Pokémon Alma de Prata escrita por JuliaMolinari


Capítulo 16
Amizade, chuva e lembranças


Notas iniciais do capítulo

Demorou, né? Bom, capitulo novo ^^ Eu gostei especialmente desse...



Este capítulo também está disponível no +Fiction: plusfiction.com/book/67557/chapter/16

Capitulo 16 - Amizade, chuva e lembranças

CHOMP CHOMP CHOMP

- Jewel, pare de comer essas porcarias. Sua mãe não ia gostar nem um pouco de saber disso.

Ethan olhou para Jewel censurando-a. A garota tinha em mãos um saco de batatas e brincava de jogá-las para cima, abocanhando-as e mastigando ruidosamente.

- Não enche, o que mais eu tenho pra comer? Além disso, minha mãe não está vendo. – Falou atirando uma das batatas para Hades que a acompanhava fora de sua Pokébola.

- Podia cozinhar de vez em quando, não?

Jewel soltou uma gargalhada.

- Acha que o que eu cozinho é mais saudável que isso? – Perguntou ainda rindo.

- Bem...

Ethan ficou quieto. Pensando bem, já conhecia os dotes culinários da menina. Não queria morrer envenenado tão cedo... E suas habilidades com cozinha não eram muito melhores que as delas também. Pelo jeito, a única solução eram os salgadinhos mesmo.

- Viu? – Provocou Jewel ainda rindo – Pare de reclamar, você parece um velho.

Ele simplesmente soltou um muxoxo de desaprovação e continuou andando.

Os dois caminhavam pela Rota 36, aproveitando o calor matinal. O dia amanhecera meio nublado, porém quente. Jewel ainda estava exaltada pela vitória no ginásio de Goldenrod do dia anterior. Todo instante puxava do bolso a caixinha delicada onde guardava suas insígnias e ficava observando-as por um tempo, para então guardá-las novamente.

Então quebrando o silencio da manhã, ouviram sons de cascos batendo, velozes. A garota virou-se para olhar, tendo tempo apenas de ver uma mulher passar galopando rapidamente no lombo de uma Rapidash.

- Ethan, olha aquilo! – Falou a menina empolgada. O Pokémon passara tão rápido e entrara numa pequena estradinha de terra que mal dava para vê-lo mais.

- Ah, ela deve estar indo para a fazenda de criação de Ponyta... – Falou ele abrindo seu guia de viagem.

- Criação de Ponyta?

- Uhum. – Ele passou o guia para ela – Seguindo por essa trilha tem uma fazenda que cria Ponytas. Eles têm uma manada bem grande.

- Nossa, isso é incrível! Eu sempre adorei Ponytas!

- Tem razão, são Pokémons muito interessantes...

- Podíamos passar lá dar uma olhada, não?

- Deixa eu ver... – Ethan tomou o guia novamente, procurando algo – Aqui! Parece que eles são abertos para visitas.

- E o que estamos esperando? Vamos logo!

Os dois entraram na pequena estradinha, Jewel pulando animadamente. Ethan também estava gostando da idéia, poderia ajudar nos seus estudos sobre Pokémons. Quando mais espécies diferentes ele visse, melhor seria.

Logo avistaram a entrada da fazenda. Era um lugar enorme, num campo aberto. Podia-se ver um capim verdinho nos pastos cheios de Ponyta e Rapidash, e ao fundo, ficava um estábulo grande ao lado de uma casa no estilo interiorano.

A porteira do lugar estava aberta, então os dois entraram à procura de alguém que trabalhasse lá. Mas logo deram de cara com um dos piquetes cercados, onde estava uma Ponyta jovem comendo calmamente.

- Olha só, uma Ponyta! – Exclamou a menina.

- É uma gracinha... Ei! Jewel! O que está fazendo?!

Jewel não se conteve e correu até o pasto, pulando a cerca sem pestanejar, antes mesmo que Ethan pudesse impedi-la.

- Não entre ai! NÃO!

Alguém gritou vindo de trás dos dois, uma voz feminina. Ethan virou-se e se deparou com a mulher que tinha visto mais cedo montada na Rapidash. Ela exibia uma expressão preocupada no rosto, e o menino percebeu que era um mau sinal. Voltou-se para Jewel, também assustado.

A menina já estava próxima do pequeno cavalo, um sorriso estampado no rosto. E só então Ethan percebeu que no fundo do piquete estava uma enorme Rapidash, que mostrava uma postura ameaçadora. Aparentemente, Jewel ainda não tinha visto o outro Pokémon, nem escutado o aviso da mulher.

A fazendeira correu em direção ao pasto, gritando.

- Saia daí agora! Ela vai ficar furiosa!

Jewel finalmente viu a mulher gesticulando apavorada, e virou-se ao ouvir o grito do Pokémon de fogo. A Rapidash se aproximou galopando veloz, preparada para atacar. Ela ficou sem ação, parada com o susto, enquanto Ethan também gritava desesperado.

O Pokémon empinou. Jewel fechou os olhos, e ouviu um grito do amigo. Mas não sentiu impacto algum. Abriu os olhos novamente.

Hades investia contra o Pokémon, usando a roda de fogo. Conseguira afastar a Rapidash de Jewel, encurralando-a do outro lado do cercado. Ela bufava furiosa, tentando acertar um coice nele, porém sem sucesso.

- Jewel, corra para cá, AGORA!

Ouvindo o chamado do amigo, ela se levantou veloz e pulou a cerca. Nesse instante, a Rapidash acertou Hades com um coice, jogando-o para longe. E avançou feroz, pronta para pisoteá-lo.

- Hades volte!

Antes que ela o alcançasse, Jewel o chamou de volta à Pokébola, tirando o Pokémon do perigo.

- Valeu amigão... Eu estaria encrencada se não fosse por você...

- Sorte sua que o Hades estava fora da Pokébola! O que é que você estava pensando...! – Ethan falava nervoso, olhando preocupado para a amiga.

- O que é que você tinha na cabeça?! – A mulher alcançando os dois, gritando também nervosa – Entrar num piquete com um Ponyta bebê e sua mãe, queria morrer por acaso?!

A fazendeira vestia roupas rurais, calças jeans desbotadas e justas, apertadas na cintura com um cinto largo. Por cima, uma camisa vermelha xadrez de vários tons, e um chapéu de palha. Mantinha uma postura intimidadora, as mãos na cintura, respiração desregulada por ter corrido; provavelmente se assustara mais que os dois, mas tentava não deixar isso transparecer com uma expressão aborrecida.

- Ahn... M-me desculpa... – Falou a menina ainda ofegante.

- Sinceramente, você não tem noção de perigo? – Continuou ralhando a mulher.

- Ah, ela não tem mesmo. – Resmungou Ethan. – Nós sentimos muito, não sabíamos que era um bebê...

- Bom... Ah, tudo bem, pelo menos ninguém se machucou. – Ela suspirou. Não adiantaria nada discutir mais mesmo, o que fora feito já estava feito. – Vamos começar direito. Meu nome é Annie, e o de vocês?

- Ethan, muito prazer. – Respondeu o menino estendendo a mão. – Não tínhamos a intenção de causar problemas.

- Certo... Que bom que não aconteceu nada grave. – Annie voltou-se para a menina.

- Jewel! – Disse ela já recuperada do susto.

- É um prazer conhecê-la – Falou simpática. – De onde vocês são?

- New Bark... – Começou Ethan.

- A cidade mais chata do mundo – Jewel completou.

Annie riu.

- Vieram aqui conhecer a fazenda?

- Sim!

- Vocês são os segundos a chegarem aqui hoje...

- Annie, que gritaria foi aquela?

Um garoto saiu do estábulo, chamando pela mulher. Ao ver Jewel e Ethan, parou para observá-los, abrindo um sorriso debochado.

- Olha só quem encontramos aqui – falou ele afastando alguns fios vermelho do rosto.

- Reed!

“Por que tinha que encontrar tanto com aquele menino pedante?”

- Já se conhecem? – perguntou Annie confusa.

- Sim... De certa forma... – respondeu Ethan. Jewel mostrou a língua para o ruivo.

Annie olhou de um para o outro sentindo o clima pesado entre os jovens. Abriu a boca para dizer algo, mas parou ao ouvir um som de trovão ao longe.

Nuvens negras apareceram de repente, se aproximando rápido da fazenda, e cuspindo trovões ameaçadores. O céu antes nublado se tornara tempestuoso, e o dia quente provavelmente resultara na chuva que estava se formando.

- Isso não é bom...! Temos que colocar logo os Pokémons no estábulo! Vocês aí, podem me ajudar?

Ethan olhou para Jewel. Por enquanto era hora de uma trégua, precisavam recolher os Pokémons. Ela entendeu e confirmou com a cabeça.

- Certo, vamos lá.

- Então vocês três comecem por aquele lado – Ela apontou um dos pastos – Aqueles são mansos e já domesticados, não vão ter dificuldades.

Os quatro correram e trataram de colocar logo as Ponytas no celeiro. Annie ficou com os mais selvagens, que deram um pouco mais de trabalho. Jewel espantou um grupo enorme quando entrou correndo no pasto, e Ethan teve trabalho para reuni-los novamente. Reed, resmungando “amadores”, juntou rapidamente vários deles, e os levou para o local seguro sem muita dificuldade.

Ao terminar todos se reuniram no celeiro agora cheio, e respiraram aliviados. Foi só uma questão de tempo até a tempestade desabar. Trovões rugiam e faziam os Pokémons no lugar ficaram agitados e nervosos.

Uma enxurrada se formou na entrada da fazenda, praticamente bloqueando o caminho. Eles estavam presos no lugar, e a chuva não dava sinais de que acabaria tão cedo.

- Isso não é nada bom... – Disse Ethan observando as enormes gotas que caiam.

- Se quiserem, podem passar a noite aqui na fazenda. Considerem um agradecimento por terem me ajudado. – Annie ofereceu a eles.

- Não vai te incomodar?

- Claro que não.

- Parece que não temos muitas opções... Jewel? – Ethan olhou para a amiga.

- Vamos ficar. – Falou ela sorrindo. – Muito obrigada, Annie!

- Certo! Então com licença, eu vou até a casa arrumar um quarto para vocês...  – Ela se dirigiu até a porta do celeiro que ficava só a alguns metros da casa. – Fiquem à vontade.

Annie saiu correndo para passar tentar fugir da chuva e entrou na casa. Quando a moça não podia mais escutar os três jovens treinadores, Reed soltou um suspiro.

- Hunf, não acredito que vou ter que passar a noite no mesmo lugar que os dois.

Jewel voltou-se para ele furiosa.

- O que foi que disse?

- Calma Jewel, nem adianta discutir. – Ethan pôs a mão no ombro dela e olhou para o ruivo com a cara fechada – O que veio fazer aqui? Roubar outro Pokémon?

Havia veneno na voz dele.

- Há, muito engraçado. – Reed respondeu com o mesmo desdém. – Vim aqui estudar Pokémons. É o que um bom treinador deve fazer.

E dirigiu-se para Jewel, com um ar maldoso.

- E não vir aqui para brincar com os cavalinhos.

- Seu...

Novamente Ethan impediu a menina de saltar em cima do rival. Pediu para ela manter a calma e falou sensato:

- Vamos fazer o seguinte: sem provocações e brigas até o resto do dia. Annie está nos oferecendo a casa de bom grado, não vamos causar problemas para ela.

- Certo. – concordou a menina contrariada.

- Huh, certo. – Resmungou o ruivo.

Reed virou as costas para os dois e também correu para a casa. Foi a vez de Ethan suspirar.

- Esse cara me irrita.

- Você não é o único. – Jewel bufou, depois abriu um leve sorriso. – Vamos lá pra casa?

- Sim.

Os dois saíram disparados pela porta, e não levaram mais do que alguns passos para atingir a outra construção. Porém, quando chegaram ao local coberto, já estavam completamente molhados e gelados, tal era a força da chuva que despencava.

Tiraram os sapatos para entrar na casa, tremendo de frio. Reed estava na sala, igualmente molhado, e Annie lhe passava uma toalha.

- Ah, essa chuva! – exclamou ela quando os dois entraram. – Tomem, peguem uma toalha também. Tem um banheiro no andar de cima, Jewel pode tomar um banho primeiro, depois troquem essas roupas molhadas...

Os três a seguiram para o segundo andar, onde ela apontou um quarto para os meninos se acomodarem, enquanto levava Jewel até o banheiro.

Ethan entrou primeiro, colocando a mochila em cima de um dos beliches, e liberando Marill de sua Pokébola. O Pokémon se espreguiçou alegre, finalmente livre. Ethan então se sentou no chão de madeira, para não molhar a cama, e tratou de tentar secar o cabelo com a toalha que ganhara.

Reed entrou logo atrás dele, e colocando a mochila num canto, observou cada movimento do outro, com uma expressão indecifrável. Continuou assim olhando para ele, enquanto o menino terminava de secar o cabelo e brincava com Marill.

- O que foi? – Perguntou Ethan depois de certo tempo, incomodado com o olhar.

- Nada... – Ele permaneceu em pé. – Só estava pensando... Você parece ser inteligente e entender um pouco sobre Pokémons. Então por que está andando com aquela moleca?

Ethan olhou para ele irritado.

- Não é uma moleca, é minha amiga.

- Ah, me poupe. Ela é barulhenta, irritante e burrinha. Só deve dar trabalho. Você não devia desperdiçar seu tempo com um caso perdido desses.

Quando Reed pronunciou essa frase, Ethan levantou-se bruscamente e agarrou o menino pela gola da camisa molhada, pegando-o de surpresa. Ele era apenas um ano mais velho que o ruivo, mas a diferença de seus físicos era notável. O amigo de Jewel era mais alto e mais forte, enquanto Reed tinha o corpo meio magro, porte pequeno e até um pouco delicado. Mesmo assim o mais novo não se deixou intimidar.

- O que foi, vai me bater é? Só porque eu ofendi a sua amiguinha? – Falou maldoso.

Ethan contorceu o rosto numa expressão de raiva, mas não bateu no outro. No entanto, respirou fundo e bradou numa voz ofensiva.

- Ela não é irritante! É gentil, inocente e atenciosa! Pode ser meio atrapalhada, mas nunca desiste de nada, e está sempre lá quando você precisa de ajuda. Ela ama e cuida dos Pokémons, e é sincera com tudo e todos. É uma garota incrível! Agora você, uma escória dessas, não tem direito algum de falar qualquer coisa contra ela!

Reed abriu a boca para responder, mas parou ao ouvir passos no corredor.

Jewel apareceu na porta, vestindo roupas secas, e exalando um odor agradável de sabonete. Tinha o cabelo castanho solto e molhado, e uma toalha jogada sobre ele, com a qual ela tentava enxugá-lo com uma das mãos.

- Ethaaan, o banheiro está livre... – Ela parou no meio da frase ao ver os dois. – Mas o que está acontecendo aqui?!

Ele largou Reed no mesmo instante, e este ajeitou a gola exibindo uma expressão aborrecida.

- Tsk. – resmungou o ruivo.

Sem mais uma palavra saiu do quarto e andou em direção ao banheiro, passando por Jewel sem olhar para ela. A menina o seguiu com o olhar até ele bater a porta. Depois se voltou para Ethan, que mirava o chão envergonhado.

- O que foi que aconteceu?

- Nada... – ele se recusava a encará-la. – Até onde você ouviu?

- Hã? Não ouvi nada, só vi você segurando ele...

Ele suspirou. Ainda bem que Jewel era meio desatenta... Não sabia por que se alterara tanto com aquilo... Costumava ser calmo, mas simplesmente explodira... Pelo menos ela não tinha escutado nada. Sentiu-se um pouco mais aliviado, então tornou a se sentar no chão.

- Não foi nada, ele só estava sendo idiota – Falou simplesmente.

Ela abafou um risinho.

- O que é? – Perguntou ele confuso.

- Quem é que disse: “sem provocações e brigas até o resto do dia”?

Ethan soltou um resmungo como resposta, que poderia significar várias coisas, mas ficou claro que ele estava envergonhado de tomar sermão da menina. Jewel continuou rindo, e foi ao lado dele.

- Vem, vou te mostrar uma coisa.

- Hã?

- Só vem comigo, eu encontrei uma coisa legal.

Ela o arrastou para fora do quarto, levando-o pelo corredor até outra pequena escada que dava para o sótão. Subiu rápido, puxando-o pela camiseta, animada. E ele foi atrás, confuso.

Ao chegar lá em cima, entendeu a empolgação da menina. Num canto meio empoeirado, estava um piano escuro, aparentemente antigo, mas bem conservado. Ela apontava para ele sorridente.

- Tcharam! – Falou mostrando o instrumento. O menino riu.

- Como teve tempo pra achar isso?

Foi a vez dela rir.

- Eu saí do banho e vi essa escada, aí subi rapidinho pra espiar o que era. Quando vi que tinha um piano, corri de volta pro quarto pra te chamar.

- Sempre hiperativa... – Ele comentou consigo mesmo.

- Toca uma música, por favooor? – Pediu a menina com os olhos brilhando.

- Certo... Mas só uma. – ele sentou-se no banquinho do piano, ainda rindo. – Qual você quer?

- A música do guardião!

“Já imaginava...” Ele riu consigo mesmo e abriu o piano.

Desde pequeno Ethan já sabia tocar, e sempre que a amiga ia a sua casa ele lhe mostrava as músicas novas que aprendera. A garota adorava ouvir especialmente certa música, que ela sempre pedia para ele tocar.

Experimentou as teclas um pouco amareladas do piano com os dedos experientes. Estava meio desafinado, mas ainda assim tinha um som agradável. Provavelmente não o usavam há um bom tempo.

A música foi fluindo naturalmente, tal era a prática do jovem depois de tocá-la tantas vezes. Passada a introdução, Jewel respirou fundo e cantou baixo:

“Consegue me ouvir? Canto essa canção apenas para você. Por centenas, centenas de anos, grito desesperado. Consegue me ouvir? O som do sino inspira minha alma, libera a luz e ora por uma resposta. Ó alma de prata, se escutasse por um segundo meu pranto, será que conseguiria penetrar no coração de ouro? E se um simples suspiro pudesse acabar com todo sofrimento, viria até mim, nem que fosse por egoísmo próprio? Por que não responde? Desespero-me, e afundo mais ainda nessa corrente profunda”.

Quando a garota terminou, ele ainda tocou mais algumas notas, e então parou também.

- A Oração do Guardião dos Mares. – Falou baixo. Isso lhe trazia boas lembranças. Imagens dele mais jovem, na sala de sua casa com Jewel sentada ao lado na banqueta do piano passaram por sua mente.

- Sim... – Respondeu Jewel. Não conseguia explicar o quando adorava aquela música.

- Você canta mal – Disse ele rindo.

- Não enche.

Ethan fechou o piano, soltando um espirro. Precisava tomar um banho logo, estava gelado.

- Ah, toca mais uma... – Pediu ela fazendo beicinho.

- Nem vem, eu disse que era só uma. Além disso, se você cantar de novo, é capaz de eu ficar surdo. – Brincou o mais velho.

- Hunf, idiota!

Ele olhou para a amiga emburrada e não pôde deixar de sorrir.


Não quer ver anúncios?

Com uma contribuição de R$29,90 você deixa de ver anúncios no Nyah e em seu sucessor, o +Fiction, durante 1 ano!

Seu apoio é fundamental. Torne-se um herói!


Notas finais do capítulo

Desde que comecei a história já havia pensado nessa cena do Ethan tocando piano e a Jewel cantando *-* Agora finalmente escrevi! x3 Espero que tenham gostado ^^

Ah pessoal, estou escrevendo outra fic sobre Pokémon, chamada PokéPoesias! 8D Se tiverem tempo, deem uma olhada:
http://fanfiction.nyah.com.br/historia/93828/PokePoesias



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Pokémon Alma de Prata" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.