Proposito escrita por Erika Bass ebla


Capítulo 1
Mal-estar


Notas iniciais do capítulo

Olá meu nome é Erika Bla!




“Seu eu quiser faltar esse maldito emprego, eu falto, não tem como eles me demitirem mesmo, ate porque ainda estou muito doente e fraco.” Pensa Justin ao acorda.

Justin levanta da cama ainda sonolento, pega seu celular e desliga o alarme, vai para a cozinha preparar o café da manhã para si e seus dois irmãos.

— Bom dia, Justin — diz as crianças ao chegarem na cozinha, já arrumadas para ir a escola.

— Bom dia pra vocês é claro — diz como se não fosse viver mais nenhum dia da sua vida, mas não iria falar do assunto na frente das crianças, não queria preocupa-las.

— Você parece ótimo — encoraja Jazzy sorrindo para Justin.

— Ah, obrigado! Você é muito fofa — diz indo ate sua pequena irmã e depositou um beijo em seu rosto, colocou panquecas no prato de Jazzy e Jaxon — a proposito, comam logo, vou levar vocês para a escola — diz voltando para o fogão e preparar mais panquecas.

— Justin, tem nutella? — questiona Jaxon atacando sua panqueca.

— Sim, vou pegar — foi ate a geladeira e abriu as duas portas, pegou um ponte grande de nutella, abriu o pote ao fecha a porta da geladeira, foi ate o irmão e passou nutella em sua panqueca.

— Também quero, Justin — diz Jazzy toda animada.

— É claro — sorriu ao passar nuttela na panqueca de Jazzy.

Justin pegou seu prato e colocou uma panqueca, colocou em cima da mesa.

— Vocês querem suco de laranja? — questionou pegando uma jarra de suco de laranja.

— Eu quero! — diz Jazzy.

— Já eu quero café, por favor — diz Jaxon levantando o garfo.

— Ok — pegou dois copos de vidro e uma xícara de porcelana, colocou sobre a mesa, despejou suco nos dois copos e café na xícara — pronto, cuidem logo, se não vão chegar atrasados.

— É verdade, tenho uma apresentação no primeiro tempo, preciso chegar cedo, — diz Jazzy comendo apresada — cuida logo, Jaxon.

— Eu não, — sorri — não tenho nada com que me preocupar — tomando um gole de seu café com calma.

— Relaxa, Jazzy — diz Justin mastigando sua panqueca — assim você se engasga e vai para no hospital.

— Tudo bem! — disse comendo mais devagar — eu estudo mais no carro.

— Garotas — diz Jaxon levando uma garfada de panqueca ate a boca, fazendo Justin solta um sorriso fraco.

©©©

Justin não precisava levar seus irmãos para escola, mas fazia questão de leva-los nesse últimos dias, desde que recebeu a noticia do médico sobre o seus descuido durante um sexo com uma garota de programa. Ele estava com Aids.

Ele queria passar o máximo de tempo com as pessoas que ele amava, como seus pais, irmãos e uma garota que ele gostava, mas nunca consegui nada com ela que sempre o desprezava.

— Justin você esta com febre — diz Jazzy pegando na testa de Justin.

— Não é nada, Jazzy — Justin tenta sorri e tosse um pouco.

— E gripado — diz Jaxon — você pegou um resfriado da onde? Nem é inverno — diz olhando para o irmão com uma carinha confusa.

— Tudo bem, chegamos — disse estacionando o carro na garagem da escola — estão com dinheiro ai?

— Sim — diz Jazzy sorrindo ao beijar a bochecha do irmão mais velho.

— Não, eu gastei tudo com chocolate — diz Jaxon sorrindo sem graça, estendendo a mão para pegar o dinheiro que Justin estava lhe dando.

— Você em, tem que para com esse vicio de chocolate meu irmãozinho — diz serio, mas logo sorri enquanto bagunça os fios loiros do cabelo de Jaxon — vou deixar vocês lá dentro, preciso falar com a Jennifer.

Justin e as crianças saem do carro e seguem ate o portão principal.

— Bom dia, seu James — Justin e as crianças cumprimentam o porteiro.

— Bom dia, crianças — sorri bagunçando os cabelos dos menores que forram correndo para suas salas — veio deixar as crianças de novo, Sr. Bieber.

— Sim, vim colocar essas criaturinhas para estudar — sorri, coloca a mão na boca ao tossi um pouco.

Justin entrou logo, pois não queria dar satisfação para o porteiro sobre a sua tosse. Entrou na sala dos professores e avistou a professora Jennifer que era mais velha que ele poucos anos, Justin com 21 anos e ela com 26, ele sorriu ao vê-la sentada sobre a mesa escrevendo algo em seu caderno.

— Bom dia, Jennifer! — disse sorrindo ao sentar na cadeira ao lado da loira.

— Bom? Acabou de fica ruim — diz irritada ao escrever algo no caderno — você poderia deixar meu dia bom e sair daqui, não acha?

— Eu vim aqui, porque eu só queria te ver — disse tossindo.

— Que nojo, você quer me deixar resfriada? — disse guardando suas coisas na bolsa e saiu da sala seguido por Justin.

— É só uma tosse, você não vai pegar — disse enquanto andava do lado de Jennifer pelo corredor — aproposito, vamos sair, um jantar quem sabe?! — disse.

— Você sempre me convida pra jantar, e o que eu sempre digo? Não — diz andando irritada — que tal desistir, você não faz meu tipo.

— Então quer almoçar comigo? — sorriu como se aquilo fosse uma brilhando ideia, Jennifer para de frente a Justin seria.

— Eu estou no meu local de trabalho, e se não se importa eu tenho que da aula, e você poderia parar de me persegui e seguir os últimos dia da sua vidinha patética.

— E se eu durar mais que você, nunca se sabe, tem gente que consegue da a volta por cima e vence a doença — disse meio irritado, com mal-estar, se encosta na parede para se recompor, respirou fundo e consegui setar em uma cadeira que estava por perto.

— Pelo visto, eu acho que não — disse seria — acho bom você se tratar em vez de ficar aqui me enchendo o saco.

—Não é minha intenção, eu gosto muito de você, você não consegue ver? — disse de cabeça baixa.

— E você não consegue ver que não faz meu tipo? — disse ao entra na sua sala e sumir de vista.

— Ela ainda vai ser minha! — disse já melhor.

©©©

Justin volta para casa e fica assistindo seriando do Naruto na televisão.

— O que aconteceu com o trabalho? — Questionou Jeremy ao entra pela porta da frente da casa.

— Não me sentir bem hoje, pai — diz fazendo careta.

— Você tem que fazer tratamento filho — diz Jeremy deitando ao lado do filho no sofá-cama— precisa se reerguer.

— Porque isso foi acontece logo comigo, pai? — questiona Justin triste — eu sempre tomo cuidado e dessa vez eu estava tão bêbado que nem me preocupei com nada, foi maldade daquela garota, ela é uma revoltada, faz questão de passar para os limpos, isso não é justo comigo — diz irritado.

— Esta com febre? — questionou o pai preocupado.

— Já passou, por enquanto — disse soando o nariz.

— Vem, vamos preparar o almoço, só assim pra te animar — disse puxando o filho para a cozinha.



Notas finais do capítulo

O que acharam desse primeiro capitulo?
Continuo?
Ou paro?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Proposito" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.