Collide escrita por Allie Próvier


Capítulo 37
37. O baile


Notas iniciais do capítulo

PRIMEIRAMENTE, obrigada Queen Less pela recomendação amorzinho que fez pra fic nessa semana! Fiquei muito feliz, de verdade. Cada demonstração de carinho de vocês me faz ter ainda mais vontade de melhorar essa história ♥
"SEGUNDAMENTE", quem aí tá roendo os dedos de ansiedade? HAHAHAHAHA. Espero que gostem do capítulo! AH, e agradeçam à La Bestia Negra pela música tema do capítulo de hoje! Ela me recomendou lá no capítulo 28 e eu ME APAIXONEI pela música! Então, obrigada La Bestia Negra, pela música e por estar acompanhando até aqui. ♥

P.S: Tem aviso no final, NÃO ESQUEÇAM de ler!!!




CAPÍTULO 37

 

Você se foi tão rápido, eu quero você de volta.
Você queima tão brilhante, você me queima hoje à noite.
Você era um cometa e eu o perdi.

Skillet - Watching for Comets

 

   Eu realmente não sei como sobrevivi até a sexta-feira. Mas aqui estava eu, no salão de beleza preparando cabelo e unhas com uma Eve rabugenta ao meu lado.

— Meu dedo arde como o inferno. – ela resmungou. – Seria melhor se eu tivesse feito minhas unhas em casa, aquela mulher quase arrancou o meu dedo fora.

   Sorri, achando graça da manicure que se encolheu sob o olhar de Eve, no outro lado do salão. Ela já cuidava de outra cliente, mas Eve a estava amedrontando. Minhas unhas já estavam feitas e só faltava os nossos cabelos ficarem prontos. Eu sabia o quanto Eve ficava impaciente em salões de beleza – com toda aquela quantidade de mulheres falando sem parar e, agora, com seu dedão do pé ainda com resquícios de sangue na cutícula que a manicure tirou de mal jeito -, mas eu me sentia ainda mais agoniada.

   Eu não havia mais conversado com Daniel desde a mensagem em que ele avisou que voltaria na formatura. Mas hoje de manhã ele me disse que estaria me esperando às 19:00 na entrada do baile. Eve o xingou e quis arrancar o celular da minha mão, para manda-lo ser homem e ir me buscar em casa, mas eu a impedi por pouco.

   De qualquer forma, como eu iria me arrumar na casa de Eve e Jack passaria lá para busca-la, eu iria com eles. Eu olhava para o relógio a todo momento, ansiosa para ir embora, me enfiar em meu vestido e correr para a festa. Eve parecia tão ansiosa quanto eu. Por fim, quando nossos cabelos ficaram lustrosos, soltos e brilhantes, pagamos pelo serviço e saímos voando do salão.

   Quando chegamos em casa, Vanessa já nos esperava com uma câmera fotográfica em mãos, toda animada e pronta para nos fotografar de todos os ângulos possíveis enquanto nos arrumávamos. Passamos as horas seguintes ajeitando nosso cabelo da forma que queríamos e preparando a maquiagem. Vanessa nos ajudou em tudo, entre uma lágrima e outra por estarmos “tão crescidas e belas”. Em certo momento minha mãe ligou e ficamos nos falando por vídeo. Ela chorou horrores quando nos viu e se sentiu culpada por não estar conosco, mas logo a acalmamos.

   Quando deu 18:40 e a buzina de Jack soou, Eve saiu do quarto e desceu rapidamente para recebe-lo. Eu fiquei no quarto, parada em frente ao espelho observando meu reflexo. Respirei fundo, sentindo todo o meu corpo formigar. Era como se eu estivesse anestesiada, mas eu sabia que isso não era porque eu estava calma. Longe disso. É aquele tipo de torpor que vem quando você está tão assustada e sem reação, que seu corpo amolece. Meu cabelo estava lindo, minha maquiagem também. Meu vestido era o que eu sempre imaginei para o meu baile de formatura. Mas nada daquilo parecia fazer muito sentido no momento, porque eu não fazia ideia do que me esperava.

   Ouvi as vozes de Jack e Vanessa no primeiro andar, elogiando-a. Sorri levemente, suspirando. Estava na hora. Peguei minha bolsa de mão e coloquei o que precisaria dentro dela. Desci as escadas enquanto via Vanessa fotografando Eve e Jack juntos. Quando as fotos terminaram, o olhar deles subiu e caiu sobre mim. Todos os três sorriram abertamente e Eve esticou os braços para me abraçar. Eu a rodeei com meus braços e ela me apertou. Um flash nos capturou.

— Oh, meu Deus. – Vanessa choramingou, passando um dedo no canto dos olhos. – Eu vou chorar.

— Chega de choro, mãe. – Eve revirou os olhos.

   Tiramos várias fotos juntos e Vanessa tirou várias fotos minhas sozinha, para enviá-las à minha mãe. Por fim, saímos da casa e Jack parecia eufórico. Eve ligou o rádio e Jack foi tagarelando por todo o caminho sobre como a decoração do baile estava – já que ele foi um dos responsáveis pela organização – e o quanto iríamos gostar.

   Eu apenas sorria diante do que ele dizia, enquanto tentava manter meus nervos tranquilos. Não estava sendo fácil. Logo chegamos ao local e estava abarrotado de carros e pessoas. Como o tema era “Noite de Gala”, a entrada estava toda decorada com luzes e um tapete vermelho. Os fotógrafos contratados pelo colégio estavam fotografando todos que chegavam. Da rua conseguíamos ouvir um pouco da música que tocava. Encontramos uma vaga para o carro e saímos do carro. Eve logo envolveu seu braço no de Jack e eu apertei a bolsa em minhas mãos, olhando ao redor ansiosa.

   Daniel disse que estaria na entrada, mas eu não havia visto ele e nem seu carro. Respirei fundo, sentindo meu coração quase pulando para fora do peito. Eve segurou minha mão, sorrindo carinhosamente para mim, tentando me acalmar. Retribuí com um sorrisinho nervoso e voltei a passar os olhos pelo local. E logo o encontrei.

   Estava encostado em um carro qualquer, com as mãos no bolso do terno preto que se adequava perfeitamente ao seu corpo. Seu cabelo escuro e liso estava penteado, mas ainda tinha o ar meio bagunçado de sempre, com alguns fios da franja caindo sobre a testa. Sua barba tinha crescido um pouco. Era a barba dos 3 dias. Seus olhos pareciam mais verdes do que nunca, e eu me vi segurando a respiração sem perceber.

— Você está quase roxa. – Eve cochichou, me sacudindo de leve, e flagrei Jack me olhando com um riso contido. – Respire e vai lá.

— Ok, eu vou. – suspirei. – Podem ir na frente, eu vejo vocês lá dentro.

   Eles assentiram e passaram por Daniel. Só então ele notou nossa presença. Jack e Eve o cumprimentaram e ele pareceu sair de um transe. Sorriu e os cumprimentou de volta, e logo começou a olhar ao redor. Seu olhar caiu sobre mim, à cerca de três metros de distância. Senti seus olhos me avaliarem de cima à baixo e ele sorriu levemente, umedecendo os lábios enquanto eu sentia minha face arder. Andei devagar até ele.

Take Me Home – My Home Away From Home

— Oi. – falei.

— Oi.

   Ficamos nos olhando por alguns segundos e ele riu um pouco. Parecíamos dois adolescentes envergonhados no primeiro encontro.

— Você está linda. – ele disse, me olhando nos olhos. – Acho que terei que espantar alguns caras com uma vara hoje.

   Revirei os olhos, tentando conter o sorriso idiota.

— Você também está lindo. – respondi. – Talvez eu tenha que ficar de olho no seu fã-clube.

— Ah, elas vieram! – ele riu. – Mas todas acompanhadas.

— Eu não me surpreenderia se elas viessem acompanhadas umas das outras para tentar sequestra-lo hoje.

   Daniel riu e me ofereceu seu braço. O envolvi no meu e ele me guiou até a entrada. Fechei os olhos entorpecida quando senti o cheiro do seu perfume, com o coração ainda à mil. Ele parecia tranquilo ao meu lado, mas eu via algo nos olhos dele. Tinha algo o incomodando. Mordi o lábio inferior, me sentindo ainda mais nervosa. Eu não fazia ideia de como falar tudo para ele.

   Paramos no tapete vermelho e tiramos algumas fotos juntos. Poderíamos pegá-las depois para guardar de recordação. Quando entramos no ginásio do colégio, nos deparamos com um local totalmente diferente do habitual. As cores usadas na decoração eram preto, branco e dourado, e era tudo muito bem iluminado nos pontos certos. Jack e os outros responsáveis pela arrumação realmente se empenharam. Estava tudo muito bem feito e organizado. Até a comida servida parecia ter saído de um banquete cheio de classe, e eu logo peguei um mini hambúrguer. Daniel pegava bebidas para nós enquanto eu olhava ao redor, à procura de Eve.

   Seus olhos encontraram-se com os meus no outro lado do local e ela acenou, sorrindo. Uma música animada começou a tocar e Jack a puxou para dançar. Sorri enquanto observava os dois juntos. Senti Daniel parar ao meu lado e ele me deu minha bebida. Sorri em agradecimento, enquanto bebia um gole da mesma. Ele me pegou pelo pulso delicadamente e me puxou para o meio da multidão. Paramos ao lado de Eve e Jack, que sorriam para nós dois e começamos a dançar juntos.

   Eve virou-se para mim e me pegou pelas mãos, me rodopiando ao seu redor animadamente. Apesar de todo o nervosismo, eu me sentia feliz por ver o quanto ela estava sorridente. Ela nunca se preocupou muito com festas ou coisas do tipo, a formatura não parecia muita coisa para ela, mas eu via o quanto ela estava feliz por estar ali agora. E eu sabia que era graças à Jack. Eu desejava fortemente que eles jamais perdessem o que tinham.

   Logo fui jogada para cima de Daniel novamente e eu podia jurar que aquelas bebidas já haviam sido batizadas por algum aluno engraçadinho, porque eu sentia todo o meu corpo leve e minha cabeça nas nuvens. Comecei a rir à toa e Daniel me segurou na cintura, puxando-me para ele. Nos mexíamos no ritmo da música e eu fechei os olhos, sentindo todo o clima ao redor.

   Era engraçado estar aqui, nesse momento, sentindo essa energia. Porque era exatamente – senão melhor – igual a energia das formaturas que eu sempre via nos filmes colegiais. Ao menos nesse quesito eles não me decepcionaram.

   Daniel envolveu seus braços em minha cintura e me puxou para ele. Sorri, sentindo meu corpo flutuar e seus lábios vindo de encontro aos meus. Suspirei, aprofundando o beijo. Beijar Daniel era como estar na beira de um precipício. Eu sentia um arrepio percorrer toda a minha espinha, meu estômago levitar dentro de mim e minhas mãos formigavam, desejando mais dele. Mas eu não tinha medo de cair. Não mais.

   Continuamos dançando por um bom tempo juntos. Mais e mais pessoas foram se juntando ao nosso redor e em certo momento eu avistei Benjamin e Mia dançando juntos. Eles também nos viram e acenaram para mim. Daniel estava distraído e não os viu. Depois de várias músicas e vários copos daquela bebida batizada que já estava me deixando zonza, Daniel foi ao banheiro e eu sentei em uma mesa, sentindo minha cabeça rodar. Respirei fundo, tentando me situar. A última coisa que eu queria era ficar bêbada hoje e não conseguir fazer a bendita declaração à Daniel.

— Ally! – uma voz cantarolou.

   Olhei para trás e dei de cara com Mia e Benjamin vindo na minha direção. Fiquei de pé, um pouco tonta, e os abracei.

— Eu amei o seu vestido! – ela sorriu. – Você e Dan estão lindos hoje!

— Obrigada. – sorri, agradecida. Mia parecia tão doce aos meus olhos agora. – E você está maravilhosa, como sempre.

   Ela sorriu abertamente, parecendo orgulhosa enquanto alisava a saia de seu vestido e o olhava, toda boba.

— Onde está aquele idiota? – Benjamin perguntou, arqueando uma sobrancelha. – Vocês já...?

   Senti meu sorriso murchar e balancei a cabeça negativamente. Mia disse que iria ao banheiro para retocar a maquiagem e fiquei a sós com Benjamim. Ele se aproximou de mim.

— Está com medo? – ele perguntou baixo, mas alto o suficiente para que eu conseguisse ouvir mesmo com a música alta.

Medo não é a palavra certa... – respondi, desviando o olhar do dele, mas vi que ele revirou os olhos. – É mais um leve temor de que no final dê tudo errado e...

— Ele ama você, Jones. – Benjamin sorriu, me reconfortando e segurando uma de minhas mãos. – Confia em mim. E se ainda assim ele não te escutar, é porque realmente é um idiota. E nesse momento ele está vindo para cá...

— Atrapalho?

   Daniel parou ao nosso lado, as mãos nos bolsos e um olhar cortante sobre Benjamim. Logo seu olhar caiu para nossas mãos unidas e Benjamim me soltou. Nós nos olhamos levemente sem graça com a situação e Benjamim apenas fez um aceno com a cabeça para o primo, se afastando em seguida. De repente, o clima entre eu e Daniel ficou esquisito. Sua pose tranquila desapareceu e ele quase parecia o mesmo Daniel da noite em que...

   Bem, em que aparentemente tudo ruiu de vez.

— Daniel, nós não...

— Não importa. – ele me cortou, desviando o olhar de mim. – O que vocês dois fazem realmente não me importa, Allison.

— Ele veio com Mia. – falei, vendo Mia saindo do banheiro com Yui e Jane, e Ben abraçando-a. Daniel seguiu meu olhar com uma expressão indecifrável. – Aquela noite realmente não significou nada. Eu preciso conversar com você.

   Ele voltou seu olhar sério para mim e assentiu fracamente. Segurei sua mão e o levei para longe dali. Tentei imaginar um lugar próximo que estivesse tranquilo, e logo lembrei de algumas escadas de emergência atrás do ginásio que levavam ao estacionamento. Seguimos por lá, ouvindo a música se distanciar cada vez mais. Assim que descemos as escadas e eu abri a porta de metal, o ar gelado da noite nos atingiu. O estacionamento estava lotado de carros, mas éramos as únicas pessoas ali.

Skillet – Watching For Comets

   Virei-me para Daniel e o flagrei me observando com um olhar chateado. Ele retesou o maxilar e desviou o olhar do meu, e percebi o quanto seus olhos começaram a brilhar repentinamente. Ele estava chorando?

— O que você queria conversar comigo? – ele perguntou, e percebi que tentava disfarçar sua expressão e sua voz rouca.

   Engoli em seco, sentindo tudo rodar. Respirei fundo e fechei os olhos com força, para tentar manter o equilíbrio. Não desmaie agora, Allison Jones. Pelo amor de Deus.

    Passei as mãos nervosamente pela saia do vestido e suspirei, voltando a olhá-lo. Reuni toda a coragem que eu tinha e falei:

Eu amo você.

   Seu corpo paralisou e ele permaneceu com o olhar fixo em uma pedra que estava no chão, próxima à nós. Seus olhos não piscavam.

— Me desculpe por ter demorado tanto para perceber e admitir isso. – falei rapidamente, sentindo que as palavras apenas saíam sem meu controle. – Eu passei tanto tempo com a ideia fixa de que amava Benjamin que não percebi o quanto tudo aquilo era vago e insignificante. Benjamin não significa nada do que eu pensava, Daniel. E naquela noite...

— Ally...

— Não, me deixe terminar, por favor. – pedi, interrompendo-o rapidamente. – Naquela noite eu achei que se fosse a uma festa com ele, tudo se resolveria. Eu estava tão chateada com você... Eu senti que tudo saía do meu controle, Daniel. – meus olhos arderam e eu senti que iria chorar a qualquer momento, enquanto nos olhávamos profundamente quase sem respirar. – Eu me sentia tão confusa com tudo e ainda mais quando o vi beijando Louise. Mas quando Benjamin me beijou, eu... Eu não senti nada. Foi tão esquisito. – ri fracamente, passando uma mão trêmula em meus cabelos. – Parecia que não era certo. E eu senti a sua falta. Senti falta de cada maldito pedacinho seu. Então eu fui para Carmel ver minha família e resolvi colocar no papel tudo o que eu sentia... – minha voz ficou fraca enquanto eu abria minha bolsa de mão e pegava a folha gasta com meus dedos trêmulos. Daniel acompanhava cada movimento meu. – Foi preciso meses e letras tortas para eu perceber o óbvio. Você é a minha pessoa, Daniel. Eu amo você mais do que... Mais do que aquele maldito sorvete de chocomenta que você me apresentou, mais do que aquela viagem ao Oregon e todos os momentos que tivemos juntos. Você foi a melhor coisa que me aconteceu em muito tempo.

   Minhas bochechas já estavam molhadas pelas lágrimas e eu podia me imaginar toda rosada. Meu coração mal se aguentava no peito. Eu sentia que qualquer vento que passasse por nós agora pudesse me derrubar. O efeito do álcool ainda estava em minhas veias, mas eu não acreditava que era apenas isso. Eu senti que ia desabar, ali, na frente dele. Cada pedacinho meu tremia e ansiava por uma resposta que não vinha.

   Daniel respirou fundo e seu olhar não parava em mim. Eu percebi suas mãos trêmulas como as minhas e ele ficou inquieto. Seus olhos brilhavam dolorosamente.

— Diz alguma coisa. – pedi num fio de voz. – Qualquer coisa.

— Me desculpe. – ele murmurou, finalmente encontrando meus olhos. – Ally, eu acho que nós dois não...

   Sua voz morreu, enquanto ele engolia em seco e parecia não saber o que dizer. Dei um passo em sua direção, segurando o papel com as anotações fortemente entre meus dedos.

— Como assim?

— Eu não acho que estejamos prontos. – ele disse, por fim. – Em todo esse tempo nós dois... Nós dois corremos e paramos no mesmo lugar. Eu pensei muito enquanto estava em Nova York e acho que o melhor...

— Não diz isso, Daniel. – murmurei, sentindo uma dor se alastrar pelo meu peito.

— ... Acho que o melhor será nos separarmos e ver como será mais para frente.

— E o que você espera?! – explodi, passando as mãos no rosto e sentindo um misto de tristeza e raiva incontroláveis. – Que a gente fique dez anos longe um do outro para nos encontrarmos depois e, de repente, tudo dar certo?!

— Ally, pense com clareza. – ele pediu, firme.

— Eu pensei com clareza, Sullivan! – falei, minha voz aumentando dez oitavas. – Eu passei dias pensando com clareza para falar a você tudo o que eu sinto depois de todo esse tempo, e você quer me convencer de que é melhor eu desistir de tudo? Não foi você que me pediu para não desistir?

— Foi. – ele engoliu em seco. – Mas foi antes de eu... Pensar com clareza também. Me desculpe.

   Fiquei parada onde estava, sentindo o mundo rodar ao meu redor. Eu quis enchê-lo de tapas. Quis jogar tudo o que havia ao nosso redor em sua cabeça, gritar e perguntar por que diabos ele estava sendo tão imbecil, mas não tive forças. Eu não sabia o que era aquilo. Não sabia se era um castigo ou uma pegadinha. Eu quis correr para longe dele e esquecer toda aquela merda que eu havia escrito. Me senti ainda mais idiota por ter acreditado que ele iria...

— Eu amo você, Ally. – ele disse, me olhando dolorosamente. – No fundo eu também não quero isso, mas eu realmente acredito que não estamos prontos agora, talvez daqui a um tempo nós...

— Não haverá mais merda nenhuma de “nós”. – falei entredentes, sorrindo amargurada. – Você é desprezível, Daniel. Esquece tudo o que eu disse.

— Ally...

   Me afastei dele, dando meia volta e indo em direção aos carros. Ele segurou meu pulso e eu puxei meu braço com violência, afastando-o de mim. Ele arregalou os olhos, me olhando desnorteado. Joguei o papel amassado em seu peito e andei a passos rápidos pelo estacionamento. Abracei a mim mesma, sentindo minha respiração falhar e meu coração bater rápido demais. A falta de ar começava a me atacar e eu fechei os olhos com força, tentando me acalmar enquanto um gemido de choro tentava escapar pelos meus lábios. Mordi as costas da mão, tentando contê-lo.

   Eu odiava Daniel, o odiava com todas as forças.

   Atravessei o gramado que rodeava o estacionamento e segurei a saia do vestido com força. Senti meu celular vibrar dentro da bolsa de mão, mas ignorei. Andei desnorteada até a rua e só então lembrei que estava sem carro. Funguei, me sentindo uma miserável. Ri de mim mesma, ao mesmo tempo que fazia força para não chorar mais. Como tudo pôde dar tão errado assim, tão rápido?

   Eu coloquei toda aquela merda no papel, aguentei todos esses dias esperando para falar com ele, me enfiei nesse maldito vestido para chegar aqui e ele... Ele...

— Ally?

   Olhei para trás e vi que James, meu antigo parceiro de Biologia, me observava. Tentei engolir o choro e disfarçar o quanto me sentia um lixo, mas ele parecia perceber muito bem.

— Você está bem? – ele perguntou, delicado. – Quer uma carona?

— Eu estou legal. – forcei um sorriso. – Não se preocupe, não quero estragar a sua noite.

   Ele sorriu sentido e deu de ombros.

— Ela já acabou para mim também.

   Nós nos olhamos por alguns segundos e eu vi nele um reflexo de mim. Mas menos vermelho e choroso. Ao menos eu não era a única tendo uma noite de merda, afinal. Aceitei sua carona e ele me levou até seu carro, ambos em silêncio. Não falamos nada durante o caminho até meu apartamento. Parecíamos ambos perdidos em pensamentos. Quando chegamos, o agradeci baixinho pela carona e o abracei uma última vez, sabendo que dificilmente nos veríamos novamente.

   Fiquei olhando os números dos andares passando lentamente no painel do elevador. Meu celular vibrava enlouquecidamente em minha bolsa, mas levei minha mente para longe e o esqueci. Larguei minha bolsa no sofá quando entrei em casa e arranquei o vestido de mim ali mesmo, no meio da sala. O deixei no chão e me arrastei até o banheiro. No meio do corredor, uma súbita vontade de vomitar me atingiu e corri, depositando tudo dentro do vaso sanitário. Respirei fundo e lavei o rosto, arrancando a maquiagem. Fiquei observando meu reflexo no espelho e sorri fracamente.

   Tirei os brincos e soltei o cabelo, passando os dedos por ele. E quando me enfiei no meio das minhas cobertas, desejei que tudo desaparecesse. Desejei que Daniel fosse embora, que os últimos meses desaparecessem da minha mente e que meu coração se livrasse daquilo tudo. Afundei meu rosto no travesseiro e suspirei, tentando esquecer aquela noite de uma vez por todas. Eu não queria sentir aquilo novamente. Nunca mais.

   Dormi rapidamente e tive uma noite sem sonhos.



Notas finais do capítulo

Espero que ninguém queira me matar, HAHAHAHAHA. Mas se quiserem, lembrem-se que... O GRUPO FOI CRIADO!!! ♥
Então, tecnicamente esse é o último capítulo! O próximo será o epílogo e ele será postado ao mesmo tempo com o 1º capítulo da 2ª temporada! Porque eu sei que todo mundo aqui é ansioso e eu também sou, não aguento guardar as coisas por muito tempo, hahahaha.
Então, o que acharam? Quem aí já imaginava que isso aconteceria, hein? Agora, a principal questão é: O QUE SERÁ DA 2ª TEMPORADA? HAHAHA.
Me joguem suas apostas, quero MUITO saber o que acharam do desfecho dessa temporada e o que esperam pra próxima!

[IMPORTANTE!!!]
CRIEI O GRUPO NO FACEBOOK!!! Fiquei tão feliz por vocês terem apoiado a ideia, eu tava louca pra criar o grupo, hahahaha. Então, ele já foi criado e tá lá bonitinho pra todo mundo entrar! Se vocês quiserem me adicionar também, fiquem a vontade, tá? ♥
É só pedirem pra entrar que eu aceito todo mundo! Vocês vão poder me perguntar o que quiserem por lá: Sobre a história, sobre futuros capítulos, etc. Sempre postarei prévias dos capítulos novos também, antes de postar! Também avisarei sobre a postagem de capítulos novos, postarei fotinhas dos personagens, tudo!
O link do grupo é: https://www.facebook.com/groups/209079426170113/?fref=ts

Espero todos(as) lá ♥



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Collide" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.