Pauella escrita por Ana Slytherin, Angela Black


Capítulo 18
Capítulo 18


Notas iniciais do capítulo

Eis que Pauella ressurge!! Quanto tempo, hein? Me sinto até envergonhada. Primeiramente peço desculpas a todos vcs, nunca quis deixar de postar Pauella, afinal ela é meu xodózinho. Dediquei muito amor pra essa fic. Mas alguns problemas bem chatos e ruins vieram de encontro a mim, e me impediram de fazer o que mais amo, que é escrever. Peço mil desculpas a vcs.
Segundamente, obrigada por cada comentário, eles são muito importantes para essa retomada. Obrigada também pelos acompanhamentos e favoritos, cada um de vcs são muito importantes para nós. Vcs quem construíram Pauella.
E terceiramente, declaro a volta oficial da história de amor do nosso casaal. Um capítulo por semana, como antes. Todas as madrugadas de sábado para domingo.
Enfim, agora vou deixar vcs lerem.
Nos vemos lá embaixo.
Apreciem o capítulo.



18º Capítulo

(POV Paul Lahote)

—Droga, Leah!! Você deixou ele passar. -Rosno para a loba. Minhas mãos tremem e meus olhos embaçam de ódio. A morena não se encontra muito diferente.
—Não tenho culpa, tá legal? Foi questão de um minuto para o cheiro de Bella sumir. Quando eu vi já não estava mais lá. -Leah explode, tentando não gritar para não chamar atenção. Ela range seus dentes. -Eu também me preocupo com ela, é minha melhor amiga, esqueceu?
—Eu devia ter vindo pra cá assim que senti o cheiro desse vampiro. -Deslizo meus dedos pelo meu cabelo, completamente frustrado. -É claro que ele estaria atrás da Bella. Quem mais atrairia tanto problema?
—Eu devia ter ficado mais atenta. -Leah lamenta, Embry pousa sua mão no ombro da morena, que parece relaxar com isso.
—Nada disso. Ninguém deve se culpar. Isso não vai ajudar em nada agora. -Sam diz, interrompendo nossas lamentações. -Estamos perdendo tempo. Quanto mais rápido agirmos, melhor.
—Sam tem razão. -Jacob apóia. -Vamos voltar pra reserva. Temos um plano para bolar.

XXX

—Tá legal, Seth, Embry e Quil, vocês ficam responsáveis pela reserva. Mantenham a segurança de nosso lar. Não queremos mais desaparecimentos. -Sam ordena com o tom de alfa. Os meninos assentem. -Jacob, Leah, Paul e eu vamos nos dividir na floresta. Fiquem atentos a qualquer pista, ele pode...
—O que te faz acreditar que ele continua aqui? -Pergunto impaciente, ele me olha de sobrancelha erguida. -Desculpe, eu só... -Deixo a frase no ar, esfregando meu rosto.
—Tudo bem, eu entendo. -Ele afirma. Sinto vontade de o contradizer, afinal ninguém sumiu com Emily, mas consigo segurar minha língua. -Respondendo a sua pergunta, seja quem for que invadiu nossas terras e pegou Bella, quis ser notado. Ele não saiu daqui, porque quer que nós o achemos.
—E é o que vamos fazer. -Afirmo, retirando minha bermuda e inrrompendo em forma de lobo. Bella precisa de mim. E vou até o final do mundo para salva-la.

XXX

(POV Bella Swan)

—Quem é você? -Consigo enfim verbalizar meus pensamentos. As palavras arranham minha garganta. Não consigo controlar meu corpo. Contudo tempo me manter calma. Não posso me dar ao luxo de surtar, não agora.
—Não vou te julgar por não me conhecer, afinal eu não me apaixonei por um vampiro igual você fez, docinho. -Ele sorri irônico. -Sou só a figuração perto de você.
—Você não me respondeu. -Afirmo, minha respiração está ofegante.
—Sabe, docinho, você está meio que em desvantagem aqui. Eu não seria tão imperioso. -Move suas mãos em descaso, o sorriso nunca sai de seu rosto. O vampiro moreno senta elegantemente em um tronco caído sem tirar seus olhos vermelhos de mim. -Na verdade, seria sim. Mas isso não vem ao caso. Agora, para sanar a sua famosa curiosidade humana... Sou Jack Ryder.
—Isso não responde muita coisa. -Digo, me erguendo no chão. Ele continua atento a cada movimento meu. Nem se eu tivesse toda a coordenação do mundo eu conseguiria fugir dele. -Você não deveria estar aqui. Essa cidade é área dos Cullen. Eles...
—Não se preocupe, docinho. Os Cullen não vão nos achar. Nem seus cachorrinhos. A menos que eu queira, é claro. E eu não quero. -Cruza suas pernas, apoiando seu rosto em suas mãos. -Sabe, docinho, sempre fui muito bom em me esconder das pessoas. E isso só melhorou depois da minha transformação. Não é ótimo?
—O que você quer, afinal? Me matar não é, ou então já teria feito. -Aponto frustrada com o jeito dissimulado que ele estava agindo. Ele apenas ri.
—Conhecer você melhor. Te fazer companhia. -O vampiro se ergue do tronco e em um minuto ele surge em minha frente, perto demais. -Ouvi dizer que você faz amizade fácil com seres estranhos. Vim tentar a sorte. -Ele agarra meu corpo, desliza meu cabelo pra trás do ombro e cheira meu pescoço. -Saber se seu sangue é tão doce quanto comentam. -Meu corpo paralisa, e então Jack me solta, gargalhando.
—Você precisava ter visto sua cara!! -Exclama. Isso desperta todo o ódio em meu corpo. Ódio que sobrepõe a qualquer prudência que ainda exista em mim.
—Cansei disso, tá legal? Se quer me matar, faça de uma vez. Para de ficar rindo de mim. Eu odeio joguinhos e não quero fazer parte de um! -Disparo. Isso só parece diverti-lo mais.
—Certo, princesa. Vou te liberar por hoje. Muito estresse para um dia só. Te entendo. -Ele apóia sua mão em meu ombro, eu desvio do toque e ele ergue ambas as mãos em sinal de rendição. -Vamos nos ver mais algumas vezes ainda, mas por agora... Sua cavalaria chegou.
E então, em um piscar de olhos, o vampiro some sem deixar nenhuma pista para trás. Meio minuto após isso a imagem castanha acinzentada de Paul surge por entre as árvores junto a pelagem negra de Sam e o caramelo de Jake. Os três olham todo o cenário ao seu redor. E parecem confusos quando apenas encontram a mim ali. Imediatamente Paul volta a sua forma humana e corre até mim, mesmo estando desprovido de roupas.
—Você está viva!! -Exclama, tocando meu rosto com cuidado a procura de ferimentos. -O que aconteceu? Quem te pegou?
—Eu também gostaria de saber. -Digo, toda a adrenalina deixa meu corpo, que passa a tremer descontroladamente. Paul veste rapidamente a bermuda, me puxando para seus braços em seguida. Ele beija meus cabelos, eu me agarro em seu corpo. Toda a proteção que eu estava precisando.
—Me desculpe, eu deveria ter cuidado de você, eu...
—Shhh, você está aqui agora. É o que importa. -Afirmo, beijando levemente seu lábios em seguida. -Como me acharam? Ao que parece esse vampiro tem o dom de se esconder.
—Não sabemos, num minuto estávamos te procurando completamente às cegas e no outro seu rastro apareceu de repente. -Jake exclarece, já em sua forma humana.
—O que ele queria, afinal? Ele ao menos te disse isso, Bella? -Sam questiona ao mesmo passo que passamos a caminhar.
—Não, mas tenho certeza que não é nada bom. -Falo, minha mente começa instantaneamente a criar teorias. Um calafrio passa por todo meu corpo. Paul percebe e me aproxima mais dele.
—Não vamos pensar nisso agora. O importante é que estamos todos alertas. -Paul expõe. -Ele não vai mais passar pela gente agora.

XXX

Depois de muito tempo, a floresta sombria volta aos meus pesadelos. A diferença é que desta vez a figura parada no centro da clareira é Jack Ryder e não Edward.
O vampiro sorri malignamente quando um lobo castanho acinzentado se aproxima. O meu lobo. Assim que a imagem se monta, tudo se encaixa. E antes que eu possa sequer gritar, com apenas um movimento o vampiro avança para cima de Paul, o matando na hora.
Acordo assustada, com Paul sentado ao meu lado, acariciando meu rosto.
—Ei, ei, estou aqui com você. -Me aninha em seu peitoral largo e quente. O movimento de suas mãos em meu cabelo me tranquiliza. -Não vou deixar nada te machucar, minha Bella. Nunca.
—Eu sei. -Afirmo, meneando minha cabeça. -Mas não quero que se machuque para me proteger. Eu não aguentaria.
—Eu não vou. Te prometo. Vou ficar com você para sempre. Tarde demais para se livrar de mim. -Pontua risonho, sorrio com sua frase. Ele me aperta em seus braços para me mostrar a veracidade de suas palavras. -Agora durma, minha Bella. Eu estou aqui com você. E isso nunca vai mudar.



Notas finais do capítulo

E então? Teorias sobre Jack Ryder? O que acharam dele? Eu, particularmente o adoro heuheuheu O que acharam do capítulo? Bom? Ruim?
Comentem pra mim saber.
Mais uma vez, me desculpem...
Enfim, nos vemos nos comentários, amores. Beijão e até o próximo (que agora não demora) *-*



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Pauella" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.