Precisamos Falar Sobre James escrita por Clenery Aingremont, Clenery Aingremont


Capítulo 8
7. Precisamos falar sobre ameaças


Notas iniciais do capítulo

Eu disse ontem (no Twitter) que ia adiantar o capítulo. Acabei adiantando tanto que acabei com ele hehe
Aí fiquei "posto ou não posto?". Resolvi ser boazinha com vocês, e aqui está ele!
Espero que gostem ♥




[Domingo à tarde]

— Explica isso direito!

Tonks e Alice ainda estavam adormecidas, principalmente Alice, que parecia bem cansada, após todas as emoções do dia anterior, que Lily apenas podia imaginar. Contudo, Marlene já estava acordada, quando Lily abriu os seus olhos, e não demorou a notar a expressão abismada em seu rosto.

— Eu tive um sonho — disse Lily, ainda letárgica pelo sono.

— Que sonho? — perguntou Marlene, impaciente.

— Eu não lembro! — ela quase gritou, antes de lembrar-se das amigas adormecidas — Não lembro, está bem?

— Sonhou que estava apaixonada? — debochou Marlene, irritada.

— Não, que eu beijava o James.

— Ah! Então você teve uma lembrança!

Lily pegou o travesseiro de trás de si, e lançou direto no rosto da amiga, o que não foi tão difícil, já que estava sentada à sua frente.

— Quenga! — Marlene não teve o mínimo tato ao gritar, recebendo outro travesseiro, direto às suas costas, vindo de Tonks, que ainda estava com o rosto enterrado no seu.

— Sem guerra, por favor! — disse Lily, impedindo Marlene de manifestar-se contra a garota de cabelos azuis, o que só fez com que ela cruzasse os braços, bufando.

— Certo, mas quero isso bem explicado!

Lily revirou os olhos, sentindo Alice mover-se ao seu lado.

— Eu já te disse! Não foi uma lembrança! Foi um sonho! — ela disse.

— Bem... — murmurou Marlene, antes de dar de ombros — Já estava na hora, não é mesmo?

— Não seja rude! — disse Tonks, a voz rouca pelo sono, coçando um de seus olhos.

O som de passos fez com que Lily se erguesse em seu colchonete, vendo Andrômeda descer as escadas do andar de cima.

— Bom dia, garotas! — ela disse, com um bom humor incomum para aquela hora da manhã.

Ou era o que Lily pensava, antes de olhar o horário, em seu celular.

12h40.

— Nossa! Dormimos bem hoje! — disse Tonks, antes de bocejar.

— Também... Devem ter dormido lá para as 5 horas, não é mesmo? — perguntou Andrômeda, com certeza.

Mesmo com todas as conversações, Alice não dava sinais de estar acordada, respirando profundamente em seu sono pesado.

— Na verdade, dormimos bem mais que isso — disse Lily, dando uma piscada de olhos lenta — Esqueceram? Horário de verão?

— Não! Horário de verão adianta a hora, nós é quem estávamos erradas antes — contradisse Marlene.

— Está bem, está bem...

O seu celular vibrou, e Lily voltou a desbloquear o celular, que não notou ter sido bloqueado pela falta de movimentação.

 

Petúnia Evans

Visto por último há um minuto

 

Tô odiando (12:39)

Mas nenhuma novidade até aí (12:40)

Só que eu não posso dividir as tarefas contigo (12:41)

E sinto como se estivesse dormindo no colégio (12:42)

 

Boa tarde para você também (12:44) ✓✓

 

— Minha irmã tem TOC, não é possível — murmurou Lily, ao ver que cada mensagem era enviada um minuto depois, mesmo não sendo tão comprida.

— Só descobriu isso agora? — perguntou Marlene, irônica.

Olhando para o lado, Lily percebeu que Tonks já tinha ido à cozinha, comer alguma coisa para enganar o estômago faminto, embora o almoço não demoraria a sair. Tinha pena de Andrômeda, assim como das mães de todas ali, que tinham que fazer um almoço duplicado todas as vezes em que decidiam reunir-se.

— Semana que vem é na sua casa, Lily — disse Marlene — Você não terá mais desculpas.

— Estou com saudades de casa — murmurou Lily — Tenho pena da faxineira que minha mãe contratou.

— A empregada da casa do meu pai surta toda vez que entra no meu quarto.

A ruiva riu, o celular esquecido novamente em suas mãos, o que já era bem usual.

— Essa noite é dormir cedo! Escutaram, Nymphadora? Lily? — ela ouviu a voz de Andrômeda vindo da cozinha.

— Mamãe! É Tonks! — reclamou a dita cuja.

— Temos muitos Tonks dentro dessa casa — Ted resolveu manifestar-se, surgindo da porta dos fundos da cozinha — Seria estranho!

Andrômeda apenas riu, como se tivesse certeza de que essa era uma fase de sua filha, que não demoraria a passar, enquanto cumprimentava o seu marido.

Tonks saiu rapidamente da cozinha, voltando a sentar-se ao lado das amigas.

— Nojento — disse, enterrando os dentes em uma maçã verde.

— Você está parecendo a Tuney — comentou Lily — Só falta o “fala sério”.

Tonks enrugou o nariz para ela, que apenas riu.

Petúnia tinha, realmente, uma má fama entre as suas amigas. Não conseguia lembrar-se o motivo disso, mas supunha que era normal entre irmãs e amigas de irmãs.

— A Lily admitiu — disse Marlene, repentinamente.

— Admitiu o quê? — perguntou Tonks, distraída em seu celular.

— Que gosta do James.

Lily olhou mortalmente para ela, que apenas ignorou-a.

— Legal — foi apenas o que Tonks respondeu.

Dessa vez, ela precisou conter a gargalhada diante do olhar contrariado de Marlene.

— Legal? É só isso que você me diz? — perguntou.

Só que ela nunca recebeu uma resposta, já que Tonks levantou-se apressada, um olhar estranho no rosto, afastando-se delas para escutar um áudio.

— Isso aí tem nome — disse Marlene, movendo a cabeça para a sua direção — É Remus.

— Só falta você se apaixonar, né! — brincou Lily.

— Muito engraçada, Lily.

Andrômeda avisou que o almoço estava pronto, e Alice ainda não tinha acordado. Resolveram deixá-la dormir, ainda mais para salvá-la dos métodos bruscos de Marlene para acordar as pessoas.

— Eu nunca ia querer ser o seu irmão — disse Tonks a Marlene, já focada no almoço.

— Ninguém ia — ela deu de ombros, sem importar-se — Nascesse antes de mim.

— Eu amaria se você tivesse um irmão mais velho — disse Lily, maldosa.

Marlene mostrou a língua, depois de engolir a comida. Em uma situação em que estivessem apenas ela, não se importaria com isso, mas ainda tinha um pouco de noção de fazer isso por perto de outras pessoas, como Andrômeda e Ted, por exemplo.

 

[Segunda de manhã]

Lily acordou com energias renovadas, naquela segunda-feira. Gostava de dormir na casa das amigas, mesmo que a rotina tirasse a emoção das coisas, mas passar dois dias seguidos em uma casa, que não era dela, era bem incômodo. Também sentia saudade de sua família, embora nunca fosse admitir sentir falta de Petúnia, mesmo que eles tivessem se falado por celular.

Quando entrou pelo portão, seguida de Tonks, as panturrilhas doendo pela caminhada, logo notou Marlene acompanhada de Sirius.

— Eles estão flertando? — perguntou Tonks, divertida.

Lily deu de ombros, jogando a sua mochila no meio entre os dois.

— Ei! — reclamou Marlene, que tinha sido atingida.

— James faltou hoje — disse Sirius — Terá que suportar a Meadowes sozinha!

— Ai, caramba! Era só o que me faltava... — murmurou Lily, a sua animação já desinflando-se.

— Boa sorte — disse Marlene, sorrindo amarela para ela, antes de puxar Sirius para o outro lado.

— Isso que é amiga — ela reclamou, embora não estivesse sendo séria.

Não dava para comparar a amizade de qualquer pessoa com a péssima que teve com Dorcas Meadowes.

Não demorou para que entrasse na sala do professor Kettleburn, torcendo para que a garota também tivesse faltado, significasse o que significasse. Era bem melhor do que ter de suportar a sua presença.

Daquela vez, ao contrário da semana anterior, Dorcas sentou-se bem afastada de Lily, entrando na sala segundos antes do professor Kettleburn levantar-se de sua cadeira, e fechar a porta.

— Certo, certo — ele disse, olhando sério para a turma.

Pegou um pilor vermelho de cima da mesa, destampando-o, antes de começar a escrever no quadro.

— Hoje trataremos de literatura — disse Kettleburn, por fim, após escrever uma única frase no quadro — “Reputação é uma imposição tremendamente falsa e inútil, muitas vezes angariada sem mérito e perdida sem um real motivo”. Quem disse isso?

— Iago — respondeu Lily — De Otelo.

— Correto, senhorita Evans — concedeu o professor — Estamos tratando de Otelo. Pelo menos, por enquanto. Como lemos anteriormente, Iago era o melhor amigo de Otelo, considerado um dos maiores vilões da literatura mundial, Por ciúmes, mentiu e manipulou, fez com que Otelo acreditasse que sua esposa tinha o traído.

Ele sentou-se a um canto da mesa, para ter melhor visibilidade dos alunos, enquanto continuava.

— Hoje vamos discutir um pouco sobre isso — disse Kettleburn — Quem não leu o livro, terá dificuldades para os exames, e acredito que nem este debate poderá ajudá-los. O que seria a traição, afinal de contas? O que vocês consideram traição?

— Quando uma pessoa trai a confiança de outra — respondeu um colega, ao lado de Lily, timidamente.

— E o que seria trair a confiança? — perguntou o professor.

— Quando alguém te confia um segredo, e você o divulga para outras pessoas — foi Lily quem disse — Quando você está namorando com alguém, mas está com outras pessoas também.

— Concordamos que há diversas formas de se trair — Kettleburn assentiu.

— Mas se ninguém souber, não é traição — a voz de Dorcas veio algumas cadeiras atrás de Lily.

— Se você é piranha, não deveria explanar... — murmurou Lily, mas sua frase foi bem audível com o silêncio da sala.

— Senhorita Evans, por favor — Kettleburn interrompeu-a.

Lily passou o resto do debate em silêncio, sentindo que, se abrisse a boca, explodiria. O sangue corria com velocidade e quentura por entre suas veias, e algo que ela nunca considerou passava a perturbá-la.

Que Dorcas era uma vadia, não era uma novidade, mas ela era capaz de trair a James?

Assim que o sinal tocou, ela recolheu o seu material e saiu, antes que o professor a chamasse para conversar ou qualquer coisa do tipo.

— Li... — Marlene aproximou-se dela.

— Tem aula de quê agora? — ela interrompeu-a.

— Você sabe que é biologia — respondeu Marlene, confusa.

— Quer matar?

Normalmente, ela não faria aquele tipo de sugestão, mas não estava importando-se com isso.

Saíram disfarçadamente do colégio, indo para a lanchonete à frente. Corriam o risco de serem vistas pelas janelas do prédio, mas não importavam-se com isso naquele momento.

— Matando aula de novo, Lene? — um ruivo aproximou-se da mesa, com um bloco de notas em sua mão, para anotar os seus pedidos.

— Sabe que sim, Fabian — ela sorriu, flertando com ele.

— O de sempre? — Fabian perguntou.

— Claro! — respondeu Marlene.

— O mesmo que ela — disse Lily, antes que ele pudesse perguntar, mesmo sem saber do que se tratava.

Marlene permaneceu olhando para Fabian, enquanto ele afastava-se, e Lily viu outro garoto igual a ele, cuidando de outra mesa.

— Desembucha — disse Marlene.

— Eu sei que tenho evitado falar sobre isso desde domingo — Lily fechou os olhos, sentindo-se ligeiramente culpada.

— Nem me fale! Quantas mensagens ignoradas! — ela interrompeu-a, já pressentindo do que se tratava.

— Eu sei, eu sei... Eu só não sei o que fazer! Está bem?

Marlene negou com a cabeça, impaciente.

— Você fale com ele! — sugeriu, como se fosse óbvio.

— Não! — retrucou Lily, assustada — O que ele vai pensar? Somos melhores amigos há anos...

— Amizades evoluem! — disse Marlene.

— É complicado... Ele parece que gosta dela.

Dessa vez, a amiga apenas ficou quieta, sem saber o que dizer.

— A sua “amiga” está aí — disse Fabian, discretamente, enquanto colocava os pedidos delas em cima da mesa.

Lily olhou para trás, não tão discreta, vendo Dorcas junto de um grupo, composto por suas amigas, líderes de torcida, e alguns garotos, aos quais ela dava em cima, sem o mínimo pudor.

— Guarde isso, Lene! Enlouqueceu? — exclamou Lily, ao vê-la pegando o celular para gravar.

— Guardo porcaria alguma! James não merece ser corno! — protestou Marlene — Nós nunca tivemos coragem de chegar para ele e dizer que namora uma vadia, mas eu não sei você, eu estou cansada dessa situação!

— É capaz de ele achar que é normal dela — murmurou Lily, desanimada, antes de dar uma mordida em seu cheeseburguer.

Marlene precisou concordar, mas manteve o vídeo salvo em seu celular.

— Siri, me acorde daqui a trinta minutos — ela disse para o seu celular.

— O alarme foi ajustado para as nove e meia — respondeu a voz mecânica.

— Pronto, temos tempo — disse Marlene, guardando o eletrônico em seu bolso — Mas sério, Lily, ainda acho que você deveria fazer alguma coisa.

— Vem cá... Aquela conversinha que você resolveu ter com a Alice e Tonks, na outra semana, quando fomos dormir na casa dos avós da Alice, era tudo sobre isso? — perguntou Lily, repentinamente.

— Sim — ela respondeu, simplesmente — Nós sempre soubemos, só estávamos esperando que você admitisse. E eu pensei que James também gostasse de você, mas agora... Eu não tenho como saber, nós nos afastamos muito por causa da Dorcas.

Aquela última frase foi como um balde de água fria, e Lily engoliu em seco, antes de perguntar:

— Ele se afastou?

— Na verdade, fui eu — respondeu Marlene — Não vou com a cara da Dorcas, mas ele não se afastou de mim por causa dela. Também não se afastou de você!

— Bem, ele cancelou o nosso último programa de sábado — Lily deu de ombros — E teve o lance dos contatos...

— Isso está mais com cara de Dorcas do que James, amiga. Ele não te bloquearia e desbloquearia logo depois.

— Pode ser...

 

[Segunda à tarde]

Lily estava guardando o material dentro do armário do corredor, quando Dorcas apoiou-se ao armário do lado do seu.

— Podemos conversar? — a garota perguntou.

— Já estamos, não é mesmo? — ela retrucou, de má vontade.

— Vamos colocar as cartas na mesa, Evans — Dorcas olhou ao redor, satisfeita por estarem sozinhas — Eu sou a namorada do James, e você é só a melhor amiga apaixonada, que está tentando nos atrapalhar.

— Eu nunca tentei atrapalhá-los — Lily interrompeu-a — E não sei de onde tirou a parte do “melhor amiga apaixonada”. Isso é insegurança, Meadowes?

— Pense o que quiser, mas eu tenho absoluta certeza de que você nunca tentará nos atrapalhar, se é que já tentou.

Lily fechou a porta do armário, já começando a ter um mau pressentimento do rumo em que aquela conversa ia.

— Que bom que você tem segura em si mesma — ela disse.

Antes que pudesse dar um passo para a frente, Dorcas colocou-se em seu caminho.

— Tem certeza de que não tentou nos atrapalhar? — Dorcas perguntou.

O estômago de Lily afundou, assim que Dorcas pegou uma folha de caderno arrancada de sua bolsa, desdobrando-a.

— 14 de Fevereiro de 2014 — ela começou a ler — Hoje é o dia...

Lily avançou a sua mão, tentando pegar a folha, mas Dorcas manteve-a longe de seu alcance.

— Você pode não se lembrar muito daquela época, mas o seu diário lembra de várias coisas — disse Dorcas, sorrindo maliciosamente — E coisas que te deixariam super envergonhada, caso fossem espalhadas por aí.

Lily tentou novamente pegar o papel, e não teve impedimentos, mas ela sabia que aquela era apenas uma folha de várias, e que Dorcas nunca se atreveria a entregar-lhe a página que revelava tudo o que ela fez a ela.

— Eu vou manter as mais vergonhosas para mim, por precaução — disse Dorcas, dando de ombros — Fora isso, eu vou te entregando as outras. É só você ficar longe do James.

— O que você quer dizer com isso? — perguntou Lily.

— Pare de falar com ele, de procurá-lo.

 

[Segunda à noite]

Lily olhou para o seu WhatsApp, indecisa quanto o que deveria fazer. Ela nunca sentiu o seu coração tão apertado quanto estava naquele momento. Não apenas pela chantagem de Dorcas, ou pelo fato de que James nunca corresponderia a sua paixão por ele, mas também pelo medo. Medo de que James não falasse nunca mais com ela, o que pouparia Dorcas de fazer o trabalho sujo, mas também a prejudicaria.

Se Dorcas tinha o poder de abrir o armário de James quando quisesse, se ela tinha o poder de acessar os aplicativos de seu celular, e bloquear os contatos que não a agradassem... Que poder ela tinha?

Como ela poderia saber que estava falando mesmo com James ou não?

 

James Potter

Online

 

Bruder (21:17) ✓✓

Schwester (21:18)

Acordada a essa hora, lírio? (21:18)

 

Ela respirou ruidosamente, sentindo como aquele simples ato tornava-se mais difícil a cada momento.

 

James Potter

Online

 

Pois é (21:19) ✓✓

Não consigo dormir (21:19) ✓✓

Algum problema? (21:20)

Acho que é por causa da dedetização (21:20) ✓✓

Sinto como se a faxineira tivesse mudado tudo no meu quarto (21:20) ✓✓

 

Provável haha (21:21)

Também não consigo dormir muito bem (21:21)

Minha mãe quer conehcer a Dorcas (21:21)

*conhecer (21:21)

Isso é bom, não? (21:22) ✓✓

Sei lá (21:22)

Você gosta mesmo dela, não é? (21:24) ✓✓

Gosto (21:24)

Acho que mais que isso (21:25)

Sei lá (21:25)

 

Lily sentiu um grande nó em sua garganta e, antes que notasse, seu rosto já queimava, anunciando a chegada das lágrimas.

 

James Potter

Online

 

Eu espero que vocês deem certo (21:25) ✓✓

Ei! (21:26)

Não precisa se preocupar (21:26)

Eu não vou me mudar nem nada do tipo (21:27)

Eu só faltei hoje porque estava meio mal (21:27)

Eu sei (21:28) ✓✓

É melhor irmos dormir (21:28) ✓✓

Boa noite (21:28)

 

James nunca recebeu uma resposta para aquela mensagem, pois Lily apagou cada conversa daquele aplicativo, e fechou-o pela última vez em muito tempo.

Sua decisão já estava tomada, não adiantava lutar uma batalha perdida.



Notas finais do capítulo

Observações do capítulo:
• "Bruder" e "Schwester", como podem imaginar, são palavras em alemão. Significam "irmão" e "irmã", mas a Lily bem que queria ter escrito outra coisa...
• Fabian e Gideon dando uma passadinha aqui na fanfic haha
• HORÁRIO DE VERÃO TERMINA À MEIA NOITE! ESTOU TÃO FELIZ! AAAAAAAH!
• Bem que queria uma dedetização aqui em casa, o negócio tá tenso ;-;

♪ GARÇOM, TROCA O DVD, QUE ESSA MODA ME FAZ SOFRER, E O CORAÇÃO NÃO GUENTA! DESSE JEITO, VOCÊ ME DESMONTA, CADA DOSE CAI NA COTA E OS 10% AUMENTA! ♪

FINAL DA PRIMEIRA FASE!
Sim, a ameaça da Dorcas marca a primeira fase da fanfic.
Quanto tempo se passará até o próximo capítulo (na história, quero dizer)? TALVEZ eu divulgue no Twitter, mas, para isso, vocês precisam me seguir por lá (@Clenery) hehe
Hoje não teve prévia do capítulo, já que eu o terminei, então não teve necessidade disso, mas eu sempre posto uma prévia lá no meu Twitter. Então, se quiserem ver, já sabem ;)
Ah! Lembrando que a postagem da prévia não significa, necessariamente, que a fanfic será atualizada logo. Eu decido a prévia enquanto vou escrevendo o capítulo, não quando ele já está pronto.
Consegui a quantidade de palavras perfeita, graças à Lary. Sua linda, salvadora de enredos ♥
Eu sei que todos estão com ódio da Dorcas, do James, da Lily, de todo mundo...
Dorcas, por que és tão piranha?
James, por que és tão cego?
Lily, por que és tão lesada?
Pelo menos, a Lily já admitiu que está apaixonada pelo James, e isso é um grande passo, considerando todos os outros romances Jily haha

Eu já posso adiantar para vocês que teremos, na segunda fase: Severus Snape e Peter Pettigrew. Para quem estava se perguntando sobre eles: aí está a sua resposta!
Voltando à Jily: quem vocês acham que vai correr atrás do outro antes? James ou Lily? James terminará com a Dorcas ou nem? Aceito teorias haha
Espero que tenham gostado do capítulo!
Beijos, e até o próximo ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Precisamos Falar Sobre James" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.