A Hospedeira 2 escrita por Rai


Capítulo 15
Capítulo 15


Notas iniciais do capítulo

Bom, bom, mais um cap



Estava escuro, muito escuro e eu não lembrava quando eu havia apagado. Eu passei a mão em minha barriga, as lágrimas queriam cair de meus olhos, mas eu tinha que me manter calma. Eu precisava sair dali. De repente começou a sooar barulhos de passos, eles vinham calmos e em ritmos. Onde eu estava? Então uma porta se abre do meu lado esquerdo, fazendo um feixo de luz entrar pelo quarto onde estava, iluminando-o. Parecia um quarto comum, exceto pelas janelas conterem grades e a porta ser de ferro.

- Onde eu estou? - disse sem medo para a sombra parada a porta

- Onde você deveria estar, Peregrina. - a voz me respondeu - Meu nome é Gustav, sou o chefe das Almas nesse país. Depois que a rebelião tomou forças, me escolheram para acabar com ela.

- Para que você está me contando isso?

- Para que quando você tentar fugir lembrar com quem está mexendo. - ele rosnou - As minhas filhas iram ajudá-la no dia-a-dia, apesar que você irá passar a maior parte do seu tempo aqui.

E ele havia ido embora, fechando a porta e me deixando na escuridão outra vez.

 

- Senhorita Peregrina? - sussurrou uma voz feminina e apreensiva

Eu abri meus olhos e deparei-me com um par de olhos negros e anciosos. Era uma jovem de pele morena, cabelos negros e longos, usava um jeans e uma regata branca. Ela sorriu ao ver que eu estava acordada.

- Meu nome não posso lhe falar, meu pai proibiu-me, mas é uma honra conhece-la. - ela continuou num sussurro - Eu irei ajudá-la em tudo que tiver ao meu alcance. Agora, coma um pouco de comida. É ensopado de frango, não sabia do que você gostava.

Em silêncio peguei a vasilha que ela erguera em minha direção e levei-a aos meus lábios. Estava delicioso. Fechei meus olhos e deixei-me saborear o ensopado morno em minha boca.

- Obrigada. - disse um tempo depois

- É o mínimo que posso fazer. - disse ela com um triste sorriso

- O que vocês querem comigo? - eu disse já sendo tomada pelo medo outra vez

- Eu não sei ao certo, nunca me deixam escutar as reuniões. - a menina deu de ombros - Mas acho que usaram você para os humanos se renderem.

- Eles não são como eram antes, eles mudaram. - eu disse

- Circunstâncias, mas abitos antigos não se perdem, se tiverem uma chance voltaram a ser como eram. - ela respondeu sentando-se ao meu lado na cama

- É nesse momento que deveriamos aparecer para não permitir. - eu disse pensativa - Deviamos ajudar, não exterminar a raça inteira para nós vivermos.

- Eu amei um humano, me casei com ele e engravidei. - disse ela depois de um tempo de silêncio, uma surpresa para mim - Para manter ambos a salvos voltei para cá e fiz eles irem para a rebelião.

- Oh, deve ser difícil para você. - eu esfreguei seu ombro

Ela balançou a cabeça.

- Já terminou? - ela olhou para a vasilha em minha mão, eu entreguei-a - Bom, é melhor eu ir. Volte a dormir, Peregrina.

- Peg, pode me chamar de Peg. - eu sorri

- Ok, Peg. - ela disse indo embora e fechando a porta.

 



Notas finais do capítulo

E ai?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "A Hospedeira 2" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.