Amor, Dor e Ilusões escrita por Susu Picanço


Capítulo 9
CAPÍTULO 8 - Nada é o que parece ser...


Notas iniciais do capítulo

VOLTEI!!!!!!!!!!! Ufa!!! Até que enfim estou de volta! Estou tão feliz que desta vez demorei apenas 1 mês e 9 dias. Vocês não sabem como senti saudades de vocês. Sei, que no último capítulo deixei uma pequena "bomba", mas, não se preocupem, era só uma ideia que tive, ela não vai interferir na Fic. Porém, a notícia boa, é que vou fazer uma alternativa diferente dela, quando terminar todas as outras fics em atraso.
Quero agradecer os 36 comentários, amei cada um! Vocês não imaginam como isso me ajuda bastante para tomar minhas decisões, em como me dá força de levar a cabeça e escrever depois de um dia cansativo e triste.
Hoje terminei de escrever um artigo, que venho na lutar de concluir já faz duas semanas, fiquei tão feliz por ter recebido apoio e por concluir o artigo, que tive o desejo de concluir o que estava faltando do capítulo e assim postar para comemorar nossa pequena vitória.
Só tenho a agradecer por ter leitores como vocês, que me apoiam, me incentivam e nunca desistem de mim.
Também quero agradecer pelos novos leitores, pois sei que tem, já que alguns se manifestaram nos comentários e por ter visto que aumentou as visualizações :D
Se gostarem, não esqueçam de acompanhar :)
Se amarem, não esqueçam de favoritar :D
Se querem mais e mais capítulos, não esqueçam de recomendar ♥

É isso aí minhas lindas, tenham uma boa madrugada e até logo. Logo que eu tiver um tempinho novamente, trago o capítulo 9:D Estou ansiosa para postar ele para vocês ♥

Logo mais estarei respondendo os capítulos. Pois, é uma honra responder cada um. Só me desculpem se eu demorar um pouco.

TENHAM UMA BOA LEITURA MINHAS LINDA(O)S♥



O feudo Cullen, era um dos mais felizes, desde a chegada da nova senhora. As coisas havia melhorando bastante, principalmente, o relacionamento da família Cullen.

As manhãs, eram preenchidas de risadas alegres da pequena Alice, que seguia Bella por todos os lugares. Bella, a levava quando ia cuidar do jardim, pois, companhia da menina, alegrava seus dias.

— Olha como está nascendo uma nova rosa. – Alice comenta toda alegre. Pois, acabou se apaixonado pela pelas plantas que sua nova irmã plantava e cuidava. – Quando me casar, vou querer um jardim igual a esse.

Bella apenas ri da ingenuidade e entusiasmo da menina.

Você pode ter um jardim, sem precisar se casar, Alice. – disse para a menina, que a olhava cheia de admiração. – Não precisa de um marido para ter o que deseja. Se quiser, pode me ajudar na construção deste jardim. Ele será o nosso jardim, o que acha?

— Sério mesmo?! – perguntou a menina toda animada.

Bella balançou a cabeça, fazendo o sorriso da menina ir de orelha a orelha.

— Vou ensina-la a plantar as novas plantinhas. – Disse pegando a mão da menina, mostrando como se fazia. – Quando quiser plantar alguma planta que lhe agrade, já saberá como fazer isso sozinha. Apenas deverá fazer isso, e cuidar com muito amor e carinho, que ela irá crescer cheia de vida.

Quando as duas terminaram de colocar a última muda de roseira, Alice beija o resto de Bella.

— Obrigada por ser uma irmã maravilhosa comigo.

— Eu que agradeço por ter você. – Bella diz, com o coração cheio de felicidade e contentamento, enquanto apertava a menina em um abraço quentinho.

.

.

.

.

Enquanto que Esme andava toda animada pelos corredores do Castelo. Aos menos, com a chegada iminente do Rei, Edward seria obrigada a conviver com esposa mais tempo do que ele desejava. Ela esperava que com isso, ele poderia cair rendido ao pés da encantadora jovem. Sabia que poderia estar se iludindo, mas, não custava sonhar.

Não demorou muito, logo se encontrava na entrada do pequeno jardim que estava sendo construído.

Bella poderia não ser a jovem com quem Edward desejará se casar, mas, com certeza era a nora dos sonhos de qualquer sogra. A jovem, não apenas conquistou seus dois filhos mais jovens, como já era amada por todo o Clã. Porém, Bella era tão teimosa e orgulhosa, quanto Edward. Era incrível, vê o crescimento de sua nora. Quando ela chegou, parecia uma menina assustada e medrosa, agora já sabia bem o que queria, e não parecia temer as ordem de seu esposo nada feliz. Mas, isso não desfazia a felicidade de Esme. Esta atitude, só mostrava o quanto Bella era a esposa certa para Edward. Ele precisa de uma esposa que faça com que ele perda as rédeas. Além do mais, por bem ou por mal, os dois teriam que dividir o mesmo quarto.

— Querida, pode nos dá um momento de privacidade. – Esme diz ao chegar perto da filha. – Preciso falar com Bella.

Antes de sair, Alice beija o rosto de Bella. Quando só já se encontrava as duas, Esme se aloja em um banco ali perto, batendo ao lado para que Bella se juntasse à ela.

— Posso saber por que ainda não fez sua mudança para o quarto principal? – Esme questiona, quando Bella está ao seu lado. – Fiquei sabendo que se nega a compartilhar o mesmo quarto que Edward.

Bella dá de ombro. Enquanto tirava a terra de suas mãos.

— Sei que dirá que o dever da esposa é fazer o que esposo manda. – Bella fala de forma calma. – Mas, sinto-me ultrajada. Ele só está fazendo isso para agradar ao Rei! Eu cansei de fazer os caprichos de todos.

Esme solta um riso.

— Pelo contrário! Você está certa, nada disso é correto, no entanto, o Rei, precisa pensar que tudo está correndo da forma que ele planejou. – Ela dá um leve tapinha na perna de Bella. – Mas, entre quatro paredes, você não precisa fazer o que Edward mandar.

Bella estava surpresa com atitude de Esme, pensou que ela lhe aconselharia a obedecer as ordem de Edward, não esperava por aquilo.

— Estais a falar sério?

— Claro que sim, querida! – Esme confirma alegre. – Isso me lembra muito meu casamento. As coisas não foram fáceis. Não existe coisa pior do que ser submissa a um homem. Ele tem que saber que somos iguais, e tem que merecer nosso respeito. No entanto, aproveite essa chance para que o casamento de vocês dei certo. Não precisa ser o que ele quer, seja apenas você mesma.

—-------------##########--------------------#########-----------------###########--------------

O Clã todo estava em festa com a chegada do Rei. Desde do momento em que chegou ao feudo, não tirava os olhos de Bella. Ainda não acreditando no que estava a sua frente.

— Incrível! – O Rei exclama sem tirar os olhos de Bella. – É impressionante como são idênticas! Parece até uma imagem refletida de um espelho. Já tinha visto gêmeos, mas, nunca com tanta perfeição. – O Rei beija as mão de Bella a deixando corada, o que não passa despercebido pelo soberano. – É realmente incrível em como podem ser tão parecidas e tão diferentes ao mesmo tempo. Minha querida nora, é uma beleza selvagem e exala mistérios, enquanto que a senhora tem uma beleza angelical que exala a mais pura inocência.

O Rei se virá para Edward, sem larga a mão de Bella. O Rei estava muito feliz por ter acertado em ter obrigado Edward a se casar com aquela jovem. Agora estava mais do que evidente que Belle não merecia ser esposa do seu melhor guerreiro.

— Está de parabéns, Sir Edward. – Ele dá um sorriso para Bella. – Tem a esposa mais Bella de todo o reino. Nem minha nora tem tamanha beleza.

— Venha Majestade, o jantar está pronto a sua espera. – Edward diz, como se não tivesse escutado as palavras de seu soberano. Edward era sábio demais para ter aquele tipo de conversa. – Merece nossa melhor refeição depois de uma viagem tão cansativa.

Com isso, Edward enlaça Bella em seus braços de forma possessiva. Por mais que amasse outra, seu extinto gritava para reivindicar o que era seu por direito. Depois de tanto elogios de sua majestade para sua esposa, sentia-se no limite. Não sabia de onde vinham tal sentimento. O que o deixava ainda mais aborrecido.

Juntos se encaminham para o salão principal. Ele não queria escutar mais nenhuma palavra de seu Rei, ou acabaria fazendo uma besteira.

Logo chegaram no grande salão, onde no meio havia uma imensa mesa. A mesa estava farta das mais variadas comidas e frutas. Bella sentou-se de frente para Edward, enquanto que o Rei sentou-se ao dela e de com Esme que estava do lado filho, já que Alice estava de frente com Emmett.

O jantar ocorria de forma tranquila. O Rei colocava Edward a par dos acontecimentos do Reino. Bella foi a única que permaneceu em silencio enquanto que todos conversam entre si.

Os pensamentos dela estava nos elogios do Rei. Nunca antes alguém a elogiou, estava agradecida, e sentia-se até realmente bela como ele afirmou.

— Como tem sido a vida de casada minha jovem? – Perguntou o Rei, a tirando de seus mais profundos pensamentos.

Bella olhou para Edward, que a fitava calmamente. Ela poderia dizer a verdade, porém, isso não levaria a lugar algum.

— Tem sido um aprendizado, majestade. – Falou desviando o olhar para o Rei. – Ainda estou me adaptando em meu novo lar, porém, estou feliz em ser uma Cullen.

Isso era realmente verdade. Nunca antes foi amada e querida, como era pelo Clã Cullen. Não era uma felicidade completa, mas, era uma felicidade, isso já lhe bastava.

— Estou muito satisfeito com isso. – Disse o Rei, olhando de lado para Edward. – Não vejo a hora para que os herdeiros cheguem.

Tanto Bella, quanto Edward se engasgaram com suas bebidas. O Rei continuava a dizer:

— Quero ser o padrinho do primogênito. Será uma honra ser o guardião da criança, caso algo aconteça.

— Pode ser uma menina, majestade. – Bella contradiz.

— Isabella! – Edward a repreende por essa atitude ousada.

O Rei apenas solta uma risada, deixando ambos chocados.

— A deixe dizer o que pensa, Edward. – Ele simplesmente fala, enquanto bebia o vinho. – Fazia muito tempo que não via uma jovem como essa. É bom saber que existe fogo em tanta inocência. – Ele olha para Esme. – Não concorda comigo Lady Esme?

Esme fica desconfortável pelo rumo da conversa. Entretanto, responde friamente.

— Claro, majestade.

— Como dizia... – Ele retorna a falar olhando para Edward e Bella. – Se for um menina ou uma menina, não tem importância.

— Será um privilégio majestade. – Bella diz educadamente. Sabia que era um imenso privilégio ter esse tipo de ligação com a casa real. Não havia dúvida, seu pai iria se gabar as quatro ventos que seu futuro neto seria afilhado do Rei. No entanto, uma grande dúvida a consumiu.

— Também deve estar a ansiar pelo seu neto, agora que o príncipe se casou com minha irmã.  – Ela sabia que estava pisando em terreno frágil, mas, não suportaria ficar na agonia da dúvida.

O silêncio consumiu o local, todos a olhava surpreendido com a coragem de perguntar tal coisa na frente Edward. Ela deu um rápido olhar na direção dele, e logo em seguida se arrependeu, ele a olhava friamente.

— Peço perdão... – Começou a dizer, estava constrangida por ter feito aquela insensata pergunta.  No entanto é interrompida pelo Rei.

— Não precisa disso minha jovem. – O Rei lhe dá um pequeno sorriso, como se entende bem aquela situação. – É claro que desejo um herdeiro de meu filho. Só que ainda não fomos abençoados, ainda mais agora que meu filho teve que viajar para um tratado de paz na Escócia.

Bela não sabia que estava prendendo a respiração, até que respirou de volta quando soube que sua irmã não estava carregando um bastardo de seu esposo. Ela agradeceu a Deus, não sabia o que teria feito se fosse o contrário.

################-----------------------------------################################

Já era quase dia, quando Edward entrou em seus aposentos, com os passos cambaleantes pelo efeito da bebida. Olhou para o leito, onde se encontrava uma figura feminina, e seu desejo que estava apagado todo esse tempo, se acendeu. Enquanto se encaminhava para a cama, suas roupas iam ficado pelo caminho. Lentamente levantou as cobertas do leito, aproximando seu corpo seminu ao da jovem adormecida.

Bella acordou aos poucos, sentido leve beijos em seu pescoço e mãos à acariciando. Ela congelou quando a mão masculina se infiltrou em sua camisola, indo em direção ao seio. Para então, se deliciar com tal carícia. Bella soltou um suspiro, sentido que seu corpo de tornava brasa viva ao toque do esposo.

Percebendo que Bella estava desperta, Edward a vira de frente para ele, a beijando logo em seguida, enquanto seu polegar acariciava a linha do maxilar, sentindo a macieis de seu adorável corpo em suas mãos. Ele não queria gostar dos beijos de Bella, mas, cada vez que a beijava, mais ele queria beija-la. Os lábios dele fizeram caminhos pelas maças do rosto, pelo queixo, pelo pescoço, até encontrar a curva do ombro, onde ele beijou e deu uma leve mordida, fazendo Bella soltar um delicioso gemido.

Contudo, a jovem desperta da sedução que foi introduzida, sabendo que não poderia deixar que as coisas seguissem por esse rumo, até que Edward demostrasse ao menos respeito por ela, como sua esposa.

— Não! – Diz se afastando do marido.

Edward fica sem reação. Enquanto olhava a esposa se afastar como se ele fosse um leproso. Não entendo tal rejeição.

— O que? Mas... – Ele tenta argumentar, ainda não entendo nada do que acontecia.

— Você me ignorou por diversas passagens de luas, como se eu não fosse nada! Agora, você aparece bêbado, realmente acha que irei cair aos seus pés? Sei que é meu deve ser uma boa esposa, e serei, mas, tenho ainda o meu orgulho. – Ela diz nervosamente. Não sabendo de onde vinha tamanha coragem. – Não me deitarei com um homem, que não está em seu perfeito juízo! Não quero que ao amanhecer, você me olhe como se eu fosse a única culpa por ter se deitado comigo. Mereço mais que apenas o seu desprezo e ressentimento.

O guerreiro ficou completamente pasmo, não sabendo o que dizer, estava completamente desarmado. Estava de certa forma, envergonhado por seus atos vergonhosos. Sabia que a jovem não tinha culpa de nada, e ouvir isso da boca dela, o deixava ainda mais consciente de suas falhas. Naquele momento, vendo sua jovem esposa tremula, com rastro de lagrimas pelo rosto, tomou uma decisão. Era hora de ser o homem que era, e deixar para trás o jovem que foi.

—  Prometo não toca-la. – Diz Edward com a voz rouca pela bebida e emoções. – Agora volte a se deitar. Não irei lhe incomodar.

Todavia, Bella se deita ainda tremula e desconfiada, porém Edward mantem sua palavra e não a toca novamente. E assim, se seguiu aquela noite, onde ambos estavam deitados lado a lado, no entanto, pareciam dois desconhecidos rodeados pelo silêncio.

—---------------###########------------------#########------------------------------------------------

Enquanto isso, em uma sala fechada, Esme conversava com o Rei. Uma conversa, na qual ninguém poderia imaginar.

Esme se virá para o grande homem que era sua majestade. Mesmo com a idade, ainda era um homem viril, que atraia os olhares de todas as mulheres do reino.

— Por que fez isso? Qual motivo em obrigar Edward em se casar com a gêmea errada? – Esme questiona o Rei. – Realmente quero entender o motivo de não deixa-lo se casar com a mulher que ele desejava.

O rei a olha de forma penetrante, como se a estudasse.

— Não me diga que aquela linda jovem não lhe agradou, Senhora Esme. – Ele gesticula com as mãos, como se a jovem estivesse em sua frente. – Diga-me o que não lhe agradou? Pensei que ela seria perfeita para ser parte da família.

Esme fica contrariada com a forma em que ele diz aquelas palavras.

— Sabe muito bem do que estou falando!

— Quer a verdade nua e crua?! – Ele se aproxima, a olhando bem nos olhos. – Ela não era adequada. – Ele olha para além da janela, observando o luar. – Sempre que olho para aquela jovem, vejo o quanto acertei na escolha. Ela é tudo, que sua irmã não é. Belle é uma mulher vingativa, cruel, ardilosa e sedutora. Ela tem uma combinação destruidora, que agora está em meu controle.

Esme não consegue acreditar em tal coisa. Não era possível que seu filho amasse alguém que fosse assim. Porém, intervém pela moça:

— As pessoas mudam. Você mais que ninguém sabe disto.

O rei se aproxima, tocando levemente o dedo na lateral do rosto de Esme. Ela rapidamente se afasta dele. Não suportando tal contato.

— Não volte a me tocar, Majestade!

O rei recolhe suas mãos, voltado a falar, como se não tivesse escutado o tom ousado de sua súdita.

— Belle está além de uma redenção. Você não sabe do que ela é capaz. Todo esse tempo, estive de olho nela, e vi o que ela pode ser capaz de fazer para obter o que deseja. – Ele dá uma pausa, antes de continuar com o que iria dizer. – Sabia que ela deseja a própria irmã morta?

Esme leva a mão a boca para abafar sua incredulidade. O rei continua a falar de forma impiedosa.

— Essa é que deveria ter sido sua nora, se não fosse por mim. Acredito que você me deve ao menos agradecer isso. Quando entenderá que só quero o melhor para a sua família?

CONTINUA........



Notas finais do capítulo

Espero que vocês tenham gostado do capítulo :D

O que acharam? Será que tem algo no ar? kkkkkkk

Não deixem de comentar... Os comentários são necessários para o desenvolvimento da fic ♥

Bjs da Susu *.*