Minha jornada... escrita por eduarda14


Capítulo 3
Sociologia + filosofia = amor


Notas iniciais do capítulo

Opa! Parece que vai rolar uma paixão aqui... A frase deste capítulo é uma dica...
Frase do capítulo: “Quando a energia de alguém vibra em sintonia com a sua, saiba que você tem um aliado de valor. E que ambos têm coisas a realizar.” (Ionaz)




       Florianópolis... Nós gostamos muito. As praias... Era realmente encantador. Comecei a refletir... 

—Será que o fato de um lugar ser melhor, ter mais oportunidades e tal, mudam as pessoas e também trazem felicidade? 

— Não. 

Ops, tinha falado muito alto. 

— Mas todo mundo fala que dependendo do estilo de vida, ou de uma casa boa, carro... É que a vida se torna mais agradável. Tipo, o Pablo, ele foi para os Estados Unidos para viver melhor. 

— Esse povo que têm essas ilusões, não passam de ilusões. Por que está perguntando isso? 

— Nada não. 

Eu e minha mãe sempre tivemos essas reflexões. Hoje eu resolvi ir com ela para a escola onde trabalhava, é a segunda semana de trabalho. Minha mãe dava aula de filosofia pra faculdade e essas coisas...  

— Boa noite Gessy. 

Minha mãe deixou os papéis caírem. 

— Desculpa, te assustei? É que eu tenho que te entregar estes papéis, quer dizer, estes aqui. Ah não, é esta pasta. São algumas provas que me mandaram te entregar. 

— Ah tá, obrigada. Vou ter que corrigi-las logo. 

Os dois se olhavam de uma maneira, que resolvi interromper. 

— Boa noite, eu sou Malu, a filha dela. E você? 

— Como sou mal educado. Eu sou David, professor de sociologia. Sou colega de trabalho de sua mãe.  

— Legal, gosto de sociologia. Minha mãe também... 

— Que bom que gostam dessa matéria. Beleza senhoritas, já vou. 

 

É impressão minha, ou rolou um clima aqui - Gostei deste professor mãe. E você? 

— O quê? Ah, sim, ele é bem simpático. 

— Será que ele é casado?  

Minha mãe estranhou a pergunta - Como? Por que quer saber isso?  

— Não me olha com essa cara, só foi curiosidade. 

Olha, até que ele combina com minha mãe. Seria ótimo. Uma mãe professora de filosofia, e um padrasto sociólogo. Que massa! Minhas matérias preferidas, logo atrás de biologia é claro. Sem dizer que ele é bem legal, educado, bonito... 

                                 

                                 ... 

 

Em casa 

 

— Mãe, o que a senhora acha de eu fazer Ecologia? 

— Faculdade de ecologia?  

— Exatamente. 

— Nossa. Sim. Legal. Amei. Você que adora a natureza... Coisas relacionadas ao meio ambiente. Muito bom! Ótimo! 

— Tá mãe. Tá! Entendi.  

Nossa, ela tá muito estranha.  

— Mãe, você tá bem? 

— Estou. 

— Hum. Tá legal - eu vou descobrir, conheço ela, e tem algo errado. Ela estava corrigindo umas provas. Fiquei chocada com provas tão malfeitas, parece que os alunos não dão importância para o que estão fazendo...  

— Nossa. Que texto horrendo. A maioria dos alunos não gostam de sociologia. E olha que é a segunda semana... 

— Mãe? Sociologia? 

— Sociologia o quê? 

— Você disse sociologia. 

— Quer dizer, filosofia. 

Hum. Eu olhei com uma cara desconfiada. Será que é por causa do David?  

— Por que está olhando assim? 

Mas é inocente, nem tem ideia dos meus pensamentos maliciosos... 

— A paixão é linda. É linda!! Vou para o meu quarto. 

— O que há com essa garota. 

Será que depois de tanto tempo, minha mãe estaria apaixonada outra vez? Tomara que sim. Que ela não fique como eu. O povo pensa que eu sou uma assexual. Essa é boa...Não sou não. Mesmo que nunca tenha gostado de alguém desta maneira.  

Na verdade sim, porém era um amor não recíproco. Ele se chamava Fernando (O garoto mais metido da classe). Mas eu era uma aluada, ninguém me notava. Nem amigos eu tinha. Era só eu e meus pensamentos. Depois que eu fui conhecer a Júlia, o Pablo e a Sara. Mas o que importa é que finalmente minha mãe tá gostando de alguém, tomara que dê certo. E que ela não fique com um cara que possa fazê- la sofrer. De verdade, eu quebraria a cara dele, mesmo que seja uma cara bonita. Minha mãe sempre mandou eu tomar cuidado com essas paixões, mas ela nunca precisou se preocupar tanto comigo. Eu preciso saber se minha mãe está gostando ou não deste cara! Já sei como... 

                              ... 

       Estávamos jantando. Computador estava sobre a mesa (minha mãe tem essa mania, enquanto os planos de aulas não estiverem organizados e as avaliações corrigidas, ela não para um segundo).   

        Eu tinha feito a nossa refeição. Preparei tudinho. E ficou saboroso nem acreditei. 

—Mãe, faz mal sabia? 

— O quê? 

— Quando comemos fazendo uma outra coisa, acabamos ingerindo menos, mastigando incorretamente, e isso pode gerar distúrbios alimentares e... 

— Aff! Eu sei, eu sei. Mas tem reunião amanhã e eu preciso das notas. 

— Mãe, eu estou gostando de um carinha, deste mesmo bairro e... 

— O quê? Sabe o histórico dele? A família? Ele estuda? Tem quantos anos? Ele trabalha? É solteiro? Tem algum filho?  

— Nossa! Só falta perguntar se ele fez o teste do HIV! 

— Eu já ia perguntar! Tem que ter cuidado minha filha! Vocês se encontraram quantas vezes?? E os preservativos? 

— Mãe! Está me constrangendo! A gente se conheceu ontem. 

— Eu quero saber Malu! Sou sua mãe, preciso saber de exatamente tudinho. 

— Ummm sei... Eu só vou te responder todas essas perguntas se você me responder uma única pergunta. 

— Pois pergunte oras. 

— Você gosta do David? 

— O quê?? De onde tirou isso menina? 

— Responde. Não sei se sim ou se não, só sei que ela estava nervosa. 

— Gosto, não tenho motivos para desgostar dele, ele não me fez nada  de ma... 

— Você entendeu o que eu quis dizer! Não vem com essa historinha. 

— Sim. Quer dizer, só como um colega de trabalho. 

— Mãe. Você não está sendo sincera. 

— Falando em sinceridade, você disse que ia começar essa faculdade que dia mesmo? 

Nossa, nesta hora eu ri demais. Ela gostava sim, dava para ver no seu olhar e no nervosismo. 

— Primeiro, sinceridade não tem nada haver com faculdade, e segundo, nós estamos falando sobre outra coisa. Sobre você e seu "colega de trabalho". Gosta sim ou não? 

— Quer saber por quê? 

— Porque sou sua filha e preciso saber de exatamente tudinho! 

— Está bem... Tá tão na cara assim? 

Eba! Sabia! E eu sinto que ele também gosta dela... 

— Tem uma frase que é assim "Quando a energia de alguém vibra em sintonia com a sua, saiba que você tem um aliado de valor. E que ambos têm coisas a realizar em conjunto", é de um tal de Ionaz, eu achei linda e decorei ela. Não é linda? 

— Mas eu não tenho certeza, ainda estou confusa. 

— Felicidade é dividir seus medos e suas incertezas, acabei de inventar. Você vai descobrir o que realmente sente e quando descobrir se entregue ao seu grande amor... 

— Mas não está esquecendo de nada? 

— Ah tá. O garoto que estou gostando... É só mentira, para fazer você me contar a verdade. 

— Não acredito você me assustou Malu! 

— "Preservativos" ai, ai, como a senhora é engraçada... 

— Isso não tem graça, é algo sério.  

 - Tá, já sei, já sei. 

É... Minha mãe está amando... Deve ser interessante... Ser feliz é encontrar alguém especial... 



Notas finais do capítulo

: )



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Minha jornada..." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.