The Eight Guardians of the Universe escrita por Violet Snow Frost


Capítulo 3
Garota Nova


Notas iniciais do capítulo

Oi galera! Tô de volta! Foi mal aí a demora, mas vou continuar postando! O cap tá bem grandinho como recompensa pelo tempo que passou então... espero que gostem! Boa leitura!



Pov's Elsa

Acordei com um barulho infernal do despertador e resmunguei frustrada.

Ainda embrulhada, levei a mão em direção ao despertador apalpando o botão, ao senti-lo, apertei com um mínimo de disposição fazendo cessar o som.

Eram 07h00min AM. Me levantei sonolenta e percebi que os meninos já haviam acordado, peguei minha toalha já indo pro banheiro.

Após minha higiene, me vesti com um look simples e desci pra tomar café.

Ao chegar à cozinha, vejo minha família tomando café e me sentei ao lado do Kevin.

— Bello Elsa! - Bob acenou.

—  Pa tooller tu Bob! – retribuí - Que horas vocês vão pai? - perguntei bebericando meu chocolate.

— Vamos sair às 08h30min AM para trabalhar, Sebastian já tem tudo organizado para suas compras! - respondeu minha mãe.

— Volta às aulas? - Anna perguntou ansiosa.

Meu pai assentiu.

— Vai ser fácil como uma caminhada no parque!

— Uma caminhada assustadora e catastrófica no parque... Oh! - gemi irritada quando a ruiva me cutucou forte com o cotovelo.

Rebati recebendo outra em troca.

Começamos a empurrar uma à outra fazendo das cutucadas uma pequena confusão na mesa.

— Já  chega! - paramos encarando meu pai, que estava sério demais.

(N/E: Talvez ao ponto de nos dar uma grande bronca!)

— Desculpe! - eu e Anna respondemos em uníssono.

— Terminem o café, vocês terão um dia cheio! - minha mãe alertou com um sorriso amigável.

Depois do lanche da manhã, subimos pro quarto para nos vestir.

Anna colocou uma roupa simples e uma make básica.

Me troquei e descemos.

Nossos pais eram do tipo muito protetores, então foram com a gente.

Sebastian nos deixou em frente ao shopping e nos despedimos de nossos pais.

— Tá pronta? - Anna perguntou ansiosa.

— Afirmativo! - respondi com um olhar confiante e seguimos para as compras.

Horas depois...

— Ahhh! - exclamamos nos jogando nos pufes do meu quarto.

Estávamos exaustas! Foi realmente um dia cheio.

— Urf!... Tô cansada pra valer! – declarou Anna recuperando o fôlego - Às vezes tenho medo do que a mamãe fala!

— Por quê? - perguntei com a voz cansada e confusa.

— Ela que disse teríamos UM dia cheio, mas tivemos o dobro! - ri protegendo o rosto, pois sabia que receberia uma almofada na bochecha.

Dito e certo!

Guardei minhas roupas e o outros no closet enquanto Anna admirava seus novos sapatos.

Anna era fanática por sapatilhas, era não, na verdade ainda é.

Se um dia eu calçar um desses pode me vestir de coelho que não vou parar de pular de tanta coceira nos pés.

Tô brincando gente! Eu só não gosto muito dessas coisas!

Anna foi pro seu próprio quarto enquanto fiquei observando o local.

Eu tinha muito o que fazer, resumindo: um grande laboratório pra organizar.

Achei estranho os meninos não estarem bagunçando no quarto, sempre quando chego de algum lugar, encontro meu quarto como um verdadeiro palco de rockeiros ou um laboratório de doutores estranhos e assim por diante.

Peguei meu notebook e me sentei organizando o tapete pra instalar o CPU do computador central, não tive muito trabalho porque meu pai encomendou a construção de um pequeno porão na laje do quarto, então só fiz abrir, mas na hora exata meus instintos alertaram algo e abri o alçapão, receosa, quando de repente...

— Surprise!

— AHH! – gritei quando o Trio Dinâmico saiu de dentro do porão, o que me fez recuar.

Pov's Anna

Eu estava no closet pendurando minhas blusas quando ouvi Elsa gritar.

—AHH! - fiquei em alerta, um pouco pensativa, e fui vê-la.

Pov's Elsa

— Bello Elsa!

— Ãhm... Kevin qué passó? - perguntei observando Bob e Stuard indo até meu notebook.

— Tu wiquit sely "go passe"! - Stuard clicou a tecla space e vários painéis de holograma surgiram ao redor do quarto - A él es Jarvis, lo computer intel artfic!

— Wow! - declarei fascinada - Tank you ragutter!

— Weloves you! - os três me envolveram em um abraço coletivo e retribuí.

— Me tooller love you!

— Elsa, o que... - Anna abriu a porta assustada e parou ao me ver - ...houve!? - finalizou confusa.

— Não foi nada Anna! Tudo bem! Foi só uma surpresa! - respondi com um sorriso. 

— "E isso não é tudo!" - declarou Winter.

O lobo indica uma comporta que surgiu do chão.

— "Olha isso!" - um pequeno botão ao lado da cápsula se acendeu na cor verde e ela abriu.

Sorri empolgada ao ver um pequeno nidroid circular, meu robô BB8.

— Oww! Que fofinho! - Anna exclamou com um olhar sonhador.

— Oi Elsa! - o nidroid exclamou com uma voz robótica e rolou em minha direção.

O carreguei no colo. Não era tão pesado, pelo menos pra mim!

— Él stayc magnifc! Tank you! – confessei.

— Ah Elsa, no lastor hout! - Kevin sorriu assentindo.

— Bom já que tudo tá bem, acho que já vou! - Anna se despediu e sai fechando a porta.

Com um tempo livre, aproveitei um pouco pra testar o novo laboratório.

Após horas de confusão e diversão, nos sentamos na varanda lateral do quarto pra relaxar.

Observei a tranquilidade das ruas e respiro fundo sentindo o vento passar em meu rosto.

— "É tão calmo, né!?" - Winter comentou apreciando a brisa - "É como se a gente pudesse voar!"

— Hum... - resmunguei pensativa dando um sorriso maroto.

Me levantei indo pro quarto e procurei meu violão no armário.

Voltei para a varanda me sentando ao lado de Kevin, já me preparando pra tocar.

— "O que foi?" - Winter perguntou intrigado.

— Sim podemos voar, podemos voar... - murmurei as pequenas palavras com um tom pensativo.

Torci os lábios.

Deslizei os dedos nas cordas do violão e tentei pegar um tom até sincronizar com a música.

Sim Podemos Voar

Não sei o que fazer

Queria mais tempo ter pra decidir o que querer

Sei que vou descobrir, e assim então sentir

Qual o caminho vou seguir

E alegre vou ficar, tristeza não, só a vida aproveitar

Sim podemos voar, sim, podemos voar

E daqui tudo ver, bem do alto do céu

Uma vista perfeita é muita emoção

Sim podemos voar

Palavras vêm assim, dizendo sobre mim

Com sentimento e emoção

Faça o tempo parar, desligue sem pensar

E pense no seu coração

Morar em castelos, eu não preciso

Em outro lugar quero estar

Vou deixar meu coração minha vida levar

E bem mais alto voar

Sim podemos voar, sim, podemos voar

E daqui tudo ver, bem do alto do céu

Sim podemos voar, sim, podemos voar

Sobre os ventos surfar, é só aproveitar (é só aproveitar)

Pois não é ilusão, é muita emoção

Sim podemos voar (Sim podemos voar)

Sim podemos voar (Sim podemos voar)

Sim podemos voar

Deslizei os dedos nas cordas do violão, acelerada, e finalizei a música com um tom calmo e apreciador.

Os meninos aplaudiram e sorri agradecida.

Pov's Jack

Eu estava no meu quarto jogando Mortal Attack com minha irmã Riley, mas as coisas não iam do jeito que eu planejava...

Flashback On

Jamie e Riley estavam comentando quem era o melhor jogador de MA.

Eles diziam que eram mestre nisso, naquilo e assim por diante.

— O golpe das Lâminas Firehell é o mais incrível de todos! Você sabe que sou o mestre no meu grupo! - Jamie provocou orgulhoso.

— Ah é? Nunca vi alguém usar a Tempest  Darkwar III melhor do que eu! Você que devia reparar sua inexperiência! - Riley rebateu furiosa.

— Inexperiência? - Jamie exclamou incrédulo e começou a discutir com minha irmã.

Os dois começaram a gritar furiosos um com o outro.

Me levantei da cadeira próxima à mesa e parei atrás deles.

Eles estavam de frente para a TV, sentados no tapete.

— JÁ CHEGA! – esbravejei irritado.

Os dois me encararam perplexos.

— Se vocês são mesmo os melhores por que não me mostram? Aposto que sou três vezes melhor que os dois! - Jamie e Riley trocaram um olhar malicioso.

— Uma disputa? - perguntaram em uníssono.

— Com certeza! - assenti confiante.

Flashback Off

Entenderam? Eu me dei mal! Eles me venceram cinco vezes seguida!

Como eu falei a palavra "aposta", devo 10 dólares pra cada um.

Parece que minha mesada vai ficar menor do que eu pensava!

Mas fazer o que, não é? É a vida!

Riley saiu do quarto apontando para os olhos e pra mim com cara de "tô de olho, heim!", e fechou a porta.

Bufei pensativo comigo mesmo pensando na disputa ocorrida.

Me joguei na cama verificando coisas aleatórias no notebook enquanto me aconchegava no colchão.

Uma melodia vocal me tirou a atenção.

Com uma expressão pensativa e curiosa me dirijo até a pequena varanda do quarto e me deparei com uma pessoa na varanda da casa vizinha.

Deduzi ser uma garota, pois seus cabelos claros balançavam levemente com a brisa. Era a mesma garota que vi ontem.

Ela tocava um violão azul marinho e cantava suavemente, sua voz era doce e suave, a voz mais bela que já ouvi.

Fiquei ouvindo a canção até o fim, no término da música um trio estranho de baixinhos amarelos aplaudiram.

Ela mereceu, a canção foi ótima!

A observei entrar calmamente no quarto junto com os baixinhos e o mesmo cão branco.

Fiquei pensado como e de que maneira essa garota me deixou intrigado.

Essa sensação é mais forte do que aquela que senti quando a vi pela primeira vez.

Saio de meus devaneios quando minha mãe chama meu nome.

— Jack, querido venha jantar!

— Tô indo mãe! - respondi direcionando a voz pra a porta.

Fechei meu notebook em cima da cama e desci para a cozinha.

Minha mãe preparou torta de carne e lasanha pro jantar com sorvete de chocolate com baunilha para a sobremesa. Meu favorito!

— Como você acha que é o colégio? - Jamie perguntou ansioso.

— Acho vai ser legal! - afirmei.

— Eu não teria tanta certeza Riley! - comentou sem ânimo.

— Sempre animado, não é filho? - meu pai declarou retruncou.

— Muito obrigado pai! - ironizei.

— Não fale desse jeito Jack, quem sabe você não conhece um ótimo amigo! - minha mãe sorriu me animando.

— Acho que você quis dizer "amiga", né mãe? - Riley gesticulou aspas com um olhar malicioso.

— Verdade, sabemos que o Jack ficou admirado com a vizinha nova! - Jamie declarou "inocentemente".

— E se ela estudar com você Jack? Eu vou ter um novo nome na lista de cunhadas!

— Riley, você tá louca?! Eu não pensei nada disso! Considere minha dignidade! - rebati na defensiva, mas a quem eu quero enganar, desde que a vi eu só penso nesse assunto!

— Seu irmão tem razão Riley! O que ele faz ou deixa de fazer sempre vamos supervisionar, concorda Pedro?

— Claro querida! - meu pai respondeu com um sorriso.

Pov's Elsa

Depois do jantar apreciamos mousse de chocolate com calda de baunilha, sempre foi meu favorito!

(N/V: Hum... Que coincidência! Você não acha Jack?)

(N/J: Pois é, não é!?)

— Suas aulas estão perto, Elsa, desejo boa sorte com os amigos!

Essa frase da mamãe me incomodou um pouco porque não sou de fazer amigos.

— Obrigada mãe, mas mesmo depois de tudo que passou... - suspirei - Eu nunca e me senti segura em uma escola nova! - mexi o mousse, sem ânimo.

— Tudo bem filha, nós entendemos! - meu pai comentou compreensivo.

— Sempre vou estar do seu lado! - Anna acariciou meu ombro e retribuí com um sorriso.

— Irmãs por acaso... - iniciei esperando sua resposta.

— Amigas por opção! - Anna completou com sorriso gentil.

No final do jantar Sebastian ajudou minha mãe com as louças.

Entrei no meu quarto fechando a porta em seguida.

Vesti meu pijama e me deitei pensativa.

O que a Frozen School High me guarda?



Notas finais do capítulo

Pois é, né? O que será que aguarda nossa querida Elsa? Isso será respondido no próximo cap!
Caso a imagem não abra direito, a roupa da Elsa é a primeira imagem depois do texto, de blusa branca! Até logo!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "The Eight Guardians of the Universe" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.