Fire meet Gasoline escrita por Vick Queen


Capítulo 45
Abrir mão da esperança


Notas iniciais do capítulo

Oi gente!

Mil desculpas pela demora, mas andei muito ocupada com diversas coisas e não tive tempo para fazer um capítulo digno.
Pois agora é OFICIAL!!!
FIRE MEET GASOLINE ESTÁ ACABANDO. FALTA CINCO CAPÍTULO
SEGUNDA TEMPORADA QUE SE CHAMA HOUSE ON FIRE JÁ CONFIRMADA.

Por favor,gente tá reta final,altas emoções,então aquelas pessoas que curtem e nunca comentaram , por favor deixem seus comentários.

Quero agradecer aos 10K de visualizações que Fire meet Gasoline está tendo desde então e também a todos que continuam acompanhado a história de Victória Stewart.

Tenham uma boa leitura!



 

P.O.V Victória  Stewart

Foram horas  dentro daquele  quarto e de  esperança eu só  tinha Hope.  Hope  era  a  única  coisa  naquele lugar podre que me importa.   Se  não  fosse por  ela  eu  já  teria  desistido  de tudo e de todos.  Foi  por  causa  de Hope que eu consegui  passar por  todas  os obstáculos.   Hope  era  a  minha primeira  filha.  Ela  era  meu  tesouro. Meu  mundo. Minha esperança.  

Justamente por essa razão, eu simplesmente  não posso aceitar  o que  Gaia me disse.   Não  posso deixa-la  matar  minha pequena.   Ainda  fico abismada  pela  capacidade  que  Gaia  tem para  ser um monstro.  Como  uma pessoa   pode desejar  o  mal  para  alguém da  própria família. 

Por  mais  que Gaia renegue  Gaia,por  ter seu  sangue  segundo ela  manchado, Hope  continua  carregando  o sangue  olimpiano  em suas  veias  e  chegava a ser  doentio  ver  alguém  a  tratar com tanto desprezo como Gaia  faz. Se antes  eu a detestava,agora  eu a  odeio  por completo e  não  vou  deixar  aquela  vadia  da  terra  tentar  encostar  em  um fio de cabelo  da  minha Hope!

Olhei  para  Hope   que  estava  dormindo serena  em meus  bracos.  

—  Prometo que nada  ira  acontecer com   você  meu amor!   -  Digo  alisando seu rosto pequenino.   -  Não  importa  quem eu tenha que matar ou  se  eu vou ter que morrer,para que isso aconteça.    -  Falo  com determinação.

Coloco  Hope  deitada na  cama  e  coloco  dois  travesseiros em cada  lado dela,formando  uma  barreira  para que ela  não rolasse  no  chão. Dou  um  beijo singelo em sua testa e me  afasto da mesma.   Agora  era  hora  de  pensar em como sair  dali.  Deveria  ter um  jeito  de fujir dali e  eu só precisava descobrir como.  Vejo  pelo canto do olho,algo  brilhante   ser arremessado para  dentro  do quarto,através da janela. Franzo  o cenho e  e vejo um dracma. 

Guarda  rapidamente  no  bolso,  quando ouço passo  vindo  do lado  de  fora  da porta. Corro até Hope  por    impulso  e   me  deito ao seu lado fingindo  dormir.  Ouço passos  desengonçados  e  uma  voz   áspera.

—  Eu  não acredito  que  ao  invés  de partir para  guerra,tenho que ficar  de  babá  da uma  maldita meio-sangue  e sua prole.   -   A  criatura  diz  e posso  ter certeza que se  trata  de um nascido  da  terra.

Sinto algo   em  meu  bolso e me lembro  que  meu  pai  havia me  dado uma  adaga  de ouço.  No  momento ela  estava  transformada  em  uma presilha  de  cabelo.   Agora eu  tinha  uma forma  de  sair e se  eu estivesse sozinha daria  para  fugir sem problemas,mas  agora  com  um bebê recém-nascido.

Respiro  fundo. Não era hora  para lamentar  e sim de  agir.   Se  eu não  fizesse nada Hope  iria pagar  com sua  vida.  Senti  que ele  se  aproximou    da mesinha e  abri  os olhos.  O nascido da  terra, colocava  uma  bandeja de comida  na mesma  e  continuava  distraído reclamando.  Peguei a  presilha  e  quando  abri a  mesma,ela  se  transformou  na  adaga dourada  que meu pai fez  para mim.

Levantei cuidadosamente.  Diminui  minha  respiração e  controlei meus passos. Se  andasse  ele  iria  me  notar.  Dessa  vez  eu teria  que mirar.  Fiz uma pequena e breve oração a  Apolo para  que  me ajudasse na mira e me  concentrei em acertar  o coração.

— Hey!  - Grite  e  o nascido da  terra se virou para mim.

Antes que ele pudesse fazer qualquer coisa,arremessei  a  adaga  em seu peito e logo  o vi  sumir  em poeira dourada.  Sorri com  o feito,tinha me livrado  dessa ameaça.  Corri até  Hope  e peguei tudo que  tinha levando comigo e  também peguei minha filha  tomando cuidado para não acorda-la.  Essa menina tem um sono pesado e  com certeza deve ter puxado isso de Ares. Ares...  Só de pensar  nele meu coração se aperta. Dessa vez é  ele quem  não vai me perdoar.

Peguei  minha  adaga  e sai do  quarto.  Assim que  fiz isso   fiquei confusa  ao encarar  um  corredor  imenso.   Começo a caminhar  sem rumo  nenhum.  Quando passo  por  uma  das portas   a mesma se abre me  dando um belo susto.  Já estava pronta para atacar  a pessoa  quando vejo que é Alice.

— Ninguém pode  aprisionar uma  filha  de Hermes!   -  Alice  diz sorrindo  de  canto.

—  Fico feliz que esteja  solta,mas preciso que  me  responda uma coisa.    -  Falo sentindo  minha  garganta  secar.

—  Diga  Victória.   – Alice me  olha  preocupada.   

—  Você  tem a  capacidade  de se  teletransportar?  - Pergunto nervosa.

—  Sim,   o colar  que meu pai me deu ainda funciona!   -  Afirmou.

   -  Òtimo!  - Exclamei.   – Conseguiu recuperar   ele.   

— Sim!  Meu carcereiro  estúpido  tinha  guardado nessa  sala.    -  Alice  diz  e tira o colar  verde do bolso.

—   Alice, você  precisa  ir  e levar ...  -  Eu travei na hora  de  continuar.

— Não.   -   Ela  negou  quando percebeu.   – Mas,  você é  a  mãe dela!   - Exclamou Alice.

Puxei  Alice para dentro da  sala  em que  ela  estava antes. Era arriscado ficar  gritando  no corredor.

—  Não  vou ser  mais, a mãe  de   mais ninguém   se ela  continuar  aqui comigo.  -  Retruquei.

— Mas Victória e  se algo  acontecer com você.   Quem vai cuidar dela?    -  Alice perguntou desesperada.

—  Eu  não vou arriscar  a  segurança  de Hope,por  nenhum egoísmo   meu. -  Digo convicta.   -    Ela tem um pai  e uma grande família  que  vai cuidar dela.   -    Digo sentindo   lágrimas  molharem  meu rosto.

—  Vai deixar Hope assim!    -  Alice  diz  desesperada.

—  Se  eu sobreviver  eu  voltarei  para  ela.    -  Digo olhando  meu anjinho adormecido.

—  Eu entendo, só que...  – Alice me olha  com  olhos  repletos de água.    -  È  como  se  você  tivesse caminhando  para  a forca,  agindo desse jeito.    -  Alice  chora.

—  Mas a  situação é  justamente  essa.     -    Digo  sem controlar  minhas   lágrimas.   -  Existe  grandes  chances  de eu morrer,  temos que ser realistas! 

—  Tudo bem,Victória  eu a levo.     -   Alice concorda.  – Mas volto para buscar  você.  – Garantiu  Alice.

—  Não  quero que  você  volte.    -  Nego rapidamente.  – Quero que fique ao lado de  minha mãe  e  Ares  e  que ajude  com  Hope e  a proteja.   -  Peço segurando suas  mãos. 

— E  você  e  as outras?    -  Alice perguntou.   

— Eu irei dar um jeito em tudo.    -  Argumento.

—  Promete?   -  Ela  perguntou chorosa.

— Sim... prometo.    -  Digo sentindo um aperto no coração.

— Se  despeça  dela, enquanto eu me preparo.   – Alice  diz se  afastando  um pouco.

Como se pudesse  sentir o  que  estava prestes  a acontecer Hope  acorda.  Seus  olhos verdes  acastanhados   brilharam como nunca antes.   Sorri para minha menina, aquela poderia  ser  a  última  vez que  veria  seu sorriso.

—  Minha doce Hope!  - Exclamo.   – Você   não  sabe o quanto me  destrói, fazer isto  meu amor.   Eu  não  quero ter que deixa-la . Eu  prometi ficar  com  você  e protege-la, mas não posso.    -  Digo soluçando de  tanto chorar.    -  Eu sou  muito perigosa para  você  meu anjo.  Você ficará  segura  com  seu papai.  -  Digo dando  um beijo na  sua  testa. 

As  mãozinhas  de Hope  tocaram delicadamente  meu rosto úmido. Fechei  os olhos  por  causa  da suavidade  do  toque, aquela poderia  ser a  última  demonstração  de  carinho  entre mim e minha filha. Posso estar sendo pessimista,mas  não tenho  bons pressentimentos em relação  ao meu futuro.

—  Filha  se eu  não conseguir voltar para  você, quero que me perdoe.    Eu prometo que  vou tentar sobreviver  esse caos.    Você  foi a melhor coisa  que me aconteceu. Você  e Ares  são as coisas mais importantes  da  minha vida.    -   Digo acariciando seu rosto.   – Eu sinto muito...  -  Digo a  entregando  para  Alice.

Hope  começa  a chorar  no  colo de  Alice.  Suas  mãos  pequeninas se  esticando  em minha  direção. Assistir  aquela  cena  me deixava  completamente  devastada.

— Saia  logo daqui Alice!  - Implorei  a  mesma.  – Sai!  - Gritei .

Uma  luz  verde  e dourada  envolveu  Alice  e  minha filha  e  uma explosão  de luz me  deixou cega por uns instantes.  Quando  minha visão se ajustou, percebi que  estava  sozinha.   Senti   meus  joelhos  cederem  e  não consegui me  manter de  pé.  Cai   no  chão  e  me  encolhi  chorando. 

Minha  filinha  estava segura  e  isso  é  tudo que  importa.   Meus  sentimentos   não importavam,  mais  que Hope.  Hope  era  sempre  em primeiro  lugar  na minha  vida  e  sempre  iria ser assim.

Levanto   do chão e  ouço algo caindo.  Olho  e  vejo  o  dracma.   Corro até  um pequeno balde  que  havia  ali e jogo  o dracma,fazendo  uma prece  a Iris.  Tudo  que  eu queria  era poder falar  com  Ares.  Não demorou  muito para eu  vê-lo.

— Ares eu sei que não tem confiança alguma em mim e eu te dei motivos para isso, mas Hope precisa de Ajuda. -  Digo  sem deixar  que  o mesmo  falasse nada.

—  Victória  aonde    você  está? Cadê   minha  filha?  - Ele me perguntou  sério.

—  Hope  deve estar  chegando em casa  com Alice.  Consegui manda-la  por meio  de Alice.    -  Digo  e meu  coração  se aperta.

—    Onde você  está ?   - Ele pergunta novamente.   

— Isso  não importa  agora!   -  Digo  com firmeza.     -  Preciso  que proteja  nossa  filha.  -  Digo  e   não consigo  impedir  as  lágrimas  de  cair.    

—  O que  está acontecendo   Victória?  Como assim  Alice  está  com Hope?   Cadê  Você?  -  Ele indaga  confuso.

—  Prometa   para  mim que  vai protege-la  de tudo e  de  todos!  - Praticamente  gritei.

—  Eu  prometo.  -  Ares diz  e posso ver  a verdade em seu olhar.  Dou  um pequeno sorriso fraco.

— Ela é sua prioridade agora.   -  Afirmo.   

— Eu  vou te encontrar Victória.    -  Ares  tenta  dizer,mas  eu  o impeço.

—   Eu  não  sou sua  prioridade  e sim Hope.   -   Grito.    -  Não  me procure ou  tente  qualquer coisa  estúpida  para me  resgatar.     Ares  desista  de   mim  e  faça  de tudo  para  proteger Hope!     -      Digo  séria.

—   Eu não te  odeio Victória.  Estou  magoado pelo  que  fez.    Mas,  não vou  deixar    você  em  perigo, eu ainda  te  amo.  -    Ares  diz nervoso e  preocupado. 

Sorrio  para   o mesmo.

—  Eu  te  amo  Ares  e sempre  irei te  amar.  Independente  de qualquer coisa.    -   Digo tudo que  estava  em  meu coração.

A  mensagem de  Iris  começa  a  acabar  e  eu   abandono  o balde  saindo     do quarto.  Havia    uma confusão  do  lado de fora.  Guardas  para todos os   lados,  gritando e  gritando ordens. Vi  quando  todos olharam para  mim.  Senti   uma  coisa  dura  bater  contra  minha   cabeça  e tudo ficar  escuro.

“Mas está ficando ruim

Morte certa

Mas eu quero o que quero

E eu tenho que conseguir

Quando o fogo morre

Céus escurecidos

Quente como um fósforo

Só sobra fumaça” — Fire meet Gasoline,Sia.



Notas finais do capítulo

FORTES EMOÇÕES EM FIRE MEET GASOLINE!

O que será que vai acontecer com Victória?

Qual será a reação de Ares?

o que acham que vai acontecer?

Saberemos na quinta-feira que é quando sai o próximo capítulo.

Espero que tenham gostado!

Muitos beijos de luz e abraços ♥

Até o próximo! ;)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Fire meet Gasoline" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.