Sugartown escrita por brgscarolina, Kazuya De Su


Capítulo 3
Helena


Notas iniciais do capítulo

Hi everybody, Kazuya aqui de novo, agora com o capitulo 3 de Sugartown. Voltamos na narração da Helena, e tiveram muitas tretas esse capitulo, então adorei escrever!! ♥ kkk.. Bom então é isso, espero que vocês gostem do capitulo continuem a historia!! *-* E não esqueçam de deixar seus Reviews que par gente é muito importante. ♥

~~

Greetings earththings. Nós voltamos, como o Kazuya disse, com o terceiro capítulo dessa fanfic amorzinho que é Sugartown ♥
Espero que vocês gostem e tenham uma boa leitura, e é só isso por hoje ♥
+Eu e o Kazuya estamos montando as fichas escolares das personagens, com algumas informações e também um desenho mais ou menos como as imaginamos [vocês podem continuar com seus dream casts numa boa ♥]. Junto com as fichas, tem anexado uma foto de um all star, que é a cor do all star da personagem, porque em Sugartown, cada personagem tem uma cor de all star, já que os all stars são a "assinatura" da fanfic ♥



 

Qual é o problema desse garoto? Serio!

Depois da nossa “reunião de família” minha mãe foi conversar comigo, dizendo que as coisas iam melhorar a partir de agora e que eu devia tentar me dar bem com eles, porque agora eles eram nossa nova família. Tudo bem, eu até entendo que ela também tem o direito de ser feliz, até torço por ela, mas não sei se vou conseguir aturar um cara infantil e mal educado que ficou me encarando e rindo da minha cara enquanto eu revogava meu direito de ficar no meu quarto. E Flórida? Fala sério. Ainda bem que iria sair de casa assim que me formasse no ensino médio, então só tinha que aguentar mais um ano.

Depois de uma semana morando juntos, as coisas só pioraram, Brad me irritava propositalmente a todo o momento e em toda oportunidade que tinha. Sem falar no modo como ele jogava a toalha no chão toda manhã e na demora no banheiro justo no primeiro dia de aula, quase não tive tempo de arrumar meu cabelo.

Assim que entramos no ônibus, cumprimentei o motorista e sentei ao lado de Desmond que estava quieto lendo “A arte da Guerra”. Um garoto barulhento veio gritando do fundo do ônibus e pulando em cima do Brad, o levando para o fundo. Enquanto iam, ouvi de relance o garoto dizer “... Eu sou quarterback agora.”. Quarterback? Brad era o antigo quarterback do time de futebol então? Eu odeio esses esportes violentos. Alexandra que é do time de handbol, entrou apenas no segundo ano – já que não tinha salto com vara na Bolton – então antes disso eu evitava a ala esportiva, principalmente pra não ver Ashley e sua facção de Mean Girls.

Assim que descemos do ônibus, Desmond e eu fomos para os armários pegar os livros do primeiro tempo.

— Tenho cálculo já na primeira aula... – Suspirei, o ouvindo rir enquanto mexia no armário.

— Tá reclamando já no primeiro dia?

— Sabe que eu não sou muito boa com exatas!

— Nem com humanas... Nem biológicas...

— Desmond! – Ele sorriu. – E você? Quais as suas aulas?

— Primeiro química, depois cálculo avançado...

  De relance vi Desmond tirando seus livros gigantescos das classes avançadas de dentro do armário. Pois é, essa é a diferença entre pessoas comuns na média e pessoas que estão almejando Harvard.

— Bom dia! – A voz veio de atrás de mim. Me virei e vi Alexandra abrindo o armário e pegando seus livros, que aliás eram do tamanho dos meus.

— Bom dia! – Eu e Desmond respondemos em uníssono.

— E ai, como anda a vida com o novo irmãozinho?

Olhei pra Alexandra que parecia estar se divertindo muito com tudo aquilo, arqueando as sobrancelhas.

— Ótima! Rich é uma gracinha.

Ela revirou os olhos, me encarando desanimada.

— Eu tava falando do mais velho.

— Mais velho? Quem? Não tem mais ninguém naquela casa que eu considere como irmão. – Falei, fazendo os dois dar risada.

Andamos em direção as salas enquanto Alexandra tirava uma com a minha cara. Desmond se separou da gente no meio do caminho e seguiu pro laboratório de química depois de combinarmos almoçar juntos. Assim que viramos no corredor vimos Ashley com uma lixa de unha e mais três garotas paradas em frente a porta da sala de calculo.

— Olha lá! A loira burra já saiu do treino matinal das cachorras voadoras! – sussurrou Alexandra entre risos.

Os garotos passavam no corredor e assoviavam, enquanto Ashley os olhava com nojo fingindo ouvir o que Sabrina falava do seu lado. Pilar e Pâmela, as gêmeas do segundo ano também estavam paradas na porta, enquanto Pilar segurava os livros de Cálculo e Inglês de Ashley.

Passamos entre elas para entrarmos na sala.

— Olha se não é a “who” e a sapatão. – Sorriu Ashley. Eu ia ignorar, mas...

Alexandra olhou na direção da garota e sorriu.

—Ashley, acho que você esqueceu uma unha lascada. Essa aqui. – E então mostrou o dedo do meio. Ashley olhou de volta irritada e então voltou a lixar suas unhas.

— Como alguém consegue, sabe... Ser assim? – Alexandra perguntou enquanto riamos – As vezes me sinto em uma fic clichê.

Assim que passei pela porta, vi a sala lotada e apenas algumas mesas vagas. Brad estava lá, sentado na penúltima carteira perto da janela. Ele e seu amiguinho do ônibus riam enquanto conversavam e de vez em quando olhavam na direção de Ashley. Collin, provavelmente mais um dos antigos amigos de Brad também conversava com eles. Collin tinha cabelos lisos castanho não muito cumpridos e olhos verdes, ele era o típico playboy galinha festeiro e andava sempre com uma jaqueta escolar esportiva. Esse tipo de gente se atrai mesmo?

Alexandra e eu sentamos do outro lado da sala e uns dois minutos depois o sinal tocou. Enquanto o Sr. Fischer falava sobre derivadas e retas tangentes e mais um monte de termos que eu não entendia, Alexandra e eu fizemos planos de ir às compras no sábado, um de seus tênis soltou a sola durante o treino com as universitárias e ela precisaria comprar um novo.

A aula continuou – bem arrastada se posso dizer – e hora ou outra eu olhava na direção de Brad, que já estava quase dormindo também, parece que alguém também não gostava de cálculo. Enquanto o encarava por algum motivo que nem mesmo eu sei dizer, Brad virou em minha direção e nossos olhos se encontraram. De longe, vi o garoto franzindo o cenho e antes que eu pudesse reagir, ele virou pro outro lado. Argh! Por alguma razão aquilo me deixou extremamente irritada, eu não conseguia entender o motivo daquele garoto conseguir me irritar tanto, é algum tipo de dom natural?

Após isso, me debrucei na carteira enquanto esperava aquela aula maçante terminar. Porque eu estava olhando para ele pra começo de conversa?

A aula demorou a acabar, mesmo debruçada, ainda ouvia os argumentos idiotas da Sabrina enquanto discutia com o professor. Já a aula de inglês foi um pouco melhor, ao menos o professor falava em uma língua que eu conseguia entender.

Assim que o sinal tocou, Alexandra e eu fomos para os armários guardar os livros, após isso fomos para o refeitório. Encontramos Desmond no corredor e entramos na fila para pegar o almoço. Enquanto conversávamos, Collin entrou gritando no refeitório, passou por nós e foi em direção a uma garota que estava na nossa frente na fila. O garoto a beijou, e entrou na fila, colocando o braço em volta do pescoço dela.

— Oh. Meu. Deus. Ele não fez isso só pra cortar na fila, fez? – Alexandra começou a rir descaradamente, todos em volta olharam pra gente. Alguns riam também, provavelmente da reação dela. Desmond estava de cabeça baixa e com as orelhas parecendo pimentões.

Pegamos o almoço e fomos para uma mesa vazia no refeitório. Umas três mesas a frente, Ashley, Sabrina, as gêmeas e o resto das lideres de torcida estavam sentadas almoçando, se é que aquilo pode ser chamado de almoço, essas garotas sabem como cortar os carboidratos. Na mesa ao lado estavam, Collin e a garota da fila, o garoto do ônibus que, segundo Alexandra, chamava Drake, e bem... Brad também.

— Helena, seu cabelo tá mais armado que o normal...

— Não quero falar sobre isso! – respondi a Alexandra

— E o trabalho, vocês vão continuar?

— Não, tenho atividades do clube de astronomia depois das aulas – Desmond respondeu antes de colocar o garfo na boca.

— Eu também tenho atividades do clube de artes a partir da semana que vem! – respondi

— Você tá nessa ainda. Achei que tinha saído depois do Adam te dar aquelas pinturas macabras pra colocar na parede do seu quarto!

— Elas não são macabras, como ele diz, elas são “profundas”. E eu não cheguei a pendurar na parede do meu quarto... ou melhor, escritório.

—Ahn? Como assim?

— Brad não levou só minha paz, levou meu quarto também. – Alexandra riu.

— Eu ainda acho que vocês se encontrarem na loja aquele dia foi coincidência demais. E eu ainda estou esperando minha revanche.

— Revanche? Não lembro de você perdendo a discussão.

— Não foi o suficiente! Aquele cara conseguiu me deixar irritada! Eu, Alexandra! Irritada! 

— Tá, entendi!

Alexandra olhou para a bandeja do almoço por alguns segundos e sorriu. Pegou o copo de suco já na metade e o chacoalhou.

— Tá na hora de dar o troco. 

Desmond e Alexandra terminaram de comer, e eu, como sempre, fiquei pras trás, eles sempre tinham que esperar eu terminar pra levarmos as bandejas. Assim que terminei, levantamos da mesa e fomos em direção ao balcão. Alexandra foi na frente passando ao lado da mesa das lideres de torcida, que nem viraram o rosto na nossa direção, enquanto discutiam novas formações. Assim que Alexandra chegou perto da mesa onde Brad estava ela diminuiu a velocidade e discretamente inclinou a bandeja na direção do garoto. O copo de suco cheio até a metade deslizou pela bandeja e virou batendo na quina da mesa. A tampa do copo se desencaixou e espirrou suco na direção do garoto, encharcando a camiseta branca dele.

Brad se levantou da cadeira, olhando para a camiseta encharcada, e logo depois encarou Alexandra.

— Qual o seu problema garota? –Brad puxava a camiseta pra longe do corpo.

— Desculpa, gato, não foi de propósito... – Alexandra respondeu com um largo sorriso no rosto. Desmond e eu estávamos parados atrás de Alexandra, não sabíamos o que fazer, mas sinceramente, eu estava adorando a situação.

— Qual é Alex, tá na cara que foi de propósito. – Collin continuava sentado ao lado da garota, com o braço em volta do pescoço dela.

— Cala a boca Collin, vai quebrar o pescoço da sua namoradinha desse jeito!

— Tá bom, já chega! – disse Drake, olhando pra Brad que estava com uma expressão super irritada no rosto – Brad vem comigo, vou pegar uma camiseta limpa pra você no meu armário. E você dois, é melhor parar antes que o monitor apareça por aqui e ache que a gente tá arrumando confusão...

— Alex, Alex... Eu não namoro – Collin cortou Drake e continuo a encarar Alexandra que continuava sorrindo.

— É verdade. Acho que um carro esportivo e boa aparência não mudam essa sua personalidade de merda a ponto de alguma garota querer ficar com você a sério!

— O que é que você disse? – Collin levantou irritado da cadeira, puxando Alexandra pelo colarinho e aproximando seu rosto ao dela. Alexandra não teve reação já que continuava com sua bandeja na mão.

— Parem com isso! – disse Drake tentando acalmar a situação.

— Ei, solta ela! – Desmond passou por mim, me entregando a bandeja dele e indo em direção a Collin e Alexandra. Desmond era quieto e se envergonhava fácil, eu não conseguia imaginá-lo entrando numa briga, a não ser, bem... Pela Alexandra. O garoto empurrou a mão de Collin para o lado separando-o de Alexandra.

— Se ferrar, nerd! – Collin virou o punho na direção de Desmond acertando o rosto do garoto, o que o fez voar ao pé da mesa das lideres de torcida.

— Desmond! – Eu gritei e corri na direção dele. Um pessoal do fundo do refeitório começou a levantar para ver o que estava acontecendo, todos olhavam na nossa direção, e talvez o fato mais inesperado de toda aquela situação fosse as lideres de torcida terem parado sua conversa para observar o que estava acontecendo.

Eu tentava ajudar Desmond a se levantar, enquanto ele continuava com as mãos no lugar que tinha levado o soco. Seu rosto estava inchado e um pouco de sangue escorria do canto da sua boca. Alexandra olhou em nossa direção, então voltou a encarar Collin.

— Seu... – e jogou a bandeja na direção o do garoto. Collin colocou os braços a frente do rosto para se proteger. A bandeja ricocheteou nos braços dele e caiu em cima da mesa. Os talheres voaram da bandeja e foram parar no chão e o prato de Alexandra foi parar no colo da garota ao lado de Collin. A garota olhou para Alexandra com sangue nos olhos. Pegou o copo cheio de suco da Bandeja de Collin e jogou na direção de Alexandra.

Ela, assim como Collin, colocou os braços na frente do rosto. O copo bateu em Alexandra e voou para trás, a tampa desencaixou no ar e é claro, jogou suco em mim, Desmond, e Ashley que estava atrás da gente. Que ótimo! Tinha suco no meu cabelo, que já não estava aquelas coisas pra começo de conversa!

— Ei, vocês! – A voz veio da porta da cantina. Todos paramos e olhas de uma vez. – Diretoria! Agora!

 

Estávamos parados, em pé, de frente para o diretor enquanto pingávamos suco. Foram chamados Collin, Alexandra, Desmond, Drake, a garota com Collin que se chamava Lia, Brad, Eu e...

— Porque eu tô aqui? – Ashley olhava incrédula para o diretor.

— Você está escorrendo suco!

— Eu não tive culpa de nada! Eu estava quieta e ainda saí molhada e fedendo, e agora tenho que aguentar essa merd...

— Senhorita King! – O diretor levantou a voz. A garota assustou com o tom, então olhou para o lado irritada.

— Onde vocês acham que estão? E no primeiro dia de aula! – Nenhum de nós disse uma única palavra. O diretor nos olhava irritado – Quero que vocês limpem a bagunça que fizeram no refeitório. E os oito estão de detenção no sábado.

Ashley voltou a encarar o diretor com raiva.

— Pera, que? Não! Eu tenho compromisso no sábado! – Disse Alexandra batendo a mão na mesa do diretor.

— Sim, senhorita Loxton, você tem! Sábado, na escola, as oito. Espero que repensem o que fizeram. – Na verdade, além de Alexandra, Collin e a garota que jogou suco em mim, ninguém tinha feito muita coisa, mas ele não ia ouvir de qualquer forma.

O sermão do diretor durou mais algum tempo. Assim que fomos liberados da diretoria, Ashley saiu irritada na direção dos armários, provavelmente para trocar a roupa que segundo ela estava fedendo. Brad não estava menos irritado. Também saiu com Drake em direção aos armários. Desmond e eu entregamos a chave dos nossos armários para Alexandra que foi pegar roupas pra gente, enquanto isso, eu acompanhei Desmond até a enfermaria. Despois de deixa-lo lá, peguei minhas roupas com Alexandra e fui para o refeitório limpar a bagunça. O sinal já tinha tocado e os alunos já tinham voltado pras salas, apenas Drake e Lia estavam lá quando cheguei. Terminamos de limpar sem muita conversa. Depois disso voltei pra sala para as aulas da tarde. Brad estava lá sentado, com uma camiseta de educação física. Um pouco depois Alexandra voltou, ela tinha ido ver como Desmond estava e levar sua muda de roupas.

As aulas da tarde passaram bem rápido. Apenas os clubes esportivos começariam essa semana, então eu estava livre após as aulas. Fui até a biblioteca pegar alguns livros da aula de Literatura e acabei ficando por lá até o horário do ônibus sair. Desmond não voltou de ônibus, então acabei indo sozinha no banco. Brad estava lá com sua “turma” no fundo do ônibus. Seu humor já parecia estar bem melhor, nem parecia que tinha levado um banho de suco de laranja natural.

Desci do ônibus, Brad desceu atrás de mim. Andamos em direção à casa separados. Brad segurava uma jaqueta esportiva do time de futebol, provavelmente tinha pegado emprestada com o Drake. Eu dava passos largos tentando me distanciar dele e evitar qualquer tipo de conversa, mas é claro que ele não deixaria as coisas tão fáceis pra mim.

— É maninha... sua amiga violenta arrumou problema pra todo mundo. – Continuei andando. – Você devia escolher melhor com quem anda, vai acabar sendo mal influenciada.

Parei por um momento, me virei e olhei nos olhos dele.

— Como se você tivesse moral para falar! – Brad olhava diretamente nos meus olhos com uma expressão seria.

— Seu cabelo não está muito bom hoje, né? – Argh! Lá vem de novo o dom natural! Eu fechei meus olhos, respirei fundo e voltei a andar em direção a casa.

— Eu já disse essa manha e vou repetir, eu sei o que você está fazendo, e não vai conseguir.

— Eu também já disse essa manha, não faço ideia do que está falando. – Eu estava de verdade tentando ficar calma, mas não estava dando certo. Voltei a me virar na direção dele.

— Tudo bem Brandon Miller, se é assim que você que jogar, é assim que vai ser!

Olhei Brad nos olhos novamente da forma mais seria que consegui, Brad retribuiu meu olhar com a mesma expressão séria de antes.

— Não acabou de dizer que eu não ia conseguir?

— Não acabou de dizer que não fazia ideia do que eu estava falando?

Brad sorriu colocando as mãos atrás do pescoço, passou por mim e entrou na casa.

Qual é o problema desse garoto? Sério!

Eu agachei e coloquei as mãos no cabelo.

Tudo bem Helena. Você só tem que aguentar um ano. Apenas um ano.  E quanto mais repetia isso, mas desanimada ficava com o que estava por vir.

Me levantei e entrei em casa, deixando pra trás o primeiro dia de aula mais conturbado que já tive e que provavelmente teria pelo resto da minha vida.



Notas finais do capítulo

Já sabem ♥
Deixe eu review, favorite e recomende a fic, ajuda muito. Podem compartilhar também, a gente agradece ♥
Esperamos que tenham gostado e até o próximo ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Sugartown" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.