Hybrid: Um demônio em Beacon Hills escrita por LadyWolf


Capítulo 28
Hale


Notas iniciais do capítulo

Oi Caroquinha e fantasmas! Tudo bem com vocês? ♥'
Aqui está mais um capítulo da nossa história favorita. Vejo vocês nas notas finais ;)



 Após o confronto contra Crowley, passei dias no loft de Derek sem que mais ninguém soubesse que eu me encontrava ali; nem meus amigos e muito menos minha família. Ficar distante de tudo e de todos estava sendo ótimo para pensar e tentar colocar a cabeça no lugar, pois ainda estava muito abalada por conta de tudo o que tinha acontecido desde o jogo de lacrosse.

 Com a calmaria na cidade e bem longe da lua cheia, o lobisomem ficou praticamente o tempo todo ao meu lado, só saiu algumas vezes para comprar o que comer e, é claro, quando roubou algumas roupas do meu quarto para trazer para cá. Derek estava sendo como um anjo em minha vida e eu tinha muito que agradecê-lo.

 Porém houve uma noite que vi algo estranho e que me deixou um pouco chateada. Eu estava assistindo um filme na Netflix enquanto o mesmo tomava banho. De repente vi a luz de seu celular acender e o senti vibrar algumas vezes sobre a cama. Peguei o aparelho para dar uma olhada e na tela havia a foto de uma garota muito bonita identificada como “Babe” (Baby).

 A quem Derek estava chamando de forma tão carinhosa? Quem era aquela tal Babe? Mil pensamentos tomaram conta da minha mente e algo começou a dizer que o Hale escondia alguma coisa. Fiquei parada olhando a tela durante algum tempo e finalmente a garota desligou. Porém não demorou muito e a mesma enviou uma mensagem.

 ~ Babe: Gato, você está aí?

 Naquele mesmo instante a porta do banheiro se abriu e Derek saiu de lá secando o cabelo com uma toalha preta. Soltei o celular na hora para que o mesmo não percebesse. Porém era quase impossível não perceber que eu estava chateada com alguma coisa.

 – Hey, – disse o mesmo sentando-se na cama. – alguém me ligou?

 – Não reparei. – respondi um pouco fria.

 – Tá tudo bem? – perguntou o mesmo pegando o celular.

 – Tá.

 – Não parece. – disse Derek.

 – Tá tudo bem, é sério. – respondi me virando para o outro lado. – Só estou um pouco cansada, preciso dormir um pouco.

 – Ok. – disse o mesmo respirando fundo. – Mas se quiser conversar vou estar na sala.

 – Obrigada. – respondi.

 Derek me deu um beijo na testa, desligou a TV e saiu do quarto carregando o celular. Provavelmente iria conversar com aquela tal garota, o que me enchia de raiva, tanta raiva que lancei o travesseiro contra a porta. E foi assim que terminou aquela noite.

 Acordei na manhã seguinte e olhei para o lado. Derek já não estava mais na cama. Respirei fundo me lembrando do caso da noite anterior e me levantei prendendo o cabelo em um rabo de cavalo. Fui ao banheiro fazer minha higiene matinal. Desci as escadas devagar e o loft estava em perfeito silêncio; não havia nenhum sinal de Derek.

 Sobre a ilha da cozinha havia uma bandeja com café da manhã. Ao lado, um jarro com orquídeas, as minhas flores preferidas e também um bilhete escrito “Volto logo”. Então fui até a cafeteira e peguei um pouco de café. Quando ia me sentar dei de cara com Castiel em carne e osso parado na minha frente e acabei a deixando a xícara cair chão e ela se quebrou todinha.

 – Cas! Que susto! – falei me abaixando para catar pedacinho por pedacinho.

 – O que está fazendo aqui? – perguntou o anjo. – Não deveria estar no Inferno com Crowley?

  – É, eu deveria. – respondi enquanto limpava toda aquela bagunça. – Mas meu plano deu errado então Meg resolveu ir me resgatar junto com Derek e um feiticeiro. E, bem, aqui estou eu.

 – Meg? Mas ela não estava morta?

 – Estava, mas eu a tirei do Baixo Inferno com uma ajudinha de Rowena. Agora ela deve estar em Nova York com Magnus Bane. – disse dando de ombros enquanto lavava as mãos.

 – Emily, – disse Castiel – por que não volta para casa? Sam e Dean estão preocupados.

 – Eu sei que estão, Cas... Mas ainda não é a hora. – respondi pondo a mão no ombro do anjo. – Por favor, Cas, não conte nada a ninguém. Eu preciso de um tempo longe para colocar minha cabeça no lugar, mas juro que quando estiver bem eu voltarei para casa, ok?

 – Está bem. – respondeu o anjo com doçura. – Eu guardo o seu segredo.

 – Obrigada. – falei sorrindo.

 De repente a porta do loft se abriu e Castiel desapareceu. Duas garotas entraram carregando suas bolsas que trataram de largar na entrada. Uma delas, a de cabelos longos e lisos e roupas em tom escuro eu pude reconhecer na hora; era a garota que tinha ligado para Derek na noite anterior, a tal “Babe”.

 – Lar doce lar. – disse a outra, de cabelos curtos, se jogando no sofá sem perceber minha presença.

 – Nem acredito que estou em Beacon Hills depois de todos esses anos no Brasil. – disse “Babe”.

 – Espera, tá sentindo esse cheiro?

 – Que che-... – finalmente as garotas perceberam a minha presença. Babe se levantou me olhando. Seus olhos brilharam em amarelo e os da outra, em azul. – Quem é você?

 – Eu deveria perguntar a mesma coisa. – respondi a altura.

 – O que essas garotas trazem nessas malas? Pedra? – perguntou um homem um pouco mais velho entrando acompanhado por Derek carregando diversas malas. – Uh, acho que temos um problema.

 – Garotas, acalmem-se. – disse Derek pondo as malas no chão e vindo até nós. – Essa é minha namorada Emily. Emily, essa é minha irmã Cora, minha prima Malia e...

 – Prazer, Peter Hale, tio do Derek. – disse beijando minha mão. – Ele tem sorte de namorar uma garota tão bonita.

 Espera, a tal “Babe” na verdade era Cora Hale, a irmã de Derek? Eu estava me sentindo uma completa idiota. Como pude duvidar de Derek depois de tudo o que o Hale tinha feito por mim. Dava vontade de enfiar minha cabeça em um buraco e não sair de lá nunca mais. 

 – Emily? – perguntou Peter.

 – Ah, prazer em conhecê-los. – falei sorrindo.

 – Hey, garotas, vamos guardar essas malas. – disse Peter.

 Entre reclamações das garotas, os Hale se instalar e eu fui me sentar com Derek na sala, agora já mais calma. Eu o abracei e ele me deu um beijo na testa, seguido de um leve carinho.

 – Desculpe não ter dito nada, só fiquei sabendo que eles viriam ontem a noite e eu não quis te acordar. – disse Derek.

 – Não precisa se desculpar. – disse o dando um selinho. – Eu te amo.

 – Também te amo. – respondeu o Hale sorrindo bobo.

 – Esse bumbum que faz tumbalatum, esse bumbum que faz tumbalatá... – cantarolava Peter descendo as escadas seguido das garotas.

 – Ai, pai, lá vem você com essa música outra vez. – reclamou Malia.

 – É MC Kevinho, querida. – respondeu Peter. – Cê acredita?

 – MC Kevinho? – perguntou Derek.

 – É um cantor brasileiro. – respondeu Malia dando de ombros e se sentando.

 – Parece o Justin Bieber, mas canta algo que eles chamam de funk. – respondeu Cora. – Mas não parece mais rap do que funk.

 – Não sei quase nada sobre o Brasil. – comentei.

 – Ah, o Brasil é um país maravilhoso, com música maravilhosa e a comida nem se fala... – disse Peter. – Mas que, como qualquer outro tem seus problemas.

 – O Rio, onde moramos, é lindo, mas é um lugar muito violento. – disse Cora. – Não dá nem pra andar com o celular na rua que você pode ser assaltado.

 – Não se você for sobrenatural. – disse Malia rindo. – Cansei de assustar bandidos com os meus poderes. Aliás, falando em poderes, Emily, é verdade que você é híbrida?

 – Sim, é verdade.

 – Legal, eu também sou híbrida. – falou Malia. – Mas não como você, é claro. Eu sou uma werecoyote, mistura de lobisomem e coiote. 

 – Diferente. – falei. – Nunca ouvi falar nesse cruzamento, e olha que eu já vi muita coisa nesse mundo.

 – Ah é? – perguntou Malia.

 – Minha família é de caçadores, então desde que me entendo por gente viajo pelo país. Às vezes meu pai e meu tio me deixavam ir às missões com eles.

 – Que máximo! – exclamou Cora. – Imagina viver viajando, conhecendo lugares e pessoas novas... Deve ser uma vida ótima.

 – Nem tanto. – disse calmamente. – Imagina você ter que mudar de escola praticamente todo mês, estar fazendo amigos e ter que ir embora e nunca mais vê-los... É complicado.

 – Mas surgiram os weredemons e a família dela resolveu ficar mais tempo em Beacon Hills para resolver o problema. – disse Derek.

 – Aliás, falando em weredemons, como estão os bichões? – perguntou Peter.

 – Quietos até demais. – respondeu o lobisomem. – Mas agora que Emily não pode mais controlar o Rei do Inferno, eles com certeza vão voltar.

 – Rei do Inferno? – perguntou Cora. – Acho que já ouvi demais por hoje.

 – Então, quando começamos a ronda? – perguntou Peter.

 – Podemos começar essa noite. – disse Derek. – Só preciso reunir a alcateia.

 – Ótimo. – disse Peter. – Vai ser legal rever velhos amigos.

 Continuamos conversando por longas horas incessantemente. Os Hale, apesar de suas diferenças bastante gritantes, a primeira vista aparentavam serem pessoas legais e que tinham histórias certamente interessantes. Porém o que cada um era realmente somente o tempo poderia dizer.



Notas finais do capítulo

Fala aew, galerinha. O que estão achando da história? Vocês tem alguma sugestão ou algo que queiram ver futuramente? Deixem nos comentários!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Hybrid: Um demônio em Beacon Hills" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.