Strannyye Veshchi escrita por Matheus Stories


Capítulo 7
Desculpa


Notas iniciais do capítulo

-----------ATENÇÃO IMPORTANTE----------

ola pessoal. peço desculpas por não ter postado os capítulos nesses últimos dias. pós eu estava muito o culpado com outros assuntos principalmente com a escola. mas agora irei voltar a postar nos dias certos ( todos os domingos) ou tentarei, postei esse hoje porque já tinha demorado muito, mas uma vez peço desculpas. espero que gostem boa leitura.



Ivan se depara com Victor apontando uma arma para sua cabeça, mas o homem estranhamente não se movia, estava estático naquela posição como estivesse parado no tempo, o corpo do homem começa a se mover virando a arma em direção ao Edgar que entra em desespero.

—Ei! Ei! O que você tá fazendo cara...

Victor atira friamente no seu parceiro.

Ivan que está na frente da porta sem entender nada tenta recuar, mas percebe que não tem para onde ir, até que percebe algo de assustador em Victor, seus olhos estavam totalmente brancos e sem vida.

Lentamente Victor coloca a arma em sua cabeça e atira. Ivan encostado na porta assustado com a cena que havia presenciado, percebe que Dimitri com os punhos fechados, o garoto olhava para os corpos dos homens aparentando estar com muita raiva.

— Dimitri...

— Desculpa.

 Sons de carros e helicóptero começava a se aproximar - Não tenho muito tempo.

Dimitri corre até a porta Onde Ivan estar encostado, o garoto segura na maçaneta da porta e antes de abri ele olha para Ivan

— Eu preciso ir.... Pelo bem de todos.

Ivan se afasta da porta deixando Dimitri ir.

Do lado de fora Dimitri começar a correr pela rua, aparecerão dois carros pretos fechando o caminho do garoto, mas ele não para. Até que os carros perdem o controle e capotam várias vezes e explodem se transformado em duas bolas se de fogo que passam por cima dele.

— Senhor, ele está na minha mira, permissão para atirar? - perguntou um fuzileiro falando pelo rádio.

— Utilize munição não letal - respondeu a voz vindo do rádio.

— Sim senhor

De um helicóptero, o fuzileiro mira e atira no garoto, mas não o acerta por pouco, sem parar Dimitri percebe a presença do fuzileiro que tenta acerta-lo mais uma vez, mas o helicóptero e jogado para o lado por uma força que quase o faz cair, mas acaba perdendo a sua arma.

— Droga! Senhor na escutar? Senhor!

— Estou na escuta soldado...

— O indivíduo está fugindo, ele está saindo da área dos bairros.

— Faça o cerco agora!

O fuzileiro se posiciona do lado fora do helicóptero é dispara um sinalizador.

Não tão distante da cidade soldados percebem o sinal e  vão em direção a ele em Hummers em alta velocidade .

Dimitri corre o mais rápido possível quando sai da  área  da cidade se distancia um pouco, porém percebe a presença dos soldados que viam de várias direções lhe cercando naquele lugar.

Dimitri olha para o pequeno bairro de onde saiu e sorri.

— Obrigado Ivan e Igor - o garoto se ajoelha e fecha os olhos.

...

Todos os carros frearam bruscamente e deles saíram os soldados com suas armas em punho.

Mikhail estava caminhando pela área com os mesmos homens que estavam na reunião na última noite, estava explicando tudo para eles e principalmente para ao oficial que ia ao seu lado e Yure do outro, Mikhail olha para o lado e ver uma bela cientista caucasiana de olhos claros e de cabelos escuros que está ao redor de uma mesa repleta de papeis com alguns cientistas a mais juntos a ela, ao percebe-lo sorri e logo em seguida volta-se para o que estava fazendo.

— Senhores, isso é uma parte do que temos agora, peço licença pois tenho alguns assuntos a tratar – disse Mikhail cordialmente- o Yure irar mostrar o resto aos senhores.

Mikhail sai grupo e vai em direção a mulher

— Com licença- dirigiu – se aos cientistas – poderiam me dar alguns segundos com a senhorita Laura?

Os cientistas concordaram.

Laura levou Mikhail para uma sala onde não havia ninguém trabalhando, somente os equipamentos, microscópios e algumas caixas empilhadas. Mikhail dá um longo beijo em Laura junto com um forte abraço.

— Estava com muitas saudades meu amor- disse Mikhail abraçando.

— Também estava querido.

— Onde está ela? - perguntou Mikhail sorrindo.

Laura dá um largo sorriso

— Ela está logo ali. Pode sai Julieta.

Da traz de uma bancada no fundo da sala se levanta uma garota, cabelos longos e escuros que se contrasta com a pele branca e os olhos claros parecidos com de Laura, trajando roupas de frio e que mais se destacava era o colar de fênix usava.

— Pai! - disse Julieta correndo em direção a Mikhail é dando-lhe um forte abraço que ele alegremente retribui.

— Estava com muitas saudades do senhor Pai.

— Também estava minha filha.

...

Um forte grito ecoa na extensa escuridão em um lugar sem vida.

Dimitri esta ajoelhado da mesma maneira que havia ficado quando estava sendo cercado pelos soldados, o sangramento do nariz o fez começa a torci levando a sua mão a boca percebe que havia botado sangue, respirando, ele procura calmamente o seu cordão é mais uma vez o segura firmemente.

— Eu vou encontrar... A onde esteja... E quem for eu vou.… Vou.…DES....

Dimitri se interrompe como se novamente estive-se sentindo algo.

— Doutor- disse como um sussurro. E fechando os olhos começa a se concentrar em algo.

O cenário ao seu redor começa a mudar estranhamente como se tudo estivesse se retorcendo como um sonho, o lugar escuro sem vida e com coisas estranhas começa a se transforma em paredes brancas e mobílias escuras.

Dimitri abre os olhos e se levanta silenciosamente, atrás do garoto a um homem alto é magro de cabelo curto que usava um jaleco branco desbotado, ele está sentado em uma cadeira mexendo em pilhas de papeis lendo-as e as separando em caixas sobre a mesa.

Dimitri se vira lentamente sem expressão nenhuma, sua respiração e profunda, o homem percebe sua presença atrás de si virando espantado.

— Você.

O homem leva a mão a sua cintura e retira uma pistola e tentar sem sucesso mirar no garoto que impulsiona para traz fazendo ficar em uma posição desconfortável com sua cabeça no encosto da cadeira, incapacitado o homem larga a arma no chão.

— Doutor não quero mata-lo só quero informações

Mantendo sobre suas forças, Dimitri fala com um ar sinistro e se aproxima do homem.

— Que... Que tipo.... De informação? - disse o homem com dificuldade.

— Quero sabe tudo sobre a cobaia.

— Que cobaia

— Ao que chamam de 011.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Strannyye Veshchi" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.