Talvez seja! Concentre-se mais da próxima vez, seja ela quando e com quer for. - John não havia acreditado. Sabia que havia alguém lhe ocupando a mente. E temia que fosse o jovem Anik o culpado. Ja ouvira esse nome antes, deveria lembrar-se. Não tinha um bom pensamento quanto a ele, principalmente após ouvir a descrição do rapaz feita por Lanne.
— Devemos ir, a hora ja esta avançada e você ainda tem de voltar para casa.  Vou leva-la!
— Não precisa John, ainda quero tomar um milkshake antes de ir pra casa. Não quero que tenha problemas com sua esposa. Pode ir!
— Tem certeza? Acho muito distante para você seguir sozinha.
— Pode ir John, fique tranquilo. Qualquer coisa eu lhe mando uma mensagem.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Casa de Íris" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.