Dépendance escrita por KarenAC


Capítulo 21
Capítulo 21 - Marca




É difícil acreditar que um homem está a dizer a verdade quando você sabe que mentiria se estivesse no lugar dele.

H. L. Mencken

 

Marinette olhava para cima, fitando a frente da Igreja de Notre Dame. Acima dela, a lua clareava a noite como se fosse dia. O prédio erguia-se majestoso, o topo como se estivesse tocando o céu, as luzes douradas nos andares de concreto mantendo a construção acordada para quem quisesse ver. Estava frio, e ela abraçou o próprio corpo enquanto caminhava, os passos ecoando pela rua como se Paris inteira estivesse vazia.

Ela olhou em volta e não viu ninguém, mas sentia que algo a observava. Quando ergueu o rosto novamente, seus olhos caíram sobre uma silhueta que estava em pé à frente do vitral da igreja, a imagem muito distante para permitir que ela diferenciasse formas.

“Esperei muito tempo por esse momento, Ladybug.”

Só então Marinette desceu os olhos para seu próprio corpo e notou que estava com seu uniforme de Ladybug. Não lembrava como havia parado ali, mas algo dentro do seu peito dizia que estava onde deveria estar, e que aquele era um caminho sem volta.

Agarrou o ioiô na cintura e olhou mais uma vez para cima, mas a sombra não se moveu. Quando abriu os lábios para falar, o sino soou acima dela, reverberando pela noite. E então, o vulto pulou, aumentando e aumentando de tamanho como se tivesse se transformado em fumaça, abrindo-se como um guarda-chuva, cobrindo todas as luzes à volta e englobando o mundo em escuridão enquanto o sino badalava incessantemente.

Uma badalada.

Duas badaladas.

Três badaladas.

 

E então ela acordou.

Marinette abriu os olhos rapidamente e piscou várias vezes tentando enxergar algo, mas tudo ainda era escuridão. O ar estava saturado, a temperatura alta fazia brotar suor em sua testa. Quando ergueu as mãos, encontrou uma barreira macia. Percebeu então, que estava embaixo de uma grossa camada de cobertores. Quando suas mãos acharam liberdade, o oxigênio entrou frio por suas narinas, enquanto a luz da manhã iluminou tudo à sua volta.

Ela olhou para o teto, mas não enxergou o cor-de-rosa familiar do seu quarto. Ao invés disso, o azul preencheu seus olhos, então todas as cenas da noite anterior voltaram à sua cabeça como um filme sendo rebobinado rapidamente. Madrugada. Adrien. Febre. Tentou levantar em reflexo sentiu algo preso em torno da sua cintura. Conforme os sentidos iam acordando junto com ela, notou também uma respiração próxima ao seu pescoço e cerrou os dentes.

Como se tivesse medo que algo fosse pular em seu rosto quando se mexesse, ela girou os olhos sem virar a cabeça, e quando uma cabeleira loira surgiu na sua visão periférica, Marinette sentiu um buraco se abrir no seu estômago.

Adrien dormia pacificamente, os olhos fechados em tranquilidade e a expressão de dor que tinha na noite passada não mais ali. O rosto de Marinette queimou ao perceber que ele ficava ainda mais bonito quando dormia. Ela notou que a curva da mandíbula dele estava mais masculina, e que as sobrancelhas grossas davam uma expressão nobre ao rosto. Pequenas sardas castanhas adornavam o nariz e o maxilar dele, e Marinette sentiu uma vontade imensa de tocá-las.

Ela tirou a mão vagarosamente debaixo do cobertor, os dedos esticados prontos para mergulharem nas pequenas marcas que a hipnotizavam, quando a campainha bateu nos seus ouvidos dela como se fosse o som mais alto do mundo. E depois de soar uma vez, outras duas vezes. Parecia que alguém do outro lado da porta tinha muita pressa em ser atendido.

Marinette arregalou os olhos e notou que Adrien sequer se mexeu. Com cuidado, girou o corpo e soltou-se devagar dos braços dele. Adrien gemeu e virou-se para o outro lado, como se reclamando de tê-la perdido.

Ela caminhou devagar até a porta da casa e ergueu-se na ponta dos pés para enxergar pelo olho mágico. Era Alya, com os braços cruzados e o pé batendo no chão em impaciência. Marinette olhou para trás, onde Adrien dormia no chão da sala e grunhiu. Marinette tentou montar uma explicação na cabeça, mas Alya tocou mais uma vez a campainha, e Marinette soube que não podia evitar atendê-la por muito mais tempo. Abriu então a porta rapidamente e saiu, fechando-a atrás de si.

“O-oi, Alya!” Marinette sorriu torto.

“Oi!? Você sabe que horas são, Marinette!?” Alya bradou, o dedo em riste próximo ao rosto dela.

“Umas... seis?”

“Seis da tarde só se for! São nove horas da manhã, Mari! E hoje tem entrega do trabalho do História!” Alya ergueu as mãos para cima como se pedindo para alguma força superior colocar juízo na cabeça de Marinette “Eu te liguei mil vezes! Você precisa dessa nota!”

“Eu sei, mas não vai dar pra ir hoje, Alya.” Marinette forçou uma tosse e cobriu a boca com a mão “Eu tô mal.”

“Que mal o quê! Sua cara chega a tá amassada de tanto dormir! Vamos pegar suas coisas pra aula!” Alya estendeu o braço e colocou a mão na maçaneta, mas Marinette pôs a mão sobre a dela, reação que Alya respondeu com uma erguida de sobrancelha.

“A casa t-tá uma bagunça, eu busco as coisas e já volto, tá?” Marinette encolheu-se tentando sorrir, mas era péssima em disfarçar situações que lhe pressionavam daquela forma.

“Marinette...” Alya recuou, cruzando os braços “O que tá acontecendo?”

“N-Nada!” Marinette sacudiu as mãos e a cabeça, como se uma atitude mais enfática fosse convencer Alya que ela não estava no mais absoluto pânico por dentro.

“Vocês já estão nessa bagunça de manhã cedo!” dobrando o corredor da entrada da casa, Marinette viu Nathanaël surgir com um grande sorriso no rosto e uma vontade de morrer gigantesca lhe arrebatou.

“Nathan!” Marinette falou mais alto do que precisava, quase em um grito “Que s-surpresa!” Mari riu nervosamente, uma mão segurando a maçaneta da porta enquanto tentava apoiar a outra desajeitadamente na cintura, falhando várias vezes antes de conseguir.

“Bom dia, Mari.” Nathanaël tinha um sorriso adorável nos lábios “Eu trouxe aquilo que te prometi.” ele piscou pra ela, um maço de folhas sacudindo em mãos.

“Você fez o trabalho pra ela!?” Alya gritou no corredor, inclinando o corpo para Nathanaël e tirando-lhe as folhas das mãos, correndo os olhos pelas linhas digitadas “E tá melhor do que o meu!” Alya atirou o trabalho no peito de Nathanaël “Você tem que deixar ela crescer, Nath!”

Marinette girava os olhos de um para outro e de volta para a porta, o pânico subindo do peito para a garganta como uma sensação de azia terrível. Respirou fundo duas vezes, aproveitando que Alya e Nathanaël estavam distraídos um com o outro.

“Gente, eu vou lá dentro buscar minhas coisas, me esperam aqui?” Marinette tentou sorrir naturalmente, mas tinha plena consciência que seus lábios deviam estar retorcidos estranhamente. Ela virou nos calcanhares e segurou a maçaneta, quando a voz de Nathanaël soou às suas costas.

“Não vai nos convidar pra entrar, Mari?”

No momento em que Marinette se virou para Nathanaël, um estalo soou e ela sentiu-se congelar.

“É Mari” a voz de Adrien estava rouca de sono, o tom de deboche respingando nas palavras “Não vai convidar eles pra entrar?” Marinette não conseguiu desgrudar os pés do chão, mas seu pescoço torceu devagar, virando o rosto para olhar Adrien.

Ele estava com o antebraço esquerdo apoiado na parede, a mão direita segurando a maçaneta da porta entreaberta. Seus cabelos estavam bagunçados, gritando ‘travesseiro’ em todas as mechas, a camisa amassada com uma borda dobrada para cima, uma janela da pele do abdome à mostra, a sombra contornando a borda do osso proeminente do quadril. No rosto, um dos cantos dos lábios repuxados em um sorriso, os olhos verdes brilhando em provocação enquanto fitava Marinette de cima para baixo.

O silêncio era tão ensurdecedor que o suspiro de surpresa que Alya soltou às costas de Marinette ecoou como um trovão. Com o som, Marinette se virou rápido, e a primeira coisa que viu foi os olhos de Nathanaël com uma expressão de dor, os lábios entreabertos e as folhas do trabalho de História pendendo das mãos como flores murchas.

“E-Ele tava doente!” Marinete começou a se explicar, o coração batendo com força como se algo lhe desse socos de dentro para fora, sacudindo seu corpo a cada palavra “Apareceu aqui de madrugada, tava com febre!” ela deu um passo na direção de Nathan, que recuou a mesma distância que ela avançou.

“Entendo.” a resposta de Nathanaël foi seca “Então ele chegou depois que eu saí?” ele perguntou, a voz carregada de desconfiança.

“Não, foi mais tarde!” ela notou Adrien abrir mais a porta atrás de si, encostando-se de braços cruzados ao lado dela como se assistisse a um show “Fala pra eles!” ela levantou o rosto para Adrien, os olhos cheios de súplica.

“Eu dormi no chão, nada aconteceu.” Adrien disse olhando tranquilamente para Nathanaël, que o fuzilava com o olhar “Não que isso fosse da sua conta.” ele adicionou, fazendo a mandíbula de Marinette travar.

“Não é da minha conta?” Nathanaël avançou dois passos, e Marinette recuou batendo com as costas no peito de Adrien “Não é mesmo da minha conta, Marinette?” Nathan puxou o ar pelas narinas e seu rosto se retorceu em decepção “Nem o cheiro dele em você é da minha conta?”

“Hey-“ Adrien começou, a voz vibrando contra as costas de Marinette.

“Você fica fora disso!” Nathan gritou, levantando o dedo na direção de Adrien antes de baixar o rosto para Marinette “Me diz, Marinette. Não é da minha conta?”

Marinette sentiu o olhar de Nathanaël sobre si e baixou o rosto para o chão, as mãos fechadas com tanta força que as unhas cravavam na pele. Atrás de si, podia sentir o olhar de Adrien sobre sua cabeça, a respiração dele em suas costas.

“Ele tava doente, Nathan.” ela ergueu os olhos do chão para o ruivo em um movimento rápido, o olhar confiante “A gente acabou pegando no sono e-“

“Chega!” Nathanaël gritou, jogando o maço de folhas no chão em um estouro e Marinette sentiu as pernas estremecerem, mas Adrien a segurou pelos ombros, mantendo-a em pé “Você é uma mentirosa.” Nathan falou entre dentes “Sabe o que ela me disse ontem?” Nathanaël ergueu os olhos para Adrien, um sorriso dolorido surgindo nos lábios.

“Nathan, não.” Marinette suspirou entre as palavras, as sobrancelhas curvando sobre os olhos.

“Que ela ia te esquecer e ficar comigo.” Nathanaël bateu no peito duas vezes com força “Comigo!” Adrien pressionou os ombros de Marinette como se tivesse medo que ela fosse sair correndo a qualquer momento.

“Nathan-“ Marinette sacudiu o corpo se livrando das mãos de Adrien e estendeu o braço para Nathanaël, mas foi a vez dele recuar, uma sombra de dor cruzando o rosto enquanto sacudia a cabeça negativamente.

Ele virou as costas e saiu andando a passos rápidos, e Marinette pegou as folhas do chão e saiu correndo, seguindo-o até a calçada onde finalmente o alcançou. Ela agarrou a manga do casaco dele, e Nathanaël parou sobre os calcanhares ao sentir o toque dela.

“Tudo bem, Marinette, eu entendo.” o ruivo baixou a cabeça, como se não tivesse coragem de olhá-la novamente “Foi minha culpa.” ele suspirou “Eu achei que podia ser alguém especial na sua vida, mas agora eu entendo que não sou nada pra você.”

“Não é verdade, Nathan! Não é isso!” Marinette o largou e fechou os punhos com força ao lado do corpo, dando a volta para vê-lo de frente, os olhos crispados furiosamente.

“Tudo bem.” Nathanaël disse em um tom cansado “Olha” ele se aproximou, um suspiro saindo dos lábios, e Marinette não recuou quando ele pousou as mãos nos ombros dela “Eu devia ter te roubado pra mim quando tive chance, mas agora é tarde demais.” ele sorriu tristemente e a voz falhou. Por um segundo, Marinette achou que ele estava prestes a chorar, mas ele apenas respirou fundo e continuou “Você merece alguém que te faça, feliz, Mari. Era só isso que eu queria pra você. Mas eu não posso te forçar a nada. Não posso te obrigar a ver que eu sou mais capaz de te fazer feliz do que ele. Eu queria poder, mas não posso.”

“Nathan, nada aconteceu.” Marinette fechou as mãos contra o peito, tentando alcançar Nathanaël para onde quer que fosse que a mente dele estivesse fugindo.

“Você se engana, Mari.” Nathanaël seguia com o mesmo sorriso triste no rosto, a visão da expressão dele quebrando o coração de Marinette “Muita coisa aconteceu, só você não consegue enxergar.” Nathanaël estendeu a mão e tocou o trabalho de História que Mari segurava “Fica com isso.”

“Eu não posso aceitar.” ela gemeu, a dor no peito crescendo enquanto sacudia a cabeça negativamente.

“Pode, e deve.” ele inclinou a cabeça “Eu fiz isso com carinho, e quero que você aceite. Prometo que é a única coisa vinda de mim que você vai ser obrigada a aceitar.”

Marinette apertou as folhas, prendendo-as entre os dedos, e no momento em que Nathanaël se afastou e deu as costas, ela soube imediatamente que fora a responsável por quebrar o coração dele em mil pedaços assim como Adrien fizera com ela quatro anos antes.

“Outra coisa” ele se virou ao longe, antes de continuar “Eu conversei com a Chloe ontem. Ela não vai mais te incomodar.” e após dizer isso, ele virou a esquina e sumiu.

Marinette se sentiu suja, com nojo de si mesma, mas agarrou as folhas contra o peito como se aquele fosse um castigo que ela devesse aceitar. Virou-se então, voltando na direção da porta de casa vagarosamente, onde Adrien estava com um olhar de quem estava prestes a correr atrás dela e Alya ao lado dele, com o olhar paciente de quem esperava ela voltar.

“Você tá bem?” Alya foi a primeira a perguntar, e Marinette sacudiu a cabeça positivamente. Não estava bem, todos ali conseguiam ver aquilo, mas se ela negasse ou abrisse a boca e dissesse uma palavra sequer, desataria a chorar novamente.

“Vamos entrar.” Adrien abriu a porta para as duas, que seguiram em frente a passos lentos e sentaram-se no sofá.

“Então você dormiu mesmo no chão.” Alya disse vendo o colchão bagunçado no chão da sala.

“Claro que dormi.” Adrien disse balançando os ombros enquanto se abaixava para dobrar os cobertores.

Marinette agarrava as folhas do trabalho com tanta força que a ponta de seus dedos doíam. Ela sentia seus braços tremerem, mas não sabia se era de frio ou de nervosismo. Fechou os olhos, amaldiçoando-se pelo momento em que se deixara levar pelos sentimentos de Nathanaël. No fundo, sempre soube que não seria uma boa ideia aceitar ficar ao lado dele, mas seu coração doía tanto toda vez que cruzava com Adrien que desejou com todas as forças poder apagá-lo de dentro de si. Desejou mais do que tudo renascer e esquecê-lo, e na frente de Nathanaël, naquele segundo, acreditou que ele teria o poder de curá-la daquela doença que era ter Adrien no seu coração.

“É verdade o que o Nath disse?” Alya perguntou baixo enquanto Adrien carregava os cobertores para o quarto dos pais de Marinette.

“É.” Marinette expirou e colocou o maço de folhas sobre o colo, as mãos ainda agarradas à elas como se fossem uma âncora.

“Não foi uma boa decisão, Mari.” Alya repreendeu, mas a voz da ruiva não tinha raiva, apenas tristeza.

“Eu sei.” Marinette baixou mais ainda a cabeça, como se quisesse sumir dentro de si mesma “Mas na hora pareceu certo, Alya. Ele disse que precisava de mim, e eu tava... Bom, você sabe.” Marinette inclinou a cabeça na direção do quarto dos pais, de onde Adrien voltava com as mãos nos bolsos.

“Marinette, posso tomar um banho?” Adrien perguntou calmamente e ela se surpreendeu como ele parecia à vontade ali. Realmente, ele era um Adrien muito diferente do que ela lembrava. Estava prestes a expulsá-lo, mandá-lo embora, que fosse tomar banho em sua própria casa, mas sentiu-se tão cansada para discutir que apenas concordou.

“Pode, tem o meu banheiro lá em cima.” Marinette apontou para o topo das escadas “Tem toalha no armarinho embaixo da pia.”

“Depois, se você puder, quero falar com você.” Adrien lançou-lhe um olhar que, para sua surpresa, não tinha deboche ou provocação. Era sincero e simples, mas o mesmo tempo ela viu uma ruga desenhar-se na testa dele, como se o assunto fosse muito importante.

Adrien sentia o coração pulsar rapidamente dentro do peito. Ouvira claramente as palavras de Nathanaël, e aquilo foi o suficiente para lhe fazer entender que Marinette não o havia esquecido. Que todos aqueles sentimentos que ela tinha por ele quatro anos antes, ainda estavam presentes ali, de alguma forma. Ele não deixaria tudo escapar. Não de novo. Não agora sabendo quem ela era de verdade. E por aquilo, também daria a ela todas as verdades que ele guardava.

“Daqui a pouco eu já vou.” Alya disse olhando para Adrien, como se justificando que eles teriam tempo a sós. Ele então concordou com a cabeça e virou-se, subindo a escada para o quarto de Marinette.

“E não mexe nas minhas coisas!” Marinette gritou ao ver ele sumir pelo alçapão.

“Não prometo nada!” a voz de Adrien voltou com um tom debochado, e Marinette revirou os olhos.

“Mari.” Alya girou o corpo sobre o sofá, dobrando uma perna e sentando-se sobre ela “Eu sei que nada disso tem sido fácil pra você, e ele não tá necessariamente ajudando” Alya jogou a cabeça na direção do quarto de Marinette, indicando onde Adrien estava “Mas você não pode se deixar levar pelos sentimentos de outras pessoas, você tem que parar com isso.”

“Eu não fiz por mal, Alya.” Marinette se justificou e Alya aproximou-se, segurando as mãos da amiga entre as suas.

“Você nunca faz por mal, eu sei disso. Por que você não veio falar comigo?” Alya perguntou inclinando a cabeça com um sorriso calmo nos lábios.

“Eu não quis incomodar. Achei que ia conseguir resolver tudo sozinha, e no final me enrosquei em todas essas histórias e acabei me perdendo.” Marinette assumia o que havia acontecido enquanto inclinava a cabeça para trás no sofá, mirando o teto “Eu achei que ficar com o Nathan ia ser bom pra ele, e bom pra mim.” murmurou no final da frase.

“Amar alguém não é favor, Mari.” Alya franziu as sobrancelhas, a voz terna de preocupação “Você precisa respeitar os seus próprios sentimentos primeiro, e por mais cruel que pareça com a outra pessoa, amar alguém por favor é ainda pior do que ficar com a pessoa por pena ou por necessidade.”

“Não era necessidade.” Marinette procurava a palavra que descrevia o que a tinha impulsionado a ter aceitado o pedido de Nathan.

“Era carência. Você tá carente. E isso é necessidade.” Marinette abriu os lábios pronta para discutir, mas Alya ergueu a mão para contê-la “E tudo bem!” Alya sacudiu os ombros “Todo mundo fica carente, Mari. Você passou muito tempo nutrindo um sentimento unilateral, e isso machuca.” Marinette fechou os olhos que antes fitavam o teto.

“Eu não quero mais sentir isso, Alya.” Marinette sussurrou mais para si mesma do que para Alya.

“Não quer?” Alya inclinou-se no sofá, e segurou o braço de Marinette, como se quisesse acordá-la de um sonho “Tem certeza absoluta que não quer? Por que você não tá se esforçando muito pra mudar isso.” Alya apontou para o andar de cima, onde se podia ouvir o chuveiro na casa silenciosa.

“Ele...“ Marinette começou, mas Alya continuou, sabendo como a frase iria terminar

“...chegou no meio da madrugada e você abriu a porta pra ele. Ele chega e você deixa ele entrar, assim como você faz com seu coração sempre que ele aparece.” Alya cutucou o peito de Marinette “Ele sempre vai estar aí, Mari. Sempre.” a ruiva sorriu tristemente “Mas eu quero que você me diga: Amar ele te machuca?”

Marinette mordeu o lábio inferior e sacudiu a cabeça positivamente, tentando segurar as lágrimas que se acumularam em seus olhos.

“Você já se perguntou porquê?” Alya segurou novamente as mãos da amiga, fazendo-a endireitar as costas e olhá-la nos olhos “Você sabe como a gente chama algo do qual dependemos mas que nos faz mal, Mari?” Marinette sacudiu negativamente a cabeça “O nome disso é vício. Amar o Adrien é seu vício, Marinette, e você precisa mudar isso. Precisa mudar isso agora, porque vícios matam a gente.” Alya torceu os lábios em uma expressão de dor “Você já perguntou pra ele porquê ele foi embora?”

“Não.” Marinette admitiu, inclinando-se para a frente e afundando o rosto nas mãos.

“Então esse é o primeiro passo.” Alya se levantou do sofá “Quando ele sair daquele banheiro, vai ser a sua chance de colocar tudo em em pratos limpos, de começar do zero.” Marinette olhava a ruiva, ouvindo os conselhos com cuidado. Alya sempre fora muito mais madura do que ela, e suspirou fundo ao pensar que gostaria de ser mais como a amiga.

“Eu não reconheço mais ele, Alya. Não sei como lidar com ele.” Marinette levantou-se junto com a amiga, caminhando com ela até a porta.

“Então aprenda. Do zero, lembra? Tirem o passado a limpo e resolvam o que tem pra ser resolvido.” Alya levou a mão até a maçaneta da porta “Não é pra continuar, Mari. É pra recomeçar.” Antes de sair, Alya arrancou o maço de folhas do trabalho da mão de Marinette “E me dá essa porcaria que eu vou entregar isso e salvar a sua bunda pela última vez!”

“O que eu faria sem você, Alya?” Marinette curvou as sobrancelhas e segurou a porta, sentindo o coração pular de gratidão.

“Estaria aí entrando em pânico e se contorcendo no chão que nem uma minhoca no asfalto quente!” Alya riu, e Marinette a acompanhou, sentindo o coração mais leve “E vê se me liga depois, caralho, que eu quero saber o que aconteceu!” Alya deu um peteleco no nariz de Marinette, que o cobriu ainda rindo.

“Eu te amo, Alya.” Marinette jogou os braços ao redor da amiga, que retribuiu o abraço com carinho.

“Eu também te amo, sua doida.” Alya riu e afastou-se devagar, abanando enquanto desaparecia pelo corredor.

Marinette fechou a porta e encostou a testa na madeira, inspirando e expirando profundamente. Virou-se e olhou para a escada à sua esquerda, o silêncio no andar de cima indicando que Adrien já havia terminado o banho. A hora tinha chegado. Ela estava cansada de esperar, cansada de sofrer. Adrien lhe devia respostas, e ela ia consegui-las por bem ou por mal.

Subiu as escadas, sentindo o coração golpear o peito a cada passo, o cheiro de sabonete lhe envolvendo, tão familiar e ao mesmo tempo tão estranho. Ela chegou ao topo das escadas e viu Adrien virado de costas, segurando um porta-retratos na mão direita. O porta-retratos com a foto que eles haviam tirado com toda a turma na sétima série.

Adrien estava sem camisa, uma toalha de banho pendurada no pescoço, onde os pingos das mechas loiras caíam e secavam, vestindo apenas as calças pretas com as quais chegara na noite anterior. As costas dele eram torneadas em músculos bem desenvolvidos, os ombros largos curvados em concentração pelo objetos nas mãos. Marinette sentiu-se engolir a seco quando notou as grandes cicatrizes que ele tinha nas costas, de formatos e profundidade diferentes, e parecendo também terem sido feitas em ocasiões diferentes.

 

O que aconteceu com você, Adrien?

 

Como se tivesse escutado seus pensamentos, Adrien virou-se na direção dela, segurando as pontas da toalha que carregava no pescoço, e então ela a viu. Marinette levou as duas mãos à boca rapidamente, sentindo uma pontada atingir-lhe a cabeça como um tiro. Ela deu um passo pra trás, depois dois, e cambaleou ao chegar na beirada da escada. Adrien vinha na sua direção, emitindo palavras que diziam que ela não devia recuar mais, dizendo que ela estava prestes a cair da escada, mas os olhos de Marinette não estavam no rosto preocupado dele. Não estavam nas mãos estendidas que tentavam alcançá-la. Os olhos dela e todos os demais sentidos que tinha estavam fixos na cicatriz de borboleta em alto relevo marcada no peito dele.



Notas finais do capítulo

O próximo capítulo deve levar uns três ou quatro dias pra ficar pronto, porque é o meu preferido e eu quero que seja perfeito, então segurem as pontas ♥

Se estiverem gostando da história, não esqueçam de favoritar e comentar! ^___^

Obrigada! *---*