Damaged Memories escrita por Clenery Aingremont, Clenery Aingremont


Capítulo 2
Capítulo 1 - Disappeared


Notas iniciais do capítulo

15 acompanhamentos só no prólogo. Vocês são demais ♥
Boa leitura!




Lily Potter andava de um lado para o outro, na sala de estar de sua casa, aparentando grande nervosismo. Seu marido tinha saído havia muito tempo de casa, e ainda não tinha retornado, sequer mandado notícias. Qualquer mínima coisa que fosse, mesmo um patrono pedindo por socorro.

Apesar de Sirius tentar acalmar-lhe, dizer que era completamente normal, ela sentia que algo de grave tinha acontecido. Um sentimento ruim, uma palpitação acelerada a mais na região do seio esquerdo.

Lily sempre quis entender como que um órgão tão pequeno podia ser tão agitado. Ela costumava comparar o coração às crianças, ou mesmo bebês. Esses pensamentos começaram a surgir quando soube que sua irmã, Petúnia, tinha tido um bebê, e ela não sentia-se capaz de ficar grávida naquele momento.

O mundo era injusto.

Desde criança, Lily sonhava em um dia, onde ela seguraria um ser tão pequeno e delicado quanto as suas bonecas de porcelana. Um serzinho que dependesse tanto dela, que sentiria medo de cometer qualquer deslize que pudesse cometer. Enquanto que Petúnia só olhava para os seus pais, e pensava o quanto faria de tudo para conseguir um marido, inclusive engravidar, coisa que ela nunca quis. Ela tinha medo da dor que sentiria no parto, sempre dizia que adotaria uma criança.

Seus pais estariam exultantes de felicidade, se estivessem vivos para presenciar aquele milagre, enquanto que Lily só conseguia pensar no quanto a vida era injusta, e não conseguia acreditar na repentina mudança de opinião da irmã.

Ela olhou mais uma vez para a porta, como se ela fosse um mágico portal que fosse transportar a James para dentro de casa, naquele exato momento. Era um ato inútil, considerando que ele aparataria, e daria para escutar o som de estalo do lado de fora.

Ela perguntava-se o porquê de ele ter saído, para começo de conversa, mas não conseguia chegar à uma resposta.

Recebeu algum chamado da Ordem?

Não, ela teria visto. Estava acordada, mexendo na cozinha, quando ele desapareceu.

Em um primeiro momento, desesperou-se, acreditando que seu marido tinha sido sequestrado, mas a varinha não estava mais lá, e a porta fechada, sem sinal de que algo houvesse acontecido.

O quão silencioso podia ser um sequestro? E invasão de propriedade?

Logo descartou a ideia. Mesmo a magia deixava muitos vestígios.

Ele não tinha saído com Sirius, já que ele chegou logo depois em casa, procurando por James. Depois de algumas horas de sumiço, ele resolveu sair para procurar, já preocupado, e avisar a Dumbledore.

Se ele tivesse saído e voltasse bêbado, Lily tinha certeza de que seria presa em Azkaban, por matar o marido.

Isso não seria muito exemplo para a Ordem, principalmente para os iniciantes. Estaria roubando uma cela, onde caberia alguns bons Death Eaters. A solução era acalmar-se e esperar, uma missão particularmente impossível.

A Ordem era o motivo pelo qual Lily tinha tanto medo em ter um filho. Ela queria ser feliz com o seu marido, formar a sua família, mas ela não podia fazer isso, sabendo que sua vida poderia acabar em um instante. Ela não era “pura”, e o fato de James ser, não apagava a sua origem.

Ela queria um mundo de paz para colocar o seu filho, não aquele caos.

Em meus aos seus pensamentos, Lily conseguiu acalmar-se, de certa forma, já que ficou sentada no braço do sofá, olhando fixamente para o chão. Tanto que, quando a porta abriu, ela quase caiu para trás, assustada.

— Reunião da Ordem, Lily — disse Sirius, sério.

— O que houve com James? — ela perguntou, temerosa, levantando-se com rapidez.

— Esse é o problema — ele respondeu — Nós não sabemos.

Apesar de estarem na guerra tão ativamente, Lily nunca parou para pensar que a vida de James podia estar risco. Ele era sangue puro, afinal. E muito poderoso, alguém que Voldemort gostaria muito de ter em suas tropas, como Dumbledore já enfatizou algumas vezes, nas reuniões.

Ela estava tão preocupada pela falta de informações, que nem lembrou-se de trocar de roupa, colocando apenas um casaco por cima das roupas, sem importar-se com o que estava vestindo. Quando uma reunião de emergência acontecia, as pessoas não tinham tempo para arrumar-se apropriadamente.

Lily segurou no braço de Sirius, sentindo-se incapaz de aparatar por si só. Logo sentiu o gancho no umbigo, seu corpo comprimindo-se no ar. Assim que abriu os olhos, que não percebeu estarem fechados, viu-se na sala de uma casa que não reconheceu. A cada reunião, eles trocavam a localização, alternando entre as casas de membros da Ordem.

— Remus! — Lily afastou-se de Sirius, tremendo.

Estava sendo um evento raro ver um dos amigos de seu marido aparecendo nas reuniões, ele estava em uma missão importante, segundo Dumbledore. Com a aproximação do grupo, ela acabou tornando-se grande amiga de Remus, já que identificava-se melhor com ele. Com Sirius, foi um processo mais lento. Eram amigos, mas mais por influência de James.

— O que aconteceu? Um novo ataque? — Remus aproximou-se da ruiva, as vestes ao contrário, evidentemente nervoso.

— James desapareceu — disse Lily, deixando evidente o seu abatimento.

— O quê? Como? — ele perguntou, surpreso, e quase incrédulo.

— Eu não sei! — ela desesperou-se.

— Calma! — Sirius passou o braço pelos ombros dela.

Apesar da tensão pela situação, enquanto mais pessoas vinham, Lily percebeu o jeito distante de Sirius em relação a Remus.

— Algum problema? — ela perguntou.

Remus franziu o cenho, confuso com a pergunta, enquanto que Sirius desviou o olhar, negando com a cabeça. Antes que ela pudesse insistir no assunto, Dumbledore apareceu na sala, junto com Peter, e todos sentaram-se, assim que o viram.

— Peço a calma de todos aqui presentes! Não houve nenhuma morte — anunciou Dumbledore, erguendo os braços, ainda de pé.

Peter sentou-se, roendo nervosamente a manga da camiseta de mangas compridas que usava, um estilo que ele aderiu com o passar do tempo. Era uma raridade vê-lo de camiseta sem mangas ou de mangas curtas.

— Ainda — Lily escutou Mad-Eye murmurar, e isso fez com que ela sentisse um nó na garganta, e os olhos lacrimejarem.

O choque tinha passado, era o momento em que ela ia desesperar-se.

— Alastor, por favor — disse Dumbledore, severo.

O homem deu de ombros, o olho mágico revirando na cabeça, sem importar-se.

— Contudo, — Dumbledore retomou a palavra — um de nossos companheiros desapareceu, sem deixar rastro.

Lily escutou um ofego, e seguiu com o olhar pela mesa, até encontrar Alice Longbottom, com as mãos na boca, olhando fixamente para a cadeira vazia ao seu lado.

— Sim — disse Dumbledore, também olhando para Alice — James desapareceu. Eu estive escutando o que Lily e Peter disseram sobre o que...

— Peter? — Lily levantou-se, exaltada — O que Peter tem a ver com isso?

— Ele veio falar comigo, em Hogwarts — explicou Dumbledore, tranquilamente — Ele disse que pediu sua ajuda, pois teve um problema em casa e não sabia como resolver. Então, quando James não chegou, ele veio até mim.

Lily levou seu olhar para Peter, encolhido na cadeira, ainda concentrado em roer a manga, que já estava com um rasgado.

O resto da reunião passou-se rapidamente, já que o único assunto pendente era James. Montaram vigias próximas aos locais conhecidos por terem frequentes visitas de Death Eaters, prestariam atenção às informações em locais bruxos, como bares e no ministério, entre outras medidas.

Assim que a reunião acabou, Lily foi obrigada a escutar as, praticamente, condolências de todos, mas ela ignorou-os abertamente.

— Lily? — chamou Sirius, quando ela desvencilhou-se, indo para o outro lado da mesa.

Ninguém dali esperaria a cena que viria.

Lily ergueu a mão, batendo fortemente no rosto de Peter, que caiu da cadeira, assustado e surpreso.

— Lily! — exclamou Remus.

— Seu idiota! Se você não tivesse o chamado, ele não teria sumido! Isso tudo é culpa sua! — gritou Lily.

Os seus gritos assustavam mais do que a sua mão, que não estava mais erguida. Sirius e Remus correram para segurar os seus braços, pois ela parecia ser capaz de leva-lo ao St. Mungos pela entrada dos pacientes.

— Lily, você precisa acalmar-se! Ficar nervosa não vai ajudar em nada! — Remus dizia.

— Eu quero o meu marido de volta, Remus! Eu preciso do James! Por favor!

Nada comparava-se com o desespero que ela sentia, ao saber que, talvez, James não voltaria.



Notas finais do capítulo

O capítulo não ficou muito grande. Eu tentei, mas as coisas pararam por aí :/
Espero que tenham gostado! Digam-me o que acharam do capítulo ♥
A gente se vê!