Malfeito feito escrita por msnakegawa


Capítulo 16
Primeira reunião do Slugue


Notas iniciais do capítulo

Pessoal, eu sinto muitíssimo pelo atraso (de novo). Deixa eu explicar: eu namoro a distância e não via meu namorado a uns dois meses, por causa da greve ele voltou para a minha cidade e eu não tive tempo para escrever. Agora eu voltei para a facul e estou de volta, tentarei adiantar os próximos capítulos para que isso não aconteça. Bom, vamos ao capítulo! Espero que gostem.



Como de costume, o início do ano letivo era moleza para os marotos, mas Lily sempre achava que era preciso estudar mais. Ela organizou seus estudos para poder aprender ao máximo as matérias do quarto ano e curtir as horas vagas com suas amigas, desde os passeios à Hogsmeade até as tardes nos jardins. Num desses passeios, uma coruja veio em sua direção e pousou em cima de alguns livros que estavam no gramado trazendo consigo uma carta do professor Slughorn a convidando para a primeira reunião do Clube do Slugue.

— Severus, você recebeu o convite? — Lily correu em busca do amigo, que estava num canto do pátio, rabiscando seu livro de poções como sempre fazia.

— Acabei de receber, está dizendo que podemos trazer um acompanhante. Você vai chamar alguém? — Ele guardou o livro e sorriu timidamente para a ruiva que sentou ao seu lado.

— Eu pensei em ir com você, ou você ia convidar alguém? — Lily deu um sorriso maroto e sugestivo, deixando o amigo corado e nervoso. Ela imaginou que era porque ele gostaria de chamar outra garota e não por ter ficado extremamente feliz pela ideia de acompanhar Lily no jantar.

— Não, eu não ia convidar ninguém... Quero dizer, ia convidar você... — Snape se atrapalhou nas palavras e provocou o riso da ruiva.

A primeira reunião do Clube do Slugue era naquela noite, Severus esperava próximo ao retrato da mulher gorda, que tentava puxar conversa com o garoto alto e magricela que usava uma camisa branca com alguns babados a mais que o normal e calças sociais, já que Slughorn havia deixado bem claro que eles deviam estar bem apresentáveis para o jantar.

 Por mais que o traje exigido fosse social, Snape se surpreendeu quando sua amiga passou pelo retrato usando um vestido azul claro de mangas curtas e que ficava levemente rodado na altura da cintura, os cabelos presos de um lado com uma pequena presilha. Severus pensou que não havia visão mais bonita no mundo quando deu-lhe o braço e a acompanhou pelos corredores do castelo até a sala do professor de poções.

A sala nas masmorras estava enfeitada e iluminada para o jantar, havia uma mesa grande e redonda com uma área mais alta no centro, onde as travessas com o jantar, saladas e pãezinhos estavam.

— A comida está espetacular, professor. O senhor nunca decepciona! — Uma garota com cabelos pretos num corte chanel e olhos verde escuros sorriu para o professor depois de experimentar o jantar.

— Fico feliz que tenha gostado, Srta. Belby! — Ele acenou com a cabeça para a aluna, depois de levantou e propôs um brinde. — Eu gostaria de desejar boas vindas ao Severus Snape e Lily Evans, assim como Avery, eles são do quarto ano.

Todos bateram palmas e começaram a puxar assunto com os dois, que pareciam um pouco perdidos com tanta atenção.

— Como foi viver com os trouxas antes de vir para Hogwarts? — Um loiro de nariz empinado, claramente da Sonserina, perguntou para Lily.

— É bem parecido com a vida aqui, na verdade. Meus pais trabalhavam e eu e minha irmã, Petúnia, íamos à escola. Quando eu voltava para casa lia um livro ou via televisão. — Lily sabia que alguns alunos repudiavam os trouxas, mas ela sentia orgulho de sua família.

— No que seus pais trabalham? — Professor Slughorn perguntou. Todos diziam que ele não gostava muito dos nascidos trouxas, mas Lily desde o início o conquistou com sua determinação e inteligência.

— Minha mãe é professora e meu pai é advogado.

— Fascinante... E quando a você, Sr. Snape?

— Minha mãe é de sangue puro, era Capitã do Time de Bexigas. — Severus, ao contrário de Lily, não gostava de falar sobre sua família. Seu pai se chamava Tobias Snape, era trouxa e não aprovava muito a magia, sendo muitas vezes desagradável com o filho e até mesmo com sua esposa, Eileen Prince. Isso fez o garoto ter uma infância difícil e tumultuada, principalmente quando ele começou a mostrar seus dons para magia antes de receber sua carta de Hogwarts.

Vendo que Snape não iria prolongar seu comentário, o professor manteve a conversa, ouvindo atentamente as informações que os alunos compartilhavam e garantindo que todos interagissem. A intenção de Horácio era reunir alunos que ele pensava serem particularmente talentosos, ambiciosos, inteligentes ou bem relacionados e fazê-los debater e trocar experiências, o que os dois novatos do grupo fizeram muito bem.

Lily conversava empolgada com a garota que elogiara o jantar no início da noite, chamada Tina Belby. A garota era da Corvinal e seu primo havia inventado a Poção do Acônito, ela aspirava ser preparadora de poções também, deixando Lily impressionada com as ideias e informações que a menina sabia sobre esse assunto. Já Snape tentava manter-se atento ao que todos falavam sem ter que interagir, mas logo foi empurrado para uma conversa entre Mulciber, um sonserino do sexto ano, e Avery, que entrara no mesmo ano que ele na escola.

— Então, Snape... Não vemos muito você com os outros alunos da Sonserina, você precisa ter orgulho da nossa casa! — Avery provocou.

— Eu sou um pouco tímido, normalmente fico no meu dormitório. — Ele se encolheu, envergonhado. Na verdade, não era um pouco tímido e sim, completamente deslocado. Ele preferia ficar trancado em seu quarto a sair pelos corredores e encontrar com alunos baderneiros como os marotos ou até mesmo com alguns colegas da casa, que também pregavam peças em alunos mais novos.

— Se você é tão bom quanto Slughorn falou, é um desperdício ficar escondido e sozinho. Fique no salão comunal depois que voltar da aula, sempre achamos algo divertido para fazer. — Mulciber convidou, dando uma ênfase suspeita na última parte da frase.

O professor Horácio se despediu de todos os alunos no fim da noite, pouco antes do toque de recolher, e Snape seguiu com Lily até seu salão comunal.

— E então, o que achou? — Severus conseguia ver a empolgação estampada no rosto da garota.

— É incrível, não sabia que tinham tantas possibilidades para depois que nos formarmos e nem que haviam pessoas tão interessantes aqui. — As bochechas levemente coradas da garota deviam estar doendo depois de tanto tempo sorrindo.

— Avery me chamou para ficar junto com eles no salão comunal, acredita? — Snape havia ficado muito feliz com o convite, ainda que estivesse relutante em aceitar.

— Sev, esses garotos podem ser um pouco suspeitos, tome cuidado. — Lily ouvia boatos sobre alguns sonserinos que atacavam os primeiranistas e alguns outros alunos.

— Está com ciúme, Lily? — Severus lançou um olhar desafiador. — Se eu não estou enganado, os marotos não são um exemplo muito bom também. — Ele fechou a cara.

— Não estou com ciúmes, só fico preocup... — Lily foi interrompida por vozes que já conhecia mais do que bem.

— Ouvi alguém falar dos marotos? — James apareceu, com Sirius, Peter e Remus o acompanhando.

— O que vocês estão fazendo nos corredores a essa hora? — Lily virou para a direção dos garotos, de braços cruzados e com uma expressão acusadora.

— Podemos perguntar o mesmo para vocês, estavam num encontro? — Sirius provocou os dois, vendo que estavam arrumados demais para estarem apenas voltando da biblioteca. Snape, Lily e James ficaram vermelhos e fuzilaram Sirius com os olhos ao mesmo tempo, fazendo a cena adquirir um tom cômico.

— Estávamos no jantar do Slughorn. — Lily disse, por fim.

— Ah, mais um ano dessas reuniõezinhas para os favoritos do Horácio... Meu irmão vive falando que ano que vem ele vai entrar para o grupo. — Sirius revirou os olhos, falando do irmão com desdém.

Vendo que os marotos iam continuar os acompanhando, Severus se despediu de Lily e partiu para seu salão comunal nas masmorras. Remus, como sempre, se mostrou interessado na história que a ruiva contava sobre a reunião, mas James estava mais quieto que o normal.

Quando chegaram no Salão comunal, Evans subiu para o dormitório feminino e os marotos foram para o quarto deles, cada um se largando em uma das camas.

— Sorte que os dois estavam distraídos demais para perguntar o que estávamos fazendo, a gente podia ter se metido numa enrascada. Não acredito que vocês ainda estão com essa ideia de animagos. — Lupin parecia estar se aproximando de outra transformação, seu rosto voltava a ser mais pálido que o normal e já começava a adquirir a aparência doentia de sempre.

— Relaxa Remus, a gente nem estava fazendo nada demais. Só estávamos praticando numa sala vazia antes mesmo do toque de recolher. — Sirius falava como se já tivessem discutido aquilo milhares de vezes. — A gente não estava desrespeitando nenhuma regra e estamos quase conseguindo nos transformar, devia se orgulhar de nós!

— A gente estava desrespeitando algumas regras, mas eu entendi o que você quis dizer. — Remus voltou a repreender, mas desistiu ao ver a cara de deboche de Sirius. — Só vamos tomar mais cuidado com isso, não sei se Hogwarts é o melhor para fazer algo assim. Animagos devem ser cadastrados no ministério, e se o Dumbledore descobre vocês?

— Relaaaaaaaaxa lobinho! — Sirius surpreendeu o amigo, pulando em cima do mesmo com um travesseiro em mãos.

— A comida dessas reuniões deve ser melhor que a servida no dia das bruxas ou no natal, queria poder jantar com eles. — Peter resmungou, mudando de assunto ao pensar nos pãezinhos que a garota havia descrito como "fofinhos por dentro e crocantes por fora, perfeitos com o molho de queijos".

— Como é que aquele maldito Ranhoso conseguiu se dar tão bem assim? Vocês viram como ela estava linda naquele vestido azul? — James suspirou, querendo azarar o universo por estar contra ele e a favor daquele sonserino seboso.

— Relaxa James, amanhã tem teste de quadribol e agora que você é o capitão, tem que estar bem descansado. Esquece o Ranhoso e a ruiva por enquanto. — Peter tentou animar o garoto, o lembrando do título recém adquirido de capitão.

— É verdade, temos que escalar um bom time esse ano. O idiota do Regulus resolveu que vai entrar para o time da Sonserina, agora ficou pessoal ganhar daqueles caras. — Sirius se remexeu na cama, se arrumando embaixo dos cobertores.

James ocupou seus pensamentos no teste que teria que organizar na manhã seguinte, deixando a irritação com Ranhoso e o ciúmes de Lily para um outro momento. Ele precisava se sair muito bem como capitão, era uma responsabilidade que ele estava adorando ter, principalmente por atrair ainda mais olhares para seus cabelos bagunçados e o sorriso sedutor.



Notas finais do capítulo

O que acharam do capítulo? Estão achando legal ver um pouco mais sobre a relação do Severus e da Lily? Pela conversa do Sev com o Avery e o Mulciber (pesquisei sobre antigos membros do clube do slugue e esses dois realmente participavam, não tinham datas então eu parti para a imaginação) já dá pra imaginar no que vai dar não é? Me contem o que acharam e me desculpem pelo atraso, o próximo capítulo já tá pronto e eu juro que posto na sexta! Beijos ♥
PS: Estou tentando fazer os capítulos um pouco maiores, mas eu realmente to com bloqueio criativo então mais uma vez me desculpem!