Destinados escrita por Queenie Malfoy


Capítulo 1
Capítulo Único


Notas iniciais do capítulo

Fanfic baseada na imagem da Capa.
É uma repostagem, não é plágio.



Sirius se perguntou como é que ele, o homem mais desejado do mundo mágico, o lindo, sexy e sedutor herdeiro da família Black, se viu preso em casa com seu namorado numa noite de sábado, e pior, cuidando de dois bebês.

— Não, Potter, você não pode colocar isso na boca. – Severus disse, calmamente, retirando o enfeite da mãozinha ligeiramente babada de Harry.

— Ele mal pode falar, Sev, chame-o de Harry, pelo amor de Merlin. – Sirius disse, revirando os olhos.

— Farei isso quando você chamar meu afilhado de Draco.

— Mas o Mini-Malfoy gosta de como o chamo. – Sirius se defendeu.

            Severus lançou-lhe um olhar afiado, que fez o animago se encolher.

— Olha só quem está limpinho e cheiroso. – Remus disse, entrando com Draco em seus braços.

— Ah, Remie, como é que você não está numa festa? Eu estou de castigo, mas você podia sair para se divertir. – Sirius disse, sem entender porquê o amigo ficava ali, quando podia sair para festejar e arrumar alguém.

— Prefiro ajudar Severus com os meninos. Não é fácil cuidar dos dois sozinho. – O lobisomem respondeu, colocando Draco no tapete, ao lado de Harry.

— Mas eu estou aqui!

            As risadas sarcásticas dos dois não agradaram ao jovem auror.

— Ei… eu sou útil.

— Sim, o útil que deixou Draco se sujar todo de sopa. – Remus disse. – Francamente, Sirius.

— Mas ele queria pegar a colher! – Sirius se defendeu.

— E só por isso…

            Os três homens pararam de falar ao ouvir as vozes alteradas vindas da porta. Severus grunhiu, certamente, eram os pais dos bebês. Os dois casais tinham ido a mesma festa do Ministério, e agora se encontraram ao ir buscar os filhos, os quatro entraram na casa sem cerimônias, muito distraídos com suas argumentações.

— Você tem uma cara de pau sem tamanho, Malfoy! Ficar andando por ai como se estivese tudo bem… todo mundo sabe que você deveria estar em Azkaban! – James gritou.

— O Ministério discorda da sua opinião, auror Potter, e se continuar me perseguindo, vou processá-lo por injúria. Ser um herói de guerra não lhe dá o direito de perseguir magos de que não gosta. – Lucius respondeu, com um tom de voz glacial.

— Melhor ser um herói do que…

— James, já chega! – Lily gritou. – Já me basta o escândalo que armou na festa. Foi embaraçoso, não sei onde esqueceu sua educação hoje.

— Gritar como a mulher de um peixeiro também não é lá muito elegante. – Narcissa espetou.

— Ei! Eu estou tentando ajudar, sua esnobe de nariz em pé. – Lily grunhiu.

— Senhoras, por favor, que tal se acalmarem? – Remus pediu. – Seus maridos já estão causando problemas o suficiente.

— Ela começou! – As duas disseram ao mesmo tempo, e voltaram todos a discutir.

            Harry, que estava acostumado com gritos, não se assustou, mas Draco, que vivia num ambiente mais calmo se pôs a choramingar, incomodado com a briga. Harry, decidido a animar seu amiguinho o puxou para perto e beijou-lhe, exatamente como via seu papai fazer quando mamãe estava chateada. Draco piscou, confuso, mas logo riu e bateu palminhas, coisa que chamou a atenção dos adultos da sala. Harry, feliz por ter animado o amiguinho voltou a plantar-lhe um beijo estalado na boca, que resultou numa onda de magia percorrendo a sala. Era um encontro de almas gêmeas.

— H-Harry, querido… – Lily gritou horrorizada.

— D-Draco! – Narcissa e Lucius gritaram ao mesmo tempo que a ruiva.

            Severus e Remus riram das expressões chocadas dos pais dos meninos.

— Tão pequeno e já tão sedutor, já fisgou sua cobrinha, não é, Harry? Esse é meu afilhado! – Sirius disse, fazendo caretas cômicas e fazendo os dois meninos rirem. – Isso mesmo, não liguem para os velhos resmungões. Tio Sirius vai azarar as bundas ossudas deles, se eles chatearem meus meninos bonitos.

— Eu também! – Severus e Remus disseram, para horror dos pais desesperados.

— Preciso de um uísque. – Lucius disse, se sentando.

— Eu te acompanho. – James concordou.

            Lily e Narcissa se olharam por um minuto, como que se reavaliando.

— Draco é lindo, Harry tem bom gosto. – Lily elogiou.

— Certamente um Potter não é tão mal, mas precisamos conversar sobre esse cabelo do seu menino… pobre criança.

— Culpa dos genes de James e da maldição de Voldemort, já tentei de tudo. – Lily disse, com pesar.



Notas finais do capítulo

E foi isso, curto e direto ao ponto.
O que acharam?