Mother escrita por Moonbyul


Capítulo 1
Mikoto Uchiha


Notas iniciais do capítulo

Olá seres humanóides, eu enrolo pra terminar minhas histórias já começadas mas posto um compilado de one-shots em uma noite, né nom?



A noite tomava conta de Konohagakure, pouco a pouco as luzes das ruas se acendiam à medida que ficava mais escuro, Sasuke chegou um pouco atrasado, perdendo o pôr-do-sol sobre o monumento dos Hokages, não que ele se importaria em perder aquela vista, alguém como ele já tinha visto milhares de pôres-do-sol diferentes, cada um em um canto do mundo, por onde ele havia passado, porém ele realmente cultivava a ideia de que não havia melhor pôr-do-sol do que de sua casa, do que o que se podia ver na vila de Konoha, nem mesmo vê-lo sobre as lisas e majestosas dunas de areia de Suna se comparava ao que podia ser visto na vila oculta nas folhas das árvores.

Sasuke cumprimentou seriamente os jovens guardas que estavam na entrada da vila, os jovens já se acostumaram com a recepção fria do shinobi, nos primeiros dias de trabalho eles tentaram o revistar e também conversar, afinal, Sasuke Uchiha era um nome que ressoava pela vila, não só como sendo o braço direito do atual Hokage, mas também como um ninja a se ser admirado, mesmo por seu passado turbulento, um exemplo para os mais jovens de força e de redenção, porém os mais próximos do ninja sabiam como o mesmo detestava toda aquela idolatração à sua pessoa, por isso, quando os ninjas de guarda tentaram algum tipo de aproximação, Sasuke começou a entrar escondido em Konoha, até que os mesmos fossem avisados a não incomodá-lo.

Sasuke era antipático demais, ele sabia disso, e gostava do mesmo, era sua defesa.

Já dentro de Konoha, Sasuke imaginou se Naruto ainda estava no escritório, sem pressa alguma ele andou até o edifício, o mesmo continuava sempre iluminado, porém, como bom observador, ele viu que as luzes do escritório de Naruto estavam apagadas, ele deveria estar, finalmente, em sua casa, com sua família, naquela hora provavelmente estavam jantando e Sasuke se perguntou se queria realmente atrapalhá-lo naquele momento para lhe dar informações de suas últimas missões pelo mundo, ele pouco se importava em atrapalhá-lo, porém não parecia o certo a se fazer aquele momento, depois de tudo que tinha acontecido com ele e sua família, o pouco de empatia que Sasuke tinha em si falou mais alto, ele poderia falar com o Hokage amanhã, e podia aproveitar também para passar uma noite com a família.

Engolindo a própria ideia, Sasuke deu meia volta e seguiu para a casa de Sakura, o apartamento ficava próximo a muitos outros prédios parecidos, a rua estava deserta e ele imaginava o que a mulher e a filha estariam fazendo agora, as possíveis ideias que sua mente projetou o fizeram soltar leves risos fechados, ele pouco conversava quando estava em casa com elas, até porque passava pouco tempo com as duas, mas estava sempre atento, ouvindo ao que Sarada dizia sobre suas novas missões e sobre seu treinamento, e sobre como queria se tornar a próxima Hokage, inspirada pelo seu melhor amigo Naruto, enquanto Sakura estaria fazendo algum serviço de casa, pois a presença do marido a deixava nervosa demais para ficar parada.

Sasuke podia imaginar todos aqueles momentos iguais como se fossem únicos, mesmo sendo a mesma coisa quando estava perto de suas meninas, todos os atos simples eram memoráveis, eles iriam jantar juntos, Sasuke colocaria Sarada para dormir, depois ficaria um tempo com sua mulher, Sakura tagarelaria por algumas horas sobre as coisas da vila para atualizá-lo, e depois eles iriam dormir juntos, com algumas surpresas durante a noite.

Sem perceber, Sasuke já havia passado da casa de Sakura, encontrou-se na frente de sua própria casa, sua antiga casa, o lar de seu antigo clã, imaginou-se seu próprio coração o guiando para casa, é claro que ele não iria até a casa de Sakura, por mais que lá estivessem sua mulher e sua filha, sua casa realmente não ficava lá, o shinobi sempre imaginou que não havia lugar para si que pudesse chamar de lar.

Porém, parado lá, encontrou as luzes acesas, convidativas.

Sasuke não se importou com formalidades, deu leves batidas na porta porém já foi entrando, deixando as sandálias na porta, a casa era como se lembrava, não lhe causou espanto algum estar lá de volta, era mais um sentimento de conforto que há muito tempo ele não sentia, ele não deixaria que seu temor o substituísse.

— Olá? — Sasuke perguntou, já estando na sala.

— Sasuke-kun... — Uma voz doce veio da cozinha, Sasuke foi em sua direção.

— Mãe? — Ele perguntou, chocado.

Mikoto estava parada na frente do fogão, mexia constantemente em uma panela que exalava um aroma maravilhoso de comida caseira, com os longos cabelos negros presos em um rabo de cavalo e o costumeiro avental branco sobre o corpo, ela parecia completamente real e plena, focada em sua missão de terminar o jantar, o que parecia ser curry com arroz, Sasuke se aproximou da mãe e pousou a mão sobre seu ombro, Mikoto se virou para olhar o filho, exibindo um sorriso gentil.

— Chegou cedo, que bom que fiz um pouco mais. — Seus olhos brilhavam.

— Mãe... — Sasuke murmurou mais uma vez, o semblante sério em seu rosto se desmanchava pouco a pouco.

— Está tudo bem, Sasuke? — Mikoto parou de mexer na panela e tocou o rosto do filho, fazendo-o estremecer, as mãos de sua mão eram delicadas e macias.

— Uhm...

— Tem certeza? Você pode me contar tudo. — Mikoto disse.

— Está tudo bem. — Sasuke confirmou, entendendo a situação.

“Claro, eu estou sonhando” Sasuke repetiu para si mesmo.

Mikoto exibiu um sorriso acolhedor e gentil, voltou a sua tarefa de terminar o jantar, pediu a Sasuke, que ainda estava um pouco atordoado, pegar dois pratos e ajeitar a mesa para os dois, o filho obedeceu às ordens da mãe, colocou tudo na simples mesa que ficava na cozinha, Mikoto trouxe a comida logo depois e serviu o prato do filho, que tinha ido deixar seu casaco sobre um dos sofás da sala, quando voltou, sua mãe já estava sentada, ela indicou a cadeira ao lado dela para que ele se sentasse, exibindo o mesmo sorriso de antes.

— Você quer mais? — Mikoto perguntou.

— Este tanto está ótimo. — Sasuke respondeu sério.

Sasuke passava a maior parte de suas refeições em silêncio, principalmente quando estava na casa da mulher, Mikoto percebeu que suas tentativas de puxar uma conversa não seriam tão efetivas com o filho, o mesmo já não era a mesma criança aberta e sorridente da qual ela se lembrava, porém ela não queria forçá-lo a nada, acompanhou seu silêncio durante o jantar, utilizando sua voz poucas vezes para perguntar se a refeição estava boa e se ele queria mais, recebendo respostas monossilábicas.

Ao fim da refeição, Sasuke ajudou Mikoto a arrumar a cozinha, a mãe lavou os pratos e o filho os guardou em um silêncio aconchegante, quando seus olhares se encontravam, eles trocavam simples sorrisos, os de Mikoto exibiam uma alegria contida, e os de Sasuke, como sempre, eram fechados e retraídos, podendo ser percebidos pela curvatura das covinhas de sua boca, porém Mikoto sabia que eram sorrisos sinceros.

Imaginava o quanto deveria ser difícil para o filho voltar a sorrir da forma como sorria.

— Tudo limpinho, muito obrigada meu filho. — Mikoto terminou de lavar as mãos na pia e se virou para encontrar Sasuke, o mesmo já estava indo em direção à sala, provavelmente indo pegar seu casaco. — Já está de saída? — Ela perguntou acanhada.

— Sim... — Sasuke não percebeu tamanha seriedade na própria voz.

— Entendo...

— Mãe? — Sasuke se virou repentinamente, encarando Mikoto.

— Sim, Sasuke-kun? — Mikoto parecia assustada.

— Gostaria de ir comigo até a casa de Sakura? — Sasuke perguntou.

— Claro... Claro, eu adoraria!

Mikoto exibiu um grande sorriso e acompanhou Sasuke até a porta de casa, apagou a luz da sala e trancou a porta da frente, gentilmente ele ofereceu o braço e ela o abraçou, os dois seguiram a pé para o apartamento de Sakura em um completo e acolhedor silêncio.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Mother" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.