Damn Cupid escrita por Serena Blue


Capítulo 5
Starts A New Year.


Notas iniciais do capítulo

Pessoinhas do meu core, volteiiiii!!!!!!
Trago um capítulo que até agora é o maior já postado. Eu estou aumentando o número de palavras dos caps e espero que continue assim ♥ Eu tenho uma coisa com capítulos grandes, gente. Não consigo escrever muito... O maior capítulo que eu já escrevi na vida (eu acho) teve 6.000 palavras. Daí quando eu vejo autores escrevendo 10, 11, 12 mil palavras eu fico tipo WAT? Como cê consegue, jovin? Me ensina!!!!
Okay, desconsiderem isso, momento desabafo aqui HAUSHUASHH
Ah, como eu disse, hoje tem look da Dorcas ♥ Espero que gostem
Enfim, boa leitura ♥



Chapter V - Começa Um Novo Ano.

 

 

POV Dorcas Meadowes

 

Pude ver a cara de desagrado da Lily assim que James chegara. Pois é, se tem uma relação mais complicada do que a entre Sirius e Marlene, com certeza é a entre James e Lily. Bem, eu presenciei de perto essa convivência e posso explicar para vocês, mesmo que do meu ingênuo e otimista ponto de vista.

Sirius Black, James Potter e Remus Lupin. Sim, nós três tivemos o privilégio de conhecê-los e conviver com eles desde o maternal. Não, que exagero Dorcas! Bom desde o fundamental. E aí vai o que eu conheço sobre eles: praticamente tudo, assim como minhas amigas. Acontece que Lily odeia James. Mentira, Lily não é capaz de possuir tal sentimento. Ela não odeia ninguém, mas, digamos que não admira James tanto quanto o resto da escola inteira parece fazer (e eu falo de todos, garotos e garotas). James é simpático, carismático e um tanto arrogante. Também, não é para menos, ele tem muito dinheiro e tudo do bom e do melhor. Sempre foi assim. Seu pai é o maior empresário que eu conheço, e sua mãe não está muito atrás, embora ambos já estejam bem velhinhos e quando eu digo velhinhos é porque Charlus e Dorea Potter têm idade para serem bisavós de James.

Nossa amada Lily é humilde, quero dizer, ela vem de uma família humilde e não tem lá as mesmas condições de James. Não que ela o inveje! Ela só não concorda com a maneira fácil que ele possui as coisas e parece não dar valor a elas. Ter atitudes levianas e não se importar. Pois é, tenho que admitir que Lily tem razão. Mas eu procuro enxergar o lado bom das pessoas e acredito que um dia James mudará.  E digo mais, Potter sabe o que Evans pensa dele, e mesmo assim continua a agir como se nada tivesse acontecido e como se fossem íntimos, o que a irrita ainda mais.

Se vocês ficaram confusos com esse tipo de relação, é porque ainda não conhecem a de Sirius e Marlene. A palavra que define ela é PROVOCAÇÃO. Eles se provocam demais e tem armas para isso. Acontece que Sirius e Lene são as versões opostas um do outro e talvez por isso se deem tão “bem”. Enquanto Sirius chama a atenção de todo o lado feminino de Stewart, Lene chama de todo o lado masculino. Sirius é ligeiramente machista algumas vezes, Lene feminista. Sirius fuma. Lene odeia cigarro. Lene namora. Sirius não sabe nem o que significa essa palavra. E por aí vai. Porém tem uma coisa, ou melhor, algumas coisas em que eles concordam: ambos curtem festas, bebidas e... Motos! Nunca vi pessoas tão fascinadas por esse veículo como eles.

E, bem, talvez vocês queiram saber de mim e de Remus. Não, não é isso que estão pensando. Nós não implicamos um com o outro, nem divergimos no modo como agimos e pensamos. Ah, e também não tivemos nenhum tipo de relação amorosa. Na verdade eu e Remus somos amigos. Melhores amigos para ser mais exata. Sabemos tudo um sobre o outro e nos damos muitíssimo bem. Remus é o amigo que toda mulher quer ter. Engraçado, inteligente, bom conselheiro e ouvinte. E, mais até que Marlene e Lily, ele é quem sabe do que sinto por Austin e que me ajuda na maior parte do tempo, afinal ele e Austin também são amigos. Enfim, Remus é um amigo para todas as horas, e nossa amizade parece chocar e muito o quarteto confusão (Sirius, James, Marlene e Lily).

“Como vocês conseguem se dar tão bem?” é o que todos vivem me perguntando. Na teoria eu não sei explicar, mas na prática é tão fácil...

Entretanto agora, vamos nos concentrar em um problema maior: a chegada de James Charlus Potter.

Enquanto saía de seu carro, digamos descomedido, ele sorria e cumprimentava a todos que pareciam muito entusiasmados e fascinados em vê-los (tanto James quanto seu carro).  Marlene ao meu lado ria da reação de Lily. Esta estava se controlando para não bufar exageradamente e não ter seus olhos saltados das órbitas de tanto que os girava.

A forma como James parecia agradar a todos era realmente incrível. E, tenho que admitir, ele não era de se jogar fora. Alto, cabelos castanhos e com um ar displicente, corpo bem trabalhado por ser capitão dos Stewfalcons (nosso time de Rugby, que é uma espécie de futebol), e o seu cítrico e envolvente perfume. Sim, senhoras e senhores, James Potter está sempre perfumado. Sabe aquele perfume masculino que te faz querer abraçar e cheirar a pessoa o tempo todo? Essa é a fragrância dele.

Ele caminha despreocupadamente com sua mochila por sobre um de seus ombros e estava desacompanhado. Era comum ver os três juntos, digo Remus, James e Sirius, porém agora ele estava só e vindo à nossa direção. Deuses ruivos acalmem a Lily. Se bem que ela não perde o controle na frente dele, ao contrário de Marlene com relação ao Sirius. Lily não, ela tem a ignorância como arma.

— Bom dia, meninas – James cumprimenta com um meio sorriso, embora seu olhar pousasse em Lily. Se não fosse trágico, eu até poderia achar engraçado eles dois.

— Oi James – respondo simpática devido ao silêncio de minhas educadas amigas.

— Cadê o cachorro do seu amigo? – dispara Marlene autoritária. Embora implicassem um com o outro, eles sempre mostravam interesse.

James ri pelo nariz e olhou ao redor.

— Acredite Marlene, isso pra ele é um elogio – volta a fitá-la – Não sei, deve estar fazendo jus a esse adjetivo por aí com a Laura. Sentindo falta dele? – pergunta arqueando as sobrancelhas, divertido.

Marlene ri sarcasticamente e lança-lhe o dedo do meio. Ué, Lene, foi você quem perguntou. A loira gira nos calcanhares e segue rumo à secretaria pegar a senha do armário como era o nosso plano antes da chegada furtiva de James. Eu e Lily a seguimos, porém não sem antes ouvir:

— Não vai falar comigo Evans? Cadê a sua educação? – diz as nossas costas e eu encaro Lily de revesgueio, vendo-a estalar o pescoço. Gente, para que tanta irritação dessas duas no primeiro dia de aula?

— Oi – ela diz rápida e seca sem fitá-lo e continua o seu caminho.

É, realmente começou o ano em Stewart High School.

~*~

— Por que vocês duas são assim? – começo indignada enquanto aguardamos a Sra. Bitts trazer nossas senhas e os demais pertences de que precisamos. Estávamos sentadas nas três cadeiras da sua sala e elas não tinham dito uma palavra desde o breve encontro com James no estacionamento. – Qual é meninas, é o último ano, tentem se dar bem com eles.

— Você caiu e bateu com a cabeça antes de vir pra cá, Dorcas? – Marlene me encara incrédula como se o que eu tivesse dito fosse algo absurdo. – Sabe muito bem que Black e Potter não são como Remus e que eu e Lily nunca vamos nos dar bem com eles.

 - Vocês podiam tentar – insisto fingindo não acreditar que essa era uma causa perdida.

— Dorcas – Lily me fita com as sobrancelhas arqueadas e balança a cabeça vagarosamente em sentido negativo – Não. – complementa ainda com o movimento.

Eu não era a única que pensava desse jeito. Remus concordava comigo e também mexia uns pauzinhos para que os amigos dele fossem pacíficos com elas. Porém, ele era mais realista do que eu, devo admitir.

— Por que você vem de salto para escola? – Marlene pergunta encarando minha roupa de cima abaixo. Não tinha nada demais nela, só que a Lene e eu divergíamos bastante no quesito moda. Quero dizer, nossos estilos são bem diferentes.

— Eu gosto de saltos – explico normalmente dando de ombros.

— Você gosta é de ser fofa demais! – diz uma Marlene muito irritada. Uma coisa eu posso afirmar, nunca queiram presenciar Marlene irritada. Ela, quando fica assim, é extremamente agressiva e irônica. Eu, por outro lado, quase nunca me irrito com as pessoas a não ser comigo mesma. E Lily, ela costuma ser sensata demais e quando se irrita, demonstra ser uma garota fria e quieta.

— Ei, calma aí Marlene! Eu não lhe fiz nada para você me tratar desse jeito – respondo frustrada com suas atitudes comigo.

Ela fita um ponto qualquer e fecha os olhos por alguns segundos. Em seguida passa as mãos pelo rosto na tentativa de retirar algum vestígio de irritação. Quando volta a me encarar, está mais amena.

— Tem razão. Desculpa Dorcas, mas é que eu ainda não vi o Stefan, ele não respondeu minhas mensagens e eu sou orgulhosa demais para ligar e procurar por ele – conta infeliz. – Além disso, me incomoda que Laura seja mais uma vítima daquele energúmeno do Black. Ela realmente gosta dele...

— Você não pode fazer nada por ela. Já tínhamos avisado a Laura que Black não era flor que se cheire e mesmo assim ela deixou-se cair na lábia dele – argumentou Lily acompanhando o meu raciocínio.

Marlene parece pesar a resposta de Lily.

— Tem razão, isso não é assunto meu, além do mais...

— Dorcas Marie Meadowes – ouço o meu nome ser proferido pela Sra. Bitts interrompendo a frase de Marlene.  

A Sra. Bitts aparece à frente da sua escrivaninha trazendo em mãos a senha do meu armário, os livros exigidos pelos professores e o número de minha turma. Em Stewart os alunos são divididos em duas turmas, para uma melhor organização. Sempre foi assim e é só com as turmas do ensino médio. Eu e as meninas sempre ficamos juntas e para alívio delas, Sirius, Remus e James nunca ficaram conosco.

 Caminho em sua direção sem muita expectativa. Raramente os números dos armários mudam e o meu sempre foi o 14 da fileira de cima. Ela me encara sorridente, aquele mesmo sorriso que lança para todos os estudantes, e eu pego o conjunto de números que vem a ser do meu armário.

— Número 14, turma 301 – anuncia ela monotonamente.

“Como sempre” tive vontade de dizer, mas apenas acenei com a cabeça em sua direção.

Depois que Lily e Marlene também pegaram a senha dos seus armários e os livros da escola, nós fomos para os corredores despejar o peso em nossas mãos causado pelos materiais didáticos. Enquanto caminhávamos, eu pude reconhecer novamente rostos antigos e notar novos alunos. Os estudantes caminhavam frenéticos pela escola, entusiasmados com o primeiro dia de aula.

— Em qual turma ficaram? – Lily praticamente lê meus pensamentos e retira as palavras da minha boca ao perguntar.

— 301 – eu e Marlene respondemos em uníssono e depois nos encaramos satisfeitas com a coincidência, ao contrário da ruiva que ao ouvir nossas respostas, desanimou.

— Não acredito. Eu fiquei na 302 – diz inconformada. Ótimo. Todos os anos ficamos juntas, e agora no último, o destino decide por nos separar tragicamente. Que exagero, Dorcas...

— Ninguém merece – Marlene revira os olhos por conta da separação – Espero que ninguém inútil fique com a gente – pede me encarando.

“Espero que o Austin fique com a gente” digo para mim mesma.

E, para completar, nossos armários eram bem distantes uns dos outros. O meu era o 14, de Marlene era o 30 e o de Lily o 64. Assim que chego ao objeto de metal, Lily e Marlene continuam o caminho e nos distanciamos brevemente.

Coloco os algarismos correspondentes no cadeado abrindo o armário e despejo os livros lá dentro. Tinha alguns papéis do ano passado e uma pequena fotografia 3X4 do Austin no interior dele. Ah, por favor não me julguem, ele fica bonito até nesse tipo de foto.

— E aí Doritos? – soa uma conhecida voz atrás de mim e eu sorrio ao reconhecê-la. Viro-me rapidamente e jogo meus braços ao redor dele.

— Remus! – sorrio enquanto o abraço tentando matar toda a saudade dentro de mim.

Ele retribui o abraço com a mesma intensidade rindo ao mesmo tempo. Era sempre assim, Remus me chamando de Doritos tentando fazer uma péssima analogia com o meu nome e por eu ser fascinada por esses chips. 

— Tudo bem? – pergunta depois que nos soltamos. Ele está com a mesma aparência, talvez um pouco mais alto. Seus cabelos claros estavam levemente arrumados, sua pele ainda tinha resquícios do verão e estava com o sorriso mais cativante do que nunca.

— Não. Sabe que odeio esse apelido – faço biquinho e ele se diverte.

— E é por isso que eu faço questão de chamá-la assim.

— Engraçadinho.

O som da nossa conversa era brevemente camuflado pelos barulhos paralelos ao nosso redor.

— Lily e Marlene? – indaga percebendo a ausência das mesmas. Pois é, assim como era comum vê-lo acompanhado de James e Sirius, andando os três juntos, o mesmo podia-se observar de mim com as meninas.

— Foram até seus armários descarregar os livros, como todos os anos não é? – respondo revirando os olhos mediante a rotina que sempre fazemos.

— Ah, Doritos, não fale como se esse ano fosse ser igual aos outros – Remus diz me encarando com ternura.

— Você sabe que será. Fora as matérias, terão as mesmas festas, os mesmos jogos e é claro, o meu amor não correspondido por Austin – o menciono assim que o avisto mais adiante.

Remus acompanha o meu olhar também o fitando. Lá estava ele, junto de seus amigos, conversando e exibindo aquele sorriso maravilhoso. Minha vontade era de admirá-lo o tempo inteiro. Acho que nunca me cansaria disso. O armário dele era mais perto do meu, o que significava que em breve viria em minha direção.

— Não pode afirmar isso – ele diz e tenta parecer otimista. – Quem sabe as coisas mudam para nós dois?

Ao ouvir, sorrio maliciosa.

— Hmm, alguém roubou o seu coração também Remus John Lupin? – cutuco seguidas vezes o seu peito, animada.

Ele enrubesce e se desvia dos meus toques.

— Você não acreditaria se eu contasse – responde me encarando profundamente e eu quase dou pulinhos de alegria.

— Jura? Ah, para! Fala, eu quero saber quem é a menina de sorte! Ela é legal? – fico cada vez mais animada com a possibilidade de Remus ter finalmente encontrado alguém.

Ele apenas ri e encara o chão sussurrando alguma coisa que não entendo. Faço menção de insistir mais, mas sou interrompida por Lily.

— Hey, Remus – ela o cumprimenta docilmente, bem diferente de como tratou James.

Remus rapidamente dá atenção para ela. Se ele pensa que esse assunto acabou, está muito enganado.

As duas chegam já com as mãos vazias e no segundo seguinte estamos conversando os quatro animados.

É, posso dizer que Remus me deu um fio de esperança (como ele sempre faz). Quem sabe esse ano seja diferente para nós dois?



Notas finais do capítulo

É isso pessoas... Nesse cap ficamos sabendo um pouquinho mais de como são as relações entre eles, e da fofa amizade Doremus ♥
Uiii, quem será a garota misteriosa do Remus? HAHAHAHA
Comentem por favor me dizendo se estão gostando ou não *-*
Até o próximo
BJINHUSS



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Damn Cupid" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.