Inalcançável escrita por Blue Smile


Capítulo 1
Inalcançável


Notas iniciais do capítulo

Espero que gostem.
One-shot



Inalcançável

As noites de inverno sempre foram frias em Hogwarts, e aquela noite não fora uma exceção. Grande parte dos alunos apreciavam ficar em suas quentes e confortáveis Salas Comunais, junto aos amigos.

Porém, haviam aqueles que escolhiam passar sozinhos.

Não que eles fossem antissociais, apenas apreciavam sozinhos os momentos e sentimentos que essas noites lhes proporcionavam.

E Rose Weasley era uma dessas pessoas. E Rose Weasley amava ser uma dessas pessoas.

E fora por esse motivo que se encontrava na Torre de Astronomia, observando a neve cair com um semblante pensativo, e o mais importante, sozinha.

Suspirando, se inclinou no parapeito da janela, tentando inutilmente sentir os flocos de neve, frustrada, se sentou ao chão recostando-se na parede. Desde criança fora assim, não gostava apenas de observar as coisas, tinha que toca-las, senti-las.

Seus pais sempre a repreendiam por isso, mas com o passar do tempo pararam, percebendo que aquilo não era birra de uma garotinha mimada, mas sim parte de quem ela era.

Só tinha uma coisa, ou melhor alguém, que Rose não podia sentir.

E esse alguém era seu primo, James Sirius Potter.

Ela podia toca-lo, mas não podia senti-lo.

Para Rose, James era inalcançável. E percebeu isso tarde demais.

Por que não podia reverter o sentimento que crescera dentro de si. Se tivesse percebido antes, talvez, apenas talvez, não tivesse se apaixonado. Se apaixonado por seus olhos castanhos, seu sorriso, seus negros cabelos revoltos e pela sua personalidade sempre alegre.

“Realmente, estou ferrada...” Pensou enquanto enterrava a cabeça entre os joelhos, e deixava um grunhido de irritação escapar entre os lábios.

— Ruiva?

Surpresa, levantou a cabeça, vendo parado na entrada da torre, James Potter.

— James? Oque faz aqui? —perguntou se levantando, indo de encontro a ele.

O Potter a observou, e prendeu seu olhar nos olhos azuis turquesas da prima.

— Estava preocupado, não devia estar sozinha— respondeu, passando as mãos nos cabelos em um claro gesto de nervosismo.

Rose teve que abafar um suspiro, queria ela estar passando as mãos ali.

— Gosto de estar sozinha — retrucou, voltando a se sentar aonde estava anteriormente.

James se aproximou de onde estava e se sentou ao seu lado.

Ficaram em silêncio no que pareceu ser alguns minutos.

— Porque ainda está aqui? — A Weasley não se controlou — Digo, você poderia estar com seus amigos, se divertindo e confortável.

Ás vezes não faz mal mudar a rotina, Ruiva— explicou, dando um pequeno sorrido no final.

Rose acabou por sorrir também, esse era um dos vários efeitos do Potter sobre ela.

— Você fica linda sorrindo — a garota se viu corando e desviando o olhar — E mais ainda corada.

Enterrando a cabeça entre os joelhos, sussurrou um pare, fazendo o garoto gargalhar.

— Okay, eu paro, mas o que digo é verdade— disse sorrindo, adorava quando a prima corava.

Rose levantou a cabeça, ainda corada, e deu um soco no braço dele, que voltou a rir.

Em um ato inesperado, James a abraçou, fazendo a garota ofegar com o ato repentino.

— Oque...? — Não terminou a frase, prevendo que o primo entenderia a pergunta.

— Apenas aproveite Rose, apenas aproveite... —sussurrou ele em seu ouvido, fazendo-a se arrepiar.

E Rose aproveitou.

Por que naquele momento, James não parecia tão inalcançável.

❄❄❄

Rose Weasley passou a manhã toda refletindo sobre os acontecimentos da noite passada, e da atitude estranha de James. Se lembrava de ser abraçada por ele, e ficarem assim por horas, em silêncio, e também de ter adormecido e acordado em sua cama.

De tanto refletir chegou a conclusão deque James estava passando por algum momento delicado, pois no dia seguinte agia como se nada tivesse acontecido.

Irritada subiu a escada da Torre de Astronomia, parando abruptamente quando chegou a sala.

Parado, debruçado na janela, estava James.

Rose hesitou em entrar, pretendia ficar sozinha como gostava, contudo, as palavras do garoto vieram em sua mente.

Ás vezes não faz mal mudar a rotina.

Ela sempre ficada sozinha, mas James quebrou a sua rotina ficando com ela a noite passada. Então se ele estava ali novamente quer dizer que gostou da companhia dela, presumiu Rose.

— Observando a neve? — indagou ela, se aproximando.

James se virou, lhe lançando um sorriso.

— Estava te esperando — respondeu, encarando o chão.

A ruiva corou, mas lançou um sorriso tímido em resposta.

Os dois se sentaram no chão, recostados na parede e James não tardou em passar os braços sobre os ombros da garota.

Rose se aconchegou mais, se perguntava o que levara o primo a fazer isso, mas percebeu que não queria saber o motivo, apenas queria aproveitar esses raros momentos.

“Talvez, só talvez, ele goste de mim do mesmo jeito que gosto dele” Rose se viu pensando, mas tratou de afastar esses pensamentos. Afinal, era um absurdo. James era muito livre, independente para se deixar prender a alguém dessa forma.

— Absurdo...— sussurrou Rose, que logo se deu conta que falara algo que não devia.

— O que é um absurdo, Ruiva? — perguntou ele, se soltando do abraço.

— Nada, nada é um absurdo— respondeu rapidamente.

Pelo olhar que ele lhe deu, ela percebeu que não acreditara.

— Sério! Não é nada, apenas pensei alto! — exclamou, corando.

— Se não é nada, então tenho certeza que não se importaria de compartilhar esse pensamento.

Rose ficou estática, poderia mentir para o primo ou não responder. Porém, era péssima mentirosa e o Potter sempre sabia quando ela mentia, e não queria ignorar o primo, poderia chateá-lo.

— E-Eu... Eu— gaguejou, olhando nervosamente pela sala, buscando uma saída.

— Você...— incentivou o moreno.

Respirando fundo, confessou.

— Eu... Te acho inalcançável. — fechou os olhos logo em seguida, não querendo ver a reação do garoto.

Quando não ouviu nada vindo dele, abriu os olhos.

James a encarava, com a expressão ilegível.

— Olha, desculpa... — começou a menina, se arrependendo de ter dito a verdade.

— Rose, eu não sou inalcançável, não para você — começou ele, a encarando nos olhos. — Sei o que sente por mim, você é péssima em esconder seus sentimentos.

Rose queria fugir. Como assim ele sabia de seus sentimentos por ele? E por que ele dissera que não era inalcançável?

— Você veio aqui apenas para esfregar meus sentimentos na minha cara e me zoar? Porque se for pode ir embora. —Pronunciou ela, sentindo os olhos arderem, e o rosto esquentar.

James arregalou os olhos.

— Não! Não! O que eu quero dizer é que até pouco tempo atrás, antes de descobrir seus sentimentos, eu também pensava que você era inalcançável. Mas agora vejo que não é, e estou disposto a lhe mostrar que também não sou. — Declarou, aproximando seu rosto do da ruiva.

Aquilo só poderia ser um sonho, Rose tinha quase certeza, mas se fosse não queria acordar de maneira nenhuma.

— E eu estou disposta a receber sua ajuda. —Com isso, levou os lábios de encontro aos do primo.

Rose não sabia explicar o beijo.

James não sabia explicar o beijo.

E eles não queriam explicações, por que, para eles os melhores beijos era os inexplicáveis, onde apenas sentiam, não pensavam.



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado;
— Rose Jackson