Quartevois escrita por Lily


Capítulo 15
Barry




Ele chegou a delegacia cedo, alguns policiais até o olharam torto, era novidade Barry Allen chegar cedo e não estar atrasado. Mas ele devia isso a Caitlin, se a doutora não o tivesse empurrado porta a fora, e nem tivesse quase gritado para ele deixar Natali com Raíz, que já a esperava na portaria do prédio, talvez ele tivesse se atrasado.
—Você chegar cedo é uma surpresa, mas chegar cedo e de bom humor é uma  novidade. Qual é a pegadinha? - Joe questionou quando estavam apenas eles dois no laboratório, o horário de Julian havia sido trocado, então ele só veria o colega de trabalho na parte da tarde.
—Nenhuma, Cait quase me expulso do apartamento, graças a ela eu cheguei aqui cedo.
—Tenho que agradece-la por isso. - O detetive riu e colocou a caneca sobre a mesa. - Então como vão as coisas entre vocês?
—Bem, bem melhor do que eu pensava que seria. Caitlin é fabulosa. Nunca pensei que fosse tão cego para não perceber isso.
—Ela lhe faz bem. - Joe falou. - Vejo isso em seus olhos, mas também posso ver que ainda está confuso em relação aos seus sentimentos. Principalmente por Íris.
—Ela foi meu primeiro amor, era me noiva, pensei que fosse a mulher da minha vida, mas agora parece que tudo esta nublado.
—E como Natali sempre diz, sempre a um arco-íris depois da tempestade.
Ele riu.
—Essa frase gruda na cabeça.
—Com certeza. Mas não esquente, se Caitlin for mesmo a mulher com quem você vai se casar, as coisas vão ocorrer da maneira que devem ser.
Barry abaixou a cabeça, tinha plena consciência de que Caitlin estaria no seu futuro de uma forma ou de outra, e sorriu ao perceber que ela estaria da melhor maneira possível.
—Natali está no balé. - falou ao perceber que ainda não havia dito aquilo para Joe. - Ela começa hoje. 
—Sério? Adoraria ver minha neta com aqueles tutus rosa. Tentei fazer com que Íris fizesse balé quando era criança, mas ela não tinha paciência para esse tipo de coisa.
—Caitlin disse que vai ser ótimo para Nat, principalmente enquanto não conseguimos manda-la de volta.
—Já tem alguma idéia de como fazer isso?
—Cisco já tinha pensado em uma coisa, mas ainda está em andamento.  - disse, Joe o olhou confuso. - Cisco não quer que fale, pois segundo ele isso atrai energia negativa.
—Isso é estranho, mas não me surpreende. Agora tenho que ir, te vejo no almoço?
—Com certeza.

[...]

—O que está fazendo?
—Cama de gato. - Caitlin respondeu dando de ombros, ele se aproximou e puxou uma cadeira para ficar de frente para ela. - O movimento tá fraco.
—Adorei o seu animo pelo fato de ainda não termos nenhum ataque de meta-humanos. - ironizou, Caitlin fez careta e enfiou o dedo dentro do quadrado feito de linha, então puxou de volta formando uma outra figura geométrica.
—Por favor não me irrite mais do que já estou irritada, estou tentando ter paz nesse lugar, mas certas pessoas não deixam.
—O que houve?
—Não sei se você sabe, mas Kara e Felicity decidiram esticar um pouco mais suas visitas aqui. - ela disse então sorriu sarcasticamente sem tirar os olhos da trama que fazia em seus dedos. - Tudo por culpa daquele seu teatrinho de ontem à noite.
—Como assim?
—Elas acham que a gente está uma bagunça e querem ajeitar isso.
—Não estamos uma bagunça. - disse, Caitlin arqueou a sobrancelhas em descrença, ele então refez a frase. - Não estamos em uma bagunça tão desorganizada.
—Você mal fala com Íris e quando fala parece um bobo, eu não consigo controlar meus sentimentos, porque eu nem sei o que estou sentido, é agora temos Natali que, embora ninguém saiba quem ela é, já está sendo o assunto da vez. - Caitlin respirou profundamente e abaixou as mãos. - Barry o que estamos fazendo?
A pergunta tinha um quê de desespero, ele tentou sorriu para acalma-la, sabia exatamente o que Caitlin estava sentido, angústia misturada com um certo entusiasmo envolta em um questionamento se isso era certo ou errado. Colocou a mão sobre a dela.
—Não sei, para falar a verdade eu nunca sei o que estou fazendo.
—Você é um herói Bar, você sempre sabe o que está fazendo.
—Você quer realmente saber a verdade? Eu somente sei que estou fazendo a coisa certa quando eu vejo que você está me apoiando, eu fico perdido quando você não está por perto. - revelou, Caitlin o encarou meio surpresa, mas então sorriu. - Se você estiver do meu lado tudo vai acabar bem.
—Obrigada por estar aqui. - ela disse num tom baixo.
—Obrigado você por estar aqui.
Caitlin suspirou e riu.
—Nós formamos um belo sr. Allen.
—Com certeza dra. Snow.
Ele sorriu para ela, tocou sua bochecha com carinho, um gesto simples, mas carregado com um significado especial.
—Você já fez alguma aula de dança quando era pequena?
—Não, já joguei futebol e fiz natação, mamãe achava que dança era perda de tempo. - ela disse. - E você?
—Não diga para Cisco, mas já fiz sapateado e dança de salão.
—Sério?
—Sim, minha mãe achava que a vida sempre era melhor em musicais.
—Sua mãe parecia ser tão legal.
—Ela teria gostado de você. - falou fazendo-a abrir um sorriso.
—Você acha?
—Com certeza, Nora Allen sempre se deu bem com todo  mundo.
—Deve ser dela que Natali puxou a personalidade extrovertida. - Caitlin disse fazendo pequenos círculos com o dedo sobre a mesa. - Queria ter sido uma criança mais sociável. Ter aulas de dança, talvez isso tivesse me ajudado a não ser tão nerd na escola.
—Mas podemos reverter isso dra. Snow. - falou se colocando de pé.
Caitlin arqueou a sobrancelha confusa, Barry pegou o celular e colocou uma música qualquer para tocar, esticou a mão para ela.
—Barry?
—Como já dizia Taylor Swift, Shake it off dra. Snow.
Ela riu, mas aceitou a mão dele, envolveu um braço pela cintura dela e a puxou para perto, entrelaçou suas mãos e as elevou.
—Siga meus passos Cait, mas não olhe para os seus pés, deixe que eu a conduzo. Você confia em mim?
—Com certeza.

It's a little bit funny, this feeling inside
I'm not one of those,who can easily hide

Ele a girou, Caitlin riu e então falou.
—Meu pai amava essa música.
—Sério?
—Sim. - ela disse e então seu sorriso se desfez, ele a empurrou para o lado ao ritmo da música.
—Você ainda sente falta dele?
—Muita, ele morreu muito cedo, as vezes me sinto culpada por nunca ter aproveitado o tempo ao lado dele.
—Sei como se sente, perdi meus pais duas vezes e as duas foram terríveis. O tempo pode passar...
—Mas a dor não. - ela completou.
That I put down in words.— cantarolou fazendo-a sorrir. - How wonderful life is while you're in the world.
A rodou novamente e a puxou para os seus braços, Caitlin seguia seus passos e o deixava guia-la, mas ele não precisava fazer muito esforço, eles se moviam com naturalidade, como se seus corpos já soubessem o que fazer.

Anyway, the things is, what I really mean
Yours are the sweetest eyes I've ever seen

O tempo pareceu parar enquanto ela estava em seus braços, não se importava com mais nada, apenas com o aqui e o agora. Se pudesse parar o tempo, talvez por apenas alguns segundo, simplesmente para olha-la e ficar admirando sua beleza.
A rodopiou novamente, seus olhos tentavam captar todos os detalhes possíveis para poder guarda na memória, aquela linda mulher, com aquele sorriso encantador e olhar destemido.

Talvez bonita não fosse o adjetivo justo para ela, talvez nem houvessem palavras para descreve-la ou talvez...

—Nossa, eu realmente não esperava ver isso. - a voz soou fazendo eles se separaram, ambos viraram para a porta. Thea Queen mantinham o sorriso convencido no rosto e ao seu lado Oliver os encarava confuso, atrás dele estava Cisco, que se segurava para não rir e Íris, que parecia surpresa e irritada.
Eram um conjunto de emoções bem engraçadas, ele até riria se a situação permitisse, mas obviamente Caitlin o bateria, até porque ele tinha mais medo da doutora do que de qualquer meta humano. 





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Quartevois" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.