I Miss The Misery escrita por Ladylake


Capítulo 80
2ª Temporada- Eu menti-lhe...


Notas iniciais do capítulo

Oie meus amores! Desculpem pela demora mas eu tive que fazer uma mini pausa na Fanfic mas voltei :3

Boa Leitura~



 

"Eu estou tão calma por fora, mas por dentro está uma bagunça que eu nem sei por onde começar a arrumar"

—Ladylake Storm

 

 

(… 1 semana depois…)

 

 

—Lake, o médico está aqui para te ver…

Rosalya entra no quarto e olha-me com um olhar carregado e triste. Eu assento e ajeito-me na cama, sentando-me com cuidado. Hoje faço 9 semanas de gravidez. Christina, Nate e Rosalya insistiram para que arranjássemos um médico para me “acompanhar”. Eu não tive muito voto na matéria. Poucos segundos depois, batem na porta e eu dou permissão para entrar.

—Bom dia Ladylake, como se sente? -pergunta o homem de vestimenta branca, com um leve sorriso no rosto.

—Estou bem, já tive melhores dias -respondo sem grande ânimo.

O médico prepara uma máquina e um monitor. Parece ser para fazer uma ecografia. Rosalya pega numa cadeira e senta-se ao meu lado.

—Quanto tempo? -pergunta o homem, colocando o gel na minha barriga.

—Faz hoje 9 semanas. Ui! Está frio -faço uma careta.

A sonda massaja a minha barriga fazendo movimentos circulares. Eu sinto umas pontadas de dor assim que o médico pressiona com alguma força em certos sítios que estavam mais doridos. Ele franze a testa e olha para o ecógrafo.

—Há algum problema? -pergunta Rosalya.

—O bebé está bem -começa_ mas…

Ele levanta-se e aponta para o monitor. Eu e Rosalya não percebemos nada.

—Estão a ver esta mancha negra aqui? -pergunta. Nós assentimos_ É onde o seu útero vai-se rasgar primeiro. Não dou nem 2 meses para isso acontecer.

Eu mordo o lábio, fuzilando o homem já com uma certa idade á mina frente que acabou de me dizer que eu e o bebé que estou a gerar dentro de mim temos apenas mais 2 meses de vida.

—Você ainda vai a tempo -diz.

—Eu não vou abortar -digo bastante séria.

Ele dá um leve sorriso, olhando para mim de maneira estranha. Eu não consigo perceber se é compaixão ou sarcasmo.

—De 0 a 10… como é a dor? -quase que sussurra.

Engulo em seco, olhando-o nos olhos. A minha visão começa a ficar embaciada por conta da minha emoção.

—5… -respondo, tentando não quebrar.

—Seja sincera -pede meigo. Eu desabo.

—Um 8…

Fungo, limpando ás pequenas lágrimas no canto do olho com os pulsos.

—Tem mais uma semana para pensar.

A consulta termina poucos minutos depois. Rosalya acompanha o médico até á saída, deixando-me sozinha com os meus pensamentos. Ela regressa uns minutos depois e senta-se perto de mim com uma cara serena.

—Eu já sei o que vais dizer… -adianto-me dando um sorriso bobo.

—Eu só espero que saibas o que estás a fazer… -devolve triste.

—Não te preocupes Rosa -pego na mão dela_ Vai tudo correr bem. Podes passar-me o portátil?

Ela diz que sim com a cabeça e levanta-se caminhando em direção á secretária de Castiel. Rosalya pega o portátil e pousa o mesmo em cima das minhas pernas. Eu agradeço.

—Qualquer coisa estou lá em baixo -comunica a platinada, antes de fechar a porta do quarto.

Ligo o computador e vou direitinha ao Skype. Estou a morrer de saudades de Castiel. Preciso de ouvir a sua, ver o seu rosto…

Espero pacientemente a ligação estabelecer e, quando vejo um rosto ensonado do outro lado da tela, dou um sorriso radiante.

 

—Acordei-te? —brinco.

—Não, nós já estamos de pé á algum tempo —responde coçando os olhos.

—O médico acabou de sair daqui… —lanço a bomba.

 

Imediatamente ele se ajeita no que parece ser um sofá e parece ficar mais desperto.

—O que é que ele disse? —pergunta preocupado.

—Ele disse que eu estou bem —eu esforço-me o máximo possível para tentar ser credível.

—Tens a certeza de que estás bem? Estás com um mau aspeto… —Castiel fica a encarar-me durante uns tempos.

—Tenho saudades tuas… —sussurro com um sorriso derretido nos lábios.

—Eu também estou cheio de saudades tuas. Podes mostrar a barriga? —pergunta babado.

—Claro —eu levanto a camisola e coloco-me de lado.

 

Oiço barulhos de fundo e Castiel retira os olhos de mim e olha em frente. Ele conversa com alguém e depois assente.

 

—Tenho que ir. Amo-vos muito —ele dá uma piscadinha de olho e desliga de seguida.

 

Desligo o computador e suspiro. Eu detesto mentir-lhe, mas eu tenho a certeza de que se eu dissesse exatamente o que o médico me disse, ele teria apanhado o primeiro voo de volta para Portugal. Daqui a 1 semana eu voltarei a vê-lo, então, conversaremos aí então…

 

P.O.V. Ladylake Off

P.O.V. Castiel On

 

 

Lysandre chama-me e pede para que vá ter com ele á sala principal. Qual não é o meu espanto quando vejo o Pernalonga amigo da Lake na minha sala. Franzo o sobrolho assim que o vejo e lanço um olhar desconfiado para o platinado.

—Ele insistiu… -justifica-se Lysandre.

—O que é que fazes aqui? -pergunto cruzando os braços_ Não és de Nova Iorque?

—Sou -ele responde_ mas mal soube que estavas aqui, tinha que vir falar contigo.

Dou um olhar em Lysandre e o mesmo dá um olhar em mim. Eu assento com a cabeça e dou a indicação para irmos para a varanda do apartamento. Sento-me numa das cadeiras e ele segue-me fazendo o mesmo. Machine Gun mete a mão no bolso e retira um maço de tabaco e aponta para mim, perguntando sem palavras se sou servido. Eu aproveito e retiro um. Não é todos os dias que nos oferecem tabaco de borla.

Ele retira outra coisa do bolso, mas não é um isqueiro como eu pensava. É um colar com um pingente em forma de lua.

—É da Lake -diz ele, colocando o colar na mesa á nossa frente_ Eu não te estou a tentar provocar se é isso que estás a pensar…

Machin Gun estende finalmente o isqueiro e eu pego para acender o cigarro. Dou um longo bafo e a potência do mesmo logo me bate no corpo.

—É bom não é? -ele pergunta rindo.

—O meu corpo não está habituado a isto, estás a tentar matar-me? -devolvo sarcástico. Ele ri dizendo que não com a cabeça.

 

P.O.V. Castiel Off

P.O.V. Ladylake On

 

 

(…1 semana depois…)

 

 

A campainha toca freneticamente. Apresso-me a descer as escadas para abrir a porta com um sorriso gigante no rosto. Eu sei de quem é que se trata! Oiço Gwen ralhar comigo, e, mesmo com as dores intensas eu só quero abrir a porta e ver a pessoa do outro lado. Abro a porta e atiro-me para cima de Castiel que me abraça com força. Seguro o seu rosto e beijo-o cheia de saudades. Ele retribui do mesmo jeito, distribuindo pequenos beijos pelo meu pescoço e bochechas.

—Menina, você não pode andar a correr assim de um lado para o outro… -diz Gwen. Eu desfaço o abraço e olho para o lado onde ela cruza os braços zangada.

—Eu sei Gwen, desculpe… -faço um beicinho. Ela faz uma cara de repreensão.

—Hey maninho -Rosalya desce as escadas e abraça o irmão_ Hey meu amor -ela beija o Lysandre.

—Tive tantas saudades tuas… -sussurro encostando o rosto no pescoço perfumado de Castiel.

—Eu também tive saudades tuas -ele beija-me com calma. Sinto as suas mãos pousarem sobre a mina barriga já crescida_ Como é que te sentes?

Eu molho os lábios e olhos nos seus olhos. Acabo por dar um sorriso derretido.

—Eu estou bem. A comidinha caseira da Gwen tem-me feito muito bem -respondo.

Ajudo Castiel a trazer as coisas para cima, mas logo me mandam um berro para eu estar sossegada. Reviro os olhos, fazendo uma careta. Eu estou com dores na barriga, não nas pernas okay?

O ruivo trás para cima a última mala de viagem e pousa a mesma no quarto, perto da cama. Eu abraço-o por trás, feliz por ele estar finalmente em casa.

—Tu não imaginas quem é que apareceu no nosso apartamento uns dias antes de nos virmos embora -diz Castiel com um sorriso fraco no rosto.

—Quem? -pergunto curiosa, sentando-me na cama.

Ele não responde e apenas retira algo do bolso das calças. Eu fito o frágil fio prateado com uma meia lua.

—O meu colar…! -pego no mesmo_ Á 1 ano que desapareceu. A última vez que o usei foi com o… -eu travo e reflito_ Machine?

Castiel assente.

—Ele foi na paz -começa_ apenas quis devolver o colar e desejar as maiores felicidades…, mas que sente a tua falta -ele baixa um pouco a cabeça, cerrando o maxilar_ Não te preocupes, eu não contei nada sobre a gravidez.

—Fizeste bem -quase que sussurro amassando o fio na palma da minha mão_ mas eu ainda no tenho coragem para falar com o Machine…ainda é tudo muito fresco para mim.

Castiel faz um carinho no meu rosto e desce para a minha barriga bastante saliente. A sua mão massaja cuidadosamente casa centímetro da minha pele. Sinto uma sensação de alívio completo assim que o calor da sua mão entra em contacto com a minha barriga de quase 3 meses.

—Ainda te dói muito…? -pergunta calmo e triste. Eu assento.

—Tomei os analgésicos de manhã, meio que ajuda -confesso_ mas dormir á noite é o pior…

Eu estou a mentir com todos os dentes que tenho na boca, mas preocupá-lo está fora de questão. Eu não tomei analgésicos nenhuns de manhã porque já tomei a minha dose na semana passada. Agora só daqui a 2 semanas.

 

 

(…)

 

 

P.O.V. Ladylake Off

P.O.V. Castiel On

 

18:03 marca o relógio da cozinha. O som da torradeira a expulsar as torradas indicam-me que as mesmas já estão feitas. Pego nas fatias de pão torrado e coloco sobre um prato, passando manteiga rapidamente, aproveitando que ainda estão quentes. Dou uma trinca sem me conter e lambo os dedos gordurosos com um sorriso no rosto. Vejo Rosalya entrar na cozinha e limpo as mãos a um pano. Gwen vai-me matar se descobrir que fui eu que sujei o pano de manteiga.

—Hey mano, também te deu a fome? -brinca, abrindo o frigorifico. Eu assento com a boca cheia.

—A Lake parece estar a melhorar, talvez o médico estivesse errado -começo, mas antes de continuar, beberico um pouco de leite_ parece não estar com dores devido aos analgésicos que tomou de manhã e… -Rosalya corta-me.

—Espera… o quê? -ela faz uma careta_ quais analgésicos? Ela não tomou nada hoje de manhã.

Eu mastigo devagar, sem entender o que a minha irmã acabou de me dizer.

—Como assim não tomou? Ela disse-me que recebeu a dose dela hoje de manhã e que está bem -finalizo.

—Castiel a dose dela foi-lhe dada na semana passada. Ela contorcia-se na cama de dor -Rosa engole em seco_ Ela não tem estado a melhorar de todo… o médico deu-lhe mais 1 mês até o útero se rasgar.

Paro de mastigar e engulo. Pouso a caneca de leite com força na mesa e caminho em direção ás escadas.

—C-Castiel ela não precisa de…

Não ligo para a minha irmã e subo as escadas vendo vermelho por todo o lado. Abro a porta do quarto e fito-a na cama vendo Tv.

 

P.O.V. Castiel Off

P.O.V. Ladylake On

 

—Assustaste-me, porque é que abriste a porta assim? -pergunto encarando-o.

Ela bate com a porta com bastante força. Eu dou um salto na cama e fico a olhá-lo sem entender a sua reação.

—Castiel! WTF!

Ele aproxima-se da cama, e, quando dou por mim, ele deixa-se cair de joelhos á minha frente soluçando. O seu rosto começa-se a encher de lágrimas e é então que eu percebo…

—Porque é que me mentiste?! -grita. Eu engulo em seco.

—Tu tinhas apanhado o primeiro voo para cá… -sussurro_ eu sei o quão aquele contrato era importante para ti e para o Lysandre!

—Não tinhas o direito!!

Eu abandono a luta. Eu sei que ele tem razão e não vale a pena insistir.

 

 

(…2 meses depois…)

 

 

—Eu aposto que é uma menina! -grita Rosalya do banco de trás.

Estou viva, mas isso não quer dizer que esteja fora de perigo. Depois de várias consultas no médico, o próprio disse que ainda corro o risco de ter uma hemorragia interna se as paredes do meu útero se rasgarem. As noites têm sido melhores. Já consigo dormir algumas horas, mas nada de extraordinário. As dores apenas aliviaram, não desapareceram. Tem dias em que são insuportáveis e outros em que se aguentam se tentarmos não pensar nelas. O médico diz que é uma sorte eu ainda estar aqui para contar-vos a história, apesar de a minha barriga ser mais pequena do que a de Rosalya.

Por falar na platinada, ela já se mudou para o apartamento de Lysandre. Na semana passada o casal floco de neve descobriu que vão ter uma menina. Rosalya ficou babada. Era mesmo o que ela queria.

—Eu aposto 10€ contigo em que é um rapaz -devolve Castiel retirando os olhos da estrada por um segundo e olhando na irmã. 

—É uma menina Castiel, aceita que dói menos – rebato rindo.

O ruivo estaciona o carro. Eu sou a última a sair, mesmo com alguma ajuda de Rosalya. Esperámos cerca de 15 minutos na sala de espera, até que nos chamam.

—Boa tarde Ladylake, pensei que nunca mais a ia ver -diz o médico, assim que me vê.

—Também estou feliz por vê-lo -devolvo sarcástica.

Com alguma ajuda, subo na cama e deito-me tentando ficar o mais confortável possível. Pego na mão de Castiel procurando desesperadamente por algum conforto.

O gel frio é colocado sobre a minha barriga e a sonda começa a massajar cuidadosamente. Espreito para o monitor, mas não percebo quase nada.

—Já o sentiu pela primeira vez? -pergunta o médico. Eu digo que não com a cabeça.

—Isso é estranho, eu comecei logo a senti-la no fim do 3º mês -comenta Rosalya_ tu estás quase no 5º.

Eu dou um longo suspiro. Começo a ficar com os nervos em franja.

—Querem saber o sexo do bebé? -pergunta o médico com um sorriso nos lábios.

—Sim claro -logo responde Castiel.

—Parabéns é… -ele faz suspense_ uma menina.

Rosalya levanta-se da cadeira e goza com Castiel. A platinada estende a mão, pedindo pelos 10€ apostados ainda á pouco. O ruivo vai á carteira e estende a nota para a irmã.

—Ela está bem, mas contem com um parto prematuro. Ela é bastante pequena para o que devia ser. Como estão as dores?

—Abrandaram -digo_ mas de vez em quando atacam com força.

—Coma mais Fast Food -sussurra o médico_ ela precisa de crescer e você de ganhar uns quilos.

A consulta termina 10 minutos depois. Estou feliz por saber que vou ter uma menina e pelos pequenos saltinhos que Rosalya vai dando, não sou a única. Contamos a notícia mal chegámos a casa. Gwen abraçou-me como nunca me abraçou na vida e sussurrou “Parabéns, tu mereces” no meu ouvido. Foi a primeira vez que ela me tratou por “tu”. Á noite, quando me preparava para vestir uma t-shirt larga de Castiel para dormir, não pude resistir em olhar-me ao espelho. Parece que tudo ficou mais real, agora que sei que vou ter uma menina. A minhas mãos acariciam levemente a minha barriga oval, o que me faz dar um sorriso derretido.

(...) I'm waiting for you baby girl ♥ (...)



Notas finais do capítulo

É uma menina! Vocês estão animados? Eu estou!

Até ao próximo capitulo ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "I Miss The Misery" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.