Quase humano escrita por Arisusagi


Capítulo 16
Nó de marinheiro


Notas iniciais do capítulo

Tô cagada de sono e vivi altas aventuras envolvendo uma cobra hoje.



No dia seguinte, Asahi não foi para a escola.

Nem ele nem sua mãe conseguiram dormir naquela noite. O fato de que Asahi não era um humano comum não era algo fácil de se engolir, mas em momento algum a senhora Azumane pensou em entregá-lo para a polícia.

E Asahi, por sua vez, não conseguia parar de pensar nos assaltantes.

Na manhã seguinte, o noticiário local anunciou que dois homens foram mortos de forma brutal na cidade. Um deles chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Asahi sabia que ele era o responsável por aquelas mortes, mesmo que indiretamente. Foi aquele fantasma negro que atacou os dois homens, e aquela coisa tinha alguma relação com ele.

Naquela tarde, Nishinoya foi o visitar depois da aula.

― Eu falei para eles que você estava doente ― ele explicou. ― Aliás, a Yacchan pediu para te entregar isso aqui.

Noya entregou uma pulseirinha feita de barbante preto e laranja para Asahi.

― Ela aprendeu a fazer essas pulseiras de nó de marinheiro e resolveu fazer para todos do time. ― Noya mostrou uma igual que estava em seu pulso.

Asahi colocou a pulseira e sorriu. (Ou pelo menos tentou sorrir.)



Notas finais do capítulo

Rip in peace moços assaltantes.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Quase humano" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.