Meus Olhos Enxergam escrita por phmmoura


Capítulo 18
Meus Olhos 2 - Capítulo 07




— Não acredito que chegou o dia do ENEM. — Eliza ainda estava deitada na cama, tentando reunir energias para lutar contra a força misteriosa que a puxava para o travesseiro. — Não me sinto pronta…

— Eu disse que o dia ia chegar assim, num piscar de olhos. — Bianca estalou os dedos do outro lado da ligação. — Mas, não, você disse que tinha tempo e ficou enrolando…

— Bem, você devia ter me impedido. Você não é a responsável desse relacionamento?

— Não sou! Eu tentei! Mas você ficou insistindo e eu…

— Devia ter resistido mais! Cadê seu autocontrole, mulher?

Eliza sabia que estava sendo injusta, mas não resista à tentação de provocar Bianca. A ruiva anda sensível demais quanto a isso recentemente, lembrou a garota. Ela acha que minha mãe vai culpar ela se eu for mal na prova… Como se a culpa fosse de alguém além de mim.

— Como se eu pudesse resistir quando você me beija daquele jeito — sussurrou Bianca pelo telefone.

Mesmo sem ver a namorada, Eliza sabia que a garota estava vermelha. Ela não podia resistir e queria ver de todo jeito.

Sem sair da cama, ela se virou e encarou a parede. Em segundos, sua visão atravessou tudo entre a sua casa e a de Bianca.

A ruiva estava deitada na cama com as pernas abertas na direção da parede. Ela usava um baby doll rosa transparente e colocara um pequeno post-it escrito “para a Eliza” bem acima do segundo lugar favorito de Eliza.

O rosto da garota ficou com um tom alarmante de vermelho.

— O que diabos você tá fazendo? — exclamou ela antes que conseguisse se parar.

— Há! Eu sabia que você ia olhar! — Bianca riu.

Droga… Esqueci quem era a minha namorada, pensou a garota, sorrindo e rolando na cama enquanto abraçava o travesseiro. Minha namorada adora me provocar…

— Ótima forma de começar o dia. Perfeita. Obrigada pela visão — disse Eliza, apesar da vergonha.

— Quem disse que acabava aí? — sussurrou Bianca, com um tom que dava a intender segundas intenções.

Eliza parou de revirar os olhos. Sempre que a Vermelha fala assim, ela está prestes a fazer algo que vai me deixar com muita vergonha.

Ainda assim, a curiosidade venceu. Quando a garota focou seus poderes de novo, Bianca se livrara do post-it. Ela segurava o dedo indicador levantado enquanto segurava o celular com a outra mão.

— Eu vou chamar este dedo de Eliza — disse ela. — Ei, Eliza. Vamos estudar um pouco, que tal?

— Tudo bem. — Bianca forçou sua voz para que saísse mais aguda.

— Isso deveria ser eu? — perguntou a verdadeira Eliza, sorrindo.

Bianca ignorou.

O dedo se moveu para cima e para baixo, como se estivesse feliz. Então a ruiva o trouxe para sua barriga.

— Espera. O que você está fazendo, Eliza? Não viemos aqui pra estudar?

— Sim, estou estudando música. A canção se chama “gemido de uma ruiva”.

A verdadeira Eliza sorriu e balançou a cabeça, mas não conseguia desviar a atenção do show.

— Calma. Precisamos estudar pra assegurar um bom futuro pra nós duas — disse Bianca com uma atuação forçada e ruim.

— Já que sou um animal no cio que não consegue conter seus desejos e culpa a namorada por isso, já estamos praticando para o nosso futuro — disse o dedo-Eliza.

Então o dedo deslizou até a roupa íntima de Bianca.

— Que bruta… ah… — A ruiva fingiu gemer. — Bem a sua cara

— Ei, em minha defesa, não sou tão direta. Eu gosto de provocar você. — Apesar do que dizia, Eliza apreciava aquilo.

— Nããããooo… essa parte é sensível… Eliza, sua fera no cio… — Bianca continuou com sua atuação ruim.

As maçãs do rosto de Eliza coraram. Droga… por que assistir isso me excita…?

— Tá ficando interessada…? — perguntou Bianca para sua namorada real. A garota ficou quieta. — Você é uma pervertida e tanto, me espiando enquanto brinco com meu dedo…

— F-Foi você quem me deixou assim… v-você deveria se responsabilizar…

— E o que você vai fazer? Me diz…

— Eu vou… Eu vou…

— Continue… vai o quê? Se masturbar enquanto me espia? Não é a primeira vez, né? — O rosto de Eliza ficou mais quente ainda. — Quem cala, consente. Agora, me diga, o que você vai fazer consigo mesma.

— Eu vou… por que você está tentando me pintar de pervertida? — Eliza voltou a si. — E por que fazer isso justo hoje?

— Porque você está nervosa e eu queria te ajudar?

— Mentirosa!

Bianca riu e rolou na cama, segurando a barriga.

Apesar da vergonha, Eliza acabou sorrindo também.

Odeio dizer isso, mas ela me deixou menos nervosa.

— Acabou de rir? — perguntou com uma voz mal-humorada.

— Sim… e você diz isso, mas sei que ama que eu tire uma com a sua cara.

Eliza suspirou e tentou impedir que seus verdadeiros sentimentos transparecessem na voz:

— Pelo bem de nosso relacionamento, eu me recuso a responder isso.

— Você acabou de responder. — Bianca alegrou-se. — E aí, se sentindo melhor?

— Um pouco — murmurou Eliza. — Mas isso não me deixa mais pronta pra prova…

— Não se preocupe com isso…

— Como você pode falar isso? Especialmente após me forçar a estudar daquele jeito…

— Já que não temos como estudar mais, é desperdício de energia se preocupar agora.

— É incrível que você consiga dizer isso com uma cara séria.

— Mesmo eu sendo uma lésbica?

— Deve ser uma das suas piadas gays mais usadas. — Eliza não pôde conter o riso.

— E você ainda ri.

— Deixemos isso de lado. Vamos nos encontrar agora de manhã antes da prova?

— Sua mãe não disse que ia levar você de carro?

— Sim… mas eu estava pensando se não poderíamos nos encontrar e… sabe… aumentar os ânimos…

— Quer mesmo que sua mãe me odeie ainda mais?

— Não faria diferença alguma agora — disse Eliza com um sorriso amarelo.

Apesar de se esforçar, a mãe de Eliza ainda estava com dificuldades para aceitar o relacionamento. Ela nunca proibiu Bianca de ir à casa da família, mas jamais deixava a porta ser fechada completamente quando as duas ficavam no quarto.

Sendo justa, ao menos ela parou de conferir se estávamos sendo lésbicas sem controle a cada dez minutos.

— Não fala assim… Eu ainda quero poder sair com você e te deixar em casa sem a sua mãe me olhar daquele jeito…

— Você se preocupa demais. Metade daquele olhar é pra mim, de todo jeito… ela não tá exatamente feliz com as minhas escolhas…

— Tipo a sua namorada?

Eliza soltou uma risada cansada.

— Tem isso. Sabe, duvido que ela vá se animar enquanto eu estiver apaixonada por outra mulher. Mas o olhar, em parte, é porque ela não anda muito feliz por eu ter dito que ando pensando em ser uma jornalista… ou uma policial…

— É porque você trouxe isso do nada… nunca mencionou pros seus pais, né?

— Não, mas…

— E vamos ser justas. Mesmo a nossa cidade sendo relativamente segura, ter três pessoas na família trabalhando na policia não é exatamente alegre pra ninguém… Lembro de quando era pequena… Sempre temia que meu pai podia não voltar pra casa numa noite…

— Eu também tinha medo disso…

As duas ficaram quietas por um instante.

— Ei, onde você vai fazer a prova mesmo? — perguntou Bianca.

Eliza sorriu de leve. Ela com certeza se lembra, só quer mudar de assunto, pensou a garota antes de falar para sua namorada seu local de prova.

— Quê? Não é justo. Vivemos perto uma da outra e eles colocam você num local legal e eu fico presa numa escola pública…

— Tá reclamando do quê? Vai dar na mesma… uma sala cheia de gente e com mesas ruins.

— Duvido. Aposto que você vai ter ar-condicionado… Vou dar sorte se tiver um ventilador funcionando… vai ser tenso…

— É, ainda não vou sentir pena pela menininha rica.

— Hã? Nem uma vez? Sinta pena e me conforte.

— Só quando você merecer mesmo.

Ambas riram.

— A minha mãe tá chamando. Não acho que vamos ter tempo de nos encontrarmos agora de manhã, mas quero te ver hoje de noite — disse Bianca com uma voz honesta.

— Eu também… Ei, como é que era? Que a sorte esteja sempre ao seu favor? — disse Eliza do nada.

— Ah! Eu sabia que você tinha gostado do filme. — A voz de Bianca estava cheia de alegria. — E disse que era só uma desculpa pra ver adolescentes se matando.

— Jamais disse isso…

— Tá, sei…

Houve um momento de silêncio.

— Preciso me arrumar…

— É, eu também…

Após esperar por um tempo em silêncio sem desligar, ambas finalmente acabaram a ligação.

Eliza ainda sorria quando espiou dentro do quarto de Bianca. A ruiva colocava algumas roupas decentes, mas então se virou na direção da casa da namorada e mandou um beijo.

Aposto que ela faz algo assim de tempo em tempo, pensando que estou olhando para ela, pensou Eliza, o coração batendo mais rápido. Não tem como não me apaixonar ainda mais por ela…

Respirando fundo e com um humor bem melhor do que ao acordar, Eliza saiu da cama.

— Bom dia, docinho — cumprimentou seu pai quando ela entrou na cozinha.

— Oi, pai, oi, mãe.

— Nervosa?

— Um pouco — admitiu ela. — Mas isso não vai ajudar em nada, então preciso ignorar.

— É assim mesmo, meu anjo — disse a enfermeira, colocando a comida na mesa. — Mas mesmo que vá mal, ainda tem o ano que vem. E você pode aproveitar mais tempo pra pensar no futuro… Especialmente com tudo que aconteceu este ano…

— Poxa, bela ajuda, mãe. Bem o que eu preciso antes da maior prova da minha vida.

— Você sabe do que estou falando, meu anjo… e tem que admitir que veio do nada… Digo, jornalista ou policial? Você nunca mencionou nada assim…

— Não veio do nada… Sei que falei de repente, mas venho pensando nisso há um tempo…

— Ela tem razão, querida. Além do mais, ela adorava vir ao trabalho comigo quando era pequena — disse o policial, sorrindo e se inclinando para beijar a filha na cabeça.

— Valeu, pai. E não é como se eu tivesse que decidir agora… Hoje é o primeiro dia da prova. Tem tempo até os resultados saírem. Aí vou precisar decidir… se tiver sorte…

— Não se preocupe, docinho. Você vai ir bem. Andou estudando com a Bianca, não foi?

Ao nome da namorada da filha ser mencionado, a enfermeira pressionou os lábios e encarou seu marido.

O policial retribuiu o olhar da esposa com uma expressão confusa e então dirigiu sua atenção à filha, tentando conter seu sorriso.

Sempre que alguém mencionava a Bianca, a mãe de Eliza parecia controlar sua reação e ficava encarnado o policial, caso ele estivesse presente.

Um passo de cada vez demora muito… mas é melhor do que nada. Com o tempo, mainha vai aceitar o meu relacionamento que nem o do meu irmão, pensou ela, focando-se na comida.

Embora tentasse comer seu café da manhã, era mais difícil do que ela imaginou. Jamais pensei que ia ficar tão nervosa… Mas painho tem razão… não é como se tudo fosse decidido em dois dias…

Eliza conseguiu comer parte da comida, ainda que um tanto nervosa.

Então seus pais a chamaram mais cedo do que ela queria.

Eliza usou seus poderes para conferir se a Bianca já estava indo também, mas a ruiva já tinha saído. Eu queria vê-la uma última vez, pensou a garota antes de tentar se focar em qualquer coisa que tinha estudado com a namorada.

Após quase dez horas em dois dias, o exame nacional do ensino médio acabara.

— Morri — disse Eliza enquanto deitava no colo de Bianca domingo à noite. — Parece que meu cérebro foi atropelado por um caminhão ao menos três vezes… O caminhão queria ter certeza e que tinha espremido tudo…

— Ao menos acabou… — A ruiva acariciou o cabelo da namorada languidamente.

— Você tá cansada? A incrível Bianca que só tira nota boa?

— Só porque estudo pra tirar notas boas não quer dizer que eu gosto de fazer provas — disse ela com uma voz cansada. — E eu falei que a escola pública foi dureza… o ventilador funcionava, mas fazia tanto barulho que as pessoas reclamaram e um dos fiscais desligou…

— Tá bom, agora eu posso sentir pena pela riquinha. Só um pouquinho…

— Yay. Eu aceito com prazer… mas ainda quero reclamar mais um pouquinho…

— Eu sabia… — Eliza desviou o olhar com um sorriso amarelo.

— É, bem, apenas tente me imaginar lá com um jeans simples e uma regata branca simples. Quando eles desligaram o ventilador, a sala ficou muito quente. Gotas de suor desceram pelo meu pescoço, molhando a camisa, deixando meu sutiã vermelho visível. Eu amarei o cabelo em um rabo de cavalo para que ficasse suportável. Mas o suor continuou escorrendo pelo pescoço, indo até as costas e na minha calcinha… dá pra imaginar?

— Caralho, Vermelha! Agora eu não tiro isso da cabeça! — exclamou Eliza. — Se estava tentando me deixar excitada, parabéns, deu certo. Feliz?

Bianca mostrou um sorriso malicioso que Eliza amava demais.

— Sim, bastante — disse ela antes de se inclinar e beijar levemente a namorada.

Logo Eliza percebeu que a ruiva só ia provocá-la. Ela puxou Bianca para mais perto e o beijo delas ficou intenso.

— Seus pais saíram, né? — perguntou ela, com a voz ofegante.

Bianca não precisou nem falar. Só concordou antes de tirar as roupas enquanto Eliza a beijava…

— Uau… — Conseguiu dizer Eliza após o ato. A exaustão triplicara agora. Mas ela não ligava. Só podia sentir o prazer passando por seu corpo. — Isso foi…

— Demais… — completou Bianca, também ofegante e suada. — Eu fiquei suada assim enquanto fazia a prova…

— Não me excite mais, por favor… Não acho que meu corpo aguenta mais agora. — Eliza abraçou o corpo nu da ruiva e descansou sua cabeça nos seios de Bianca.

— Então por que está tentando me seduzir?

— Só estou descansando no melhor lugar do mundo. — Eliza se aconchegou nos peitos até achar a melhor posição. — A Disney não tem peitos como os seus.

— Você é bem mimada quando quer. — Bianca abraçou as costas da namorada, respirando fundo.

— Escutar isso de uma garota rica não tem efeito em mim — brincou Eliza.

— Pare com isso de garota rica! É irritante.

Eliza apenas sorriu enquanto era preenchida por uma alegria com as batidas calmas do coração da namorada.

Se pudesse, ela gostaria de ficar daquele jeito para sempre

Mas o toque de seu celular a trouxe de volta à realidade.

— Ah, merda… deve ser a minha mãe…

Apesar da dificuldade que era sair daqueles peitos, Eliza pegou o celular.

— É a sua mãe? — perguntou Bianca, sentando-se.

— É o JP… — Eliza trocou olhares com a namorada e depois atendeu. — Alô?

De repente, a ruiva estava plenamente desperta enquanto ouvia.

— Entendi…

— O que foi? — perguntou Bianca, sussurrando.

— Ele precisa da minha ajuda de novo…

Bianca ficou quieta por um segundo.

— Posso ir junto?





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Meus Olhos Enxergam" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.